Cidadeverde.com

Senac e Assistência Social de Altos realizam cursos gratuitos para 100 alunos

A Prefeitura de Altos, através da Secretaria Municipal de Assistência Social e Cidadania, em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial no Piauí (Senac) concluiu neste mês de dezembro mais três cursos de Formação Inicial Continuada (FIC). As atividades são disponibilizadas por meio do Programa “Acessuas Trabalho”, do Ministério do Desenvolvimento Social.

De acordo Fátima Barreto, Secretária de Assistência Social de Altos, cinco turmas foram formadas durante o ano, atendendo cerca de 100 alunos.

“Foram ofertados cursos de bombons e trufas, automaquiagem, delícias natalinas, cortes masculinos e designe de barba. A iniciativa faz parte de um conjunto de ações de articulação e mobilização de pessoas em situação de vulnerabilidade e/ou risco social para acesso a oportunidades e, consequentemente, aceitas ao mercado de trabalho”, ressalta a secretária.

Josicleide Delfino, coordenadora de um dos cursos, informou que parte dos beneficiários contemplados é assistida pelo Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos da secretaria de assistência social do município.

“Algumas áreas foram destinadas para jovens que moram em território de risco, em decorrência do uso ou tráfico de drogas. Inclusive, uma das turmas do curso de barbeiro foi ofertada para pessoas da Fazenda da Esperança, que é uma comunidade terapêutica de recuperação de dependentes químicos”, explica a coordenadora.

A culminância dos trabalhos - com festa de confraternização e entrega de certificados - ocorrerá em no início de Janeiro/2018 na Secretaria de Assistência Social, localizada no centro de Altos.

Fonte: Ascom

Acusado de estupro em São Paulo é preso no interior do Piauí

Um lavrador foragido do estado de São Paulo foi preso no município de Altos, interior do Piauí. Francisco José Ferreira da Silva é acusado de estuprar uma adolescente de 13 anos de idade em 2015. De acordo com a Polícia Civil, após o crime o investigado veio se esconder no Piauí. No momento da prisão, ele estava em casa com a esposa e a filha que ficaram bastante abaladas. 

O delegado Jarbas Lima, titular do 14º Distrito Policial, explica que o acusado mantinha relação sexual com o consentimento da adolescente. Contudo, a garota era menor de idade, o que caracteriza estupro. 

"É preciso reforçar que mesmo a adolescente consentindo o ato sexual, a lei prevê que é crime manter relação sexual com menor de 14 anos", alerta o delegado. 

Francisco José Ferreira será transferido para o sistema penitenciário do Piauí. Atualmente, ele trabalhava como borracheiro no posto de combutíveis na BR-343. 

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Presos serram grades e fogem da Delegacia de Altos


Foto: Polícia Civil do Piauí

Três presos serraram as grades e fugiram da Delegacia de Altos, a 42 quilômetros de Teresina. De acordo com o delegado Jarbas Lima, a unidade estava com quatro detentos na cela, mas um deles se recusou a fugir e continua preso na unidade. 

 A fuga ocorreu na madrugada desta terça-feira (28). O delegado informou ao Cidadeverde.com que a polícia está em diligência para recapturar os presos.

Os policiais só perceberam que os presos não estavam mais na cela logo pela manhã. 

Os presos que fugiram foram identificados como Francisco Hércules Barreto de Sousa, Pedro Sabino do Nascimento e Aliomar da Silva Melo. 

No momento da fuga, havia apenas um plantonista na delegacia. 

Drogas 

Nesta terça, uma mulher foi presa com 302 pedras de crack em Altos. A droga foi avaliada em R$ 3 mil. Com ela também foi encontrada uma quantidade de maconha. De acordo com o delegado Jarbas Lima, a mulher tem uma relação com um adolescente, que foi apreendido e será transferido para o Complexo do Menor Infrator em Teresina.  O flagrante ocorreu na residência do casal, no bairro Santo Inês, por volta das 10 horas. 

 

Carlienne Carpaso
carliene@cidadeverde.com 

Polícia descobre fábrica clandestina de armas em Altos; um é preso

  • 06a25ad0-6d12-4d36-a374-333175725903.jpg Polícia Civil do Piauí
  • c426ef54-a02e-454c-be10-f0ebd91d98f6.jpg Polícia Civil do Piauí
  • 1f17d23c-188c-4998-b729-7717974933c6.jpg Polícia Civil do Piauí
  • 4962698e-f0c2-4e38-b738-d88ce87a65b9.jpg Polícia Civil do Piauí
  • 40b65ecd-563e-4a3a-8bec-8602fd999200.jpg Polícia Civil do Piauí
  • 184713ed-ea75-44b8-97cb-8cf527bd51f2.jpg Polícia Civil do Piauí
  • 67d7d73a-9e01-48f5-a976-a8c3a74db989.jpg Polícia Civil do Piauí
  • ff9f2a2a-8293-4f00-86c0-b6e814c7c5e3.jpg Polícia Civil do Piauí

Um homem que mantinha uma fábrica de armas caseiras foi preso nesta sexta-feira (24) no município de Altos, a 42 km de Teresina. De acordo com o delegado Jarbas Lima, Antônio Francisco Santiago, 54 anos, foi preso em flagrante e autuado nos artigos 12 e 17 do Estatuto do Desarmamento, que dispõe sobre a posse irregular de arma de fogo de uso permitido e comércio ilegal e arma de fogo, respectivamente. Uma espingarda era vendida na média de R$ 500. 

“No local foram encontradas duas armas de fogo, sendo um rifle calibre 22, uma espingarda calibre 20, munições de calibre 38 e 44, um cartucho de espingarda, além de espoletas, canos e molas que seriam utilizadas para fabricar outras armas”, disse o delegado, destacando que o preso foi encaminhado para a delegacia do município. 
 
Na fábrica, o delegado também informou que foram apreendidos dois televisores (uma de 51 e outra de 40 polegadas).  A Polícia trabalha com a hipótese dos produtos serem objetos de furto e usados na troca por armas. 

Jarbas afirmou ainda que a investigação continua para identificar possíveis compradores das armas.

 

Carlienne Carpaso
carliene@cidadeverde.com 

Cerca de 20 presos fazem motim de Cadeia Pública de Altos

Matéria ampliada às 12h48

Na manhã em que foi registrado o primeiro motim na Cadeia Pública de Altos, um detento também foi assassinado. A informação foi confirmada pelo Sindicato dos Agentes Penitenciários (Sinpoljuspi). 

"A morte ocorreu no fim da manhã e ainda não sabemos se ele morreu por asfixia, espancamento ou com um espeto de ferro. Ainda não podemos confirmar se o assassinato tem alguma relação com o motim que foi controlado pelos agentes penintenciários por volta de 8h30", disse José Roberto, presidente do Sinpoljuspi. 

Segundo ele, o motim ( que durou cerca de 2 horas) ocorreu após a transferência de 20 detentos da penitenciária Irmão Guido para a Cadeia Pública de Altos na última terça-feira (07). 

Os presos envolvidos no motim estavam em celas da triagem. Já o detento assassinado se encontrava no pavilhão B.

A Cadeia Pública de Altos foi inaugurada em 2015 e hoje registrou o primeiro motim e morte de detento dentro do presídio. Apesar de recém-inaugurado, o local já está superlotado, o que contribui significativamente para distúrbios entre os presos, de acordo com o Sinpoljuspi.

"Os presídios de Altos e São Raimundo Nonato eram considerados modelos e não tinham incidentes. Contudo isso mudou com a superlotação e a tendência é que a situação se agrave", alerta José Roberto. 

Matéria postada às 10h17

Um motim no setor de triagem na Cadeia Pública de Altos ocorreu na manhã desta quinta-feira(09). Cerca de 20 presos teriam se armado de ferros, onde tentavam abrir os cadeados das celas e ainda jogavam pedras nos agentes que tentavam se aproximar. 

Os agentes utilizaram armas com balas de borracha para tentar conter os presos. Eles relataram que o setor ficou todo quebrado. 

De acordo com a Secretaria de Justiça, o motim começou por volta das 7h15 e foi controlado cerca de uma hora depois com ajuda dos agentes e policiais militares. 

"A ação rápida dos agentes ajudou a controlar a situação com agilidade", frisa o tenente-coronel Adriano de Lucena, diretor de Administração Penitenciária da Secretaria de Justiça.

Atualmente o presídio contém cerca de 280 presos e nove agentes por plantão. A capacidade é de 156 detentos. 

Uma vistoria geral está sendo realizada no presídio.

 

Caroline Oliveira e Graciane Sousa
redacao@cidadeverde.com

Presidente da CPI de maus-tratos infantil visita garoto encontrado em cela de presídio

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos maus-tratos às crianças, senador Magno Malta (PR-ES), veio ao Piauí acompanhar a conclusão do inquérito policial que investigou o caso de um menino de 13 anos, encontrado dentro da penitenciária Major César Oliveira, na cidade de Altos, a 40 km da Capital. O parlamentar declarou que o caso deve ser tomado como um ato pedagógico para que não venha a ser repetido. 

"Precisamos tomar esse caso como um ato pedagógico para que não se repita, tendo em vista que as autoridades já se articularam para esclarecer e dar resposta a sociedade. Estou satisfeito com a maneira que está sendo tratado o caso pela Polícia Civil, Ministério Público e Secretaria de Justiça", disse o senador. 

O parlamentar visitou o presídio acompanhado do delegado Jarbas Limas, titular do 14º Distrito Policial, que enviou o inquérito policial ao Ministério Público na semana passada. Na penitenciária, o senador conversou com detentos, defendeu prisão aos suspeitos de crimes contra crianças e postou um vídeo dentro da cela onde ocorreu o flagrante. 

"Todos nós amamos crianças e não queremos crianças abusadas, violentadas. Quem violenta criança tem que ficar preso separado, pois nem o pior preso aceita abuso de crianças. 

Magno Malta também foi ao abrigo onde estão morando o adolescente e mais três irmãos de oito, dez e 15 anos de idade por decisão judicial.  "Saio alegre com o que presenciei. Fiquei impressionado como as crianças estão sendo tratadas e conduzidas psicologicamente. Estive com elas um tempão. Todos conversaram, riram. Foi uma conversa sem danos, sem vitimização. As crianças estão muito bem", declarou. 

O senador requereu o inquérito policial que será apresentado ao relator da CPI, o senador José Medeiros (PSD-MT). 

 

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Três são indiciados no caso do garoto achado em cela; penas podem passar de 20 anos

Três pessoas foram indiciadas no caso do garoto de 13 anos encontrado em uma cela da Colônia Agrícola Major César Oliveira, presídio que abriga detentos do regime semiaberto no Piauí. Somada as penas do pai Gilmar Francisco Gomes, da mãe Sebastiana Rodrigues Gomes e do detento José Ribamar Pereira Lima ultrapassam 20 anos. 

O inquérito foi protolocado no Fórum Desembargador Odorico Rosa nesta segunda-feira (30), pelo delegado Jarbas Lima, titular do 14º DP. A partir de agora, caso será analisado pelo Ministério Público que deve denunciar os indiciados a Justiça. 

Ao todo foram ouvidas quase 20 testemunhas. O inquérito policial tem mais de 280 páginas. 

A Polícia Civil concluiu que tanto o garoto de 13 anos, que foi encontrado embaixo da cama do detento, como os três irmãos dele não sofreram violência sexual. Contudo, foi comprovado que as crianças já haviam dormido na penitenciária outras vezes quando o pai estava preso. 

"Recebemos o laudo definitivo que confirmou que não houve estupro. Ouvimos várias pessoas para concluir o inquérito. Conselheiros tutelares de várias cidades também participaram. O pai e a mãe foram indiciados por quatro crimes e o detento por três", disse Jarbas Lima. 

Delegado Jarbas Lima

O pai e a mãe do garoto foram indiciados por abandono de incapaz majorado; permitir alguém menor de 18 anos sujeito a seu poder ou confiado à sua guarda ou vigilância, frequente casa de jogo um mal-afamada ou conviva com pessoa viciosa ou de má vida; submeter criança ou adolescente sob sua autoridade, guarda ou vigilância a vexame ou a constrangimento e dispor a vida ou saúde de outrem. 

Já José de Ribamar pelos crimes de abandono de incapaz; submeter criança ou adolescente sob sua autoridade; guarda ou vigilância a vexame ou a constrangimento e dispor a vida ou saúde de outrem. 

No inquérito, o delegado considera ainda que o garoto foi obrigado a ficar na penitenciária e que poderia ter sido molestado sexualmente, uma vez que, o adolescente ficou em uma cela com um suspeito de estupro. 

"José de Ribamar já respondia a processo por crime de abuso sexual a menores. O garoto ficou sozinho na cela com esse detento, ou seja, em um ambiente propício para o crime", ressalta o delegado.

O pai do garoto permanece preso e o detento foi transferido de unidade prisional. O delegado havia representado pela prisão preventiva da mãe, mas a Justiça negou. O adolescente e os irmãos continuam em um abrigo. 

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Teto de delegacia desaba e destrói motos apreendidas pela polícia

Atualizada às 11h45

Parte do teto do 14º Distrito Policial, situado em Altos, desabou após uma ventania neste domingo (22). Por pouco, o agente de plantão não ficou ferido. Contudo, o desabamento atingiu pelo menos quatro motocicletas que estavam no pátio da delegacia. 

Pelas imagens é possível perceber que o telhado foi totalmente ao chão. O desabamento ocorreu na cozinha da delegacia e destruiu também alguns móveis. Felizmente, o incidente ocorreu durante o fim de semana e não trouxe consequências mais graves. Na delegacia há três presos.

A estrutura do prédio é antiga e estava passando por reformas. 

O titular do 14º DP,  Jarbas Lima, informou que acionou a perícia e a Secretaria de Segurança Pública do Estado do Piauí. Segundo o delegado, o incidente não vai prejudicar o funcionamento. 

A perícia vai apontar as causas do desabamento e recomendar ou não a interdição do prédio. 

A Secretaria de Segurança reforçou que o atendimento não suspenso, já que o desabamento aconteceu em um anexo do prédio e que pode até ser desativado. Técnicos devem ser enviados ao local nesta segunda-feira(23), para analisar a estrutura. 

Veja nota na íntegra:

A Secretaria de Segurança Pública informa que, no que diz respeito ao teto da delegacia de Altos que desabou, se trata apenas de uma área anexa ao 14 DP, não utilizada e seu desabamento não implicará em qualquer prejuízo ao atendimento da população e andamento dos trabalhos. Uma ventania foi responsável pela queda do telhado. A SSP-PI está enviando hoje uma equipe ao local para avaliar se a área anexa em questão será definitivamente desativada ou será reconstruída.

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Casa de Detenção de Altos recebe viatura e munições

A Secretaria de Justiça do Piauí (Sejus) entregou, nesta terça-feira (17), mais uma viatura ao sistema prisional do Estado, totalizando cinco do total de dez viaturas que serão entregues até o final deste ano. A unidade prisional beneficiada foi a Casa de Detenção Provisória Capitão Carlos José Gomes de Assis, em Altos, que também recebeu coletes balísticos e munições para os agentes penitenciários.

A viatura entregue foi adquirida pela Secretaria de Justiça com recursos do Fundo Penitenciário Nacional, cujo a quantia de R$ 1,7 milhão foi destinada à compra de dez viaturas. Somente neste ano, a Sejus já adquiriu 21 veículos para o transporte de presos.

“É uma viatura moderna e apropriada para o sistema e que, também, vai oferecer mais conforto e segurança ao agente penitenciário, nas suas demandas diárias”, comenta o tenente Igor Moreira, gerente adjunto da Casa de Detenção de Altos.

Além da viatura, equipada com sistema de câmeras e que pode transportar até 10 presos, foram entregues, pela Secretaria de Justiça, 10 coletes balísticos e, ainda 500 munições de elastômero (balas de borracha).

“Estamos garantindo mais modernidade e condições de trabalho para os servidores. Vamos em frente, na construção de um sistema penitenciário mais moderno”, declara o secretário de Justiça, Daniel Oliveira.

O deputado estadual, Dr. Hélio Oliveira também esteve presente na solenidade e ressaltou que, em pouco o tempo, o Piauí abrirá mais vagas no sistema prisional. “É uma grande alegria todas as vezes que a gente pode suprir o sistema com essas demandas. O Estado está trabalhando fortemente para abrir, até 2018, quase 1.000 novas vagas. Será muito importante, pois um dos grandes gargalos do Brasil e do Piauí é a superlotação”, observa.
 
Até 2018, o sistema prisional do Piauí deverá ser contemplado com as novas vagas da Penitenciária Regional de Campo Maior, construção de novos pavilhões na Casa de Custódia e, ainda, a conclusão da Cadeia Pública de Altos.

Fonte: Ascom

Ministra veio ao Piauí acompanhar caso de garoto achado em cela

A ministra de Direitos Humanos, Luislinda Valois, veio ao Piauí acompanhar o caso do garoto de 13 anos encontrado na cela de uma unidade prisional. O pai do adolescente foi preso e tanto o adolescente como os irmãos (que têm 7 e 8 anos de idade) encaminhados para o abrigo. Uma audiência marcada para a próxima semana vai definir com quem ficará a guarda dos irmãos. 

"O interesse dela era verificar como aconteceu, entender a dinâmica dos acontecimentos, como um adolescente entrou e permaneceu no local, sem que o Estado possa ter percebido. Ela ouviu todos os relatos e naturalmente vai fazer seu juízo de valor", explica Paulo Rubens, promotor de Justiça.

O flagrante ocorreu na Colônia Agrícola Penal Major Cesar Oliveira, no fim do mês de setembro, e teve repercussão nacional. O adolescente foi deixado na cela da unidade prisional com um detento que cumpria pena por estupro. O pai do garoto (que foi preso dias após o flagrante) já foi processado pelo mesmo crime. 

A audiência para definir a guarda dos irmãos está marcada para o próximo dia 27. A juíza da Vara da Infância e Juventude, Maria Luiza, explica que está sendo realizado um levantamento para verificar qual seria a melhor possibilidade para o adolescente e as duas crianças. 

"A minha equipe está investigando, visitando a escola das crianças, ouvindo vizinhos e parentes para saber se na verdade essas crianças têm condições de serem reinseridas na família, permanecer com a família biológica ou família extensa, ou seja, parentes com quem essas crianças mantêm relação de afeto e afinidade", disse a juíza.

Já o representante do Ministério Público frisa que a Polícia Civil vai finalizar o inquérito nos próximos dias. 

"Estamos apontando todas  as linhas investigativas para que o fato possa ser plenamente esclarecido. O delegado ouviu mais testemunhas, houve prova pericial, coletou muitos documentos. O Estado fez tudo o que era possível na investigação através do 14º DP", disse o representante do Ministério Público. 

CEM


A ministra também visitou o Centro Educacional Masculino (CEM), onde grupo visitou os adolescentes internos. A Ministra conversou com muitos deles e doou livros para distribuição. Luislinda Valois expressou preocupação com as condições do sistema socioeducacional em todo Brasil. 

Ela estava acompanhada pela promotora de Justiça Francisca Lourenço, que atua nos processos relativos a atos infracionais atribuídos a crianças e adolescentes e representantes da Secretaria de Estado da Assistência Social e da Cidadania (SASC), que gerencia a unidade.

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Posts anteriores