Cidadeverde.com

Bombeiros resgatam cadela com cabeça presa em cano

Cachorra ficou com a cabeça presa no cano que dá acesso ao hidrômetro da casa em Assis (Foto: Corpo de Bombeiros / Divulgação)

Os bombeiros fizeram um resgate inusitado no sábado (18) em Assis (SP). Uma cachorra ficou com a cabeça presa em um cano que dá acesso ao hidrômetro de uma casa na Vila Ribeiro.

A equipe foi acionada pelos próprios moradores e donos da cachorra que chama Ludi. Os bombeiros tiveram que quebrar o muro e depois cortar o cano, que estava preso no pescoço, para retirar o animal.

A cachorra foi devolvida aos donos sem nenhum ferimento.

Bombeiros tiveram que cortar o cano que ficou preso no pescoço da cachorra em Assis (Foto: Corpo de Bombeiros / Assis)

Ludi foi devolvida sem ferimentos para os donos (Foto: Corpo de Bombeiros / Divulgação )

 

Fonte: G1

Cerca de 10 mil animais devem ser vacinados neste sábado (18)

Cerca de 10 mil animais devem ser vacinados contra a Raiva nas zonas rurais Sul e Sudeste de Teresina, neste sábado (18). Ao todo, 400 profissionais entre veterinários,agentes de endemias e comunitários percorrerão as duas regiões. Esta é a última etapa da vacinação antirrábica em Teresina. 

“Devido à distância entre as localidades, a logística da vacinação antirrábica na zona Rural é diferente da zona Urbana. Enquanto a etapa urbana trabalha com o estabelecimento de postos fixos, a rural é realizada por meio do deslocamento das equipes, que visitam as residências de cada localidade para a imunização dos animais”, explica Oriana Bezerra, gerente de Zoonoses da FMS. 

O último caso de raiva em ser humano em Teresina foi em 1986. Já o último caso de raiva canina foi em 2011 em um cão proveniente do interior do Estado, cujo proprietário é residente de Teresina.


Locais visitados na zona Sul

- Cerâmica Cil
-Chapadinha
- Altamira
-Alegria


Locais visitados na zona Norte

-Boquinha

- Usina Santana

-Estaca Zero


Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Cavalo passa a noite em delegacia após dar coice em carro

Um cavalo foi 'preso' pela Polícia Militar na cidade de Nossa Senhora Aparecida (SE), após dar um coice em um veículo durante a realização de uma cavalgada no início na noite deste domingo (12). A informação foi confirmada pelo comandante do policiamento no município. 

Segundo o engenheiro civil e proprietário do animal, Wiliam Francisco dos Santos, ele estava com o cavalo quando outras pessoas pediram para passear com o animal. 

“Como sou conhecido de muitas pessoas, não vi problema em emprestar. Um rapaz saiu para dar uma volta e o cavalo se assustou e deu um coice, que atingiu o veículo de uma mulher da cidade de Ribeirópolis. Em seguida, um policial pegou o cavalo e o levou para a delegacia”.

Wiliam diz que se ofereceu para levar o animal, mas o policial se recusou e informou que ele só seria liberado no dia seguinte.

 “Quando eu cheguei na delegacia o cavalo estava em uma cela, como se fosse um marginal. Ele estava sem comida, sem água e em um espaço onde não podia se mexer. A noite eu levei comida, mas pela manhã não me deixaram alimentá-lo”, desabafou.

“Não existe nenhum procedimento contra mim, mas prenderam o meu cavalo. Estou registrando um Boletim de Ocorrência e vou entrar na Justiça. Precisei pedir ajuda para uma ONG de proteção aos animais para tentar soltá-lo. O que só aconteceu na tarde desta segunda-feira (13). Ele foi liberado, mas está mancando de tanto ficar sem se mexer”, denuncia.

A representante da ONG Educação Legislação Animal (Elan), Nazaré Morais, registrou um Boletim de Ocorrência referente aos maus tratos em virtude do cavalo ter ficado em um local inadequado.

Sobre os danos causados pelo coice do cavalo no veículo, William informou que nesta terça-feira (14) vai comparecer à delegacia no município de Ribeirópolis, onde a dona do carro reside para acertar o pagamento dos danos.

O capitão da Polícia Militar, Vagno Passos, comandante do policiamento no município, disse que o animal passou a noite na delegacia porque o dono se recusou a admitir a responsabilidade e culpou a motorista por ter estacionado na área da festa.

 “O cavalo deu um coice na porta de um veículo, sendo utilizado como meio para cometer o crime de dano. E foi conduzido à delegacia para que fosse realizado o procedimento”, disse.

O capitão negou que o animal sofreu maus tratos, mas admitiu que ele passou a noite na delegacia. 

“Ele ficou em uma área de serviço, recebeu água, alimento e não foi maltratado. Não ficou na área externa por questões de segurança, pois poderia ser roubado. Somente depois o proprietário do animal assinou um termo de reponsabilidade sobre o dano e o cavalo, e o animal foi solto”, finalizou.

Fonte: G1
gracianesousa@cidadeverde.com 

Cão pula de varanda ao ser deixado no sol por tutora; outro morreu

O cachorro não aguentou o forte calor e pulou da varanda, que fica no terceiro andar de um prédio. (Foto: Reprodução / Vídeo / TV Jornal)

Em Jaboatão dos Guararapes, município de Pernambuco que faz parte da Região Metropolitana de Recife, um caso chocou os moradores de um condomínio que denunciaram os vizinhos por maus-tratos. O caso ocorreu na semana passada. Dois cachorros da raça Buldogue foram deixados presos na varanda de um dos apartamentos durante um dia de sol muito forte. O calor estava tão grande que um dos animais faleceu e o outro pulou do local, que fica no terceiro andar.

De acordo com com vizinhos- que usaram um tecido para fazer uma espécie de rede para receber o cão ao perceberam que ele estava se preparando para pular e também pediram socorro para o bichinho- os dois cachorros haviam passado horas expostos ao sol.

Apesar dos moradores do condomínio afirmarem que os pets já vinham sofrendo maus-tratos desde junho deste ano, o cachorro voltou para a tutora após receber alta da clínica veterinária onde estava recebendo cuidados médicos.

Por sua vez, a tutora dos cães informou que ficou apenas duas horas fora do apartamento e que voltou imediatamente quando recebeu uma ligação informando o acontecido.

Vizinhos seguraram o cão com um tecido e o animal recebeu os primeiros socorros no local. (Foto: Reprodução / Vídeo / TV Jornal)

 

A tutora disse ainda que está recebendo diversas ameaças através das redes sociais e por telefone e que prestou queixa na delegacia. De acordo com a mulher, o corpo do animal falecido vai passar por uma necropsia para atestar a real causa da morte.

Cerca de 19 boletins de ocorrência foram registrados contra a tutora dos cachorros e o condomínio pretende juntar esses documentos e acionar o Ministério Público de Pernambuco junto com os moradores denunciantes.


Fonte: Portaldog
gracianesousa@cidadeverde.com

Cão ganha crachá e vira "gerente" de posto de combustíveis

Pernambuco exibe seu novo crachá que o identifica como "funcionário" de uma rede de postos de Marília (Foto: Sérgio Pais/G1)

Os clientes de uma rede de postos combustíveis de Marília (SP) já se acostumaram com uma presença constante no momento do abastecimento de seus carros: além dos frentistas, Pernambuco está sempre lá, atento, todos os dias, aparentemente “fiscalizando” o atendimento. Porém, na verdade ele está à espera de um aceno, um afago ou mesmo uma coçada na cabeça.

Pernambuco, ou apenas “Buco” para os mais íntimos, é um típico cão sem raça definida que vive no posto e já é conhecido dos clientes.

Mas recentemente assumiu um novo patamar depois que ganhou um crachá da empresa com direito a nome e foto. Agora, os clientes fazem fotos ao lado de Buco e o simpático cãozinho começa a aparecer também nas redes sociais.

Roberta Torres, proprietária da rede, explica que Pernambuco apareceu há cerca de sete anos, quando perambulava pelas ruas próximas a uma das unidades da rede de postos, na região do aeroporto da cidade. Foi resgatado, tratado e adotado por funcionários.

A "patroa" Roberta Torres, dona do posto, diz que Buco é amado por todos: "Ele só traz alegria a todos nós" (Foto: Sérgio Pais/G1)

Roberta explica que funcionários e clientes são solidários no trato do Pernambuco, seja com a doação de ração, cuidados veterinários ou consultas e vacinas, que estão sempre em dia.

E ele tem muitos amigos. Um exemplo disso é que quando Pernambuco foi atacado por um cão de grande porte e precisou de uma cirurgia de alto custo,  funcionários e clientes “fizeram fila” para bancar o procedimento.

Duas casas

Pernambuco frequenta duas das unidades da rede de postos, distantes cerca de 500 metros uma da outra, e a rotina que mantém há anos. Logo pela manhã, ele deixa o posto localizado ao lado do aeroporto, onde gosta de dormir, e segue para a outra unidade onde passa o dia.

Ao chegar no segundo posto, o cão sobe uma escadaria e vai ao setor administrativo da rede. Como um típico “gerente”, passa de mesa em mesa e depois desce para o pátio onde ficam as bombas, seu local preferido. Lá, também costuma acompanhar o descarregamento dos caminhões de combustíveis.

O pátio onde ficam as bombas é o local preferido para Pernambuco passar o dia (Foto: Sérgio Pais/G1)

 

“Nem precisa de cartão de ponto, ele nunca perde o horário. Ele é especial e traz alegria para todos nós aqui”, diverte-se a empresária.

Roberta explica que Pernambuco merece o crachá que ganhou porque reconhece a rede de posto da qual é “funcionário”. Isso porque ele apareceu na unidade que fica ao lado do aeroporto e foi sozinho para a outra, onde passa o dia, sem que ninguém o levasse. No caminho há um outro posto, de uma outra rede, mas lá ele nunca parou.

A ligação de Buco com os clientes é tão próxima que alguns até dão carona ao cão em seu trajeto diário. Para isso, basta o motorista abrir a porta do carro que Pernambuco já entra – ele sabe que essa é a senha para uma carona.


Amigo fiel

Pernambuco tem muitos amigos e é querido por todos que frequentam os postos da rede, mas com um deles a relação é especial.

Sidnei Rodrigues da Luz, o Nei, tem 46 anos, 25 deles dedicado à função de frentista no posto onde Buco é o “gerente”. O cão é a principal companhia dele durante o horário de trabalho há sete anos.

O frentista Nei faz um afago no seu "gerente": "O Buco é o verdadeiro amigo fiel" (Foto: Sérgio Pais/G1)

“Ele é um bom gerente de pista, à noite ainda cuida do posto, todos aqui gostam dele. E tudo o que ele pede em troca é só o carinho que a gente dá. É um ótimo companheiro, um verdadeiro amigo fiel”, diz o frentista.

 

Fonte: G1

Modelo causa revolta ao tatuar gato de estimação

Fotos: Instagram

Uma modelo e musa fitness ucraniana está causando revolta nas redes sociais por compartilhar a imagem de seu gato de estimação no Instagram. O problema? A mascote de Elena Ivanickaya foi tatuado com o símbolo de um deus egípcio. Segundo o The Daily Mirror, a mulher escolheu o símbolo de Anúbis para a tattoo, feita no peitoral da mascote da raça sphynx.

Internautas acusam a modelo de maus-tratos. "Você deveria tatuar a sua testa com a inscrição. Pobre gato!", escreveu um usuário. Em resposta, a modelo publicou que a vida do gato é melhor que a dos seguidores. ''Pode ser o inferno para vocês, mas ele se sente bem. Ele não foi castrado e nunca será. Isso, sim, seria crueldade".

No Instagram, Elena defende que o animal não sentiu dor alguma no procedimento e revelou aos seus mais de 11 mil seguidores que o felino foi anestesiado durante a sessão. Segundo a jovem, a pele do gato Yasha só foi penetrada pela agulha “por um ou dois milímetros”. As explicações, no entanto, não foram o suficiente para acalmar os críticos da modelo, que agora está enfrentando acusações de crueldade animal.

Em uma publicação no Facebook, Anatoliy Loginov, o parceiro de Elena, defendeu a decisão do casal de tatuar a mascote, argumentando que o trabalho foi feito para “agradar a Deus”: “Quando, dois meses atrás, nós decidimos fazer a tatuagem no nosso gato, Yasha, nós vasculhamos a internet para encontrar mais informações sobre o procedimento. Nós queríamos saber se ele era perigoso. Nós descobrimos que, no mundo, milhares de gatos sphynx vivem bem com tatuagens. Nós perguntamos na nossa clínica veterinária se o procedimento seria ruim para o nosso gato e nós recebemos a resposta — que nós poderíamos fazer a tattoo sem preocupações“, escreveu o rapaz.

“Nós escolhemos o melhor estúdio de tatuagem de toda a Ucrânia e entramos em comum acordo com o nosso veterinário, uma mulher que também queria fazer o trabalho para agradar a Deus“, escreveu o rapaz na publicação. “Durante todo o procedimento, Yasha estava anestesiado e não sentiu nenhuma dor. Sob o efeito da mesma anestesia, várias pessoas castram seus animais, algo que enfurece Deus“. Anatoliy também disse que crueldade animal é algo comum no mundo, mas que fazer do gato do casal “único” não é algo que se aplica. 

O rapaz também pediu para que os críticos nas redes sociais focassem em  “problemas reais” e animais que passaram por violência de verdade. 

Após a repercussão internacional do caso, a própria Elena usou seu perfil no Instagram para defender a iniciativa do casal: “Yasha vive rodeado de amor e de carinho, não é castrado — algo que eu categoricamente não aceito! — tem gatinhos, é inteligente e vive uma vida feliz. 

A tatuagem foi feita na camada superior da pele e ele não sentiu nenhuma dor durante o procedimento. Ele retornou aos seus hábitos do dia a dia após a tatuagem“, escreveu a mulher em uma publicação na rede social.

 

Com informações Veja São Paulo

Feira de Adoção de Cães e Gatos acontecerá neste sábado (28)

Cães e gatos que vivem na Associação Piauiense de Proteção e Amor aos Animais (Apipa) poderão ganhar um lar. Neste sábado (28) ocorre uma feira no Parque Nova Potycabana, a partir das 16h. Os bichinhos  disponíveis para a adoção são adultos, castrados, vermifugados e vacinados.
 
Para adotar um bichinho, o interessado precisa apresentar cópias e originais dos documentos de identificação pessoal (RG e CPF), do comprovante de residência e uma foto 3x4. Além disso, responderá a um questionário e assinará o Termo de Adoção Responsável, que visa garantir a segurança e o bem-estar do animal em seu novo lar.
 
No ato da adoção de cães, o tutor deve levar coleira ou peitoral e guia. Já para os gatos será necessário caixa de transporte. 

Caso o adotante não leve, a entidade estará comercializando esses itens, que terão sua renda revertida para as ações desenvolvidas pela ONG.
 
“Além da parte da adoção, tanto a Apipa quanto a Semam, através do seu Núcleo de Educação Ambiental, estarão envolvidas fazendo um trabalho de sensibilização com entrega de materiais informativos sobre temas como adoção, cuidado e proteção aos animais, uma das questões que devem ser enfatizadas em momentos como esse”, pontua Olavo Braz, secretário municipal de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semam).

A realização da feira é amparada pelas leis municipais nº 4.218/2012 e nº 4.978/2017, que instituem a promoção de feiras de incentivo à adoção de animais domésticos, incluindo, entre outros pontos, ações educativas voltadas para os interessados em adoção.
 
 
Sobre a Apipa

 
A Associação Piauiense de Proteção e Amor aos Animais (Apipa) atua há quase 10 anos em defesa da causa animal, desenvolvendo um trabalho de resgate de animais submetidos a situações de maus tratos e abandonados nas ruas. Após o resgate, eles são acolhidos em um lar temporário, recebem o devido tratamento médico e, em seguida, são colocados para adoção.
 
A ONG, que se mantém através de doações, fica localizada na Rua Trinta e Oito, 1041, Loteamento Vila Uruguai, bairro Uruguai (próximo à Uninovafapi), e pode ser contatada pelo (86) 98846-8020.

As visitas ao abrigo estão disponíveis todos os dias, inclusive feriados, das 14 às 16 horas.


bicharada@cidadeverde.com

Cãozinho "assiste" aula na Ufpi e vira mascote de estudantes

  • f97841b8-82fa-4e2e-8249-19e2b7bf790f.jpg Instagram
  • dogufpi.jpg Instagram
  • 0ca9f6c4-80f8-42de-b9c9-15027af47d6d.jpg Instagram
  • 59a9756e-60bd-4899-ba9d-a133e38f8c34.jpg Instagram
  • 53c617f3-773c-475a-930c-facedf368228.jpg Instagram
  • b60544f4-3b86-440b-affd-e7e56cd1fcf0.jpg Instagram
  • 690b1187-e196-4e25-a8d9-70fbad98f64a.jpg Instagram
  • b3afc6f8-e19b-4f4e-8cb9-c96666fab8ad.jpg Instagram

Por Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Um vira-lata é o xodó entre acadêmicos dos mais variados cursos da Universidade Federal do Piauí (Ufpi), em Teresina. Pra se ter uma ideia, por cada setor que o doguinho frequenta é literalmente adotado pelos estudantes e batizado carinhosamente com um nome: Frederico, Rogério (a), Manguita, Lulinha, Roberto Carlos... e por aí vai. Além de compartilhar momentos com a turma, o cãozinho também "assiste" aula. 

A fama é tamanha que o cãozinho também está nas redes sociais como "Dogufpi". O perfil dele no Instagram é atualizado pelo estudante Francisco Antônio Filho, que cursa o 4º período de Filosofia. 

"A Ufpi tem muitos animais, mas ele é conhecido praticamente por toda a comunidade acadêmica desde a área de Ciências Humanas à Saúde. Em cada setor que passa recebe um nome. Nós da Filosofia o chamamos de Frederico. Entrei no curso em 2016 quando o conheci na minha calourada. Ele é muito inteligente e diferente dos outros animais...quando percebe que tem gente, vai pro meio", disse o universitário. 

O perfil do doguinho é atualizado com fotos enviadas pelos próprios estudantes. Há fotos dele na parada de ônibus, em colação de grau, na sala de aula e em eventos que acontecem na Ufpi como o Salipi e o Encontro Nacional Discurso, Identidade e Subjetividade (Endis). 

"Os estudantes encontram o Frederico, fazem fotos e mandam até as legendas. Costumo dizer que sou um mediador do amor dos estudantes com ele", disse Filho. 

Na imagens, o cãozinho aparece sempre à vontade e às vezes parece interagir com os estudantes. 

"Ele está praticamente em todas as calouradas e é sociável com toda a galera. Alguns professores deixam até ele entrar em sala de aula, pois é muito educado, parece que entende que se trata de um ambiente que não pode fazer barulho e fica caladinho", conta o estudante. 

Relatos curiosos dos estudantes com o Frederico, Rogério (a), Manguita, Lulinha, Roberto Carlos (ou como queiram chamar) são inúmeros. 

"Eu e minha turma estávamos de saída para o Encontro Nacional dos Estudantes de Filosofia  e resolvemos fazer uma selfie em frente ao ônibus. Quando toda a galera se reuniu, o Frederico chegou e foi uma alegria", relembra Francisco Filho. 

Apesar da fama, a história do cãozinho é semelhante a dezenas de outros cães e gatos abandonados no campus da universidade. Diante da situação, o estudante e um grupo de amigos avaliam fazer um movimento de conscientização sobre o abandono de animais, bem como o incentivo a castração. 

"Ele virou o nosso mascote e será o garoto propaganda de centenas de animais abandonados. A castração deles passou a ser uma preocupação e pretendemos fazer um movimento para incentivar a adoção de filhotes e animais que precisam de cuidados especiais e também castrá-los", destaca o universitário.

O Instagram do cachorrinho mais famoso da Ufpi tem apenas duas semanas, mas ele já contabiliza mais de 1.800 seguidores. 

Com mais de 3 mil assinaturas, petição pede transferência de ursa do Zoobotânico

Uma petição na internet com mais de 3.000 assinaturas está pedindo a transferência da Ursa Marsha para um santuário. Ela mora no Parque Zoobotânico de Teresina após ter sido resgatada de um circo na cidade de Manaus, Amazonas. A Confederação Brasileira de Defesa Animal (CONFAOS Brasil), que encabeça a petição, alega que o animal de origem canadense sofre com as altas temperaturas da capital, principalmente no período conhecido como B R O BRÓ, onde a sensação térmica passa de 40º entre os meses de setembro e dezembro.

"Já fechamos 3 mil assinaturas, já é um clamor popular. O zoológico de Teresina abriga uma ursa canadense, o que é uma crueldade numa temperatura entre 36º e 40º. É uma situação flagrante de crueldade só para a manutenção de uma bilheteria e que deseduca as pessoas aos tornarem frias em situações aflitivas", declarou Carolina Mourão, presidente da Confaos.

De acordo com ela, o IBAMA já foi acionado e o próximo passo é buscar a justiça e o Ministério da Defesa. “Já documentei e já acionei o Ibama, agora vamos ao Ministério da Defesa pra gente conseguir fazer toda a operação logística de terra e de ar. Vamos entrar também com um habeas corpus na justiça federal. Não vou nem passar pela justiça estadual para não ter problema de aparelhamento”, afirmou.

A ideia é levar a ursa para um santuário em São Paulo ou o zoológico de Pomerode em Santa Catarina. “Apesar de ser um zoológico que vai oferecer as mesmas coisas que ela tem em Teresina, a temperatura é mais amena. Sendo assim, seu sofrimento seria menor até a gente conseguir a transferência para fora do país. Ela tem que ser retirada de Teresina imediatamente”, defende Carla.

Ainda de acordo com a ambientalista, a ursa jamais deveria ter sido aceita em Teresina por conta do clima. “O zoológico cometeu o erro de aceitar esse animal como fonte de renda. Não deveria ter nem se oferecido como alternativa, pois o animal é incompatível com a capital do Piauí”, declarou.

O secretário de Meio Ambiente, Ziza Carvalho, negou que o animal sofra maus-tratos no Zoobotânico, no entanto, disse estar de acordo se a transferência ocorresse para um santuário. “Não existe maus-tratos. Esse recinto dos ursos é um dos mais novos instalados no Zoobotânico. Ele tem aspersores para diminuir a temperatura interna. Tem espaço verde, tem um lago dentro e fora da área externa do recinto. A alimentação é balanceada. Este urso passou mais de 20 anos num circo. Ele já veio estressado do circo”, afirmou o gestor.

Ziza disse ainda que o animal recebe tratamento padrão e se alimenta bem, e só discorda da campanha quando é colocada a possibilidade da ursa ir para outro zoológico. 

“Claro que não é um animal do nosso bioma, com certeza não é adaptado para viver aqui. Eu não tenho nada contra a campanha. Se for para levar para um santuário, onde seja melhor tratado, tudo bem. O que o zoobotânico faz é cuidar. É obrigação nossa ao receber um animal desses vindo de circo, o que é efetivamente o mau-trato. Nós temos é que fazer tudo por ele. Agora se for pra zoológico de outro estado eu não permito, já que não tem nenhum outro com as mesmas condições de recinto que a gente tem. Só se for para uma reserva ou santuário. Nosso zoológico atende perfeitamente as resoluções do Conama e Ibama” finalizou.

Com 26 anos, a ursa Marsha é da espécie parda e pesa 210 kg. 

Hérlon Moraes
herlonmoraes@cidadeverde.com

Cachorro faz xixi nas costas de rapaz e é adotado por ele

 

Depois do cãozinho que foi adotado após deitar no véu da noiva durante o casamento, um outro cachorro ganhou um lar depois de pregar uma peça no novo dono. Heinze Sánchez, de 27 anos, estava sentado na rua mexendo no celular quando, sem que ele percebesse, o animal se aproxima e faz xixi em suas costas. O vídeo, feito por uma câmera de segurança, caiu nas redes sociais e viralizou.

"Eu estava mexendo no celular. Ia responder uma mensagem e estava concentrado sentado no chão. Nem o vi chegar. Ele se aproximou devagar e eu só senti aquele negócio quente e tomei um susto. Quando olhei, vi que ele tinha feito xixi. Fiquei indignado com aquilo", falou Heinze rindo.

Com raiva, Heinze levanta e vai em direção ao cachorro, que corre assustado. Nas redes sociais, muita gente criticou o rapaz por chutar o animal.

"Muita gente me criticou por ter chutado ele. Mas não pegou não. Eu retraí a perna na hora. Foi uma reação do momento e não tive a intenção de machucá-lo. Ainda chegou outro cachorrinho perto e eu falei "viu o que o teu amigo fez comigo?",  contou.

O estudante de Educação Física descobriu que o vídeo estava na internet por coincidência, no último sábado.

"Estava no metrô indo à praia. Um rapaz que eu não conheço que me mostrou. Ele comentou assim "o cara foi mijado nas costas". Lembrei de mim na hora e pedi para ver. Ele me reconheceu por causa da tatuagem" falou.

Neste domingo, Heinze resolveu sair em busca do cachorro. Voltou à rua onde tudo aconteceu e perguntou aos moradores sobre o animal. Ao encontrá-lo, o estudante conta que o cão correu abanando o rabo.

"Eu fiquei com ele na cabeça porque tinha brigado com ele. Fui procurando pela vizinhança, perguntei se ele tinha dono. Quando o encontrei, chamei e ele veio abanando o rabo. Estava começando a chover. Fiquei brincando um tempo com ele e depois resolvi levá-lo para casa. Ele se aproximou de mim. É muito dócil, fica grudado, chora quando saio de casa. Faz algumas bagunças na casa do vizinho, mas é um bom cachorro", disse.

O animal recebeu o nome de Enzo Sánchez. Nas redes sociais, Heinze publicou diversas fotos do novo membro da família.

"Dei esse nome porque sempre falava que quando eu tivesse um filho, se chamaria Enzo. Agora está comigo, alimentado e limpinho" falou.

 

Com informações Extra
gracianesousa@cidadeverde.com

Posts anteriores