Cidadeverde.com

Microchips em cães e gatos: para que serve e quanto custa?

Por Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

O post de hoje é sobre um assunto pouco falado, mas curioso: microchips em animais de estimação. Afinal que procedimento é este e como funciona?  O Bicharada conversou com o médico veterinário, Selmar Moreira, que esclareceu as principais dúvidas sobre o tema. Pra começar, o especialista explica que os donos de pets devem entender para que serve o microchip. 

"Muitos donos de animais chegam a clínica para implantar o microchip pensando que ele é um localizador e que se perder o animal vai saber exatamente onde ele está. Mas o microchip não funciona assim. O dispositivo não dá a localização. Se o animal microchipado se perde e é levado a uma clínica que tem o leitor de microchip, conseguimos encontrar o dono pois com a leitura acessamos os dados do bichinho e assim sabemos quem é o seu dono", esclarece Selmar Moreira, especilialista em clínica médica e cirúrgica de pequenos animais.

Veterinário Selmar Moreira

O veterinário explica que o procedimento é praticamente indolor e feito em questão de segundos. Para implantar o microchip é utilizado uma agulha não muito maior do que a que se utiliza para uma vacina. O dispositivo é pouco maior que um grão de arroz e é implantado no tecido subcutâneo da região interescapular, ou seja, logo abaixo do pescoço. 

O minúsculo chip é envolto em uma cápsula de vidro. Cada dispositivo tem um número de identificação que é único. Cães, gatos e outros pets podem receber o microchip. 

Na Capital, a busca é maior por donos de pets que vão viajar para fora do Brasil. Nos países da União Europeia, por exemplo, a identificação por microchips é obrigatória. 

"O procedimento é seguro e não tem limite de idade nem inferior, nem superior. Também não tem contra-indicação. Para implantar é bem rápido. O tutor chega a clínica e explicamos como funciona. Em seguida, fazemos um cadastro e o dispositivo é colocado no pet", explica Moreira.

Os microchips ficam imperceptíveis ao tato, têm validade indeterminada e não precisam de manutenção. A única maneira de localizá-los é com um leitor de microchip, uma espécie de scanner que detecta onde se encontra o chip e envia um sinal para a leitura de seu número.

Microchip comparado a um grão de arroz

O Bicharada fez uma pesquisa em Teresina e encontrou preços que variam de R$ 130 a até R$ 195. Os micro dispositivos só devem ser implantados em clínicas veterinárias e por um especialista. 

 

Gato ganha festão de aniversário em Teresina e reúne 100 convidados

  • joaomaria3.jpg
  • 6af9906c-938a-4ec4-9948-44871df01464.jpg
  • joaomaria2.jpg
  • joaomaria.jpg
  • joamaria1.jpg
  • a0a238d0-5bd6-41f2-8c68-ecb1e359e6c5.jpg
  • 8973af99-cb30-48e1-a2de-19d6de8976ba.jpg

Um gato teve um festão de aniversário e reuniu cerca de 100 convidados em buffet em Teresina. O bichano batizado de João Maria teve direito a festa temática com decoração, bolo personalizado e até pipocas, um dos alimentos preferidos do gatinho. 

O gato é do casal de empresários Paulo Henrique Souza e Alex Correia que trabalham com eventos. Paulo contou ao blog que João Maria foi encontrado abandonado e que a comemoração do aniversário de um ano do gatinho teve o objetivo de conscientizar sobre o abandono de animais. 

"A gente quis conscientizar sobre a importância de cuidar dos seus animais e também daqueles que não têm donos. Graças a Deus, o João Maria vive bem... por isso escolhemos que os presentes serão doações para a Apipa e a Protetores de Patinhas", explica.

Paulo Henrique não quis revelar o custo do aniversário e de imediato rebate a possíveis críticas em relação a 'festa ostentação' para um gato.

"Algumas pessoas disseram que eu poderia ter pego o dinheiro e investido ou dado como doação. Mas a nossa intenção não era só fazer a festa e sim conscientizar as pessoas. Arrecadamos ração suficiente para dois meses, que em valores é bem maior do que poderíamos ter doado. Até agora só tenho recebido elogios ", disse o empresário. 

Em entrevista ao Bicharada, Paulo Henrique também não deixou de transparecer o amor que tem por João Maria. 

"O João Maria tem sido um ótimo amigo para mim e meu companheiro. Trabalhamos no segmento de eventos e temos um certo stress diário. Ele é um amor de animal: brinca, faz a gente rir e chorar. No momento, ele é o nosso alicerce", disse o empresário que resgatou o gatinho do lixo. 

Além de ração, João Maria recebeu como presentes material de limpeza que também foram doados. Já as coleiras e correntes ficaram para o aniversariante. 

O empresário diz ainda que a temática da festa foi inspirada no felino. 

"A comida da festa foi para os humanos, mas próximo ao bolo tinha o pratinho dele. Os ursinhos que colocamos na mesa são todos dele. Também teve pipoca que ele adora mastigar quando está assintindo filme com a gente", disse Paulo Henrique.

A festinha de João Maria também teve direito a convite personalizado para os convidados. 

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Fotos de secretária 'ferrando' gado vira pauta de discussão na Câmara

A vereadora Teresa Britto (PV) classificou como 'exibicionismo com o sofrimento alheio' as fotos postadas no Facebook da deputada estadual e secretária de Infraestrutura do Piauí, Jannaina Marques. Nas imagens, publicadas nesta semana, a parlamentar aparece marcando um bezerro com ferro quente.

 

"Eu fiquei horrorizada. As fotos revelam os maus tratos aos animais que ela pratica. Imagine o que não é mostrado. A atitude é muito arcaica. Se a prática é feita por alguém que não tanto esclarecimento, a gente não aceita, mas entende, de certa forma. Mas quem fez isso foi uma pessoa que está como secretária e deputada e a atitude é muito preocupante", disse a vereadora. 

 

 

Teresa Britto enfatiza que as fotos são chocantes e que vai levar a discussão para a Câmara de Vereadores. 

"Vou discutir o assunto na Câmara. Vamos fazer um estudo e um movimento para por fim a essa prática antiga e arcaica que é inaceitável. Vamos discutir o caso e levar alternativas de susbtitutição dessa prática", disse a vereadora.

No post no Facebook, internautas também criticaram a atitude da deputada que escreveu que "a ferra do gado sempre é dia de festa e encontro dos amigos'. O blog tentou contato com a Jannaina Marques, mas as ligações não foram atendidas. 

 Vale lembrar que existem várias técnicas de identificação de animais menos dolorosas como tatuagem, o brinco de plástico e a cápsula de microchip.

 

 

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Jacaré de quase 2 metros é capturado em área residencial de Teresina

Flagrante mostra o jacaré próximo a residências

 

Um jacaré de quase 2 metros de comprimento foi visto andando pelas ruas do bairro Mocambinho, na zona Norte de Teresina. Felizmente, o flagrante ocorreu durante o início da manhã quando não há muita gente na rua. 

O réptil foi encontrado por um policial militar que acionou o Batalhão Ambiental. 

"Um PM ia passando pelo local por volta das 5h30 e avistou o jacaré no meio da rua. Acreditamos que o animal tenha saído da Lagoa do Mocambinho e andou cerca de 200 metros pelo bairro", disse a capitã Liliane Bezerra, do Batalhão Ambiental. 

Fotos: Parque Estadual Zoobotânico

Jacaré após levado para o zoológico

O resgate do jacaré durou cerca de meia-hora. O animal foi levado ao Parque Estadual Zoobotânico.

"No período chuvoso é comum que jacarés saiam da lagoa, mas não é comum ver um tão grande. Foi um dos maiores que o Batalhão Ambiental apreendeu na área", finaliza a capitã. 

O flagrante ocorreu no início desta semana.

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Veterinário alerta para perigo das viroses no período chuvoso

Por Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

O período chuvoso é maravilhoso, principalmente, para quem mora no Piauí. Mas o tempo também é de se preocupar com nossos amigos de quatro patas. Com as chuvas, os cães ficam mais vulneráveis a viroses, principalmente animais filhotes e idosos. 

O Bicharada conversou com o médico veterinário Tadeu Probo, especialista em clínica cirúrgica de cães e gatos, que deu dicas preciosas para proteger os pets. A primeira delas é a vacinação. 

O veterinário explica que as viroses mais comuns nos bichinhos durante o período chuvoso são cinomose, parvovirose, leptospirose, parainfluenza e adenovirus, algumas delas, inclusive, podem ser fatais. 

Para prevenir estes males, o ideal é que o animal receba pelo menos três doses da vacina. Segundo Tadeu Probo, as vacinas mais indicadas contra viroses são as importadas, cujo preço em Teresina em média é R$ 100. 

"São três doses que devem ser administradas a cada 21 dias. Se o animal for muito a pet shop, viagens ou hoteis o ideal é que sejam quatro doses, pois nesses ambientes eles ficam mais vulneráveis", explica o veterinário. 

Foto: arquivo pessoal

Tadeu explica que as vacinas importadas têm maior eficácia frente às nacionais e por isso são recomendadas. 

"Existem três laboratórios que fabricam vacinas importadas contra viroses. Elas são mais caras, porém muito eficazes. Já as doses nacionais vendidas nos balcões de pet shops, por exemplo, custam de R$ 20 a R$ 30, mas não são comparadas as vacinas éticas feitas por veterinários, no qual o animal passa por uma consulta veterinária para saber se o animal está apto a ser vacinado", explica Probo que faz outras diferenças entre as vacinas nacionais x importadas. 

"As nacionais podem ser feitas por qualquer pessoa. Já as importadas são controladas e têm critérios como serem comercializadas somente em clínicas, além de só serem aplicadas por veterinários", esclarece o veterinário. 

Ele lembra que os idosos e filhotes de até cinco meses são os mais vulneráveis a viroses e recomenda também o uso de suplementos vitamínicos para fortalecer o sistema imunológico do animal, além de uma boa alimentação. E só para não esquecer, não deixe seu bichinho na chuva. 

Mãe e pet dão à luz no mesmo dia e bebês fazem ensaio juntos

  • filhotes01.jpg Teresa Raczynski
  • filhotes02.jpg Teresa Raczynski
  • filhotes03.jpg Teresa Raczynski
  • filhotes04.jpg Teresa Raczynski

Imagine a história: você está prestes a dar à luz e, além de você, sua cachorrinha (a super companheira da família!) também se prepara para parir filhotinhos. E então, no mesmo dia, as duas mamães ganham os seus pequenos! Tem como não ser um momento especial?

Pois isso aconteceu de verdade com uma mulher nos Estados Unidos, a Kami Klingbeil e sua cadela Delia. Foram apenas três horas de diferença entre o nascimento do filho de Kami, Brydon, e a chegada de nove filhotinhos Goldendoodles (esse é o nome popularmente dado a filhotes de Poodle e Golden Retrivier, mistura comum nos cães americanos) da pet.

O parto de Delia estava previsto para acontecer dois dias antes do de Kami, mas a cachorrinha acabou levando mais tempo de gestação e, para surpresa geral, acabou dando à luz no mesmo dia da dona! E o resultado dessa história fofa e inusitada foi um ensaio de fotos pra lá de especial, com o pequeno Brydon entre os “priminhos” de quatro patas, em cenas de derreter o coração!

As imagens foram capturadas com imensa sensibilidade pela fotógrafa Teresa Raczynski, da Park Avenue Photography. Os cliques acima foram retirados do site da autora. 

Em entrevistas, Kami Klingbeil revelou que ficaria com um cachorrinho, enquanto os outros seriam doados a outras famílias. Mesmo não continuando com todos, Brydon pelo visto já conquistou um melhor amigo, não é mesmo?

 

Fonte: Mildicasdemae
gracianesousa@cidadeverde.com

 

 

Cão farejador da PRF localiza 26,85 kg de maconha em Floriano

O cão farejador K9 Saymon ajudou os policiais da equipe do Grupo de Operações da Polícia Rodoviária Federal a apreenderem 26,85 kg de maconha, durante operação na cidade de Floriano, localizada a 247 km de Teresina. A apreensão ocorreu na noite desta sexta-feira (23) como parte dos trabalhos da Operação Sirius.

Os policiais abordaram um ônibus da empresa Rápido Marajó, linha Goiânia/GO-Parnaíba/PI em frente à UOP de Floriano-PI no Km 305 da BR 230. O cão K9 Saymon foi usado para vistoriar o bagageiro do veículo e localizou a droga em uma mala.

A proprietária da mala é uma mulher que não teve o nome divulgado. A polícia revelou que ela tem 27 anos e foi identificada pela etiqueta de bagagem. A suspeita estaria levando a droga de Brasília para a cidade de Parnaíba. 

Com a abertura da bagagem da passageira, os policiais identificaram 41 tabletes prensados, totalizando aproximadamente 26,85 Kg de maconha. A passageira deverá responder pelo crime de tráfico de drogas. A ocorrência encaminhada à Delegacia de Polícia Civil de Floriano.

Lídia Brito

redação@cidadeverde.com

Turistas vandalizam cadáver de baleia e geram revolta nas redes sociais

 Foto: Reprodução/Twitter(Rodrigo Saavedra - @rodrigo_sm)


Pela primeira vez nos último 50 anos, uma baleia azul foi avistada em Punta Delgada, no Estreito de Magalhães, entre o Chile e a Argentina. Infelizmente, o grande mamífero acabou morrendo e o cadáver foi parar na areia de uma praia.

A presença da carcaça atraiu a atenção de muitas pessoas. Uma dupla em especial virou notícia mais do que a baleia morta. As duas turistas subiram no animal morto para fotos e, com uma pedra pontiaguda, vandalizaram o seu corpo. Escreveram mensagens, entre elas "ANA TE AMO".

A atitude da mulheres, contou o "La Nación", gerou revolta nas redes sociais.

"Tão estúpidas, a cada dia ficamos piores. Como será que essas pessoas reagiriam se tivessem os seus corpos rabiscados? Elas não respeitam nada!", escreveu Xieman Hernández.

"Fiquei chocada com a situação de descontrole. Senti muita raiva, muita impotência", desabafou Gabriela Garrido, investigadora do Museu de História Natural Río Seco, acrescentando ter visto pessoas dando chutes no cadáver.

Especialistas acreditam que a baleia tenha morrido de inanição.

Foto: Reprodução/Twitter(Rodrigo Saavedra - @rodrigo_sm)

Fonte: Extra

Cadela reconhece túmulo da dona e emociona família em cemitério

FOTOS: Arquivo pessoal da família

A história de amor entre Belinha e sua dona, Telma Pereira, não tem fim. Na semana passada, o blog mostrou que o amor que uniu as duas em vida não acabou, apesar da morte de Telma: Belinha acompanhou todo o velório da dona e fez questão de ficar pertinho do caixão para dar o último adeus.

Ontem (14), no Sétimo Dia, a família fez questão de levá-la para o cemitério, em Nazária, a 30 quilômetros de Teresina. "Quando soltamos a coleira, ela foi direto para o túmulo da minha mãe, mesmo não tendo ido ao enterro. Ficou o tempo todo com a gente, mesmo que às vezes ficasse inquieta", conta o filho de Telma, Dionísio Neto.

Ao Bicharada, Dionísio diz que considerou o momento emocionante.

"Essa história, depois da matéria feita pelo Cidadeverde.com, circulou todo o país e isso é muito comovente. A mamãe, mesmo depois de morta, ensina que o amor vai além da morte", declara o filho.

Febre amarela não atinge cães e gatos

Crédito: reprodução

O surto de febre amarela registrado nas regiões central e sudeste do país ainda preocupa os brasileiros. Causada por um vírus, a doença é transmitida por mosquitos infectados e os principais hospedeiros são os macacos, o que tem gerado muitas dúvidas entre donos de pets quanto a possibilidade de transmissão também entre animais de estimação como cães e gatos.

A médica veterinária da Esalpet de Curitiba, Jueli Berger, esclarece que embora muito agressiva para os humanos, a febre amarela não atinge cães e gatos.

“Os proprietários podem ficar tranquilos, pois cães e os gatos não são hospedeiros da doença e não ficam doentes pelo vírus”, explica.

Comum nas Américas Central e do Sul, a febre amarela possui dois ciclos: o urbano e o silvestre, e, segundo Jueli Berger nenhum deles representa uma ameaça aos pets.

A veterinária destaca a importância de estar atento a outras doenças que realmente podem atingir os pets principalmente no verão, “É fundamental estar atento a doenças que podem levar os bichinhos a óbito,  como a dirofilariose transmitida pela picada do Aedes Aegypti; a leishmaniose, transmitida pela picada do mosquito palha, e as Erlichiose, Babesiose e Anaplasmose, transmitidas por carrapatos. Entre outras doenças virais como Cinomose, Parvovirose, Leptospirose que também merecem atenção nesta época”.

A profissional ainda lembra a importância de prestar atenção no comportamento dos animais e buscar orientação veterinária aos primeiros sinais incomuns.

“Sempre que notar seu pet fora da rotina habitual ou apresentando sintomas como vômito, diarreia, falta de apetite ou falta de disposição procure um veterinário. Além disso é interessante fazer consultas preventivas anualmente e manter a vacinação do animal em dia”, completa a veterinária.


Fonte: Correio Braziliense

Posts anteriores