Cidadeverde.com

Teresina pode ter primeira farmácia veterinária gratuita

Foto: Reprodução Internet

Um projeto de lei visa criar a Farmácia Veterinária Pública de Teresina (FVPT). A proposta é garantir o fornecimento gratuito de medicamentos veterinários e demais procedimentos indispensáveis para a saúde dos animais, incluindo também vacinações, remédios e castrações.

O autor do projeto de lei, vereador Luis André (PSL), destaca que a implantação do novo serviço será de grande relevância, principalmente para a população de baixa renda que possui animais de estimação, mas não tem como custear as despesas médicas veterinárias. 

O PL dispõe ainda sobre o atendimento gratuito a animais resgatados por ONG's registradas no município, que tenham entre suas finalidades estatutárias a proteção aos animais, bem como, pelos protetores independentes de animais, desde que devidamente cadastrados na Secretaria Municipal do Meio Ambiente.

"Acredito que facilitando o acesso gratuito à medicação, vacinas e aos procedimentos de tratamento veterinário mais pessoas vão adotar animais de rua, pois uma das maiores dificuldades que os adotantes e  protetores de animais enfrentam é exatamente o custeio dos tratamentos veterinários adequados aos animais debilitados que resgatam”, explica Luis André.

Na terça-feira (27), uma audiência pública na Câmara Municipal de Teresina discutirá o PL juntamente com representantes de associações de proteção aos animais, SDUs, Secretaria de Meio Ambiente, Centro de Zoonoses, OAB e Ministério Público.

A votação pelos vereadores deve ocorrer em abril.

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Dicas para viajar de carro com seu animal de estimação

O Bicharada continua na vibe #partiuferiado. Desta vez, vamos falar sobre a maneira adequada de viajar de carro com animais de estimação.Antes de pegar a estrada com o pet é importante ficar atento a dois pontos: conforto e segurança. 

Foto: Reprodução/ Internet

Caixas de transporte são uma das opções

Entre opções para levar o pet no carro estão as caixas de transporte. No mercado existem de variados preços, materiais e tamanhos. Na hora de escolher deve-se levar em consideração se o tamanho da caixa é  suficiente para que o animal fique em pé, sentado e possa se movimentar sem tanta dificuldade.

Outra dica prática, fácil de ser encontrada em pet shop e bem mais barata é o adaptador de cinto de segurança que é encaixado no veículo. Para garantir a segurança é só prender o adaptador na guia do animal.

Foto: Reprodução/ Internet

Adaptador de cinto de segurança custa em média R$ 20

Independentemente de caixas de transporte ou adaptadores de cinto de segurança, o recomendado é sempre levar o animal preso. Contudo nem tudo é permitido. O Código de Trânsito Brasileiro, por exemplo,  traz duas situações que são consideradas infrações de trânsito e geram multas. 

"O Código de Trânsito Brasileiro traz duas situações que tratam sobre o transporte de animais em veículos. O Art. 235 diz que é proibido conduzir pessoas, animais ou carga nas partes externas do veículo, salvo nos casos devidamente autorizados; Já o Art. 252 diz que transportar pessoas, animais ou volume à sua esquerda ou entre os braços e pernas é infração média", explica o policial rodoviário federal, Jonas Matas, coordenador do Núcleo de motociclismo da PRF-PI. 

Foto: Reprodução/ Internet

Além das dicas de segurança, os donos devem ficar atentos também ao relógio para garantir o conforto do pet. O ideal é evitar passeios  muito longos com cães e gatos no carro. Às vezes é inevitável... então, programe paradas de 15 minutos a cada 2 horas, para o cão poder dar uma voltinha ou o gato poder se recuperar do balanço do carro.

Agora que você já sabe o que é recomendado e o que não fazer durante as viagens com seu pet é só colocar as malas no carro e boa viagem. 


Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Vai viajar? saiba onde deixar seu pet em Teresina

Fotos: Reprodução Internet

Feriado é dia de curtir aquela folga da melhor maneira possível. Mas isso também pode ser motivo para se preocupar. Semana Santa está chegando... quem tem um bichinho de estimação, nem sempre pode levá-lo junto no passeio. Daí, vem aquela pergunta? onde deixar o pet? 

Em Teresina, algumas clínicas veterinárias também trabalham com hospedagem para pets. A opção é uma ótima ideia para quem vai viajar e não pode ou não quer levar o animal. Antes de fazer as malas é preciso saber algumas coisas: 

A primeira delas é estar atento ao cartão de vacinação do animal. O bichinho deve estar em dias com as vacinas contra virose, raiva e tosse dos canis. Os donos de pets devem também prestar atenção se eles estão vermifugados e protegidos contra pulgas e carrapatos. Os cuidados são importantes para garantir que o animal não adoeça ou mesmo acabe contagiando outros pets. 

Se tiver tudo certinho, o próximo passo é procurar um hotel para animais e se possível visitar o local antes. 

Sobre a estadia, as clínicas- que têm o serviço- ofertam hospedagens em canis individuais e há diária com ou sem ar-condicionado. Além disso, tem a hora da recreação quando os hóspedes de quatro patas são soltos para interagirem com outros pets. Os machos são separados das fêmeas e os de pequeno porte dos grandalhões. 

Ao deixar o animal, o dono pode optar por incluir a alimentação na bagagem do pet ou deixar isso também incluso na hospedagem. Na Capital, o custo mais baixo da diária está em torno de R$ 45. 

Fotos: Reprodução Internet

Então, se você tem um pet e não vai levá-lo na viagem, a dica é procurar logo um hotel para animais, pois a demanda aumenta bastante em feriados nacionais e você corre o risco de ficar sem um lugar para deixar o seu. 

Se não tem como hospedar seu pet em um hotel, a dica é deixá-lo em casa mesmo, mas sempre sob os cuidados de um adulto. Assim, todos ficarão bem e poderão aproveitar o feriado com tranquilidade. 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

 

Idoso é preso após matar cadela a tiros na zona Norte; vídeo mostra disparo

Foto: Divulgação/Polícia Civil 

Policiais do 22º Distrito Policial prenderam, nesta sexta-feira (9), Salvador Conrado Rodrigues, 65 anos. O idoso é suspeito de matar a tiros de espingarda uma cadela no bairro Santa Maria da Codipi, na zona Norte de Teresina. 

O delegado Tales Gomes, titular do 22º DP, informou ao Cidadeverde.com que Salvador Conrado matou a cadela porque ela estaria comendo os pintos de seu terreiro.

Um vídeo [veja abaixo] enviado à Polícia Civil mostra o momento do disparo. Após atirar no animal, da raça vira-lata, o idoso adentra sua casa com uma a espingarda na mão. 

“Ele abriu a boca da cachorra e efetuou os disparos. A gente recebeu um vídeo, entramos na casa dele e achamos a arma”, conta o delegado. A cadela foi morta no último domingo (4).

Salvador Conrado será autuado por posse irregular de arma de fogo e disparos em via pública. 

Izabella Pimentel
redacao@cidadeverde.com 

Cachorro é furtado dos braços de criança na zona Norte e família faz apelo

Câmeras registraram imagem do suspeito 

Até os cachorros viraram alvo da ação de bandidos em Teresina. Nessa terça-feira (6) o filhote Cal, da raça Yorkshire, foi furtado no bairro Mocambinho II, na zona Norte da capital. Um vídeo registrou a imagem do suspeito do crime.

Nas imagens um motoqueiro passa na rua e testemunhas relatam ser ele o homem que furtou o cachorro.

“Meu esposo saiu para pegar meu filho na escola e, no momento que ele abriu o portão, o cachorro saiu e ele não viu. Duas crianças vizinhas estavam na rua e seguraram o cachorro no colo para esperar o meu marido voltar. Nessa hora passou um homem de moto e tomou o Cal das crianças dizendo que uma tia dele era dona do animal”, relata Natália Coelho, tutora do filhote.

A cabelereira Natália Coelho faz um apelo para que o cachorrinho seja localizado o quanto antes. Ela conta ao Cidadeverde.com que seu filho, de seis anos de idade, está inconsolável e, desde ontem, “chora muito” pela perda do animal. 

“Meu filho está triste, não quer comer e entrou em desespero. Ele já chorou demais.  Hoje acordou melhor porque eu conversei muito com ele e  disse para não  se preocupar que a gente ia encontrar o Cal. Apesar de viver com a gente só há três meses, ele já é considerado parte da família”, lamenta Natália. 

O furto do Cal foi registrado na Polícia Civil e a família promete pagar uma recompensa para quem tiver notícias do filhote. 

Qualquer informação sobre o paradeiro do cachorrinho deve ser repassada aos telefones 98885-2567  e 99921-6667.

 

Izabella Pimentel 
redacao@cidadeverde.com

Microchips em cães e gatos: para que serve e quanto custa?

Por Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

O post de hoje é sobre um assunto pouco falado, mas curioso: microchips em animais de estimação. Afinal que procedimento é este e como funciona?  O Bicharada conversou com o médico veterinário, Selmar Moreira, que esclareceu as principais dúvidas sobre o tema. Pra começar, o especialista explica que os donos de pets devem entender para que serve o microchip. 

"Muitos donos de animais chegam a clínica para implantar o microchip pensando que ele é um localizador e que se perder o animal vai saber exatamente onde ele está. Mas o microchip não funciona assim. O dispositivo não dá a localização. Se o animal microchipado se perde e é levado a uma clínica que tem o leitor de microchip, conseguimos encontrar o dono pois com a leitura acessamos os dados do bichinho e assim sabemos quem é o seu dono", esclarece Selmar Moreira, especilialista em clínica médica e cirúrgica de pequenos animais.

Veterinário Selmar Moreira

O veterinário explica que o procedimento é praticamente indolor e feito em questão de segundos. Para implantar o microchip é utilizado uma agulha não muito maior do que a que se utiliza para uma vacina. O dispositivo é pouco maior que um grão de arroz e é implantado no tecido subcutâneo da região interescapular, ou seja, logo abaixo do pescoço. 

O minúsculo chip é envolto em uma cápsula de vidro. Cada dispositivo tem um número de identificação que é único. Cães, gatos e outros pets podem receber o microchip. 

Na Capital, a busca é maior por donos de pets que vão viajar para fora do Brasil. Nos países da União Europeia, por exemplo, a identificação por microchips é obrigatória. 

"O procedimento é seguro e não tem limite de idade nem inferior, nem superior. Também não tem contra-indicação. Para implantar é bem rápido. O tutor chega a clínica e explicamos como funciona. Em seguida, fazemos um cadastro e o dispositivo é colocado no pet", explica Moreira.

Os microchips ficam imperceptíveis ao tato, têm validade indeterminada e não precisam de manutenção. A única maneira de localizá-los é com um leitor de microchip, uma espécie de scanner que detecta onde se encontra o chip e envia um sinal para a leitura de seu número.

Microchip comparado a um grão de arroz

O Bicharada fez uma pesquisa em Teresina e encontrou preços que variam de R$ 130 a até R$ 195. Os micro dispositivos só devem ser implantados em clínicas veterinárias e por um especialista. 

 

Gato ganha festão de aniversário em Teresina e reúne 100 convidados

  • joaomaria3.jpg
  • 6af9906c-938a-4ec4-9948-44871df01464.jpg
  • joaomaria2.jpg
  • joaomaria.jpg
  • joamaria1.jpg
  • a0a238d0-5bd6-41f2-8c68-ecb1e359e6c5.jpg
  • 8973af99-cb30-48e1-a2de-19d6de8976ba.jpg

Um gato teve um festão de aniversário e reuniu cerca de 100 convidados em buffet em Teresina. O bichano batizado de João Maria teve direito a festa temática com decoração, bolo personalizado e até pipocas, um dos alimentos preferidos do gatinho. 

O gato é do casal de empresários Paulo Henrique Souza e Alex Correia que trabalham com eventos. Paulo contou ao blog que João Maria foi encontrado abandonado e que a comemoração do aniversário de um ano do gatinho teve o objetivo de conscientizar sobre o abandono de animais. 

"A gente quis conscientizar sobre a importância de cuidar dos seus animais e também daqueles que não têm donos. Graças a Deus, o João Maria vive bem... por isso escolhemos que os presentes serão doações para a Apipa e a Protetores de Patinhas", explica.

Paulo Henrique não quis revelar o custo do aniversário e de imediato rebate a possíveis críticas em relação a 'festa ostentação' para um gato.

"Algumas pessoas disseram que eu poderia ter pego o dinheiro e investido ou dado como doação. Mas a nossa intenção não era só fazer a festa e sim conscientizar as pessoas. Arrecadamos ração suficiente para dois meses, que em valores é bem maior do que poderíamos ter doado. Até agora só tenho recebido elogios ", disse o empresário. 

Em entrevista ao Bicharada, Paulo Henrique também não deixou de transparecer o amor que tem por João Maria. 

"O João Maria tem sido um ótimo amigo para mim e meu companheiro. Trabalhamos no segmento de eventos e temos um certo stress diário. Ele é um amor de animal: brinca, faz a gente rir e chorar. No momento, ele é o nosso alicerce", disse o empresário que resgatou o gatinho do lixo. 

Além de ração, João Maria recebeu como presentes material de limpeza que também foram doados. Já as coleiras e correntes ficaram para o aniversariante. 

O empresário diz ainda que a temática da festa foi inspirada no felino. 

"A comida da festa foi para os humanos, mas próximo ao bolo tinha o pratinho dele. Os ursinhos que colocamos na mesa são todos dele. Também teve pipoca que ele adora mastigar quando está assintindo filme com a gente", disse Paulo Henrique.

A festinha de João Maria também teve direito a convite personalizado para os convidados. 

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Fotos de secretária 'ferrando' gado vira pauta de discussão na Câmara

A vereadora Teresa Britto (PV) classificou como 'exibicionismo com o sofrimento alheio' as fotos postadas no Facebook da deputada estadual e secretária de Infraestrutura do Piauí, Jannaina Marques. Nas imagens, publicadas nesta semana, a parlamentar aparece marcando um bezerro com ferro quente.

 

"Eu fiquei horrorizada. As fotos revelam os maus tratos aos animais que ela pratica. Imagine o que não é mostrado. A atitude é muito arcaica. Se a prática é feita por alguém que não tanto esclarecimento, a gente não aceita, mas entende, de certa forma. Mas quem fez isso foi uma pessoa que está como secretária e deputada e a atitude é muito preocupante", disse a vereadora. 

 

 

Teresa Britto enfatiza que as fotos são chocantes e que vai levar a discussão para a Câmara de Vereadores. 

"Vou discutir o assunto na Câmara. Vamos fazer um estudo e um movimento para por fim a essa prática antiga e arcaica que é inaceitável. Vamos discutir o caso e levar alternativas de susbtitutição dessa prática", disse a vereadora.

No post no Facebook, internautas também criticaram a atitude da deputada que escreveu que "a ferra do gado sempre é dia de festa e encontro dos amigos'. O blog tentou contato com a Jannaina Marques, mas as ligações não foram atendidas. 

 Vale lembrar que existem várias técnicas de identificação de animais menos dolorosas como tatuagem, o brinco de plástico e a cápsula de microchip.

 

 

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Jacaré de quase 2 metros é capturado em área residencial de Teresina

Flagrante mostra o jacaré próximo a residências

 

Um jacaré de quase 2 metros de comprimento foi visto andando pelas ruas do bairro Mocambinho, na zona Norte de Teresina. Felizmente, o flagrante ocorreu durante o início da manhã quando não há muita gente na rua. 

O réptil foi encontrado por um policial militar que acionou o Batalhão Ambiental. 

"Um PM ia passando pelo local por volta das 5h30 e avistou o jacaré no meio da rua. Acreditamos que o animal tenha saído da Lagoa do Mocambinho e andou cerca de 200 metros pelo bairro", disse a capitã Liliane Bezerra, do Batalhão Ambiental. 

Fotos: Parque Estadual Zoobotânico

Jacaré após levado para o zoológico

O resgate do jacaré durou cerca de meia-hora. O animal foi levado ao Parque Estadual Zoobotânico.

"No período chuvoso é comum que jacarés saiam da lagoa, mas não é comum ver um tão grande. Foi um dos maiores que o Batalhão Ambiental apreendeu na área", finaliza a capitã. 

O flagrante ocorreu no início desta semana.

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Veterinário alerta para perigo das viroses no período chuvoso

Por Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

O período chuvoso é maravilhoso, principalmente, para quem mora no Piauí. Mas o tempo também é de se preocupar com nossos amigos de quatro patas. Com as chuvas, os cães ficam mais vulneráveis a viroses, principalmente animais filhotes e idosos. 

O Bicharada conversou com o médico veterinário Tadeu Probo, especialista em clínica cirúrgica de cães e gatos, que deu dicas preciosas para proteger os pets. A primeira delas é a vacinação. 

O veterinário explica que as viroses mais comuns nos bichinhos durante o período chuvoso são cinomose, parvovirose, leptospirose, parainfluenza e adenovirus, algumas delas, inclusive, podem ser fatais. 

Para prevenir estes males, o ideal é que o animal receba pelo menos três doses da vacina. Segundo Tadeu Probo, as vacinas mais indicadas contra viroses são as importadas, cujo preço em Teresina em média é R$ 100. 

"São três doses que devem ser administradas a cada 21 dias. Se o animal for muito a pet shop, viagens ou hoteis o ideal é que sejam quatro doses, pois nesses ambientes eles ficam mais vulneráveis", explica o veterinário. 

Foto: arquivo pessoal

Tadeu explica que as vacinas importadas têm maior eficácia frente às nacionais e por isso são recomendadas. 

"Existem três laboratórios que fabricam vacinas importadas contra viroses. Elas são mais caras, porém muito eficazes. Já as doses nacionais vendidas nos balcões de pet shops, por exemplo, custam de R$ 20 a R$ 30, mas não são comparadas as vacinas éticas feitas por veterinários, no qual o animal passa por uma consulta veterinária para saber se o animal está apto a ser vacinado", explica Probo que faz outras diferenças entre as vacinas nacionais x importadas. 

"As nacionais podem ser feitas por qualquer pessoa. Já as importadas são controladas e têm critérios como serem comercializadas somente em clínicas, além de só serem aplicadas por veterinários", esclarece o veterinário. 

Ele lembra que os idosos e filhotes de até cinco meses são os mais vulneráveis a viroses e recomenda também o uso de suplementos vitamínicos para fortalecer o sistema imunológico do animal, além de uma boa alimentação. E só para não esquecer, não deixe seu bichinho na chuva. 

Posts anteriores