Cidadeverde.com

Governo estabelece normas para eventos com aglomeração de animais

A Agência de Defesa Agropecuária do Piauí (Adapi) baixou portaria que regulamenta normas para a realização de eventos com aglomeração de animais no Estado. As exposições, feiras agropecuárias, vaquejadas, provas hípicas, leilões e outras aglomerações só serão realizadas mediante prévia autorização do órgão. O documento foi publicado no Diário Oficial do Estado no dia 07 de dezembro.

 Os promotores de eventos deverão requerer à ADAPI a autorização para realização com antecedência mínima de 30 dias da data do evento, nos casos de eventos de abrangência municipal ou regional. Já nos eventos estaduais, interestaduais e nacionais o prazo sobre para 60 dias. Eventos internacionais serão 90 dias, sob pena de sofrer interdição do local.

Antes, as entidades precisam estar cadastradas junto à ADAPI como condição essencial para regular o exercício de suas atividades no Estado. 

De acordo com a portaria, será cobrado o valor de 50 UFR-PI pelo requerimento para realização de eventos com aglomeração de animais. A taxa cobrada pelo requerimento será individualizada por evento, mesmo que eles aconteçam no mesmo local.

A portaria diz ainda que um médico veterinário deve ser o responsável técnico pelo evento.

Deixam de ser consideradas como evento com aglomeração de animais as pequenas aglomerações para as quais não exista divulgação ou que tenham como objetivo apenas o treinamento dos animais.

Hérlon Moraes
herlonmoraes@cidadeverde.com

Animais com maus-tratos são resgatados no Piauí; onça teve presas extraídas

  • animais.jpg Semar
  • a0cdfade-beb0-498e-b902-c08151dacbba.jpg Semar
  • 8e41159d-856c-467f-ab80-0781c7b69a9a.jpg Semar
  • 79763060-118f-40be-9459-616d66010204.jpg Semar
  • onaca.jpg Polícia Civil do Piauí
  • caititu.jpg Polícia Civil do Piauí
  • passaros.jpg Polícia Civil do Piauí
  • onca.jpg Polícia Civil do Piauí
  • raposa.jpg Polícia Civil do Piauí
  • tata.jpg Polícia Civil do Piauí

A Polícia Civil do Piauí deflagrou, na manhã desta quinta-feira (7), a Operação Ártemis. A ação flagrou maus-tratos a animais silvestres e resultou na prisão de duas pessoas no município de Capitão de Campos, distante 126 quilômetros de Teresina. 

Há cerca de um mês equipes do 1º,2º Distrito Policial e  da Delegacia da Mulher de Piripiri estavam realizando as investigações que resultaram na operação. Segundo o delegado Jorge Terceiro, dezenas de animais silvestres foram apreendidos em estado “deprimente”. 

Foram apreendidos catitus, raposas, onças pardas,  aves, jabutis, jaguatiricas, tatus, gato Maracajá, dentre outros que estavam mantidos em dois cativeiros nas zonas Rural e Urbana de Capitão de Campos. A delegada Lucivânia Vidal informou que alguns animais estavam presos em cubículos. 

“A onça parda sofreu visíveis maus-tratos, tendo sido extraídas as presas do animal e obtivemos a informação de que há pouco tempo uma outra onça também mantida em cativeiro no sítio na zona Rural acabou morrendo", conta a delegada Lucivânia.

O proprietário dos imóveis e um caseiro foram presos em flagrante. Os dois foram autuados em flagrante nos crimes ambientais de cativeiro de animais silvestres majorado pelo fato dos bichos serem de espécies ameaçadas de extinção.

A Polícia Civil agora vai investigar como esses animais foram adquiridos e se eles seriam traficados no “mercado negro”. Equipes do Ibama e da secretaria estadual do Meio Ambiente foram acionadas. 

A operação foi batizada de "Ártemis" em referência à deusa protetora da vida selvagem, dos animais e da caça.


Izabella Pimentel
redacao@cidadeverde.com 

Jacaré de 1,5 metro é achado em quintal de casa e moradores se assustam

Moradores de uma casa no litoral do Piauí levaram um tremendo susto ao de deparar com um jacaré no quintal. O animal media cerca de  1,5 metro e seria da espécie "Papo Amarelo". O réptil, provavelmente, estava à procura de alimentos. 

"O jacaré estava bastante próximo do portão que dá acesso a casa do cidadão. Havia risco do animal entrar dentro da residência. O proprietário da casa cria galinhas e o jacaré poderia estar atrás de comida. Todo mundo ficou muito assustado, pois a casa fica na zona urbana, próxima ao mercado da cidade, e não é comum um animal como um jacaré aparece na região", informou o tenente Mesquita Júnior, da Companhia Independente de Policiamento Turístico (Ciptur). 

O caso ocorreu na cidade de Luís Correia, a 338 km de Teresina, durante o fim de semana. O resgate demorou cerca de 1 hora.

O jacaré foi devolvido à natureza ontem (04), em uma lagoa em Buriti dos Lopes, cidade próxima ao litoral. 

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Cãominhada tenta acabar com má fama de pit bulls

  • fc223146-8cdf-4015-8602-1844c942214b.jpg Equipe Pit Bull Teresina
  • e895125e-602f-4bf7-aad1-019fecbeafcc.jpg Equipe Pit Bull Teresina
  • cc53053d-76d1-4964-9d6f-dab2fc5b13aa.jpg Equipe Pit Bull Teresina
  • be36a1d8-2002-4750-be34-bb2f6887709b.jpg Equipe Pit Bull Teresina
  • bd65758e-edff-439f-baee-a7afd2dbb21a.jpg Equipe Pit Bull Teresina
  • 248b33f2-a221-4365-9dd7-ce3ef18fe5da.jpg Equipe Pit Bull Teresina

Criadores de cães pit bull farão uma cãominhada no Parque Lagoas do Norte para desmistificar a raça e acabar com a fama de agressividade. O evento ocorre uma semana após uma criança de oito anos ter sido atacada por um cão da raça em Teresina. O evento, organizado pela  Equipe Pit Bull Teresina, deve reunir cerca de 50 pit bulls e seus tutores.

Rony Staylon, um dos fundadores do grupo, explica que os criadores se reúnem frequentemente para mostrar o "outro lado do pit bull'. 

"Nós sempre fazemos caminhadas com pit bulls, inclusive com a presença de veterinários e adestradores. A intenção é repassar orientações sobre como criar um pit bull, esclarecer dúvidas. O cão da raça é forte, mas não agressivo. O pitbull só será violento se ele for criado como um cão violento, assim como qualquer raça", explica Rony Staylon. 

Ele diz  ainda que existe preconceito com a raça, mas que isso vem diminuindo aos poucos. 

 "No início, as pessoas ficam com receio em chegar próximo dos cães, principalmente, pais com  crianças por não saberem muito sobre a raça. Hoje, isso tá mudando. O número de crianças tem aumentado, pois nossos cães são bastantes dóceis", disse Staylon. 

Fotos: Equipe Pit Bull Teresina

O evento está marcado para as 16h. No local, os criadores também arrecadarão ração para Associação Piauiense de Proteção e Amor aos Animais (Apipa). 

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Cães são mais inteligentes do que gatos, diz pesquisa brasileira

Cães e gatos: "O número absoluto de neurônios que um animal tem determina sua capacidade cognitiva" (chendongshan/Thinkstock)

Uma cientista brasileira parece ter finalmente respondido a uma daquelas grandes questões da Humanidade: Afinal, quem é mais inteligente? Cães ou gatos?

Pela primeira vez, os cientistas estudaram não apenas o tamanho do cérebro dos animais, mas o número de neurônios em seu córtex cerebral.

Embora os gatos costumem exibir um certo ar de superioridade intelectual, os cachorros têm mais do que o dobro de células neuronais. São cerca de 530 milhões de neurônios contra 250 milhões, de acordo com o novo estudo publicado na “Frontiers in Neuroanatomy”. O homem tem 16 bilhões.

“O número absoluto de neurônios que um animal tem determina sua capacidade cognitiva”, afirma Suzana Herculano-Houzel, professora de Psicologia e Ciências Biológicas na Universidade Vanderbilt, no Tenessee, e dona de dois cachorros.

“Espera-se que, com mais neurônios, a capacidade do cão seja maior, uma vez que eles têm mais unidades de processamento de informação; especialmente no córtex, que é a parte do cérebro que copia informações, faz associações, reconhece padrões, lembra de experiências anteriores e faz planos para o futuro, ou seja, tudo o que chamamos de capacidades cognitivas superiores.”

A especialista explica que não há como medir a inteligência – algo subjetivo e difícil de ser feito. Mas, afirma, “os resultados mostram que os cães têm a capacidade biológica de fazer coisas mais complexas do que os gatos.”

No novo estudo, os pesquisadores analisaram os cérebros de furões, mangustos, guaxinins, gatos, cachorros, hienas, leões e ursos marrons. Todos pertencem à ordem dos carnívoros, que inclui mamíferos que têm dentes e garras e são capazes de comer outros animais. A ordem foi escolhida porque apresenta uma grande variedade de tamanhos de cérebros e inclui tanto animais domésticos quanto espécies selvagens.

O cérebro de um golden retriever tem muito mais neurônios do que o da hiena, do leão e mesmo do urso marrom – embora esses animais tenham um cérebro até três vezes maior. O urso marrom, especificamente, tem praticamente o mesmo número de neurônios apresentado pelos gatos, mesmo tendo um cérebro até dez vezes maior que o do felino.

“Ursos têm um corpo enorme, o que quer dizer que precisam de muita energia: mas são onívoros, comem poucas calorias”, explica Suzana.

“Talvez não contem com energia suficiente para ter um corpo grande e um número elevado de neurônios; não há energia para tudo, algo vai pagar o preço. O leão vai na mesma direção: tem menos neurônios que o golden.”

A quantidade de neurônios encontrada no cérebro dos cachorros pode ser também uma boa explicação para sua versatilidade. Os cães ocupam os mais diversos papéis na sociedade, na polícia, em operações de resgate, como acompanhantes e companhia. Segundo Suzana, no entanto, não há razão para os donos de gatos ficarem chateados.

“Muitos donos de gato tomaram o estudo como um insulto pessoal”, diz a pesquisadora. “Ora, podemos gostar dos dois do mesmo jeito, não importa quantos neurônios têm.”

 

Fonte: Exame

Cão vigia corpo de dono assassinado a tiros

Cão ficou do lado ao corpo do dono mesmo durante trabalho da perícia, em João Pessoa (Foto: Walter Paparazzo/G1)

Um homem de 31 anos foi assassinado a tiros, no conjunto Cidade Verde, no bairro de Mangabeira VIII, em João Pessoa. Segundo informações da Polícia Militar, o cachorro de estimação da vítima ficou vigiando o corpo e permaneceu ao lado do novo durante todo o trabalho da perícia.

Segundo testemunhas, o crime foi cometido por dois homens que estavam em uma moto. Porém, não há mais informações sobre suspeitos do homicídio.

A vítima trabalhava como carroceiro e morava em um assentamento, próximo ao local onde foi morto.

 

Com informações G1
redacao@cidadeverde.com

ONG pede construção de passagens para animais silvestres em rodovias no PI


Instalado no Pará, o primeiro viaduto de fauna do Brasil (Foto: Ibama/Divulgação)

A ONG Instituto Socioambiental Cágado de Barbicha (Cabar) está realizando o monitoramento das rodovias que cortam o Piauí com o objetivo de solicitar e ajudar na construção de passagens para os animais silvestres. A ambientalista Jacqueline Lustosa destaca que a fauna silvestre é ameaçada por atropelamentos, sendo uma das principais causas de morte desses animais. 

A ambientalista disse ao Cidadeverde.com, neste sábado (25), que a simples sinalização das vias com placas indicando a presença desses animais na área poderá reduzir o número de mortes. 

Na semana passada, a ONG percorreu de Teresina até o município de Joaquim Pires, pela BR 343, sentindo litoral do Piauí, e encontrou muitos animais mortos por atropelamento enquanto tentavam passar de um lado para o outro na pista. 


Animal silvestre morto por atropelamento na BR-343 no Piauí (Foto: Ong Cabar)

“Esses animais tentam passar para o outro lado da via tanto em busca de alimentos como para se acasalar. Nós encontramos muitos animais mortos. Se agora, que não tem grande fluxo de turismo está assim, imagine quando chegar o período de férias. Estamos pedindo tanto a sinalização como a construção de túneis de fuga para evitar os atropelamentos”, comentou Jaqueline. 

Outro destaque da ambientalista é que as pessoas, principalmente as que moram no interior, precisam evitar captura desses animais para alimentação, pois a fauna está diminuindo. “Eu mesma já vi um caminhoneiro, que ele foi até indelicado comigo, pegando um tatu na pista, provavelmente pra comer, ele nem imagina se (o animal) tem zoonose”, disse.  



Rodovia dos Tamoios implanta passagem aérea para animais

Em Teresina, Jaqueline destacou que na Avenida Boa Esperança, na zona Norte, já possui sinalização para a passagem dos cágados de barbicha – dentro outros animais silvestres – e que agora a ONG está em busca da construção dos túneis de fuga para o local. 

Neste final de semana, a ONG vai percorrer o caminho Teresina a Jose de Freitas, PI-113, para fazer mapeamento na região. 

“Nessas nossas viagens já encontramos atropelamento de raposa, tamanduá-mirim, iguanas, cobras, jiboias, sendo que nesse período chuvoso eles se movimentam mais pela região”, ressaltou. 

 


ONG pede sinalização nas rodoviais (Foto: divulgação)

 

Carlienne Carpaso
carliene@cidadeverde.com 

Cachorrinha grávida vira sucesso ao posar para ensaio

  • vick.jpg Vicki Miller Photography
  • 23561437_1603744969686916_5560639164292352346_n.jpg Vicki Miller Photography
  • 23559472_1603745066353573_2270746347460489572_n.jpg Vicki Miller Photography
  • 23509489_1603744986353581_205507623256417054_o.jpg Vicki Miller Photography

Um ensaio pet está conquistando as redes sociais nesta terça-feira (21). A cachorrinha grávida, Cindi de 3 anos, da raça dachshund foi fotografada pela australiana Vicki Miller durante seu período gestacional. O resultado não poderia ser melhor.

Vicki é especializada em fazer ensaios fotográficos para grávidas, mas aproveitou para fazer fotos de seu animal de estimação, que terá filhotinhos em breve.

Em seu post no facebook, a fotógrafa já garantiu mais de 19 mil curtidas. Ela garante que deve tirar mais fotos da família reunida. 

 

Com informações Extraglobo

Bombeiros resgatam cadela com cabeça presa em cano

Cachorra ficou com a cabeça presa no cano que dá acesso ao hidrômetro da casa em Assis (Foto: Corpo de Bombeiros / Divulgação)

Os bombeiros fizeram um resgate inusitado no sábado (18) em Assis (SP). Uma cachorra ficou com a cabeça presa em um cano que dá acesso ao hidrômetro de uma casa na Vila Ribeiro.

A equipe foi acionada pelos próprios moradores e donos da cachorra que chama Ludi. Os bombeiros tiveram que quebrar o muro e depois cortar o cano, que estava preso no pescoço, para retirar o animal.

A cachorra foi devolvida aos donos sem nenhum ferimento.

Bombeiros tiveram que cortar o cano que ficou preso no pescoço da cachorra em Assis (Foto: Corpo de Bombeiros / Assis)

Ludi foi devolvida sem ferimentos para os donos (Foto: Corpo de Bombeiros / Divulgação )

 

Fonte: G1

Cerca de 10 mil animais devem ser vacinados neste sábado (18)

Cerca de 10 mil animais devem ser vacinados contra a Raiva nas zonas rurais Sul e Sudeste de Teresina, neste sábado (18). Ao todo, 400 profissionais entre veterinários,agentes de endemias e comunitários percorrerão as duas regiões. Esta é a última etapa da vacinação antirrábica em Teresina. 

“Devido à distância entre as localidades, a logística da vacinação antirrábica na zona Rural é diferente da zona Urbana. Enquanto a etapa urbana trabalha com o estabelecimento de postos fixos, a rural é realizada por meio do deslocamento das equipes, que visitam as residências de cada localidade para a imunização dos animais”, explica Oriana Bezerra, gerente de Zoonoses da FMS. 

O último caso de raiva em ser humano em Teresina foi em 1986. Já o último caso de raiva canina foi em 2011 em um cão proveniente do interior do Estado, cujo proprietário é residente de Teresina.


Locais visitados na zona Sul

- Cerâmica Cil
-Chapadinha
- Altamira
-Alegria


Locais visitados na zona Norte

-Boquinha

- Usina Santana

-Estaca Zero


Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Posts anteriores