Cidadeverde.com

No Piauí, nada de cargos Federais até agora

Até agora nenhum dos cargos federais foi preenchido no Estado do Piauí e parece que não tem prazo para isso. O senador Ciro Nogueira (PP) afirmou que não há qualquer sinalização neste momento para a nomeação dos cargos federais no Estado. Segundo o senador não há previsão e está tudo parado.

Foto: Agência Senado

Parece que a crise política do Governo de Dilma Rousseff teve mais este reflexo, a não nomeação dos 15 cargos federais existentes no Piauí. Os nomes dos indicados para chefiar os órgãos foram divulgados e analisados pela Agencia Brasileira de Inteligência - Abin, mas nada de informação da Casa Civil da Presidência sobre as nomeações. A crise política atrapalhou as nomeações. Outra justificativa que foi dada para a demora era que a presidente só liberaria as nomeações depois da votação do Orçamento da União, o que aconteceu nesta semana.

Parece que os indicados do PT, PTB, PP e PMDB ainda vão esperar um pouco.,

Veja alguns dos nomes e o cargos

Elmano Férrer (PTB): DNIT – Ribamar Bastos
Regina Sousa (PT): FUNASA ,- Evaldo Ciríaco
Assis Carvalho (PT): Delegacia do Ministério do Desenvolvimento Agrário - Marcelo Mascarenha,
Rejane Dias (PT): INCRA - José Barros
Fábio Abreu (PTB) – Superintendência da Pesca - Antônio Abreu Filho e CPRM,-,Pedro Couto,
No Piauí são 15 autarquias federais e faltaram os nomes das indicações da Codevasf - Ciro Nogueira (PP), SPU e Delegacia da Agricultura - Paes Landim (PTB), INSS e Chesf - Assis Carvalho (PT), Conab - Marcelo Castro (PMDB), IBAMA - Rejane Dias (PT), DNOCS e Correios Iracema Portela (PP).

,

Governo está só e precisa agir na Assembleia

O Governo está só., Pelo menos na Assembleia Legislativa. Ontem um duro discurso do deputado estadual Robert Rios (PDT) mostrou isso. Ele não poupou críticas e ataques ao Governo do Estado e ao Governo Federal., O que impressionou não foi a força dos ataques de Robert, foi a falta de defesa do Governo do Estado do Piauí.

Em um determinado momento, os deputados governistas que estavam no plenário saíram ficando apenas o deputado Aluísio Martins (PT) que ficou e assistiu as críticas e não fez nada., Talvez ontem tenha sido um lapso da base governista, ou mais uma vez uma prova que o governador Wellington Dias precisa dar uma ordem e organizar sua base de apoio na Assembleia.

Ontem a impressão que ficou é “defender o governo é defender o indefensável”, como falou o deputado Robert Rios. Mas na verdade é Wellington Dias escolher um líder para seu governo na Assembleia.

Dois nomes assustam o PSDB

Foto: Thiago Amaral/Cidade Verde

Hoje dois espectros rondam o prefeito Firmino Filho para um cenário político de 2016. O senador Elmano Férrer e agora o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Themístocles Filho. O senador assusta o tucanato desde a última eleição municipal em 2012, quando administrou Teresina e deu bastante trabalho para o PSDB na disputa pela prefeitura de Teresina. De lá para cá, o prefeito de Teresina vive a ameaça real de adversários para o pleito de 2016

Como se não bastasse a presença de Elmano Férrer, agora aparece neste cenário o deputado estadual Themístocles Filho que criou um cena política ao anunciar que vai fazer, nos próximos dias a transferência do seu domicilio eleitoral para, Teresina. Deixando a entender que poderá disputar a eleição de Prefeito de Teresina.

Perguntado sobre o fato, o Firmino Filho disse apenas que a eleição de 2016 será discutida em 2016. Mas o prefeito sabe do complicador que é a entrada do deputado e o PMDB em uma disputa na capital. O fato mais relevante é que Themístocles Filho faz constantemente pesquisas de opinião pública, onde sonda as impressões da população sobre a administração do ,prefeito Firmino Filho.

Sem pressa para o TCE

,

O Tribunal de Contas do Estado analisa com tranquilidade a demora da Assembleia Legislativa para colocar na praça o edital que vai iniciar a escolha do novo conselheiro para o TCE.A informação é da Conselheira Lilian Martins. "Não nos reunimos para discutir o caso, mas pelas conversas que tivemos no Tribunal, não existe qualquer apreensão", afirmou.

Ela disse que o Tribunal encerrou sua participação no processo quando encaminhou a vacância para a Assembleia Legislativa e que agora tudo depende do ritmo da tramitação que será dado pelo Legislativo.

Se o TCE não está preocupado, até o momento e como o próprio presidente da Assembleia Legislativa já declarou que o Poder não tem tanta pressa para fazer este processo. A escolha do novo conselheiro não é prioridade, e pode ser conversada entre o Legislativo e o Executivo.

A justificativa oficial para a demora: os requistos e inclusive as observações feitas pelo Ministério Público ,estão sendo observadas. Ou seja talvez no mês de abril meados de março, seja concluída a escolha.

A oposição questiona licitações do Governo

Começou a temporada de caça ao Governo na Assembleia Legislativa. O primeiro ato concreto foi o requerimento assinado pelo deputado Wilson Brandão (PSB) pedindo as informações do pagamentos e contratos e executado pelas Secretárias de Fazenda e Administração nos meses de Janeiro e Fevereiro.

A oposição quer saber se existem irregularidades nestes contratos. Porque eles foram feitos sem licitação por causa dos ,decretos de emergência, assinados pelo governo do Estado em cinco áreas. "Nós queremos as informações porque o Estado ficou livre para contratar e precisamos exercer o nosso poder de fiscalização. É nosso papel constitucional saber como o Executivo aplica o dinheiro público. Temos a necessidade de conhecer os contratos,os aditivos e os pagamentos que devem ter sido feitos”, disse Wilson Brandão.“Nós queremos as informações porque o Estado ficou livre para contratar e precisamos exercer o nosso poder de fiscalização. É nosso papel constitucional saber como o Executivo aplica o dinheiro público. Temos a necessidade de conhecer os contratos,os aditivos e os pagamentos que devem ter sido feitos”, disse o parlamentar. Segundo o deputado Marden Menezes (PSDB), tem chegado denuncias de irregularidades nestes contratos de emergência e o requerimento é uma forma da Assembleia verificar o fato.

O deputado Fábio Novo (PT) disse que é normal a oposição fazer este tipo de requerimento de informações e que o Governo vai responder e mostrar que não tem nada de errado. Ele ressaltou que o primeiro grande trabalho do governador Wellington Dias foi tirar o Estado da situação de inadimplência e das proibições da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Posts anteriores