Cidadeverde.com

Vídeo: moradores improvisam maca para transportar idoso sobre riacho até ambulância

Os moradores de Campo Maior precisaram improvisar uma maca para transportar um idoso de 76 anos, que estava passando mal em casa, por um riacho até a ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).  A vítima foi identificada como Antônio Leanor, e é morador da comunidade Porão, que fica próximo ao povoado São Pedro, na zona rural de Campo Maior.

O vídeo gravado por moradores mostra o idoso sendo levado até a ambulância, que ficou aguardando nas margens do riacho Pintadas já que a ponte, que liga a zona urbana do município ao povoado, está em fase de construção. 

O professor Jefferson David disse ao Cidadeverde.com que a ponte é uma cobrança antiga dos moradores. 

“A comunidade de São Pedro é banhada pelo riacho das Pintadas e pelo Rio Longá. Esse idoso passou mal, ligaram para o Samu, mas o carro não tinha como chegar até a casa dele.  As pessoas improvisaram uma maca de madeira e levaram ele até a ambulância. A população começou a cobrar por essa ponte em março do ano passado, teve uma manifestação que chegaram até a queimar a antiga, que era de madeira e não suportava um carro. O prefeito começou a se interessar em fazer a ponte agora, no período da chuva, e fica a população vivendo esse tipo de situação”, desabafou o morador. 


A situaçao atual da ponte (foto: arquivo pessoal)


A Prefeitura de Campo Maior informou que a obra da ponte foi iniciada em janeiro deste ano e não está parada. Houve um atraso no cronograma na entrega do fornecimento de material, mas que a obra continua em execução e será finalizada em 30 dias ou o mais breve possível. 

A Prefeitura reforçou que o prefeito, o professor Ribinha, está preocupado com a situação e orientou os responsáveis execução do projeto otimizar o serviço para entregar a obra à população.  A Prefeitura destacou ainda que, antigamente, a ponte era de madeira; agora está sendo construída uma ponte de concreto armado e seguro, dentro dos parâmetros técnicos exigidos para a segurança.


Foto tirada quando a ponte era e madeira (foto: arquivo pessoal)

 

Carlienne Carpaso
carliene@cidadeverde.com 

Campo Maior tem 9 mil pessoas atendidas por programas sociais

Campo Maior tem atualmente mais de 9 mil pessoas atendidas por programas sociais mantidos pela rede de proteção, que é gerenciada pela Secretaria Municipal de Assistência Social, ou seja, pouco mais de 6 mil famílias estão asseguradas com pelo menos um programa de assistência, sendo que 33% é o Bolsa Família.

Com uma população de 45.177, Campo Maior tem atualmente 10.195 famílias inseridas no cadastro único social, ou seja, que são monitoradas pela Secretaria Municipal de Assistência Social e que participam de algum programa social.

A maior parcela dessas pessoas é beneficiada pelo Programa Bolsa Família, que transfere todo mês para essas 9 mil pessoas R$ 1,2 milhão. De acordo com o gerente de projetos da SEMAS, Marcos Roberto, a secretaria desenvolve várias ações a favor da criança, adolescentes, mulheres e idosos que permitiram melhorar os indicadores sociais. “Temos o Selo UNICEF e o Selo ODM ambos indicadores de melhoria do IDH do município”, complementa.

O gerente lembra que os índices de condicionalidades para o gerenciamento de programas sociais estão acima da média nacional. “Nossa FAFE, que é a Taxa de frequência escolar é de 98,08% enquanto a média nacional é de 92,57%. E a nossa TAAS, que é a taxa de acompanhamento da agenda de saúde é de 95,79% enquanto a nacional é de 78,25%”, detalha.

Marcos Roberto explica que a SEMAS desenvolvem ações de Programas Assistenciais, bem como de ações de benefícios eventuais, prestigiando mais de 10 mil famílias. “Temos a preocupação de estar promovendo a vida dessas pessoas com ações de qualificação, profissionalizando quase 100 pessoas por mês em Campo Maior”, informou.  

Fonte: portaldecampomaior

Ribinha avalia Carnaval em Campo Maior: “Alegria e tranquilidade”

A chuva foi o folião que mais esteve presente no Carnaval em Campo Maior. Ela brincou muito, afastou foliões e chegou a cancelar uma banda, mas não estragou com a festa daqueles que estavam dispostos a aproveitar. Após cinco dias, o Carnaval no município é avaliado pelo prefeito Professor Ribinha como positivo. 
 

“O que marcou o nosso carnaval foi muita alegria, tranquilidade e principalmente muita oportunidade de negócios. Nossa cidade se transformou num palco que reúne vários elementos importantes: animação dos foliões, muitas atrações locais, regionais e nacional. Hoteis , pousadas, churrascarias, padarias”, disse o prefeito ao Portal Fato.
 
Dia a dia 
Na sexta-feira (09/02), o Corso Maior arrastou um grande público ao som de paredões de som. No Complexo Valdir Fortes, Limão com Mel e Fabrícia e Banda abriram a primeira noite. No sábado (10/02),  chuva apareceu depois que o folião já se encontrava na praça de eventos.
 
No domingo (11/02), a chuva caiu logo cedo e obrigou a organização a cancelar algumas das bandas. Na segunda-feira (12/02) não foi diferente. Na terça-feira (13/02), a chuva deu uma trégua no meio da noite e os foliões seguiram para acompanhar o último dia de Carnaval.
 
Dorgival Dantas, que também deveria subir ao palco nessa terça e Luan Estilizado, foram adiados para o Domingo de Páscoa. Segundo a prefeitura, os cantores tiveram problemas na agenda e não tiveram como chegar a tempo na cidade.  Durante os cinco dias, 32 blocos sairam às ruas de Campo Maior. 
 
Fonte: portal fato

Mulher se dizia "deusa" e obrigava os adolescentes a fazerem jejum, diz delegado

  • 22d79f47-c813-4cad-983f-ee572636b02e1.jpg Cidadeverde.com
  • 1ab62e2a-1698-48d6-9ece-3b4665da59f91.jpg Cidadeverde.com
  • ef9016d2-4dbe-4fd1-96d3-767407174a64.jpg Cidadeverde.com
  • a7119f39-94f6-4749-8b1f-a5e372a0e086.jpg Cidadeverde.com
  • e50c8870-7f3d-40b6-a7aa-e8598be60d79.jpg Cidadeverde.com
  • 61a84192-cda3-47d8-8323-903b680b6ef4.jpg Cidadeverde.com

O gerente das delegacias especializadas da Polícia Civil, Jetan Pinheiro, confirmou ao Cidadeverde.com que a mulher suspeita de explorar adolescentes e liderar uma seita religiosa se dizia ser "deusa" e obrigava as vítimas a fazerem jejum. Em depoimento a polícia civil, a mulher - de nome Maria Ozana - negou as acusações. 

Após denúncia, o Conselho Tutelar apreendeu quatro adolescentes e acusou Ozana de exploração infantil, sexual e pratica de ritual.

"Segundo os depoimentos, a mulher se dizia uma deusa, obrigada as vítimas a fazerem jejuns e alguns viviam de pão e água", disse Jetan Pinheiro. 

Ozana foi ouvida na Delegacia de Campo Maior e liberada após o depoimento. 

O delegado disse que ela negou que seja uma “profetiza” e seja “considerada uma deusa” pelos adolescentes. “Ela foi conduzida à delegacia e assinou um termo de declaração, onde nega as acusações e disse apenas que faz parte da Igreja Universal. Mas, nós estamos ainda no início das investigações”, afirmou.

Jetan Pinheiro disse que a Polícia investiga o caso e a suspeita é de crime por trabalho escravo e exploração sexual. 

"Ela acreditava que era uma reencarnação de Deus em pessoa e passava isso para as crianças que lhe obedecia", disse o delegado. 

A Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente (DPCA) vai abrir um inquérito nesta sexta (09) para investigar a exploração sexual em Teresina e os casos de trabalho infantil serão repassados à Polícia Federal. 

Segundo a denúncia pelo menos 15 crianças e adolescentes foram vítimas da mulher. A Polícia busca pista para o inquérito.

"Ela é perigosa, dissimulada e tem um poder de convencimento muito grande", disse o delegado Jetan. 


Caroline Oliveira
carolineoliveira@cidadeverde.com 

Adolescente resgatado de suposta seita desaparece e polícia é acionada

Foto: Rayldo Pereira


Pai esteve na delegacia prestando informações sobre o caso

Atualizada dia 08/02 às 08h40

A conselheira Tutelar Francisca Moura informou ao Cideverde.com que o garoto de 17 anos que estava desaparecido, já foi encontrado. Ele disse que saiu de casa para se despedir da “profetiza”, identificada como Maria Ozana da Silva, que continua desaparecida. 

Matéria original

O adolescente de 17 anos resgatado nesta terça-feira (6) em Campo Maior está desaparecido novamente. O jovem fugiu da casa do pai no começo da tarde de hoje. Ele foi um dos resgatados pelo Conselho Tutelar em situação de cárcere e escravidão imposta por uma mulher identificada como Maria Ozana da Silva, de 37 anos, que se diz profeta e teria aliciado os jovens para trabalharem para ela com a promessa de libertação de espíritos malignos.

"Essa mulher esteve em minha casa e disse que minha filha era possuída pelo demônio e que aqui no Piauí ela ia conseguir libertá-la. Primeiro veio a minha filha de 15 anos  e em seguida os outros filhos de 17 e 18 anos", disse o pai dos jovens que esteve na tarde desta quarta na Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente (DPCA). Ele preferiu não se identificar.

Segundo ele, quase um ano após a vinda para o Estado, a família conseguiu contato com a filha e revelou que ela estava sendo explorada pela suposta profeta. Desde então,  família se mudou para o Piauí na tentativa de resgatar a adolescente.

"Quando nós chegamos aqui, descobrimos que ela obrigava as crianças a pagar penitência como caminhar a distância entre Cocal de Telha e Campo Maior e, ainda, até Teresina. Além disso, ela obrigava fabricar e vender cocada para manter a casa onde  viviam, que ela chamava de obra. Ela chegou a dizer que era o próprio Deus que incorporava nela para  salvar a terra e acabamos acreditando, só que na verdade ela é um demônio", desabafou o pai.

O caso está sendo investigado pela DPCA e Maria Ozana da Silva continua desaparecida. A conselheira Tutelar, Francisca Moura, disse que a investigação surgiu após o pai, que mora  no município de Marabá, Pará - procurar o Conselho Tutelar para tentar resgatar o filho que estava vivendo com Ozana em uma casa no bairro Parque Flamboyant na zona Sudeste da capital.

 

Rayldo Pereira
rayldopereira@cidadeverde.com

Crianças "escravizadas" por suposta profeta são resgatadas em Campo Maior

  • 22d79f47-c813-4cad-983f-ee572636b02e1.jpg Cidadeverde.com
  • 1ab62e2a-1698-48d6-9ece-3b4665da59f91.jpg Cidadeverde.com
  • ef9016d2-4dbe-4fd1-96d3-767407174a64.jpg Cidadeverde.com
  • a7119f39-94f6-4749-8b1f-a5e372a0e086.jpg Cidadeverde.com
  • e50c8870-7f3d-40b6-a7aa-e8598be60d79.jpg Cidadeverde.com
  • 61a84192-cda3-47d8-8323-903b680b6ef4.jpg Cidadeverde.com

Três crianças entre 11 e 14 anos foram resgatadas pelo Conselho Tutelar  após serem submetidas a cárcere privado e a exploração do trabalho infantil e até sexual em Campo Maior, município a 78 km de Teresina. Elas foram encontradas na casa da mulher identificada como Maria Ozana da Silva, de 37 anos que se diz "profeta" e aliciava as crianças para trabalharem para ela e que também participassem de rituais de uma suposta seita criada por Ozana. O resgate aconteceu na tarde desta terça-feira (07) na comunidade Alto do Meio, zona Rural do Município.

A conselheira Tutelar Francisca Moura explica que a investigação surgiu após um pai residente no município de Marabá no estado do Pará - procurar o Conselho Tutelar para tentar resgatar o filho que estava vivendo com Ozana em uma casa no bairro Parque Flamboyant na zona Sudeste da capital.

"Uma filha dele estava na casa dessa mulher e conseguiu fugir. Ao encontrar o pai no Pará ela relatou os abusos sofridos na casa de Ozana e ele veio ao Piauí buscar o filho. Ele procurou o Conselho Tutelar e nós chegamos a ir até o endereço no Parque Flamboyant mas a mulher já havia saído do local, desta vez com destino a Campo Maior", explica a conselheira.

Já em Campo Maior, o Conselho Tutelar encontrou a criança desaparecida do Pará vendendo cocadas. Ao chegar na residência em que ocupavam foram encontradas uma jovem que se identificou como  filha de Ozana e outras duas crianças, as quais ela identificava como irmãos, mas que não possuíam nenhum documento.

"Eles foram totalmente arredios, mas conseguimos apreendê-los. A adolescente que se diz filha de Ozana possuía documentos que comprovam o parentesco, já as outras duas crianças que estavam com ela não tinham nenhum documento que identificassem o nome ou a origem de cada uma delas", acrescentou a conselheira.

A criança paraense foi devolvida a família e as outras duas apreendidas trazidas para um abrigo em Teresina.

A mulher não foi encontrada, e segundo o Conselho Tutelar, pelo menos outras 15 crianças foram vistas frequentando o local. "Ela possui casas em várias cidades e em todos os locais ela alicia essas crianças e adolescente sempre muito jovens. Ela provavelmente já está escondida em alguma outra residência", completou.

Adolescente revela abusos

A adolescente paraense que conseguiu fugir da casa e denunciou o esquema revelou em depoimento ao Conselho Tutelar que chegou a sofrer abusos sexuais na casa de Ozana, segundo ela, a mulher a obrigava a se prostituir e trabalhar para arrecadar dinheiro que seria usado para manter a seita.

"Ela obrigava as crianças a trabalhar e  até a se prostituir dizendo que esse dinheiro seria usado em prol deles, mas na verdade eles eram mantidos em condições de cárcere - nenhum frequentava escola, pois ela dizia que era coisa do demônio e a alimentação de todos era baseada somente em cuscuz ou pão com água", descreveu a conselheira.

Rituais chocantes

Ainda segundo a conselheira os jovens eram submetidos a rituais realizados em um terreno onde seriam obrigados a fazer jejum e em alguns casos a longas caminhadas de mais de 100 km. "Algumas crianças tiveram que andar de Teresina até Campo Maior e em seguida até Cocal de Telha (116km) por conta dos rituais aos quais eram submetidas", revela a conselheira.

Um inquérito foi aberto para investigar a denúncia na delegacia de Campo Maior. Segundo Francisca Moura, desde 2016 denúncias de crianças ligadas a uma suposta seita vem sendo investigadas no Piauí .

 

Rayldo Pereira
rayldopereira@cidadeverde.com

Prefeito divulga atrações para o carnaval 2018 em Campo Maior; confira

O prefeito Professor Ribinha afirmou que a expectativa é de receber cerca de 30 mil visitantes durante o carnaval, de 9 a 13 de fevereiro, no município de Campo Maior, a 86 km de Teresina.  

“O carnaval é um evento importante e o espaço já está todo preparado para receber o folião e os visitantes”, comentou o prefeito. Confira abaixo a lista das atrações, dentre elas Dorgival Dantas e Banda Limão com Mel. 

“Na sexta-feira (09) vamos iniciar com o corso e temos uma programação organizada da Avenida Santo Antônio até a Praça do Complexo, em um dos cartões postais da cidade. Na sexta teremos a banda Limão com Mel e nos dias seguintes também teremos grandes atrações”, declarou. 


fotos: Wilson Filho/Cidadeverde.com

“O folião não precisa tem opção, ele não precisa ir até Luís Correia, pois pode parar em Campo Maior porque as condições de recebê-los estão em alto estilo. Campo Maior é uma das cidades mais bonitas do Piauí e isso nos ajuda a fortalecer o turismo local, e fortalecer os eventos”, ressaltou o gestor. 

Professor Ribinha destacou que a rede hoteleira e de restaurantes do município já está preparada para receber os visitantes, e ressaltou que o município possui “a melhor carne de sol do Brasil”, que já é conhecida e respeitada nacionalmente, de acordo com ele. 

O gestor afirmou ainda que conta com o apoio da Polícia Militar e de seguranças particulares para garantir “uma folia tranquila e em paz”.

 

Bandas Regionais

  • Dorgival Dantas
  • Limão com Mel
  • Fabrícia e Banda
  • Rodo da Bahia
  • Nego Rico e Forró do Movimento 
  • Jhonny Fred e Só Sakana
  • Anderson Rodrigues
  • Reisinho e Maclaine
  • Waldo e Felipe
  • Janaina e Banda
  • Cizinho e Forró Bandido
  • Skema 10

 

Bandas locais:

  • Banda Spacial
  • Piauí Forrozeiro e Mister Tcharles
  • Farra Nordestina
  • Sambacana
  • Neguinho Beija-Flor
  • Cláudio e Forró Nuagrito

 

Carlienne Carpaso
carliene@cidadeverde.com 

Vereador no Piauí é vítima de assalto e tem arma apontada para a cabeça

Um vereador da cidade de Campo Maior foi rendido por criminosos em um assalto na avenida Demerval Lobão, no centro da cidade. Câmeras de segurança mostram que um dos bandidos agiu com violência. Fernando Miranda (PT) disse ao Cidadeverde.com que estava conversando com um amigo quando foi surpreendido por dois bandidos em uma motocicleta. 

"Minha namorada tinha ido a uma farmácia. Minha mãe ficou dentro do carro e eu conversando com um amigo. Quando minha namorada voltou e já estávamos indo embora, os dois bandidos chegaram. O garupa pulou da moto e já foi abordando meu amigo [que está de calção azul e blusa branca]. Ele ainda tentou correr, mas foi obrigado a entregar o celular", disse o vereador. 

Fernando conta que estava dentro do seu veículo e foi a segunda vítima. Ele diz que foi xingado e ameaçado de morte porque demorou a entregar o celular. 

"Foi muito constrangedor. Ainda estou muito abalado psicologicamente, não consigo dormir bem. Ele colocou a arma na minha cabeça, me xingou e disse que se eu não entregasse o aparelho ia me dar um tiro. Tive que entregar o meu celular e o da minha namorada que estava no banco da frente. Minhã mãezinha estava no banco de trás", conta o vereador. 

Durante o assalto, um motociclista trafega pela via e chega a parar, sem saber o que ocorria. Ao perceber, ele sai em disparada.

O crime ocorreu no fim do mês de janeiro. O celular da namorada do vereador, um Iphone, foi achado horas após o crime escondido na linha férrea. 

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil. O bandido é o que aparece de bermuda vermelha e blusa branca.

 

Reunião discutirá reforço na segurança em Campo Maior

O vereador diz que os assaltos estão se tornando muito frequentes na cidade e que ainda este mês se reunirá com o prefeito da cidade para discutir o problema. 

"A sugestão é que sejam instaladas câmeras de segurança. Em outras cidades isso foi feito e inibiu a ação dos criminosos", disse o vereador. 

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Prefeitura nomeia comissão que integrará o Selo UNICEF em Campo Maior

Nesta última segunda-feira (29/01) a prefeitura de Campo Maior nomeou, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social, a comissão Inter setorial pelos direitos da infância e adolescência que articulará as ações referentes a adesão do município ao Selo UNICEF entre os anos de 2017 a 2020.

O Selo UNICEF é uma das atitudes voltadas ao estimulo municipal na implementação de políticas públicas para a redução das desigualdades e garantir os direitos das crianças e adolescentes previstos a Convenção sobre os Direitos da Criança e no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

A metodologia do projeto Selo UNICEF é simples e objetiva: Melhorar os parâmetros referentes ao desenvolvimento humano e social das crianças e dos adolescentes no município. Vale ressaltar também que no final do ano de 2016, ainda na gestão do ex-prefeito Paulo Martins, Campo Maior recebeu pela primeira vez a certificação do Selo UNICEF, sendo reconhecida internacionalmente como um dos municípios que mais investem no desenvolvimento da infância e do Adolescente.

Já para este novo quadriênio, os mais de 30 objetivos especificados na plataforma do UNICEF serão utilizados como base para o planejamento das ações voltadas as melhorias dos parâmetros já reconhecidos anteriormente.

Em Campo Maior, a comissão será formada por membros do Conselho Tutelar, Pastoral da Criança, Secretarias de Educação, Assistência Social e Saúde, tendo como principal coordenadora a secretária Nilzana Gomes e a articuladora do projeto, Micheline Arruda.

Fonte: Ascom

Polícia Rodoviária Federal apreende 33 kg de drogas em Campo Maior

Nesta segunda-feira 29/01, por volta das 23h30 horas, durante uma  fiscalização de rotina no Km 269 da BR-343, Unidade Operacional - UOP de Campo Maior,  o Grupo de Operações com Cães da Polícia Rodoviária Federal - PRF, com o apoio da equipe de plantão abordou um ônibus da empresa  viação Satélite Norte, de placa OMO-3002/GO, itinerário Sinop-MT para  Fortaleza-CE. 

Os agentes realizaram uma inspeção no veículo com a ajuda de dois cães farejadores de drogas no bagageiro inferior do  ônibus, onde os cães acusaram a presença de drogas numa das malas, e foram encontrados 32 tabletes de maconha prensada com peso aproximado de 33,5 kg, de propriedade de um homem identificado como  Victor Fernando de Oliveira, 21 anos, ocupante da poltrona 21. 

O homem após ser interpelado pelos policiais, confessou ser o dono da droga, informando que pegou o entorpecente na cidade de Campo Grande-MS e levaria até Fortaleza-CE e que receberia pelo transporte a quantia de R$ 1.500,00.  Os Policiais Rodoviários encaminharam o acusado para a Delegacia Regional de Campo Maior para providências legais cabíveis.

Fonte: Portal de Campo Maior

Posts anteriores