Cidadeverde.com

Caminhada marcará encerramento da campanha "Outubro Rosa"

Em Campo Maior, as ações da campanha "Outubro Rosa" serão encerradas com caminhada pelas principais vias da cidade, nesta sexta-feira (31). A concentração será as 7h, na praça Luiz Miranda em frente ao prédio da prefeitura.


O Outubro Rosa é voltado para a conscientização sobre o câncer de mama e do colo do útero. Durante todo o mês, a secretaria de Saúde realizou palestras educativas, caminhadas e mutirão de prevenção focando sensibilizar as mulheres para a necessidade de exames.



O evento, organizado pela equipe do Programa Saúda da Mulher, contou com a participação de agentes de saúde que reforçaram a importância da prevenção e do diagnóstico precoce da doença. Além da prefeitura de Campo Maior, através da secretaria de Saúde, instituições privadas também se engajaram na campanha. 


Da Editoria de Cidades
cidades@cidadeverde.com

Prefeitura de Campo Maior instala iluminação em cemitérios

A Prefeitura Municipal de Campo Maior, por meio da Secretaria de Limpeza e Iluminação, está instalando postes com duplas luminárias nos Cemitérios do Bairro Cidade Nova e do centro da cidade. Segundo a prefeitura, ambos estavam, desde suas construções, às escuras. A Prefeitura irá revitalizar também a iluminação do cemitério do Bairro São João. O trabalho é uma continuação que iniciou no dia 12 de agosto onde o prefeito Paulo Martins garantiu a manutenção necessária a todos os cemitérios da cidade.


O Cemitério do Bairro Cidade Nova é o maior em extensão de Campo Maior. Estão sendo colocados postes com duas luminárias cada. O objetivo é da mais comodidade e segurança a população à noite.

Após a instalação dos postes, haverá uma distribuição de lâmpadas por todo o cemitério. Já no centro da cidade, por ser o menor cemitério de Campo Maior, será colocado um poste no centro com três luminárias com alta pressão de mercúrio que têm uma maior potência para iluminar todo o local.


“Estamos trabalhando dentro de um planejamento que, por determinação do prefeito Paulo Martins, está sendo executado desde inicio de sua administração em Campo Maior.  Manter a cidade limpa, iluminada e levar obras estruturantes que mude a realidade de nossa população dando qualidade de vida, gerando emprego, renda e que possa transforma nossa cidade, esse é o compromisso dessa administração” disse o Secretário de Limpeza e Iluminação, Antônio Lustosa.

Da Editoria de Cidades
cidades@cidadeverde.com

Promotor se manifesta sobre pedido de prisão do acusado de matar professora

Familiares e amigos da professora Adriana Tavares protestaram em frente ao prédio do Ministério Público de Campo Maior, nesta terça-feira (28). Os manifestantes se reuniram com os promotores Claudio Bastos e Cesário Cavalcante Neto e pediram a decretação da prisão do acusado identificado como Francisco de Assis Vasconcelos. 

                    Fotos: Portaldecampomaior


Adriana Tavares foi assassinada a pedradas no último dia 22. Ela retornava do trabalho com a amiga Maria das Dores, ex mulher do acusado, que foi golpeada com uma tesoura. O crime teria motivação passional. 



Devido a legislação eleitoral, Francisco de Assis ainda não foi preso. O promotor Claudio Bastos revelou que irá se pronunciar quanto ao pedido de prisão do acusado ainda na tarde de hoje. 

“Quero em primeiro lugar pedir que confiem na Justiça e ao mesmo tempo tranquilizar a todos, pois irei me manifestar sobre o pedido de prisão do acusado feito pela polícia. Darei o parecer que deverá estar nas mãos do Juiz Edson Alves ainda nesta terça-feira”, disse Claudio Bastos.


Matéria relacionada



Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com
Com informações Portaldecampomaior

Mãe de professora assassinada pede Justiça ao ver acusado liberado

A liberação do acusado de matar a professora Adriana Tavares e tentar assassinar a ex-mulher, Maria das Dores, causou comoção e revolta nos amigos e familiares da vítima. Francisco de Assis Vasconcelos se apresentou na Delegacia de Campo Maior, mas por ser beneficiado pela lei eleitoral, não foi preso. 

                      Fotos: Jonas Sousa/ Portaldecampomaior


Francisco de Assis se entregou na última sexta-feira (24), dois dias após o crime, e teve que sair da delegacia escoltado pela portas dos fundos, sob o risco de ser linchado. De acordo com a delegada Ana Luiza, o acusado se reservou o direito de somente falar em juízo. 



O suspeito saiu no carro de um dos seus advogados e amigos protestaram aos gritos.Um policial à paisana ameaçou disparar para o alto, para dispersar a multidão. 

“Minha filha era um professora formada, não merecia ter morrido. Não deixe esse homem solto”, disse a mãe de Adriana Tavares, que além ir a delegacia, compareceu ao fórum pedindo Justiça.





A proibição da prisão de eleitores está prevista no artigo 236 do Código Eleitoral (Lei nº 4.737/1965). De acordo com a legislação, cinco dias antes das eleições, até 48 horas após o término do pleito, nenhum eleitor poderá ser preso ou detido, salvo em flagrante delito ou em virtude de sentença criminal condenatória por crime inafiançável, ou, ainda, por desrespeito a salvo-conduto.


Matéria relacionado



Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com
Com informações Portalcampomaior

Dois jovens morrem em acidente de moto em ponte de Campo Maior

Dois jovens identificados como Thiago Almeida de 26 anos e Marcílio de 20, morreram na tarde deste sábado em um acidente de moto em Campo Maior, a 78 km de Teresina. O acidente ocorreu na ponte do rio Surubim, conhecida como ponte de Flores e o motorista do veículo, que colidiu com a moto, não prestou socorro as vítimas.

Fotos: Portal de Campo Maior

O sogro de Tiago, João Batista Oliveira, afirmou que os jovens seguiam em uma Bis, de placa LVJ 9675, de cor vermelha conduzida por Tiago quando foram atingidos pelo carro que seguia com sentido ao bairro Flores. 


Os dois estavam de capacete, mas sofreram traumatismo craniano com a força do impacto. João Batista, que é proprietário da moto, contou que o genro pediu o veículo para lava-lo. "Uma hora depois eu soube da notícia", afirmou.


Tiago chegou de São Paulo há pouco mais de um ano onde trabalhava como montador e agora morava em Campo Maior com a mulher e os dois filhos, um de dois anos e outro de quatro meses.

Rayldo Pereira
Com informações de Portal de Campo Maior
rayldopereira@cidadeverde.com

Acusado de homicídio se apresenta, mas não pode ser preso por conta da eleição

Francisco de Assis Vasconcelos acusado de matar a professora Adriana Tavares e tentar assassinar a ex-mulher se apresentou nas primeiras horas da manhã desta sexta-feira (24). O suspeito presta depoimento a delegada de Polícia Civil Thaís Lages, mas não poderá ser preso devido a legislação eleitoral. No período que antecede o pleito, eleitores só podem ser presos em casos de flagrante. 

 
                                                                                                       Maria das Dores e o acusado; Professora Adriana Tavares era amiga da ex-companheira do suspeito

"Ele aparentava estar tranquilo, mas ao mesmo tempo assombrado. O acusado compareceu a delegacia com o advogado, mas devido ao 2º turno das eleições, só poderá ser preso a partir da quarta-feira (29), mesmo que antes desse período, seja concedido um mandado judicial", explica Baker Martins, chefe de cartório do 1º Distrito Policial de Campo Maior.

A proibição da prisão de eleitores está prevista no artigo 236 do Código Eleitoral (Lei nº 4.737/1965). De acordo com a legislação, cinco dias antes das eleições, até 48 horas após o término do pleito, nenhum eleitor poderá ser preso ou detido, salvo em flagrante delito ou em virtude de sentença criminal condenatória por crime inafiançável, ou, ainda, por desrespeito a salvo-conduto.

A professora morreu com afundamento de crânio, após ser agredida a pedradas pelo acusado. Ela era amiga de Maria das Dores, ex-mulher do acusado, que foi golpeada com uma tesoura, mas passa bem. As duas eram professoras e foram agredidas quando retornavam do trabalho. O crime ocorreu no último dia 22.

Professores protestam 


Professores, familiares e colegas de trabalho das vítimas protestam em frente ao prédio da delegacia para tentar sensibilizar autoridades do judiciário. Revoltados, os manifestantes temem que acusado não seja liberado após o depoimento. 

“Não podemos aceitar que um assassino pratique um crime tão bárbaro e saia impune”, disse Renato Vasconcelos, primo da vítima.

Matéria relacionada


Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Acusado de tráfico de drogas sofre infarto dentro de delegacia

O detento Francisco Nascimento, conhecido como Chupa-Cabra, sofreu um infarto dentro de uma das celas da delegacia de Campo Maior. O chefe de cartório do 1º DP, Baker Martins, explica que ele é conhecido pela comercialização de drogas e está há 15 dias preso. 

"O detento tem problemas cardíacos e não é a primeira vez que passal mal", reitera Martins.  

Chupa-Cabra foi socorrido por uma equipe do Samu e, em seguida, encaminhado ao Hospital Regional de Campo Maior (HRCM). Ele recebeu atendimento, recebeu alta e foi reencaminhado a delegacia. 

Baker Martins aproveita a situação para ressaltar o problema enfrentado nas delegacias do Piauí, onde policiais civis além de tantas atribuições, têm que se responsabilizar pela custódia dos presos. As obras da penitenciária de Campo Maior tiveram início em 2010 e ainda não foram concluídas. 

"Inclusive, o promotor de justiça Maurício Gomes entrou com o pedido de ação civil pública para cobrar providências ao Governo do Estado sobre a conclusão da obra. A ação está tramitando. Já comunicamos o judiciário e o Ministério Público que não há condições de custódia de presos nesta delegacia. Ele pode morrer lá dentro”, finaliza o chefe de cartório.


Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Acusado de matar professora e ferir esposa usou pedra e tesoura

A Polícia Civil reforça as diligências na região norte do estado para tentar capturar Francisco de Assis Carvalho, acusado de tentar matar a tesouradas a ex-esposa e assassinar a professora Adriana Tavares, amiga do casal. O crime ocorreu ontem (22), na comunidade Corredores, zona rural de Campo Maior. 

                           Foto: Campomaioremfoco

De acordo com o chefe de cartório do 1º DP, Baker Martins, os crimes tiveram motivação passional. Francisco de Assis não aceitava o fim do relacionamento de 10 anos com Maria das Dores, que teria acabado há três semanas. 

"As duas são professoras e retornavam do trabalho. Não houve acidente. Elas pararam a motocicleta e foram agredidas pelo acusado. A ex-mulher foi golpeada com uma tesoura e só conseguiu escapar com a ajuda de moradores. Apreendemos a tesoura e as pedras. Ele fugiu de moto", explica Baker Martins. 

                         Fotos: Portaldecampomaior


O laudo do Instituto Médico Legal (IML) atestou afundamento de crânio duplo, como a causa da morte da professora. Maria das Dores está em Teresina e seu estado de saúde é estável. 


Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Mulher é atingida com um tiro na boca na porta de casa

Uma mulher, que ainda não teve a identidade revelada, foi atingida com um disparo de arma de fogo na boca, na tarde deste sábado (18), no bairro Paulo VI, em Campo Maior. De acordo com informações do 15º Batalhão de Polícia Militar, o alvo seria o companheiro da vítima que teria envolvimento com o tráfico de drogas. 

A tentativa de homicídio ocorreu por volta das 13h30. Dois homens em uma motocicleta pop, cor preta, bateram na porta da residência e atiraram. 

"Os suspeitos estavam de capacetes e um deles seria um ex-namorado da vítima. Pelas circunstâncias acreditamos que os criminosos queriam acertar o companheiro dela, mas a mulher saiu primeiro e acabou sendo atingida", explica o tenente Arlindo Félix. 

Ainda de acordo com a PM, há suspeitas que na residência funcione uma boca de fumo e o crime tenha sido um 'acerto de contas'. 

A mulher foi encaminhada ao Hospital Regional de Campo Maior (HRCM) e transferida em estado grave para Teresina. 


Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Campo Maior empossa cinco novos servidores no SAAE

O prefeito Paulo Martins e o diretor geral do SAAE João Lima,  deram posse, na manhã desta quarta-feira (15), a cinco novos servidores concursados para trabalhar no Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Campo Maior. Antes de assinar as portarias,  João Lima, fez um breve relato de como a autarquia funcionava antes, e atualmente após uma série de mudanças realizadas pelo prefeito Paulo Martins, tanto no setor administrativo da empresa como técnico na parte do Sistema de Abastecimento de Água de Campo Maior. As medidas segundo prefeito são para evitar o sofrimento da população por falta de água.

O SAAE é uma empresa que iniciou o seu funcionamento na cidade em 1959, com o prefeito Oscar Gil Castelo, como departamento, em 1970 foi transformado em autarquia. Atualmente com o quadro efetivos, dos cinco novos funcionários, passará a ter 47 servidores. “Ela se diferencia com algumas vantagens que hoje os servidores do município não tem. Isto é um dos referenciais. Não somente na questão salarial, mais de Plano de Cargos e Salários, Plano de Saúde, Bônus de Tícket Alimentação e uma carga horária razoável que é de 30 horas. Todas estas vantagens foram construídas pelos servidores”, explicou o diretor João Lima.

O prefeito Paulo Martins parabenizou aos novos servidores destacando número de efetivos que segundo ele, aumentou em 100%. “Temos um quadro hoje de mais de mil servidores efetivos, quando eu entrei tinha pouco mais de 500, a meta é chegar a 80% de efetivos até 2016 para uma estabilidade, uma segurança no quadro de gestão. Saí prefeito, saí vereadores mais o serviço deve continuar funcionando em todas as secretarias”, explicou, ressaltando que hoje a Prefeitura de Campo Maior tem Previdência Própria e os servidores têm segurança no futuro com uma aposentadoria mais digna.

Da Editoria de Cidades
cidades@cidadeverde.com

Posts anteriores