Cidadeverde.com

Sambão homenageia escritor piauiense Júlio Romão com samba-enredo

  • 20160208031933.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031933_(2).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031933_(1).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031932.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031932_(7).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031932_(6).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031932_(5).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031932_(4).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031932_(3).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031932_(2).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031932_(1).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031930.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031930_(7).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031930_(6).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031930_(5).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031930_(4).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031930_(3).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031930_(2).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031930_(1).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031929.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com

Homenageando Júlio Romão, a escola de samba Sambão entrou na Avenida Marechal Castelo Branco, por volta das 21h, neste domingo (07). A agremiação foi a segunda a desfilar no sambódromo e procurou ressaltar, em seu samba-enredo, a luta do escritor piauiense contra o preconceito racial.

A escola, que sucedeu o desfile da Galo Tricolor, teve como tema "Júlio Romão e a consciência da negritude de um piauiense do século". Cerca de 400 componentes, divididos em dez alas, entraram na avenida incluindo a bateria e as baianas.

Dentre os três carros que a agremiação levou para o sambódromo, o terceiro trazia em destaque um boneco representando o homenageado. Os carros representaram também o teatro negro, a academia de letras e amigos que fizeram parte da vida do escrito, que foi considerado um grande defensor dos negros e índios.

O homenageado, que faleceu em 2013, aos 95 anos, havia trabalhado na imprensa do Rio de Janeiro, ao lado de nomes como Graciliano Ramos, e ocupou a cadeira número 31 da Academia Piauiense de Letras.

"Achamos importante fazer essa homenagem justamente por conta dessa história de luta dele contra o preconceito, porque ele era negro e sentia na pele esse preconceito que ainda hoje existe contra os negros. Com esse samba-enredo, nós queríamos levantar essa bandeira", declarou o presidente da agremiação, Manoel Messias.

Veja também fotos do desfile da Mocidade Alegre do Parque Piauí.

Lucas Marreiros (Especial para o Cidadeverde.com)
redacao@cidadeverde.com