Cidadeverde.com

Blocos desfilam com pouco público e pedem mais apoio em Teresina

  • blocos43.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos42.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos41.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos40.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos39.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos38.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos37.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos36.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos35.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos34.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos33.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos32.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos31.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos30.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos29.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos28.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos27.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos26.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos25.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos24.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos23.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos22.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos21.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos20.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos19.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos18.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos17.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos16.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos15.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos14.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos13.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos12.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos11.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos10.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos09.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos08.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos07.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos06.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos05.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos04.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos03.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos02.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • blocos01.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde

A noite de segunda-feira (8) foi de folia para os 11 blocos carnavalescos que saíram dos seus bairros e invadiram a avenida Marechal Castelo Branco, na zona Norte de Teresina (PI). Mas em meio a festa, sobraram críticas, desde o atraso de quase uma hora no início do desfile, passando pelas arquibancadas vazias a até queixas dos próprios blocos, que reivindicaram mais apoio do poder público. 

Haroldo Santos, do Bloco dos Piratas, foi um dos que ressaltou que os blocos dos bairros necessitam de maior apoio financeiro, para que a tradição não se perca nas próximas gerações. "Carnaval não é apenas escola de samba. Também temos que preservar os blocos carnavalescos que nasceram nas comunidades."

Outro tradicional bloco de rua que participou do desfile na Marechal foi o Baião de Boi, que nasceu na região do Grande Dirceu, zona Sudeste, mas que hoje está concentrado na Vila Confiança, zona Sul. O músico e compositor Severino Santos, 55 anos, é um dos fundadores. Para ele, Carnaval é baião e essa tradição tem que ser respeitada. "O Baião de Boi já tem mais de 30 anos de existência. Nele pulsa cultura e a tradição do verdadeiro baião. É preciso que a Prefeitura incentive mais a cultura popular no Carnaval."

O prefeito Firmino Filho chegou na avenida com os desfiles já em andamento e as arquibancadas em contraste com a noite anterior, quando desfilaram as escolas de samba - até 21h30, a Polícia Militar estimou que 1.000 pessoas estavam na Marechal.

O gestor comentou as cobranças. "A Prefeitura é criticada quando apoia ou não, mas a verdade é que estamos em um processo de resgate do nosso Carnaval, como ocorreu com o Corso de Teresina até chegar a grande festa que é hoje. Esse é um processo contínuo e nós temos um Carnaval multicultural. Hoje, por exemplo, na avenida temos os blocos carnavalescos. Ontem tivemos as escolas de samba e amanhã também", declarou.

Marlon Rodner, representante da Fundação Monsenhor Chaves na avenida, explicou que os blocos já recebem apoio e que existe diferença no valor do repasse para cada um. "A Prefeitura de Teresina apoia financeiramente todos os blocos carnavalescos cadastrados para participar do Carnaval de Teresina. Tanto os blocos de sujos como de sociedade. Todos irão receber a partir do momento em que as prestações de conta forem apresentadas."

Alegria na avenida
Há mais de 10 anos, a tradicional festa dos bairros reúne gerações de famílias. Para a massoterapeuta Lúcia Fernandes, de 32 anos, uma das integrantes do bloco Turbinados da Sergipe, da rua localizada no bairro Pirajá, esse é o momento de reunir toda a família para cair na folia. "Desde pequena que eu participo desse bloco. Nós vivemos um verdadeiro encontro de gerações. Mães que trouxeram os filhos, que depois vieram os netos e bisnetos."

O compositor Haroldo Santos, 46 anos, um dos integrantes mais antigos do Bloco dos Piratas, da Vila Operária, afirma que o Carnaval, para ele, é durante o ano todo, e o mês de fevereiro é apenas o ápice da alegria. "A Vila Operária é o berço do samba. Lá nós tivemos grandes grupos como Escravos do Samba e Unidos da Vila. Por isso, para nós, todo dia é Carnaval", declarou. 

A autonoma Marlene Sousa veio com os dois filhos para prestigiar os blocos carnavalescos. "Esse ano senti que a empolgação ficou a desejar, mas mesmo assim vou ficar na arquibancada até o final." Já a filha da Marlene, Luna Beatriz, de seis anos, aproveitou a noite arriscando alguns passos de samba. "Eu gosto de carnaval, mas não sei dançar direito, fico só pulando com os pés."

A estudante Mila Grabriela, de 10 anos, veio pela primeira vez a apresentação dos blocos e já confirmou presença para o carnaval 2017. "Essa é a primeira vez e gostei muito. Vou pedir para voltar ano que vem. Acompanhei o bloco todinho dançando". Mila acompanhou o Bloco Amigos do Cabral, o terceiro a entrar na avenida.

Além dos já mencionados, a programação do desfile de segunda-feira também incluiu desfiles do Piauí Samba, Capote da Madrugada, Bloco do Paçoca, Línguas Venenosas, Esporão do Galo, Bloco do Etim e Lisossomos.

Por volta de 21h30, a tenente Edinilda Santos disse que a noite estava tranquila e sem ocorrências. Cinco viaturas da PM, com efetivo de 30 policiais, fizeram a segurança dos foliões.

Carlienne Carpaso (flash da avenida)
Fábio Lima (Da Redação)
redacao@cidadeverde.com

Ziriguidum entra na avenida com ex-BBBs e tema sobre combate às drogas

As ex-BBBs Fani e Cacau e a dançarina do Faustão, Carla Prata, serão os destaques do desfile da escola de samba Ziriguidum nesta terça-feira (9), ultima noite do carnaval de Teresina. Além das modelos, a escola promete fazer bonito na avenida com o tema “Sem droga, sem raiva, sem dor: só samba, saúde e amor”.

A participação das modelos, que são conhecidas nacionalmente, é a grande aposta da escola para atrair foliões para Avenida Marechal Castelo Branco. “É um atrativo a mais, que certamente fará com que tenhamos um público maior para o carnaval deste ano”, acrescenta o presidente da Ziriguidum, Fernando Monteiro.

Além das modelos, Fernando Monteiro destaca ainda que os outros grandes atrativos da escola para o desfile desta terça-feira são os quatro carros alegóricos e um tripé, que vai representar a caixa de pandora. A Ziriguidum conta com mais de 1.600 integrantes para o desfile.

“Queremos levar pra avenida a mensagem da prevenção e do combate às drogas e, também, das epidemias que afetam a sociedade, como a dengue e agora a Zika. Ou seja, uma mensagem de alerta para a sociedade sobre a saúde pública”, explica Fernando Monteiro.

A escola de samba Ziriguidum foi fundada em 1978 oriunda do bloco de carnaval com o mesmo nome, que participava de bailes matinais nos clubes sociais da capital. A escola possui o maior número de títulos do carnaval de Teresina, um total de 14, sendo seis títulos somente na Avenida Marechal Castelo Branco.

Eduardo Marchão (Especial para o cidadeverde.com)
redacao@cidadeverde.com

Brasa Samba promete surpresas e "a melhor festa de todos os tempos"

No barracão da Brasa Samba, o ritmo segue acelerado. A menos de 48 horas do desfile na avenida Marechal Castelo Branco, a diretora de Harmonia da escola, Silvana Castro, promete "a melhor festa de todos os tempos", com surpresas e samba-enredo sobre a dança.

"A brasa vem com tudo esse ano. O tema do nosso samba-enredo é: 'Dançar é bom, na Brasa é melhor ainda'. Queremos, com isso, enaltecer os foliões e a cidade. Falamos da dança, desde os primórdios até hoje, das danças tradicionais. Esse ano, a Brasa veio para fazer o público dançar. Convidamos todos a irem para a avenida, porque teremos várias surpresas", declarou a diretora, em entrevista ao Jornal do Piauí desta segunda-feira (8).

A Brasa Samba vai desfilar com 123 alas, três carros alegóricos e 600 componentes. Hoje é o dia de entrega das fantasias e, na avenida, equipes da escola preparam os carros para o desfile.

Jordana Cury
jordanacury@cidadeverde.com

Vaca Atolada leva mais de 30 mil para bloco que premiará foliões fantasiados

Uma festa de surpresas. É o que promete a organização do Vaca Atolada, bloco tradicional de Carnaval que desfila apartir das 15h, desta segunda-feira (08), no bairro Matinha, Zona Norte de Teresina. De acordo com Daniel Borges, criador do evento, a expectativa é que mais de 30 mil foliões participem da folia de momo.

"O diferencial do nosso bloco é a alegria, a organização, a segurança, a força de vontade com que a gente faz o evento, para que a festa aconteça todos os anos com muita alegria", disse Daniel Borges. 

Três bandas animarão o evento que contará ainda com camarotes, barracas com bebidas e premiação surpresa para os foliões que estiverem fantasiados. 

Uma das sensações do Vaca Atolada- que já tem 22 anos de tradição- é uma carroça ornamentada que desfilará com os foliões fantasiados do animal que leva o nome do evento. A concentração do bloco acontece ao lado do Iate Clube de Teresina. 

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Lázaro explica atraso dos desfiles; Veja programação de hoje

O presidente da Fundação Monsenhor Chaves, Lázaro do Piauí, explicou o atraso de uma hora que marcou o início dos desfiles das escolas de samba em Teresina. Ele disse que foi preciso esperar a população para iniciar a festa. "Às 19h, havia poucas pessoas na avenida. Eu não poderia colocar para desfilar uma escola com quatro pessoas na plateia. A escola passa o ano todo se preparando para esse momento, por isso esperamos", argumentou.

Os desfiles tiveram início às 20h, segundo Lázaro, após um acordo com os presidentes das escolas de samba. Na noite desta segunda-feira (8), a avenida Marechal Castelo Branco terá o desfile dos blocos de Carnaval. "Será uma coisa mais light, com trio elétrico e samba enredo. É um momento interessante, de resgate do Carnaval dos bairros. As pessoas brincam à vontade", declarou o presidente da FCMC.

Veja abaixo a relação dos 11 blocos que desfilam hoje a partir das 19h:

1º) Bloco Turbinados da Sergipe

2º) Bloco dos Piratas

3º) Bloco Piauí Samba

4º) Bloco Amigos do Cabral

5º) Bloco Capote da Madrugada

6º) Bloco Baião de Dois

7º) Bloco do Paçoca

8º) Bloco Línguas Venenosas

9º) Bloco Esporão do Galo

10º) Bloco do Etim

11º) Bloco Lisossomos

Mocidade Alegre do Parque Piauí resgata história do Brasil em desfile

  • 20160208031918.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031918_(7).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031918_(6).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031918_(5).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031918_(3).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031918_(2).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031918_(1).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031910.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031910_(2).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031910_(1).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031909.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com

Com o tema "Ratópolis", a Mocidade Alegre do Parque Piauí entrou na avenida Marechal Castelo Branco, por volta das 23h, neste domingo (07), primeiro dia de desfiles das escolas de samba de Teresina. No sambódromo, a agremiação resgatou a história do Brasil e criticou a situação politica e econômica do país na atualidade.

"Somos seres políticos, por isso achamos importante fazer esse resgate da história do país e deixar registrada uma crítica ao momento em que vivemos, dos grandes escândalos e crise financeira", explicou Gardênia Albuquerque, uma das organizadoras.

Cerca de 500 componentes desfilaram divididos em 10 alas que revisitaram a história do país com olhar crítico. A bateria da agremiação fez referência ao exército brasileiro, enquanto a tradicional ala das baianas abandonou o traje branco e desfilou vestindo a bandeira do Brasil.

Um dos carros da escola, trazia em suas laterais faixas com frases como "Tem ratos no Planalto"; "Mensalão"; "Roubalheira" e "E Brasília se transformou na nova Salém", acompanhadas de caricaturas de políticos como Dilma Rousseff e Fernando Henrique Cardoso.

Atrasos
O primeiro dia de desfile das escolas de samba de Teresina foi marcado por atrasos. Previsto para começar as 19h, a Fundação Monsenhor Chaves optou por adiar em 1h o início, alegando que o público ainda estava chegando.

Entre uma escola e outra, o tempo de espera foi de pelo menos trinta minutos. A terceira e última a entrar na avenida, a Mocidade Alegre do Parque Piauí, estava terminando a ornamentação dos carros minutos antes do desfile começar.

A agremiação chegou a anunciar que não iria desfilar caso a organização do evento não conseguisse um guindaste para colocar um destaque em um dos carros. No entanto, após o atraso, a escola começou a desfilar.

Veja também fotos dos desfiles das duas primeiras escolas:

Galo Tricolor

Sambão

 

Lucas Marreiros (Especial para o Cidadeverde.com)
redacao@cidadeverde.com

Sambão homenageia escritor piauiense Júlio Romão com samba-enredo

  • 20160208031933.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031933_(2).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031933_(1).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031932.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031932_(7).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031932_(6).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031932_(5).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031932_(4).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031932_(3).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031932_(2).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031932_(1).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031930.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031930_(7).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031930_(6).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031930_(5).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031930_(4).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031930_(3).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031930_(2).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031930_(1).jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com
  • 20160208031929.jpg Thiago Amaral / Cidadeverde.com

Homenageando Júlio Romão, a escola de samba Sambão entrou na Avenida Marechal Castelo Branco, por volta das 21h, neste domingo (07). A agremiação foi a segunda a desfilar no sambódromo e procurou ressaltar, em seu samba-enredo, a luta do escritor piauiense contra o preconceito racial.

A escola, que sucedeu o desfile da Galo Tricolor, teve como tema "Júlio Romão e a consciência da negritude de um piauiense do século". Cerca de 400 componentes, divididos em dez alas, entraram na avenida incluindo a bateria e as baianas.

Dentre os três carros que a agremiação levou para o sambódromo, o terceiro trazia em destaque um boneco representando o homenageado. Os carros representaram também o teatro negro, a academia de letras e amigos que fizeram parte da vida do escrito, que foi considerado um grande defensor dos negros e índios.

O homenageado, que faleceu em 2013, aos 95 anos, havia trabalhado na imprensa do Rio de Janeiro, ao lado de nomes como Graciliano Ramos, e ocupou a cadeira número 31 da Academia Piauiense de Letras.

"Achamos importante fazer essa homenagem justamente por conta dessa história de luta dele contra o preconceito, porque ele era negro e sentia na pele esse preconceito que ainda hoje existe contra os negros. Com esse samba-enredo, nós queríamos levantar essa bandeira", declarou o presidente da agremiação, Manoel Messias.

Veja também fotos do desfile da Mocidade Alegre do Parque Piauí.

Lucas Marreiros (Especial para o Cidadeverde.com)
redacao@cidadeverde.com

Homenagem a Sima abre desfiles na Marechal

  • 20160207154724.jpg Thiago Amaral/Cidadeverde.com
  • 20160207154629.jpg Thiago Amaral/Cidadeverde.com
  • 20160207154629-(1).jpg Thiago Amaral/Cidadeverde.com
  • 20160207154627.jpg Thiago Amaral/Cidadeverde.com
  • 20160207154626.jpg Thiago Amaral/Cidadeverde.com
  • 20160207154617.jpg Thiago Amaral/Cidadeverde.com
  • 20160207154552.jpg Thiago Amaral/Cidadeverde.com
  • 20160207154551.jpg Thiago Amaral/Cidadeverde.com
  • 20160207154551-(2).jpg Thiago Amaral/Cidadeverde.com
  • 20160207154551-(1).jpg Thiago Amaral/Cidadeverde.com
  • 20160207154550.jpg Thiago Amaral/Cidadeverde.com
  • 20160207154550-(1).jpg Thiago Amaral/Cidadeverde.com

A Escola de Samba Galo Tricolor entrou na Avenida Marechal Castelo Branco ao som do samba enredo que homenageia o ex-jogador do River, Sima Barcelar. A agremiação começou o desfile às 20h deste domingo (7). 

Segundo o presidente da Fundação Monsenhor Chaves, Lázaro do Piaui, o desfile que estava previsto para as 19h e foi adiado para aguardar a chegada do público.

O primeiro carro da escola ressalta o amor ao time River, exibindo o símbolo da equipe, o Galo. Na primeira ala, cerca de 20 pessoas, integrantes do grupo Movimento pela Paz na Periferia, do bairro São Pedro, começam a animar as arquibancadas com o samba enredo da escola. “Queremos fazer o melhor e alegrar o povo além de comemorar que o Galo Tricolor está na classe C”, afirmou Nelson Chaves, um dos integrantes.

A segunda ala da agremiação é composta por passistas fantasiados de sol em referência à estrofe “filhos do sol do equador”, cantada no hino do Piauí.

O segundo carro traz em destaque o jogador Sima trajando a camisa do River. A homenagem da escola é o reconhecimento a um dos mais importantes jogadores da história do Piauí. Nascido na cidade de Miguel Alves, Simão Teles Barcelar começou a jogar no Piauí Esporte Clube na década de 60. Mas foi consagrado mesmo no River, onde se tornou um dos maiores ídolos do futebol piauiense.

Em toda a sua carreira, marcou 529 gols, o que credenciam-no como um dos doze maiores artilheiros brasileiros em todos os tempos.

Veja fotos do desfiles das outras escolas:

Sambão

Mocidade Alegre do Parque Piauí

 

Flash de Lucas Marreiros
Diego Iglesias [da redação]
Redacao@cidadeverde.com

Sanatório completa 12 anos "na paz e sem metralhadora"

  • 20160206135826.jpg Wilson Filho/CidadeVerde.com
  • 20160206135826-(1).jpg Wilson Filho/CidadeVerde.com
  • 20160206135815.jpg Wilson Filho/CidadeVerde.com
  • 20160206135815-(1).jpg Wilson Filho/CidadeVerde.com
  • 20160206135809.jpg Wilson Filho/CidadeVerde.com
  • 20160206135806.jpg Wilson Filho/CidadeVerde.com
  • 20160206135757.jpg Wilson Filho/CidadeVerde.com
  • 20160206135757-(1).jpg Wilson Filho/CidadeVerde.com
  • 20160206135750.jpg Wilson Filho/CidadeVerde.com
  • 20160206135750-(1).jpg Wilson Filho/CidadeVerde.com

Ao completar 12 anos, o bloco Sanatório Geral comemora o folião sem uniforme e lança a primeira eletrônica de rua do bloco neste sábado (5). Parte da Avenida Frei Serafim, no entorno da Igreja São Benedito foi interditada.

O Sanatório Geral é um bloco se destaca com musicas de carnaval, frevo e marchinhas. A festa começa com a banda Dona Flor e Seus Dois Maridos e, em seguida dois Djs seguem com a animação depois das 23h, Mirton de Paula e Marceleleco. Um dos organizadores, o produtor e diretor Arimatan Martins, afirma que o bloco preserva a mesma identidade, sem cordas de isolamento ou abadá e sem uniformização. “As pessoas vêm com as suas fantasias. O carnaval aqui é paz e amor sem metralhadora. São 12 anos sem registo de Boletim de Ocorrência e sem agressão, pois as pessoas chegam para se divertir”, frisa.

Milhares de pessoas se concentram no espaço entre a igreja São Benedito e Praça da Liberdade. Jorgino Medeiros, um dos organizadores, diz que é um bloco que reúne muitos amigos, artistas, poetas, jornalistas e lembra que na primeira edição colocaram um Dj e que acredita nesta proposta este ano.

Flash de Yala Sena
Diego Iglesias [da Redação]
Redacao@cidadeverde.com

Firmino diz que não existe fórmula única para carnaval e cobrará prestação de contas

O prefeito de Teresina, Firmino Filho, participou da concentração do Capote da Madrugada na tarde deste sábado (6) e reforçou as mudanças que estão acontecendo no formato da festa pela população na capital. E que frisou ainda que a Prefeitura cobrará a prestação de contas das escolas de samba. 

De acordo com o chefe do executivo, Carnaval em Teresina é uma tradição e que envolve desfile de escolas de samba e blocos de rua. “Temos tradição de escola de samba desde as décadas de 60 e 70. Carnaval não é uma formula única, chapada. A população é quem faz a festa. Carnaval é criado e recriado pela população. Veja o Capote, um carnaval diferente que faz sucesso”, frisa Firmino. 

O gestor destacou ainda que a prefeitura tem incentivado os blocos de rua e que acredita nessa força popular. A gestão municipal investiu em torno de R$ 600 mil no carnaval deste ano e, para ele, a cobrança dos valores gastos pelas escolas com os desfiles é imprescindível. “É uma obrigação essa prestação de contas e vamos cobrar”, frisa. 

No primeiro dia de festa, Firmino já avalia a folia positivamente diante dos resultados positivos trazidos pelo Corso do Zé Pereira no último fim de semana que, para ele, ganhou mais força de participação popular e na segurança. “Assim como o Corso, no Carnaval vamos dar um passo adiante para ascensão da festa de momo,” finaliza.

Flash de Yala Sena
Diego Iglesias [da Redação]
Redacao@cidadeverde.com

Posts anteriores