Cidadeverde.com

Prestando atenção!

  • DSC_0095.JPG Francisco Soares Santos Filho
  • Corujas2.jpg Francisco Soares Santos Filho
  • Corujas.jpg Francisco Soares Santos Filho
  • Corujas3.jpg Francisco Soares Santos Filho

A natureza é prodigiosa em vários aspectos. Mamíferos e aves destacam-se dos demais animais pela característica dos cuidados parentais (dos pais). Muitos tem sua natureza mais frágil ao nascer (o que inclui o homem), o que obriga pais e mães deterem grande parte de seu tempo protegendo, alimentando e cuidando dos filhotes para garantir o sucesso de sua prole.

O homem tem esta necessidade pautada especialmente na precocidade ao nascer: nem seu crânio está totalmente formado. Sem os cuidados parentais não teríamos superado a seleção natural. E estes cuidados não são específicos nossos.

Na semana passada acompanhei um dos meus orientados do Mestrado em uma coleta botânica na região de dunas em Luiz Correia (PI), próximo a praia de Maramar. Ao chegarmos observei a movimentação de muitas aves nas poucas árvores locais e me chamou atenção especialmente o comportamento arredio de corujas. Não é muito comum corujas, que são animais noturnos, apresentarem movimentos ativos durante o dia. Mas estas não paravam de soltar gritos estridentes à medida que percebiam nossa movimentação.

Mesmo sem entender muito de animais percebi que estávamos invadindo sua área de domínio e de nidificação (construção de ninhos). Fiz uma rápida pesquisa e descobri tratar-se provavelmente de um casal de Corujas-Buraqueiras (Athene cunicularia) que são comuns na região litorânea brasileira entre o Maranhão e o Paraná. Elas, em geral, cavam buracos nas dunas para realizarem a postura dos seus ovos. Provavelmente estávamos ameaçando a integridade do ninho. Com pouco tempo pararam de chirriar (é assim que se chama o ruído emitido por uma coruja) e ficaram só nos vigiando. As fotos mostram o casal à nossa espreita.

Interessante e triste foi saber, nas leituras que fiz, que estas corujas encontram-se ameaçadas em alguns locais por causa do movimento de motoristas que insistem em dirigir sobre dunas e praias. Uma pena!