Cidadeverde.com

LOUVAÇÃO AO NONAGENÁRIO LÚCIDO

 

Com extraordinária lucidez e  intensa atividade intelectual, M. Paulo Nunes acaba de ingressar no seleto clube dos nonagenários lúcidos e produtivos.  Nem um câncer de próstata foi capaz de derrotá-lo. Paulo continua apreciando boa literatura, vinho encorpado, café forte e mulheres bonitas, indiscutível prova de sabedoria. Não perdeu a capacidade de indignar-se com as injustiças do mundo, mas acredita no diálogo como meio mais eficaz de resolver conflitos.
     
Vez que outra,  mestre Paulo afirma não saber exatamente por que voltou para  Teresina após aposentar-se em Brasília. Os piauienses sabemos: voltou para,com sua inteligência e capacidade de trabalho, animar   a cena cultural piauiense. Durante sua curtíssima gestão à frente da Secretaria de Cultura do Piauí, no final do governo de Lucídio Portela (82/83), deixou sua marca como administrador competente. Entre outras realizações, editou dois números da Revista Presença e, em parceria com a Livraria Corisco, publicou dois grandes poetas piauienses: Da Costa e Silva   (Antologia Poética)e Clóvis Moura (Argila da Memória). Por oportuno, vale ressaltar que foi a primeira vez que o mais festejado poeta piauiense foi editado entre nós.  
      
Ao longo desses anos, Paulo Nunes escreveu um punhado de livros, dirigiu a Academia Piauiense de Letras  e reestruturou o Conselho Estadual de  Cultura do Piauí, que ainda preside, dotando-o de  uma bela sede: o Centro Cultura da Vermelha,que leva o seu nome.

Seria exaustivo enumerar aqui a contribuição de M. Paulo Nunes  para a cultura piauiense. Trata-se de uma vida inteira dedicada  à literatura e à educação. Em recente obra publicada pela EDUFPI – Em busca da geração perdida  -  a professora Vanessa Negreiros afirma: “Para começar, toma-se como aspecto diferencial das atuações do escritor  o seu espírito de liderança. Manoel Paulo Nunes esteve na linha de frente de praticamente tudo de que participou. Essa característica somada ao que o próprio escritor considera suas duas paixões, a literatura e a educação, fizeram com que, desde muito jovem,Manoel Paulo Nunes se tornasse figura de destaque nos meios socioculturais  não somente da capital piauiense,mas também de outras cidades e estados do país”.

Como membro do Conselho Estadual de Cultura, tenho a honra de conviver com o mestre Paulo com quem aprendo diariamente. Sem rodeios, posso testificar: Manoel Paulo Nunes é um paradigma de servidor  público e um cidadão que dignifica a palavra amizade.