Cidadeverde.com

A ameaça dos populistas de extrema direita

É preocupante a escalada ascendente de políticos populistas de extrema direita que prometem soluções fáceis e radicais sempre que a sociedade passa por algum tipo de crise, seja ela econômica ou política. Quando a população começa a dar sinais de exaustão e passa a temer pela manutenção do seu emprego ou da sua própria segurança, é comum surgirem figuras anunciando o fim de todos os problemas de uma só vez, levando os mais ingênuos a acreditarem que isso é possível.

O mundo inteiro passa por uma situação semelhante de medo com o que virá, diante das incertezas da economia e da estabilidade social. A crise dos refugiados é apenas um dos ingredientes que ajudam a engrossar esse caldo de turbulência que se forma de norte a sul, de leste a oeste. Some-se a isso, o inevitável processo de automação nos postos de trabalho, subtraindo vagas preciosas de empregos. Esse sentimento é terreno fértil para o nascimento de personagens como Donald Trump e similares que se espalham pela Europa, como se vê na França, Holanda e Inglaterra.

Aqui no Brasil, a instabilidade política decorrente das listas de delação premiada  e de pedidos de abertura de inquérito que envolvem representantes de praticamente todos os partidos políticos criou a sensação de que a saída só é possível com o aparecimento messiânico de alguém que venha para salvar o país do atoleiro em que se encontra. Por outro lado, a crise econômica pós-recessão, a maior da história brasileira, ajuda a colaborar com esse sentimento.

Daí, surge o perigo de a população abraçar nomes sem um projeto consistente, bem fundamentado, que mergulhe fundo na raiz da tempestade em que estamos mergulhados. Problemas complexos não comportam soluções simples. Quem promete isso, está apenas ludibriando uma população de náufragos desejosa de se agarrar à primeira tábua que surge. Jair Bolsonaro ( PSC) começa a ganhar corpo nesse cenário e a se projetar como candidato a presidente do Brasil. Fernando Collor, no passado, também surgiu ameaçando acabar com os marajás e acabou mesmo foi apeado da Presidência. É bom aprender com a história para evitar novas armadilhas.