Cidadeverde.com

Inscrição do ENEM sobe para R$ 82

O Ministério da Educação anuncia hoje as novas regras para inscrição no ENEM – Exame Nacional do Ensino Médio, que dá acesso a uma vaga nas universidades públicas brasileiras. A grande novidade é que, a partir deste ano, as provas não serão mais realizadas em um único final de semana, como ocorreu até o ano passado. Este ano, os testes serão aplicados em dois domingos seguidos. E já tem até data marcada:  5 e 12 de novembro.

A notícia ruim é que o valor da taxa de inscrição subiu 20,5%, passando de R$ 68 para R$ 82. Os candidatos que vão realizar o ENEM devem ficar atentos para o prazo de inscrição, que começa no próximo dia 8 de maio e vai até o dia 19 do mesmo mês, pela internet.

Os que vão solicitar a isenção da taxa devem estar inscritos no Cadastro Único do Governo Federal ( o mesmo que dá direito a programas sociais como o Bolsa Família) ou terem cursado o terceiro ano do ensino médio em uma escola da rede pública.

Este ano, como forma de garantir mais segurança e transparência, o nome do candidato vem impresso no caderno de provas. O ENEM mobiliza milhares de estudantes em todo o país que sonham com uma vaga em uma das universidades públicas brasileiras, portanto, quanto maior o rigor na fiscalização e lisura do concurso, mais tranquilos ficarão os jovens em um momento tão importante das suas vidas.

Projeto Seis e Meia se consagra junto aos piauienses

 

Quem teve oportunidade de ira ao Teatro 4 de Setembro ontem à noite assistiu a um belíssimo show do sambista Diogo Nogueira, filho do também talentoso João Nogueira. Som e luz impecáveis, climatização perfeita, tudo dentro de um padrão de qualidade muito bom, a um preço justo. O show foi mais um dos muitos já organizados pelo Projeto Seis e Meia,  coordenado pela  Secretaria de Cultura do Estado.

O projeto é um exemplo bem sucedido de política cultural, que permite aproximar o público da arte brasileira, cultivando o hábito da população de ir ao teatro. A cada mês, um artista de peso da música popular brasileira é trazido ao Piauí para shows que encantam os piauienses. Por meio do projeto, já vieram músicos como Maria Gadu, Zeca Baleiro e Tiago Iorc, entre outros.

Diogo Nogueira deu um show de simpatia e vitalidade no palco. Mesmo fazendo duas apresentações seguidas, o que exige muito do artista, ele não demonstrou cansaço ou frieza com o público. O artista fez um passeio pela MPB, cantando músicas de compositores como Milton Nascimento, Gonzaguinha, Djavan e Cazuza, além dos clássicos sambas que marcaram a sua carreira. E, sem se fazer de rogado,  ainda voltou para  o esperado bis, fazendo a alegria dos fãs.

O Projeto Seis e Meia já atingiu um nível de sucesso tão grande que, ao final de cada show, os teresinenses ficam na expectativa do próximo nome. Ontem, o Secretário Fábio Novo anunciou que a atração de maio será o cantor Agnaldo Timóteo e, mais, que o projeto não está mais restrito apenas à capital. Para atender também ao público do interior, o Projeto segue agora por outras cidades do Piauí.

As atrações do Seis e Meia tornaram-se maior que o espaço do Teatro 4 de Setembro. A cada atração, o público forma fila para comprar seu ingresso antecipadamente. Infelizmente, nem todos conseguem. O passo seguinte para aperfeiçoar o projeto deve ser a venda de ingressos pela internet. É o que se espera, afinal o show não pode parar. 

Hospital Justino Luz promete UTI para maio

 

Na última segunda-feira, publicamos aqui neste espaço uma notícia acerca da vistoria realizada pelo sindicato dos médicos no hospital regional Justino Luz, em Picos. Segundo o presidente do sindicato, Samuel Rego, o que ele viu por lá é estarrecedor. Pacientes com câncer fazendo infusão de sangue no meio do corredor, em condições precárias, a UTI funcionando como depósito de móveis e equipamentos, tomógrafo quebrado, entre outras irregularidades. Desde segunda-feira, solicitamos o posicionamento da Secretaria de Saúde sobre a denúncia, que nos chega agora com as seguintes informações.

A unidade está passando por reforma e ampliação na área de urgência, bem como está implantando 10 leitos de UTI e 10 leitos de UTI Neonatal. Por conta disso, boa parte do espaço físico está comprometida, funcionando apenas com a metade da capacidade do pronto socorro

No projeto de reforma, o Hospital vai contar com espaços reservados para observações masculina e feminina, espaços para procedimentos contaminados, salas individuais para exames laboratoriais e de imagens e, também, o aumento do número de consultórios.

Com as intervenções em curso, alguns espaços servem temporariamente para o acondicionamento de mobiliários e equipamentos, sendo que, à medida que os novos espaços forem entregues, os materiais serão remanejados para a sala destinada a eles.

Elencam-se ainda outros investimentos que estão sendo feitos, como a instalação de um transformador de 500 KVA, que vai interligar à subestação existente. Com esta nova capacidade energética, a Secretaria de Estado da Saúde vai poder inaugurar a UTI ainda no mês de maio e colocar em pleno funcionamento o aparelho de tomógrafo, que não funciona em sua plenitude por causa do déficit energético. Apesar desta falha, havendo necessidade de diagnóstico por imagem, o exame é realizado por prestadores de serviço.

Devido a demanda por assistência de urgência, com uma média diária de 270 pacientes, pode ocorrer ocasionalmente dos corredores estarem superlotados, como relatado de um paciente sendo medicado no corredor. Informa-se que o mesmo, após a medicação para estabilização, foi imediatamente encaminhado a uma enfermaria.

Com os esclarecimentos prestados, espera-se que o hospital, planejado para servir a toda região do Picos, preste um bom serviço à comunidade, com espaços adequados, leitos disponíveis e equipamentos funcionando plenamente.

Insegurança jurídica gera prejuízos para empresa e consumidores

O inquérito civil instaurado pelo Ministério Público do Piauí para apurar as condições da qualidade da água distribuída pela Agespisa traz de volta à cena o processo licitatório para contratação da empresa que assumirá a subconcessão dos serviços de abastecimento de água e esgoto de Teresina. A assinatura do contrato entre o estado e a empresa vencedora, a Aegea, havia sido suspenso pelo TCE, até que seus técnicos concluíssem a análise do processo. O Tribunal de Justiça, por liminar do desembargador Sebastião Ribeiro Martins, revogou a decisão do TCE, levando o governo prontamente a promover a assinatura do contrato. Mas, logo em seguida, o mesmo desembargador voltou atrás, tornando sem efeito o contrato assinado.

Resultado: volta tudo para o ponto de partida. E o que era tido como certo está perdido na mais completa indecisão. Os diretores da empresa vencedora questionam, com justificada razão, a segurança jurídica para operar em Teresina, já que as decisões mudam a cada dia.

Questionamentos jurídicos a parte, o que interessa é que até hoje a capital do Piauí conta um péssimo serviço de abastecimento de água e esgoto. Enquanto ainda falta água regularmente em vários pontos da cidade, menos de 20% da sua área é coberta por esgotamento sanitário, com prejuízos inquestionáveis para a saúde da população.

O pedido de inquérito feito pelo Ministério Público foi baseado em análise da água coletada em nove pontos distintos de Teresina, realizada pelo Laboratório Central. O resultado apontou qualidade insatisfatória para o consumo humano, com a presença de coliformes totais. Para a população, não interessa quem vai operar o sistema, se o poder público ou privado. O que se quer é um serviço de qualidade que contemple toda a extensão da cidade porque, afinal, água é saúde.

A incerteza gerada pelo julgamento do TSE

O futuro do Brasil é incerto. A dúvida sobre o que acontecerá nos meses seguintes vem desde a eleição de Dilma e ganha contorno ainda mais fortes nesta manhã, quando inicia o julgamento do processo de cassação da chapa que elegeu a dupla Dilma/Temer. Sem saber o que o futuro reservava, o PSDB ingressou com ação contra a chapa vitoriosa na eleição de 2014, alegando abuso de poder econômico, o que viria a ser comprovado depois. O que os tucanos não contavam era com o impeachment de Dilma e a ascensão de Michel Temer à presidência.

Agora, o cenário mudou e o PSDB já faz parte do ministério, palmilhando uma candidatura para 2018. Mas já é tarde para se arrepender. O julgamento começa hoje e o TSE já programou até sessões extraordinárias para dar celeridade ao processo.

O Brasil e os investidores do mundo inteiro acompanham o julgamento com grande expectativa. Depois de um traumático processo que levou ao afastamento da ex-presidente, o país passou por todo a etapa de negociação para  composição da equipe de governo até engatar, finalmente, aos trancos e barrancos, uma agenda de reformas necessárias para o equilíbrio fiscal. Bem ou mal, a inflação e os juros vêm caindo, animando os empresários, ainda que timidamente, para voltarem a investir.

Se o TSE decide cassar a chapa eleita, levando Temer junto, voltamos à estaca zero para começar tudo outra vez. Novos acordos e conchavos para compor o ministério, nova agenda de governo e mais tempo perdido. No entanto, o pior de tudo é imaginar quem poderá ser eleito pelo atual Congresso, comprometido até o pescoço com denúncias da Lava Jato.  Além da ruptura de um estado que estava começando a se realinhar, ainda há o risco de os parlamentares elegerem um presidente refém das chantagens de quem está desesperado para escapar do braço da justiça. É muita incerteza para uma nação que ainda nem se recuperou do último tombo. 

Posts anteriores