Cidadeverde.com

De olho no voto, Brasil começa guerra por água

Foto: Ministério da Integração Nacional

As águas do São Francisco começam a correr pelos caminhos da transposição

Dizem que a próxima guerra mundial será por água. No Brasil, ela já começou. O ex-presidente Lula e a ex-presidente Dilma vão à Paraíba contestar a “paternidade” da transposição do Rio São Francisco, inaugurada na sexta-feira pelo presidente Michel Temer. Ou seja, o trecho leste da transposição do Rio São Francisco será inaugurado pela segunda vez em dez dias.

Lula e Dilma vão ao município de Monteiro (PB), no próximo domingo, para repetir o ato oficial protagonizado pelo presidente Michel Teme. O objetivo dos petistas é rebater o discurso do atual governo sobre a “paternidade” da obra.

O palanque petista terá ainda o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT), que, assim como Lula, é pré-candidato à Presidência em 2018. O ato é organizado pelo governador Ricardo Coutinho (PSB), que na semana passada, mesmo na presença de Temer, agradeceu aos dois ex-presidentes e a Ciro Gomes pela realização das obras.

A nova inauguração do trecho Leste contará, claro, com a presença de militantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), de sindicatos e pastorais. O trecho inaugurado tem 217 quilômetros de tubulações e seis estações de bombeamento e também beneficia o estado de Pernambuco. As obras do Eixo Leste prometem levar água a 168 municípios dos dois estados, beneficiando 4,5 milhões de pessoas. Após a conclusão do Eixo Norte, que já tem 94,5% das obras concluídas, 12 milhões de nordestinos deverão ser alcançados pela transposição do São Francisco.

As obras de transposição do São Francisco foram sonhadas por Dom Pedro II. A discussão foi retomada no governo Vargas e os primeiros projetos foram feitos durante o regime militar. As obras foram iniciadas por Lula e continuadas e abandonadas por Dilma, sendo retomadas e entregues agora por Michel Temer.

Foto: Raoni Barbosa/Cidadeverde.com

O deputado Joao Mádison avisa: caminho para o governo não tem volta

Sem volta

O PMDB do Piauí está com o governador Wellington Dias para o que der e vier. É o que avisa o deputado João Mádison, um dos articuladores da adesão do partido ao Palácio de Karnak.

Ele disse que o partido apoiará a reeleição do governador. “Não tem mais volta”, garante.

Mudam de partido

Segundo João Mádison, se for preciso, os deputados que estão ingressando no governo até mudarão de partido para votar em Wellington, caso haja veto da direção nacional.

O parlamentar até já tem um nome para fazer dobradinha com o governador em 2018: o do atual presidente da Assembleia Legislativa, Themístocles Filho.

As declarações do parlamentar foram dadas ontem à TV e à Rádio Cidade Verde.

Com o inimigo

Ao observar a movimentação dos peemedebistas piauienses, o ex-governador Zé Filho despachou para seus amigos e jornalistas uma mensagem pelo WatsApp: “Era desse PMDB aí que eu estava cercado!”

Zé Filho se desfiliou do partido tão logo começou o namoro dos deputados peemedebistas com o governo.

Pé na estrada

Quem não entregou os pontos foi o ex-ministro João Henrique, presidente nacional do Sesi. Ele pega amanhã a rota do litoral para realizar em Parnaíba a terceira edição da caravana “Piauí em Movimento”, organizada pela Fundação Ulysses Guimarães, que preside no Estado.

O movimento prega a preparação de candidatura própria do PMDB ao Governo do Estado.

Manifestação

Entidades sindicais e do movimento popular protestaram ontem em várias cidades contra a PEC 287/2016, que estabelece mudanças na Previdência Social.

A adesão foi pequena, principalmente de servidores públicos, mas os manifestantes foram muito barulhentos. 

Tem mais!

E vem aí uma nova manifestação, agora puxada pelo Movimento "Vem Pra Rua". Será no próximo dia 26.

O ato público está sendo convocado em apoio à operação Lava Jato, pelo fim do foro privilegiado e por renovação política. 75  cidades de 18 Estados já confirmaram presença na manifestação.

É aguardar para ver qual será o nível de adesão a esses novos protestos.

Carga pesada

O brasileiro trabalha 151 dias apenas para pagar impostos. E o Brasil não é o cabeça da lista entre os maiores pagadores de tributo. a diferença é que acaba pagando duas vezes, pois os impostos recolhidos nem sempre voltam em forma de obras e serviços. O levantamento é do deputado federal Júlio César (PSD):

O Brasil e o sétimo do mundo em arrecadação de impostos

* A Assembleia Legislativa aprovou o projeto da reforma administrativa proposta pelo governador Wellington Dias.

* Os novos auxiliares do governo devem tomar posse já na próxima semana. São mais nove coordenadorias, além da Empresa Hospitalar do Piauí.

* Será hoje, às 19 horas, no Cine-Teatro da Ufpi, o lançamento do livro do escritor Enéas Barros sobre o Caso Fernanda Lages.

* A apresentação da obra será feita pelo crítico Edmilson Caminha Jr, que reside em Brasília. O livro-reportagem tem 400 páginas.

Passa lá!

O ex-presidente Lula quebrou a tensão do seu depoimento à Justiça Federal, esta semana, em Brasília, com algumas brincadeiras. Ele contou que havia até um apelido para o Instituto Lula, com base na diversidade de assuntos que eram tratados lá, provocando risos na sala:

— Sabe qual era o apelido do instituto? Posto Ipiranga. Lamentavelmente era assim. Não era por causa do Instituto, era do personagem. Tem problema em tal lugar? Vai no posto Ipiranga.