Cidadeverde.com

Por que Lula tentou tanto evitar o encontro com Sérgio Moro?

Quando houve a condução coercitiva do ex-presidente Lula, em março do ano passado, para depor na Polícia Federal, em São Paulo, o petista saiu da audiência esbravejando. Imediatamente, convocou uma coletiva e fez um pronunciamento reprovando a decisão do juiz Sérgio Moro para ele depor na 24ª. fase da Operação Lava-Jato sob condução coercitiva.

Lula disse que bastava o juiz convocá-lo que ele iria depor. Assim, não havia razão para a arbitrariedade de mandar a Polícia Federal buscá-lo em sua casa. No final de seu pronunciamento, o ex-presidente deu sua declaração de guerra para uma militância em polvorosa: "Se quiseram matar a jararaca, não fizeram direito, pois não bateram na cabeça, bateram no rabo, porque a jararaca está viva."

Muito bem! Quando o ex-ministro José Dirceu, o tesoureiro Delúbio Soares e outros petistas graduados foram presos, no Escândalo do Mensalão, o grito de ordem dos petistas era o mesmo que sai agora, em defesa do ex-presidente Lula: “Não aceitamos condenação sem provas”.

Adiamento

Ora, se sempre esteve mesmo disposto a comparecer à presença do juiz, por que o ex-presidente recorreu três vezes a todas as instâncias, até a última hora, e também entrou com dois pedidos de habeas corpus para não ir a Curitiba? A defesa do ex-presidente solicitou também a suspeição do juiz.

Por último, a sua defesa pediu juntada de mais de 3 mil documentos ao processo e, a seguir, pediu para adiar audiência para analisá-los. Ora, se alguém podia falar em pedir tempo para conhecer esses documentos era o Ministério Público Federal, órgão de acusação.

Fica provado, nesse episódio, que a fala de Lula e os seus gestos concretos não se casam. Quando ele diz que se coloca à disposição da Justiça, corre por trás para postergar o processo, ao invés de procurar encerrá-lo o quanto antes.

Foto: Reprodução

 Petistas em Curitiba com Lula

A Marcha a Curitiba

O PT, a CUT e o MST não reuniram em Curitiba, ontem, a quantidade esperada de militantes e simpatizantes do ex-presidente Lula, no depoimento dele ao juiz Sérgio Moro.

Inicialmente, falou-se em 100 mil pessoas. Depois, os organizadores baixaram a meta para 20 mil e, ao final, em torno de 5 mil petistas e aliados chegaram a Curitiba.

Acima da lei

De todo modo, trata-se de algo inédito: nunca antes na história deste país tantas caravanas – mais de 100 ônibus – saíram às nas ruas para contestar um interrogatório.

Isto é, na visão petista tem gente em seus quadros que está acima do bem e do mal – e também da lei – e não pode responder processo!

E não se considera nem a hipótese de, nessas oitivas, o acusado esclarecer convincentemente os fatos e derrubar as acusações que lhe são feitas.

Foto: Reprodução

Os governadores do Acre e do Piauí com Lula

Wellington lá!

Do governador Wellington Dias, ao justificar sua presença em Curitiba: “É mais que defender o Lula, defendemos o Brasil que sonhamos com Lula. Um Brasil para todos, para os que amam ou odeiam o Lula, quem vota ou não vota no Lula, POR UM BRASIL PARA TODOS, contra um projeto de "Brasil para poucos"; e um Brasil que possa seguir tirando os que ainda precisam de alimento, de emprego, de moradia Minha Casa Minha Vida, água potável e para todos, Luz para todos...”.

Sem provas

“Não há provas de qualquer crime cometido pelo Lula. E não podemos permitir que o poder do judiciário seja usado para perseguir, para destruir a imagem de um lider do povo e sua família, nem dona Mariza que morreu sofrendo muito pelas calúnias e difamação e ataques à sua família... queremos respeito, ao cidadão Lula e respeito à Constituição e as leis do nosso país.”

Pé de ouvido

A vice-governadora Margarete Coelho (PP) assume o Governo do Estado outra vez no próximo sábado, em razão da viagem do governador Wellington Dias a Portugal e à Alemanha.

Ontem pela manhã, ela esteve em visita ao Tribunal de Contas do Estado. Conversou demoradamente com o presidente, conselheiro Olavo Rebelo.

Ela deve ter recebido do governador a missão de tentar descascar o abacaxi da licitação da concessão da Ceapi.

Foto: Divulgação

Deputada Iracema Portella recebe sindicalistas

Lobby

Uma delegação de policiais civis do Piauí, representados pelos sindicatos Sindepol e SinpolpiI, esteve ontem na Câmara dos Deputados para conversar com os parlamentares piauienses e pedir deles o voto contra a PEC 287, que versa sobre a reforma da Previdência.

Ensino virtual

A Federação das Indústrias do Estado do Piauí (Fiepi), por intermédio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – Senai, representado pelo diretor Mardônio Souza de Neiva, reuniu-se com o representante da empresa Time To Know, André Monteiro, para tratar da plataforma de ensino virtual.

Durante a reunião foram levantadas as expectativas referentes ao AVA, Ambiente Virtual de Aprendizagem, adquirido pelo Senai-PI, junto à empresa Time To Know.  

Reforma política

A Comissão Especial da Reforma Política recebeu, em sua audiência pública de ontem, o ministro Herman Benjamin e a ministra Luciana Lossio, ambos do TSE, além de Carlos Padim, presidente do Colégio de Corregedores do Brasil, juntamente com os corregedores eleitorais dos Estados brasileiros.

Foto: Reprodução

Marcelo Castro com ministro Herman Benjamin (TSE) na reunião da Comissão da Reforma Política

*O secretário de Governo, Merlong  Solano, disse que o Palácio de Karnak já está cuidando da liberação dos deputados Fábio Abreu (PTB) e Rejane Dias (PT).

*Ele explicou que os dois parlamentares-secretários querem votar contra a PEC da reforma da Previdência.

*Mesmo se sentindo popular, o ex-presidente Lula não se arrisca a viajar em avião de carreira. Só anda de jatinho particular.

*Ontem, por exemplo, ele foi a Curitiba em um avião do ex-ministro Walfrido dos Mares Guia, megaempresário do ensino privado.

Vão fechar o Jaburu!

Da senadora Regina Sousa, indignada com a decisão judicial determinando o fechamento do Instituto Lula, em São Paulo:

- O Brasil está em marcha-ré, fechar instituições como o Instituto Lula e pedir a cassação do registro de um partido político em pleno século 21, eu juro que não esperava ver mais. Que tal fechar o Jaburu, ali se deram negociações tremendas, já reveladas pelos delatores. Podem fechar minha casa também, lá aconteceram muitas reuniões do PT.