Cidadeverde.com

Sucessão de erros resultou em tragédia

Nem o cinema seria capaz de produzir um roteiro tão grotesco quanto este do Caso Emyle. A menina, de 9 anos, tão cheia de vida e alegria, foi assassinada menos de 24 horas depois de celebrar com a família a chegada do Natal.

Sua vida, ainda no começo, foi tirada à bala, durante uma desastrosa abordagem policial ao carro em que andava com a família – o pai, a mãe e duas irmãzinhas.

No curso das investigações, descobriu-se que o policial acusado dos disparos que acertaram fatalmente Emyle estava vestindo a farda da polícia, usando a arma e a viatura da corporação e recebendo salário do Estado ilegalmente.

O soldado Dornel, o acusado de atirar na menina, ingressou na Polícia Militar em 2010 com uma liminar da justiça em mãos, após ter sido reprovado no teste psicológico do concurso. A decisão a seu favor saiu no dia 15 de junho de 2010.

A Procuradoria Geral do Estado recorreu. Em nova decisão, de 6 de setembro de 2016, a Justiça derrubou a liminar. Mas o soldado continuou na PM, pois a polícia não foi notificada na decisão.

O Tribunal de Justiça alegou, por sua vez, que a sentença fora publicada no Diário Oficial da Justiça, um documento público a que todos podem ter acesso, especialmente a Procuradoria Geral do Estado, esta por dever de ofício.

O resumo da ópera: houve um erro atrás do outro, por omissão ou negligência funcional, até a tragédia que se abateu contra Emyle e a família dela.

Expulsão

Somente ontem, diante da ampla e negativa repercussão do fato, o governador Wellington Dias assinou o decreto expulsando o soldado da PM. Foi preciso uma tragédia para o Estado fazer o que já deveria ter feito há muito tempo, sem muito esforço.

Mesmo assim, e apesar de não acompanhar com a devida atenção o processo do soldado que vestiu a sua farda indevidamente e usou a sua arma para cometer crime, a Polícia Militar ainda queria tomar para si a investigação do assassinato da menina. 

Eita Piauí que não toma jeito!

 

Foto: Pablo Cavalcante/RCV

André Baía nos estúdios da Rádio Cidade Verde: fim da  candidatura ao governo

Fora do páreo

O presidente do Sindicato da Construção Civil no Piauí, empresário André Baía, anunciou ontem a retirada de seu nome como postulante ao cargo de governador.

Desde o ano passado, ele vinha sendo citado por várias lideranças políticas como uma das opções para a disputa.

O prefeito Firmino Filho foi um dos que se entusiasmaram com a candidatura do empresário.

Hora H

André Baía alegou que ainda não é o momento de deixar os negócios da família de lado para enveredar no campo político.

A desistência de disputar o Palácio de Karnak este ano não significa que o empresário tenha mudado de ideia de entrar na política, conforme deixou claro.

Chapa

O presidente da Associação Piauiense de Municípios, prefeito Gil Carlos (PT), fez ontem uma visita de cortesia ao presidente da Assembleia Legislativa, deputado Themístocles Filho (PMDB).

O prefeito não quis se manifestar claramente sobre as especulações que indicam o nome do deputado como provável candidato a vice-governador na chapa governista. Mas falou pelas entrelinhas:

- Estamos na fase de construir a chapa majoritária. O governador é o grande maestro, construtor desse entendimento. O MDB deve ser um dos partidos que vai indicar o nome para compor uma das quatro vagas para a chapa e dentro do partido o Themístocles é um dos nomes mais citados para representar a sigla.

Internet para Todos

O ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab (PSD), lançou ontem, na sede da Associação Piauiense de Municípios, em Teresina, o Programa Internet Para Todos.

Ao todo, 128 cidades do Piauí serão beneficiadas com internet banda larga.

E a energia?

“É um momento histórico, estamos falando de banda larga de alta potência. Isso vai viabilizar melhorias nos serviços, como a teleducação, telemedicina, monitoramento na segurança. Isso é uma revolução. É um momento muito importante”, festejou o governador Wellington Dias.

Não custa perguntar: e o Piauí tem mesmo energia para atender a essa nova demanda por internet, hum?

Foto: Renato Bezerra

Ministro Kassab e governdor Wellington Dias, em momento de descontração na APPM

 

 

* Demorou muito, mas enfim a Prefeitura de Teresina abriu um novo acesso direto da zona Leste cruzando a Avenida João XXIII.

* Ele pode ser feito agora pela Rua Irapuan Rocha, que corta os bairros Nossa Senhora de Fátima e Jockey Clube.

* Entre a Ponte JK e o Balão do São Cristóvão, só havia duas vias desse tipo, as Avenida Homero Castelo Branco e Kennedy.

* A festa ontem foi do PSD do deputado federal Júlio César, com a vinda do ministro Kassab ao Piauí.

 

Susto nas ruas

Do empresário André Baía, ao anunciar que estava tirando o time de campo como candidato a governador:

- Uma coisa me preocupou muito nesse período em que meu nome esteve exposto na mídia como pré-candidato. Foi como as pessoas me abordavam na rua. Umas diziam: “Olha, lá em casa eu tô precisando de um milheiro de tijolos; outra dizia que estava precisando de dinheiro para comprar remédio. Para todas eu dizia: “Se o caminho pra se eleger for esse, não conte comigo!”

Themístocles é a bola da vez

Na corrida de resistência pela vaga de candidato a vice-governador na chapa de reeleição do governador Wellington Dias, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Themítocles Filho (MDB), recuperou as forças e passou à frente.

Até à virada do ano, o nome que com maiores chances de figurar na chapa de Wellington era o da vice-governadora Margarete Coelho. Mas a posição hoje é de Themístocles, conforme o Palácio de Karnak já deixou vazar para algumas lideranças da base.

O governador Wellington Dias tem trabalhado para que cada grande partido da base indique um candidato majoritário. Por essa estratégia, ele sai como candidato à reeleição, pelo PT, e o senador Ciro Nogueira concorre a um novo mandato na cota do Progressistas.

Quem sobra

Assim, sobram os cargos de vice e o outro de senador, que tanto o PP quanto o PT estão querendo manter para Margarete e Regina Sousa.  Se quisesse disputar a reeleição apenas com estes dois partidos, tudo bem. Existem, porém, outros três grandes partidos dos quais Wellington não abre mão que estão querendo também as vagas de vice e de senador.

É aí que o presidente da Assembleia volta ao jogo, numa posição de vantagem, pois a bancada do MDB fechou com o seu nome. O PSD do deputado federal Júlio Cesar e o PDT do deputado Flavio Nogueira estão na luta pela segunda vaga de senador.

O desafio do governador será convencer Margarete e o PP e também Regina Sousa e o PT de que esse plano cabe nos sonhos de todos. 

 

 

Fundo Eleitoral

O deputado federal Heráclito Fortes (Sem Partido|) informou ontem que votou contra a criação do Fundo Eleitoral, que este ano vai surripiar recursos da educação e da saúde para as eleições.

O parlamentar justificou que não iria se sentir bem chegar num município fazendo campanha com os recursos que deveriam ser aplicados no funcionamento da escola pública, do hospital ou do posto de saúde.

A letra da lei

A lei brasileira, excessivamente benevolente com os criminosos, levou o juiz da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Antônio Nollêto, um dos mais preparados e mais corretos da Justiça do Piauí, a mandar soltar os acusados do assassinato do cabo Claudemir de Paula Sousa, presos há um ano. O magistrado justificou:

"Na decisão de pronúncia se constatou que os acusados estavam presos há mais de um ano. Como a maioria deles tem bons antecedentes e ainda que não sejam tão bons a lei permite que eles respondam a esse processo em liberdade. Mantê-los presos por mais tempo é antecipar uma condenação que eu nem sei se o Tribunal do Júri fará", argumentou o juiz.

Ficha corrida

A polícia apurou que dos oito acusados, cinco possuem antecedentes criminais e foram postos de liberdade mediante algumas condições, como não se ausentarem do município onde moram, irem aos atos processuais e recolhimento noturno.

Caso não cumpram estas medidas, o juiz afirma que irá determinar a prisão preventiva deles. 

Caso Emyle

O Piauí vai até bem de comunicação, especialmente entre as instituições! Pois não é que chegou ontem ao Palácio de Karnak, encaminhada pela Polícia Militar, a decisão do juiz Rodrigo Alaggio Ribeiro, da 1ª Vara dos Feitos da Fazenda Pública, revogando a liminar que anulou o exame psicológico do então candidato ao concurso da PM, Aldo Luís Barbosa Dornel.

Ele é o policial suspeito de atirar na menina Emily Caetano, no dia 25 de dezembro, durante uma abordagem ao carro da família dela, na avenida João XXIII.

A sentença do magistrado foi prolatada no dia 6 de setembro de 2016!

No tapetão

Aldo ingressou na PM por força de uma liminar e já deveria ter sido desligado, mas a PM alega que não havia sido notificada.

Agora o governador Wellington Dias tem em mãos o documento que faltava para determinar a expulsão do policial dos quadros da PM.

Foto: Divulgação

Novo Palácio da Cultura - O Palácio da Cultura, sede da Secretaria de Cultura do Piauí - Secult, foi totalmente revitalizado e agora recebe apresentações gratuitas e abertas à população. O primeiro espetáculo que abre a temporada no Teatro Sulica é o “Geração Trianon”, com estudantes da Escola Técnica de Teatro Gomes Campos, na próxima sexta-feira (12), a partir das 12h. O projeto visa movimentar o cenário cultural da cidade e dar oportunidade aos novos artistas em apresentações dentro da própria Secult, afirma o secretário Fábio Novo.

 

 

* O presidente da Assembleia, Themístocles Filho, receberá hoje a visita do presidente da APPM, Gil Carlos (PT), acompanhado de outros prefeitos.

* Sim, pelo menos 12 secretários do governador vão sair em abril para concorrer às eleições deste ano.

* Mas cada um deles deixará um preposto sentado em sua cadeira com a caneta cheia.

* O ministro Gilberto Kassab faz hoje à tarde o terceiro lançamento do programa Internet Para Todos no Piauí.

 

O pior adversário

Do deputado federal Heráclito Fortes (Sem partido), citando seu avô Jayme Fortes como autor da máxima que ele carrega em sua atividade política:

- O pior adversário é o que tem dinheiro, tem coragem e não tem princípios. 

Eleição tira dinheiro da educação e da saúde

O fundo eleitoral bilionário criado para bancar as campanhas políticas com recursos públicos retirou R$ 472,3 milhões originalmente destinados pelos parlamentares para educação e saúde no orçamento federal deste ano.

Deputados federais e senadores, quando aprovaram a destinação de verbas para as eleições, haviam prometido poupar as duas áreas sociais de perdas.

Levantamento feito pelo jornal "O Estado de S. Paulo" mostra que o fundo receberá R$ 121,8 milhões remanejados da educação e R$ 350,5 milhões da saúde.

O valor corresponde à transferência de dinheiro das emendas de bancadas --que seria destinado a esses setores-- para gastos com as campanhas eleitorais deste ano.

Distribuição

O fundo, aprovado em 4 de outubro do ano passado, é uma alternativa à proibição das doações empresariais e receberá, no total, R$ 1,75 bilhão. Desse montante, R$ 1,3 bilhão sairá das emendas de bancada, cujo pagamento é obrigatório pelo governo, e R$ 450 milhões da isenção fiscal que seria concedida a rádios e TVs para veicular programas partidários.

O dinheiro será distribuído aos partidos de acordo com o tamanho de suas bancadas na Câmara e no Senado.

Então, fica assim: os que tiram dinheiro da educação e da saúde para a campanha eleitoral vão aparecer nos palanques defendendo mais recursos para a educação e a saúde!

 

 

Sucessão

O deputado federal Átila Lira (PSB) avalia que a oposição andou bem no Piauí na virada do ano.

Ele calcula que até o carnaval estarão montadas as chapas majoritárias de oposição que enfrentarão o governador Wellington Dias na campanha e nas urnas.

Átila disse que o governador é forte, mas não é imbatível.

Novidade

O parlamentar está animado com a receptividade da candidatura do deputado Luciano Nunes a governador, pela oposição.

Átila observou que o prefeito Firmino Filho seria um nome com mais densidade para a disputa, porém ele tem se mostrado arredio à candidatura ao governo.

Ministra fica

O presidente Michel Temer decidiu ontem que, apesar do tiroteio que o governo vem sofrendo, manterá o convite para que a deputada federal Cristiane Brasil assuma o Ministério do Trabalho.

O governo espera derrubar em outras instâncias da Justiça a decisão do TRF-2 suspendendo a posse da nova ministra.

Toga

A estas alturas, com todo o desgaste que o episódio ainda possa acarretar, é o melhor que o governo faz.

Somente diante de um governo fraco tantos magistrados se arvoram de tomar a caneta do presidente como estão fazendo agora.

Se o presidente abrir mão de sua prerrogativa constitucional de nomear e exonerar ministros – arcando, naturalmente, com as consequências das escolhas – o seu governo acaba bem antes do fim.

Prejuízo

Apenas durante o ano passado, o sistema de transporte coletivo de Teresina perdeu 12 milhões de passagens, ou seja, um milhão de passagens a cada mês. O levantamento foi feito pela Strans.

A redução na quantidade de passageiros é um dos itens observados na fixação do valor da tarifa.

Quanto mais passageiros, menor a tarifa.

 

 

* O deputado Luciano Filho (PSDB) vai tomar a rota do litoral, para um encontro político com o prefeito de Parnaíba, Mão Santa.

* O tucano quer trocar idéias com o prefeito sobre sua pré-candidatura a governador pelas oposições.

* O novo contrato para a retomada das obras da galeria da zona Leste de Teresina será de R$ 53 milhões.

* Seis construtoras estão disputando o contrato na nova licitação aberta pela Prefeitura.

* As três empreiteiras que venceram as primeiras licitações entregaram o serviço e abandonaram o canteiro de obras.

 

Heráclito fez escola

Do coordenador da bancada federal do Piauí, Átila Lira (PSB), sobre a reclamação do deputado Heráclito Fortes (Sem partido) de que o senador Ciro Nogueira (Progressistas) está fazendo festa com as emendas dos colegas de bancada:

- No passado, o Heráclito era o Ciro!

Governador recebe família de Emily, mas não fala em indenização

Foto: Divulgação/CCom

O governador com a família de Emily

O governador Wellington Dias recebeu ontem a família da garota Emily, 9 anos, morta a tiros por policiais militares na noite do dia de Natal, durante uma abordagem.

O governador foi enfático ao afirmar que a investigação do caso terá lisura total. Ele também prometeu assistência do Estado à família, mas não tocou nem em indenização nem em pensão para os pais da menina assassinada.

Pela palavra de Wellington, o governo se responsabilizará pela assistência psicológica e social da família, dentro das políticas de Estado. Em razão disso, segundo ele, uma equipe de psicólogos da Secretaria de Assistência Social e Cidadania (Sasc) já acompanha os pais e as outras filhas do casal. 

O pai, Evandro, que é músico, está com uma bala alojada na cabeça e com a audição comprometida. Por conta disso, o Estado dispôs a estrutura do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir) para fornecer todo o acompanhamento objetivando ao restabelecimento da saúde do músico.

Em virtude da recuperação do pai, que ainda não teve alta para retornar ao trabalho, o que deixa a família sem qualquer renda, a Sasc também firmou compromisso para a doação temporária de cestas básicas e fraldas para a filha mais nova do casal, de nove meses de idade, e um apoio através do Programa Bolsa Assistência Social. 

Para reforçar a assistência às vítimas, Wellington apontou ainda para a disponibilidade do cadastro na Agência de Desenvolvimento Habitacional (ADH), para que o casal possa ser atendido pelo programa de habitação do Estado. 

A palavra do governador, embora tardia, é sempre um conforto nessas situações. Porém, ele fez pouco do muito que pode fazer pela família da pequena Emily.

O Estado deve

Ora, não há necessidade de recomendação do governador para o Ceir fazer seus atendimentos. O Centro é de excelência e atende democraticamente a quem necessita de seus serviços, sem necessidade de pistolão com telefonemas ou bilhetinhos.

Da mesma forma, funciona o programa habitacional do governo. Quanto à lisura da investigação, pouco ou nada o governador pode fazer, pois não está em sua competência legal.

O Estado do Piauí deve uma indenização por danos materiais e morais, bem como uma pensão, à família de Emily. Não é favor.

(Com informações da CCom)

 

Foto: Divulgação

Chuva de granizo em Santa Cruz do Piauí

Chuva de granizo

Choveu granizo no semiárido do Piauí. A população registrou o fenômeno no povoado Tabuleiro, em Santa Cruz do Piauí, e em São Julião.

Gente que há muito tempo não via nem chuva normal na região correu com medo.

Ciro, o corrupião 

O deputado federal Heráclito Fortes (sem partido) disse que o senador Ciro Nogueira está agindo como um corrupião, que se apropria dos ninhos de outros pássaros.

Segundo o deputado, o senador anda distribuindo os recursos das emendas parlamentares no Piauí como seu fossem seus e não de toda a bancada federal.

Passagem sobe

Saiu o aumento para a tarifa de ônibus em Teresina. A partir de hoje, a passagem inteira será de R$ 3,60. O valor é 11 centavos a menos do que o proposto pelo Conselho Municipal de Transporte Público.

A tarifa estudantil, que está congelada há seis anos, passa de R$ 1,05 para R$ 1,15.

Pelo contrato assinado com os consórcios das empresas de ônibus, após a licitação do sistema, o reajuste da passagem deve ocorrer anualmente em janeiro.

Diga "xis"!

A Justiça Federal do Rio suspendeu ontem, através de liminar, a posse da deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) como ministra do Trabalho.

A decisão é do juiz Leonardo da Costa Couceiro, da 4ª Vara Federal Criminal de Niterói.

A ação popular foi movida após a denúncia de que Cristiane Brasil foi condenada a pagar R$ 60 mil por dívidas trabalhistas com dois ex-motoristas. O juiz fixou ainda multa de R$ 500 mil em caso de descumprimento da liminar.

Mais um magistrado à procura de holofote. Ele sabe que não tem competência para derrubar um ministro de Estado nem desfazer um ato do presidente da República.

A vaga do PSD

O presidente regional do PSD, deputado federal Júlio César, afirmou que o seu partido aceitará qualquer uma das posições da chapa majoritária que será encabeçada pelo governador Wellington Dias – ou seja, a vice ou uma das duas vagas de candidato ao Senado.

Só faltou dizer que, se nada disso der certo, o PSD aceita de bom grado uma vaga no palanque da reeleição do governador.

Foto: Divulgação

História do Piauí - A Academia Piauiense de Letras e o Instituto Histórico do Piauí, ambas instituições centenárias, estão imbuídas na criação do Centro de Referência em Informações sobre a História do Piauí. Nelson Nery Costa, presidente da APL, e  Fonseca Neto, presidente do instituto, se reuniram ontem com o governador Wellington Dias para tratar do assunto. A proposta é que o Centro de Referência seja instalado no  prédio que abrigou a sede do Tribunal de Contas do Estado, no centro de Teresina. 

 

 

* O Conselho Regional de Contabilidade do Piauí (CRC-PI) deu posse aos novos Conselheiros eleitos para o quadriênio 2018/2021 e biênio 2018/2019.

* A solenidade de posse aconteceu no Sindicato dos Lojistas do Piauí, onde também foi realizada a eleição do novo corpo diretor do CRC-PI. 

* O contador Josafam Bonfim, atual presidente do CRC-PI, foi reeleito por unanimidade para mandato de dois anos. 

* A Prefeitura de Teresina está fazendo a quarta licitação para a retomada das obras da galeria pluvial da zona Leste, de 7 quilômetros.

 

O salto da baleia

Do deputado Heráclito Fortes, sobre o anúncio de verbas orçamentárias no Piauí pelo senador Ciro Nogueira:

- Olha, isso não é trabalho, não! É desespero. O senador está feito as baleias que se perdem da corrente marítima e ficam dando saltos na praia, para deleite dos banhistas, até que perdem totalmente  as forças.

Solidariedade ou baderna?

Durante as 24 horas do dia, os líderes e a militância da chamada Frente Brasil Popular, puxada pelo PT, o MST e a CUT, estão na imprensa e nas mídias sociais, numa campanha sem trégua, para defender o ex-presidente Lula, já condenado a nove anos de prisão em primeira instância, na Lava-Jato, e prestes a ser julgado em segunda instância.

Agora, esse mesmo movimento convoca todos a irem a Porto Alegre, no próximo dia 24, para o julgamento do ex-presidente no Tribunal Federal da 4ª Região (TRF-4).

As autoridades pediram reforço na segurança em Porto Alegre durante o julgamento de Lula, pois o clima é de tensão. Os defensores e simpatizantes do ex-presidente queriam transformar o julgamento em um palanque, mas, pelo visto, preferem ver o TRF-4 virado em praça de guerra.

"Vai ter luta, sim!"

Dos políticos condenados ou acusados até agora por corrupção no Brasil - todos com a ampla defesa assegurada -, Lula é o único que tem direito a todo esse furdunço. Os demais foram inapelavelmente execrados. Uns pagam pena nas cadeias e outros não podem botar a cara na rua.

O site do MST divulgou uma entrevista com Alexandre da Conceição, um de seus dirigentes, na qual ele faz uma declaração de guerra: “Não adianta que a Prefeitura de Porto Alegre não autorize o protesto, não adianta o governador colocar toda a sua força repressora nem mesmo que o Judiciário tente impedir o povo de lutar. Vai ter luta, sim, em todo o Brasil no dia 24 de janeiro.”

A mobilização da Frente Brasil Popular não para na defesa do ex-presidente. O movimento vai além, pois tenta a todo custo intimidar, constranger e achincalhar a Justiça.

Isso é solidariedade ou baderna?

 

 

Ciro cacifa Maia

Deu ontem no site O Antagonista, de Diogo Maynard:

“Ciro Nogueira já prometeu a Rodrigo Maia o apoio (e, portanto, o tempo de TV) do PP, dono de uma bancada de 47 deputados federais, para a candidatura do presidente da Câmara ao Planalto, registra Lauro Jardim no Globo.

Em conversas reservadas com lideranças partidárias, Maia garante já ter o apoio de cinco partidos para a empreitada.”

A morte da menina

A Polícia Civil já entregou o inquérito que apura a abordagem policial que resultou na morte da menina Emile, de 9 anos.

A investigação do caso está exposta em 230 páginas, nas quais estão os depoimentos de 11 testemunhas e as provas técnicas coletadas.

Os dois policiais acusados da morte da menina são denunciados também por tentativa de homicídio contra o pai dela.

IPM

A Polícia Militar também está produzindo um inquérito sobre o caso. Nem a PM colaborou com a investigação da Civil nem esta deu colher de chá para a produção do Inquérito Policial Militar.

A OAB-PI já se pronunciou afirmando que a competência para investigar o caso é exclusiva da Polícia Civil.

Dança das cadeiras

A disputa entre o presidente Temer e o governador Wellington Dias está é acirrada.

Até o início de abril, o presidente troca 15 ministros seus. Já o governador muda pelo menos 12 secretários até lá.

Tanto os auxiliares do presidente quanto os do governador serão candidatos nas próximas eleições.

Foto: Cláudia Brandão

Bonito pra chover! - A promessa dos céus, no final da tarde de ontem, era de desabar sobre Teresina, em chuva. Se a chuva caiu mesmo, foi lá para os lados de Timon.

 

 

* O presidente do TCE-PI, Olavo Rebelo, disse que depois da inauguração da Subsede do Tribunal em Parnaíba, mais duas estão planejadas.

* Uma será instalada em Bom Jesus e a outra em Picos, para atender aos municípios dessas regiões.

* Enterraram uma caveira de burro na obra de melhoria do tráfego na Avenida Duque de Caxias, um dos principais corredores da zona Norte.

* O calendário escolar de 2018 da rede estadual de ensino programou aulas para oito sábados, a fim de completar os 200 dias letivos.

 

Epitáfio

Do jornalista e escritor Carlos Heitor Cony, que morreu no sábado, aos 91 anos, no Rio, em sua crônica-epitáfio, publicada na Folha de S. Paulo:

- "Se eu morrer amanhã, não levarei saudade de Donald Trump. Também não levarei saudade da Operação Lava Jato nem do Mensalão.”

O Piauí deve uma indenização à família da menina morta por PMs

 

Foto: Reprodução:G1

Os pais com a foto de Eduardo, morto pela polícia do Rio de Janeiro

Aí por volta de meados de abril de 2015, eu recebia uma ligação telefônica do deputado federal Paes Landim (PTB-PI), com uma informação e um apelo. A informação: em um encontro casual, o governador do Rio, Pezão (PMDB), havia lhe antecipado que o Estado do Rio de Janeiro pagaria uma pensão para a família de Eduardo, um menino de 10 anos, filho de piauienses, morto durante uma operação policial. O apelo: que eu fizesse o registro na imprensa do Piauí sobre a decisão do governo fluminense. Fiz.

Eduardo de Jesus Ferrreira foi morto por engano no dia 2 de abril de 2015, uma quinta-feira da Semana Santa, durante uma operação no Areal, no Complexo do Alemão, conjunto de favelas da zona Norte do Rio.

Já no dia 12 de junho, a imprensa do Rio e de São Paulo registrava que o Governo do Estado do Rio de Janeiro havia pago aos pais do menino a indenização por danos materiais e morais.

Rito sumaríssimo

Em nota, o Governo do Rio informava que "o processo correu em rito sumaríssimo" e os recursos já estavam na conta bancária da mãe, Terezinha Maria de Jesus, e do pai de Eduardo, José Maria Ferreira de Souza, ambos da região de Corrente do Piauí.

Além das indenizações, cujo valor não foi revelado "a fim de preservar a família", o acordo com a Defensoria Pública, que representava os pais do menino, fixou o pagamento de pensão mensal à família a partir de 17 de setembro de 2018, quando Eduardo completaria 14 anos de idade, até 17 de setembro de 2069, quando ele completaria 65 anos.

Perda impagável

"Sei que nada vai reparar a perda e aliviar a dor e o sofrimento dos pais do menino Eduardo, mas a indenização é o mínimo que o Estado pode fazer para ajudar a família a reconstruir suas vidas", afirmou o governador Luiz Fernando Pezão.

O governo informou ainda ter arcado com as despesas do traslado e sepultamento do corpo do menino Eduardo de Jesus para o Piauí, onde foi enterrado, além da viagem dos pais e irmão ao Estado.

 "Além disso, técnicos da Secretaria estadual de Assistência Social estão prestando assistência e amparo psicológico à família do menino", afirmou a administração estadual do Rio em nota.

Reprodução: Cidadeverde.com

A menina Emile, tão cheia de vida, foi morta por policiais

Caso Emile

O Piauí, através de suas lideranças políticas e de suas instituições, como o Ministério Púbico, a Defensoria Pública e a OAB, estão no dever de cobrar com urgência ao Governo do Estado as mesmas medidas que o Governo do Rio de Janeiro adotou em relação à família do menino Eduardo. Ou seja, o pagamento de indenização e de pensão para a família de Emile, 9 anos, a menina morta por policiais militares, na noite do dia de Natal, em Teresina, durante uma desastrada abordagem.

O carro em que a criança andava com o pai, a mãe e mais duas irmãzinhas dela - uma de colo, com oito meses - foi crivado de bala por dois policiais, mesmo com o motorista ligando a seta para sinalizar que iria estacionar. Parou e recebeu uma bala na cabeça. Sua mulher, que conduzia a filinha de oito meses no colo, foi ferida levemente no braço. E Emile foi atingida mortalmente.

A menina teve tórax e costela perfurados à bala. As duas outras crianças escaparam milagrosamente.

Injustiça e vergonha

O Governo do Estado deve uma indenização e uma pensão também para o pai da vítima, o músico Evandro Costa, 31 anos, pelo menos enquanto ele não puder trabalhar, pois perdeu a audição de um dos ouvidos e sofre o trauma psicológico da tragédia. A família é muito modesta e vive hoje da caridade pública.

Que o exemplo do governador Pezão toque o coração do governador Wellington Dias!

O Piauí não pode aceitar essa injustiça, essa essa vergonha e essa desumanidade!

Ciro dá um 'sossega-leão' ao PT do Piauí

Foto: Divulgação

O senador Ciro Nogueira abre portas para o governador em Brasília

O senador Ciro Nogueira é, disparado, o político piauiense que desfruta de mais prestígio hoje no governo federal. Pelo menos é isso o que ele tenta demonstrar.

Sem dar bola para o restante da bancada federal, quase toda semana ele traz um ministro ao Piauí, puxado pelo braço. Ou então manda uma foto de uma audiência com algum deles, em Brasília, anunciando a liberação de recursos para o Piauí.

Apesar de gozar de trânsito livre no governo Temer, há poucos dias, Ciro Nogueira surpreendeu com a declaração de que votaria no ex-presidente Lula em 2018.

Claro que a sua declaração tem outro objetivo. Na verdade, o senador está querendo é acalmar o PT e diminuir as vaias que ele e sua mulher, a deputada federal Iracema Portella, vem recebendo de militantes petistas no Piauí.

Declarando que o candidato do seu coração é o ex-presidente Lula, o senador quer também colar com mais facilidade a sua imagem na do governador Wellington Dias, na campanha pela reeleição de ambos.

Nada a ganhar

Político sagaz, Ciro Nogueira sabe, no entanto, que uma eventual volta do ex-presidente Lula ao poder seria o fim de seu brilho pessoal em Brasília. Outra estrela iria brilhar no Planalto, o governador Wellington Dias, companheiro de Lula de velhos carnavais.

Hoje isolado do poder central, Wellington só tem uma porta aberta vez ou outra na Esplanada dos Ministérios quando o senador Ciro Nogueira chega na frente. Com Lula no Planalto, ele teria, como já teve, um canal direto com o presidente da República.

E o que Ciro ganharia com uma eventual vitória de Lula? Nada. No máximo, o direito a uma foto, aqui acolá, e o aumento das vaias, o tempo todo e em todo lugar.

 

 

Caso Emyle

O presidente da OAB-PI, Chico Lucas, entrou ontem no debate sobre a investigação da morte da menina Emyle, por policiais militares.

Tanto a PM quanto a Polícia Civil estão investigando o caso.

Chico Lucas disse que a competência é da Polícia Civil e que isso está expresso na Constituição Federal.

O secretário de Segurança, Fábio Abreu, encaminhou ontem um expediente ao Tribunal de Justiça, pedindo uma luz.

Recepção

A vice-governadora Margarete Coelho recebeu do senador Ciro Nogueira a incumbência de organizar a recepção à comitiva do ministro das Cidades, Alexandre Baldy, hoje em Teresina, após as solenidades oficiais.

Os convidados para o almoço com o ministro foram escolhidos a dedo. Os petistas ficaram bem longe. Não há o menor perigo de a vaia comer desta vez!

Missa

A missa de sétimo dia do empresário Ferdinand Silveira será celebrada amanhã, sábado, às 8 horas, na Igreja de Nossa Senhora de Fátima.

O empresário, que presidiu a Associação Comercial Piauiense, morreu no litoral piauiense, vítima de ataque cardíaco fulminante, após a celebração do ano-novo com a família.

Notícia falsa

Um grupo de trabalho será criado para desenvolver formas de combate às chamadas notícias falsas (fake news).

A equipe deve ser composta por integrantes da Polícia Federal, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Ministério Público Federal.

O foco do trabalho será a discussão de medidas que possam ser adotadas nas eleições deste ano.

 

 

* Esquentou a disputa pela renovação da diretoria do Sindicato dos Servidores Municipais de Picos (Sindserm).

* Não é para menos. A entidade movimenta uma receita milionária por ano em contribuições de seus associados.

* O prefeito Firmino Filho disse que o deputado Luciano Nunes (PSDB) é um bom nome para o Governo do Estado.

* Interessante é que o deputado quer ver como candidato de seu partido é o prefeito de Teresina. Mas garante que seu nome está à disposição da sigla.

 

Beija-mão

Na posse do ministro Édison Vidigal como presidente do Superior Tribunal de Justiça, há alguns anos, o beija-mão estava longo. Muitos vips do Piauí e do Maranhão foram à cerimônia. Os do Piauí encostavam no ministro através do jornalista e professor Willame Borgéa, seu irmão. O humorista João Cláudio Moreno estava no evento, impaciente. Quando ele sinalizou que iria sair, o advogado Washington Torres, amigo do ministro e do humorista, atalhou:

- O que é isso? Você não vai cumprimentar o ministro?

- Vou não! Só pra cumprimentar o Borgéa a fila tá dobrando quarteirão...

O calcanhar de Firmino

Foto: Cidadeverde.com

Firmino Filho: desculpas para ficar

O prefeito Firmino Filho tem muitas chances de ser entendido, em algum momento do futuro, por deixar, mais uma vez, de ser o candidato das oposições a governador, repetindo o gesto de 2002. São muitas as desculpas a favor do prefeito.

A principal delas é a de que não vai se meter em aventura. Ele só teria chance de se tornar um candidato competitivo se contasse com o apoio do senador Ciro Nogueira, seu aliado. E o parlamentar está muito bem, obrigado, no palanque do governador Wellington Dias, sonhando com a reeleição.

Nesse caso, então, a eventual candidatura do prefeito passa a ser um segundo plano na cabeça do senador, que joga nas duas pontas. Isto é, ele tanto é aliado do prefeito tucano quanto do governador petista. No momento, a candidatura que lhe interessa é a do governador, com ele concorrendo ao Senado na mesma chapa. Uma mão lavando a outra.

Pra onde sopram os ventos

Outra boa desculpa para Firmino: ele não quer repetir a ousadia do prefeito Silvio Mendes, que deixou o cargo no auge de sua popularidade, em 2010, para concorrer ao governo sem combinar com os aliados do PTB. Ou seja, o tucano deu um salto do trapézio sem rede de proteção. E se deu mal, além de deixar o PSDB na mão.

Firmino não quer correr o risco também de ser acusado de fazer uma análise equivocada do cenário político, como a realizada apressadamente em 2014 pelo governador Wilson Martins. Focando apenas em seu projeto de se eleger senador, Wilson montou precocemente uma chapa majoritária que existiu apenas até a sua saída do governo.

Depois que assumiu o comando do Estado, Zé Filho virou a mesa e se impôs como candidato a governador. Todos estão lembrados do resultado: Wilson perdeu a eleição ganha de senador e seu esquema perdeu a eleição de governador.

Também está a favor do prefeito a desculpa de que ele tem um compromisso com a cidade até 2020.

Todas as desculpas são válidas e plenamente aceitáveis.

Palanque

O que fica difícil para o prefeito é justificar a filiação de sua mulher, Lucy Carvalho, a outro partido, para ela ser candidata a uma cadeira na Assembleia Legislariva, tirando voto de legenda do PSDB e dificultando, assim, a reeleição dos deputados tucanos, que sempre se mostraram fieis ao seu comando e vão para a luta em 2018 sem um cabeça de chapa porque ele se nega a abraçar a candidatura ao governo.

Da mesma forma, será difícil o prefeito explicar como vai pedir voto para a sua mulher, com ela filiada a um partido aliado do governo, e ele tendo que estar no palanque da oposição, por bem ou por mal.

 

 

Governador chia

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), um dos principais críticos do governo Temer, chiou com o desconvite para o deputado Pedro Fernandes (PTB-MA):

- Deplorável o veto do ex-senador Sarney ao deputado maranhense Pedro Fernandes. Se não tem sobrenome Sarney/Murad/Lobão, não tem vez. Essa é a "lei" do coronelismo, que vamos revogar definitivamente neste ano.

A raposa e as uvas

O governador do Maranhão não quer nada. Só acusa o presidente de golpista e, ainda assim, quer aboletar num ministério um aliado seu.

Mico do ano

A propósito, o deputado Pedro Fernandes votou contra o impeachment. Portanto, é dos que consideravam o governo Temer ilegítimo.

Assim, ele deveria ser o primeiro a se negar a participar de um governo com essa identidade.

Mas não. O fisiologismo falou mais alto e ele pagou o mico do ano.

Pesquisa

Eleitores que divulgarem pesquisas falsas pelas redes sociais ou em qualquer plataforma da internet ficarao sujeitos a multa nas Eleições 2018. O valor será estabelecido pelo juiz eleitoral, de acordo com a repercussão e o veículo de comunicação no qual houve a publicação.

Essa é uma das regras estabelecidas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e passou a valer desde ontem. 

 

 

* O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, recebe amanhã em Parnaíba a Medalha do Mérito Municipal.

* As sessões plenárias da Assembleia Legislativa vão começar no dia 2 de fevereiro, que este ano cairá numa sexta-feira.

* O governador Wellington Dias comparecerá ao plenário para apresentar sua Mensagem Anual aos parlamentares, com a prestação de contas de 2017.

* A Comissão de Direitos Humanos da OAB-PI não deu um pio sobre a morte da menina Emily por policiais militares.

 

Secretário do Capeta

Do humorista Fraga:

- O diabo, quando não vem, manda retrospectivas do ano que acaba.

 

Candidatura de Firmino é uma ilusão

Na sucessão estadual de 2002, o prefeito Firmino Filho, já em seu segundo mandato, era o nome de consenso da oposição para disputar o governo. Ele tinha amplas chances de ser vitorioso. Mas, na última hora, o prefeito deu um cavalo de pau tão radical que acabou aliando-se ao governador Hugo Napoleão. Ambos foram derrotados fragorosamente nas urnas.

A muito custo, Firmino levantou-se desse tombo. Teve até que ser vereador e depois deputado estadual para, enfim, se reposicionar como um líder de expressão estadual, voltando à Prefeitura.

Como mais uma prova de que em política não existe o impossível, Firmino Filho, agora no exercício do quarto mandato de prefeito de Teresina, volta outra vez à condição de nome de consenso das oposições para concorrer ao governo.

Tutor

O prefeito quer ser governador. Já deu demonstração disso. Tanto que disputou o governo, em 2006, em carreira solo. Teve um desempenho abaixo da crítica, pois começou a sua campanha dispensando os aliados. Chegou ao final da campanha sozinho.

Agora, quando seu nome volta à crista da onda, como um nome de peso na disputa pelo governo, o que ele faz? Adota o senador Ciro Nogueira, presidente do Progressistas, como seu tutor político. O parlamentar tem apenas um plano: ser reeleito, o que é legítimo.

Em suas contas, a renovação do mandato será mais viável no palanque do governador Wellington Dias. Por aí, Firmino estará automaticamente excluído da sucessão. Não passará de um cabo eleitoral do senador.

O PSDB e a oposição estão perdendo tempo, portanto, ao se iludirem com a candidatura do prefeito ao governo. 

 

 

Prazo

O deputado Dr. Pessoa disse que até o dia 15 de fevereiro a sua situação será resolvida no PSD.

O parlamentar disse que só uma candidatura lhe interessa para as próximas eleições: a de governador.

O PSD já sinalizou para ele com candidaturas de deputado federal e senador.

Desconforto

Como Dr. Pessoa, outros líderes oposicionistas estão em situação desconfortável em seus partidos para as próximas eleições.

É o caso do deputado Robert Rios. Ele é o líder do PDT na Assembleia e o seu partido é governo até o gogó.

A mesma situação se repete com a deputada Juliana Falcão, do PMDB. Ela também faz oposição, enquanto o seu partido é governo.

Chapa branca

O deputado federal Rodrigo Martins está trocando de sigla, porém, os partidos que já lhe fizeram convite são todos chapas brancas. E ele quer fazer campanha no palanque da oposição.

O ex-governador Zé Filho quer disputar um mandato nas próximas eleições e para ele o difícil está sendo encontrar uma sigla oposicionista para se filiar.

Luciano no páreo

O deputado Luciano Nunes (PSDB) vem sendo lembrando como uma opção das oposições para o Governo do Estado nas próximas eleições.

Ele disse que seu nome está à disposição do partido e dos eventuais aliados, mas prefere deixar a bola com o prefeito Firmino Filho.

Divulgação

Fórum de Governadores - O governador Wellington Dias teve a sua primeira reunião de trabalho do ano com os governadores do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), e o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT). Em pauta, os temas para o próximo Fórum dos Governadores, a ser realizado este mês, em Brasília. 

 

 

* O presidente da APPM, Gil Carlos (PT), animou-se com a possibilidade de disputar o Senado nas próximas eleições.

* O nome dele vinha sendo falado dentro do Partido dos Trabalhadores para concorrer a uma cadeira na Assembleia Legislativa.

* A Assembleia Legislativa aprovou projeto do deputado Firmino Paulo (PSDB) transferindo para o preso o custo e a manutenção da tornozeleira eletrônica.

 * Pelo projeto, depois de cumprida a pena, fica facultado ao monitorado doar o equipamento ao Estado.

 

Quem manda

Deu no Antagonista, a propósito da inesperada mudança do ministro indicado do Trabalho:

- E o PTB descobriu que Temer é da cota do Sarney.

2018, o ano do Brasil

Os ‘profetas do Apocalipse’, que anunciaram o fim do mundo, no Brasil, para o ano que se findou, voltaram à carga, depois do fracasso retumbante de suas malfadadas previsões. Na  chegada do novo ano, eles começam a lançar suas novas profecias remarcando o Apocalipse brasileiro para 2018.

Tal hecatombe seria provocada pela desesperança e a inércia da população, diante do avanço da corrupção; a crise de liderança e as posições do ex-presidente Lula e do deputado Jair Bolsonaro nas pesquisas de intenção de voto.

Desesperança e inércia

Ora, nunca antes na história do Brasil a corrupção foi combatida de forma tão vigorosa. Nunca antes na história do país tantos engravatados foram parar na cadeia e nas barras dos tribunais por que se envolveram com roubalheira. Esse trabalho de faxina moral não acabou, está em andamento.

Então, por que o brasileiro haveria de se desencantar com o combate a corrupção logo agora? É por que falta gente nas ruas? Mais importante do que isso, hoje, é que os processos andem, os julgamentos aconteçam e a justiça seja feita. No momento, a tarefa é das instituições.

O povo vai se manifestar oportunamente nas urnas, em outubro. É lá que exercerá o seu protagonismo. É lá que fará a sua parte. O fato de a população não se deixar levar na onda da “Maria-vai-com-as-outras” sinaliza que, ao contrário do que se imagina, o brasileiro está antenado nos acontecimentos e desconfiado. E isso é muito positivo. Entre os que tentam dominar a cena, há muitos aí que são lobos em pele de cordeiro.

As pesquisas

Os que lideram as pesquisas de intenção de voto têm índices ainda maiores de rejeição do eleitorado. Além disso, mais de 65% dos eleitores ainda não se definiram quanto ao seu candidato a presidente. Ou seja, as pesquisas de hoje tem pouca ou nenhuma validade para outubro.

A eleição presidencial ainda está totalmente em aberto. Os candidatos sequer foram postos. O país ainda terá muitas etapas a vencer até o seu encontro com as urnas. Uma de cada vez.

Portanto, 2018 tem tudo para ser o ano do Brasil. E por que não? Quem morre de véspera é peru de Natal.

 

 

Mudou

O site O Antagonista, do jornalista Diogo Mainard, já começa o ano pegando no pé do senador Ciro Nogueira:

“Ciro Nogueira, do PP, disse ao Estadão que Rodrigo Maia é seu “candidato de preferência” para o Palácio do Planalto.

Exatamente um mês atrás, ele havia dito que Lula era seu “candidato a presidente”.”

Luto

Mal conheceu 2018, o empresário Ferdinand Silveira já foi se despedindo dele.

Ferdinand morreu na Praia do Coqueiro, em Luís Correia, na madrugada de ontem, aos 82 anos.

Ele estava dormindo, em sua casa de praia, após celebrar a entrada do ano novo com a família, quando foi vitimado por um infarto fulminante.

Automaq

Por muitos anos, Ferdinand Silveira foi diretor da antiga Automaq, que funcionou na Avenida Frei Serafim, tendo como presidente o empresário e engenheiro Lourival Sales Parente.

Ele desfrutava de um vasto ciclo de amizades no Piauí, sobretudo no meio empresarial.

Presidente da ACP

Em meados dos anos 80, presidiu a Associação Comercial Piauiense, onde tive a oportunidade de conhecê-lo, exercendo a função de seu assessor de imprensa.

Era, antes de tudo, um cidadão cortez e um bom amigo. Assim que será lembrado por muitos.  

Mais imposto

Entram em vigor hoje os dois aumentos das alíquotas do ICMS, aprovados em julho e em novembro passado.

O secretário de Fazenda, Rafael Fonteles, publicou comunicando sobre as mudanças, reproduzido abaixo:

Reprodução/Sefaz

 

* A ex-presidente Dilma Rousseff aparece como uma boa substituta para Lula numa eventual corrida presidencial.

* A constatação é de uma pesquisa do Instituto Paraná e foi divulgada no Blog Radar, da revista Veja.

* Conforme a sondagem, sem Lula na disputa, Dilma seria a candidata mais competitiva do PT, com 13,4% dos votos, seguida de Geraldo Alckmin (8,7%), Ciro Gomes (7,7%) e Joaquim Barbosa (7,6%).

* Esta semana deve sair a decisão sobre o aumento da passagem de ônibus urbano em Teresina.

* O último reajuste foi em janeiro do ano passado. Já a meia passagem está congelada há 6 anos.

 

Ano Velho

Do humorista Fraga, ontem:

- Não dou mais 24 horas e o novo ano começa a ficar velho.

Posts anteriores