Cidadeverde.com

Política do Piauí contra a seca falhou

Foto: Cidadeverde.com

Barragem de Piaus, no semiárido 

O governador Wellington Dias decretou situação de emergência em mais 25 municípios do semiárido, por causa da seca. Os municípios estão nos territórios Serra da Capivara, Vale do Canindé, Vale do Guaribas e Vale dos Rios Piauí e Itaueira.

Um dos indicadores utilizados foi a perda de mais de 50% na produção agrícola, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A validade do decreto é de 180 dias.

Com o reconhecimento de emergência, as prefeituras podem solicitar apoio para ações de assistência à população, renegociação de dívidas no setor de agricultura, recursos para a perfuração de poços, operação carro-pipa, e outros benefícios, explica o secretário de Governo, Merlong Solano.

O decreto tem como base dados coletados pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, pelo Instituto Nacional de Meteorologia, e pela Agência Nacional de Águas. O monitoramento demonstra redução da ordem de 100 a 200 milímetros na precipitação pluviométrica em relação a períodos anteriores.

Fracasso

Durante muito tempo, o Piauí apostou na construção de grandes barragens para enfrentar o problema da estiagem no sertão. Essa política de acumulação de recursos hídricos não deu o resultado que se esperava. Ou não foi suficiente. O fato é que o problema da falta de água no semiárido se repete com grande intensidade.

Dados do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) mostram que as chuvas deste ano não foram suficientes para reabastecer os reservatórios de água, que estão operando abaixo de 25% das suas capacidades.Alguns com até 5%, caminhando para o volume morto. O DNOCS atestou também a exaustão de águas em poços artesianos.

A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) averiguou in loco a situação de colapso de alguns municípios, inclusive na zona urbana. Muitos já são abastecidos com carro-pipa.

Em janeiro deste ano, o Governo do Estado já havia declarado situação de emergência em outros 40 municípios. Então, com o novo decreto, o total de municípios em estado de emergência em função da seca já chega a 65. E tende a aumentar no segundo semestre, atestando que a política do Governo do Piauí para enfrentar a seca falhou.

Estrago da Friboi

O presidente da Associação Piauiense de Criadores de Zebu (APCZ), deputado João Mádison, disse que o grupo JBS/Friboi estraçalhou o mercado da carne bovina no país.

Com dinheiro do BNDES, o grupo saiu fechando frigoríficos. O resultado é que os criadores viram os preços dos bois despencar.

Reativação

O Governo do Estado jogou a toalha e não espera mais pela reabertura da fábrica de cimento Itapissuma, em Fronteiras, através do Grupo João Santos.

Assim, já busca um parceiro para assumir a indústria de cimento Nassau.

Seus diretores disseram que a paralisação seria temporária. A fábrica fechou há quatro meses.

O governo procura agora outro grupo que possa administrar a indústria através de compra ou de arrendamento.

O Estado espera resolver o problema até setembro.

Atentai bem!

A anunciada audiência do governador Wellington Dias com o prefeito de Parnaíba, Mão Santa (SDD), não aconteceu.

A assessoria do prefeito informou que ele tentou várias vezes marcar a audiência com o governador, mas não foi recebido. E agora não quis mais.

Com a autoestima em dia, Mão Santa justificou a ausência no encontro com o governador, no Palácio de Karnak:

- Ele só queria tirar foto comigo.

Foto: Divulgação/Fiepi

Missão técnica iternacional em Picos

Mel

A convite do presidente do Conselho Nacional do Serviço Social da Indústria (Sesi), João Henrique Sousa, o perito em apicultura Thierry Durosselle, que também é presidente da Associação Nacional dos Apicultores da França, encontra-se no Piauí em uma Missão Técnica Internacional. Ele começou a sua visita ontem pelo município de Picos.

Em evento que reuniu empresários, representantes de cooperativas, associações e empresas de mel da região de Picos, parceiras na ação, bem como diretores da Fiepi e do Senai e Sesi, Thierry Durosselle apresentou um vídeo sobre a situação do segmento em seu país.

Cooperativa

A seguir, a comitiva se dirigiu à sede da CAMPIL – Cooperativa Apícola da Microrregião de Picos.

No local, o perito francês pôde conhecer todo o trabalho realizado pela cooperativa, desde a chegada do mel e seus derivados até a saída para comercialização.

Cerco do MP

O Palácio do Planalto detectou uma nova estratégia do Ministério Público Federal contra o presidente Temer: cercar os amigos do presidente.

A prisão, ontem, do ex-ministro Geddel Vieira Lima seria mais um capítulo dessa novela.

Geddel foi ministro também dos governos Lula e Dilma.

Ele foi preso no desdobramento de investigações sobre atos seus nos governos petistas, porém aparece como amigo e ex-ministro de Temer.

Se a estratégia do MPF é mesmo a de desgastar ainda mais o presidente, ela está dando certo.

Imagem: Divulgação

Taxa de juro - O deputado Júlio César (PSD) divulgou o infográfico com a evolução da taxa de juro no Brasil.

* O presidente da CNBB, dom Sérgio da Rocha, ex-arcebispo de Teresina, recebe hoje homenagem da Arquidiocese de Teresina.

* Ele será agraciado com a medalha comemorativa dos 60 anos da Ação Social Arquidiocesana, fundada por dom Avelar Brandão Vilela.

* Pelo menos 3 mil consultas e 300 cirurgias deixam de ser realizadas com a paralisação dos médicos da rede estadual de saúde.

* O movimento começou ontem e se estende até amanhã, em protesto contra a implantação do ponto eletrônico para os médicos.

Missa do Vaqueiro

Marcos Damasceno participa da cavalgada e missa do vaqueiro de Dom Inocêncio-PI. Como vice-prefeito (do PT), monta num cavalo e puxa a cavalgada com o Sagrado Coração de Jesus no colo. Ao lado, o deputado estadual Firmino Paulo (PSDB), em outro cavalo, com a bandeira do Piauí. Um vaqueiro, dono do cavalo em que o vice-prefeito estava montado, se aproxima dele e lhe comunica:

Vaqueiro: - Damasceno, o nome deste cavalo que você está montado é Michel Temer!

Damasceno (entre espantado e revoltado):  - Não me diga uma desgraça desta!... 
 

O discurso do Podemos - pode isso, Arnaldo?

“A prática corrupta de governar com relação promíscua entre os Poderes possibilitou que o País vivesse uma das maiores crises da sua história”.

“Os brasileiros haverão de arrancar, sim, o Brasil das mãos sujas dos que o assaltaram nos últimos anos.”

“Na esteira na Operação Lava Jato há partidos destruídos, vistos por procuradores como organizações criminosas ou lavanderia de dinheiro sujo”.

É com este discurso que o senador Álvaro Dias, do Paraná, pretende chegar à Presidência da República. Para tanto, deu um salto partidário triplo, ao se filiar no final de semana ao Podemos, depois de ser eleito pelo PSDB e passar uma temporada abrigado no PV.

O senador diz mais:

“O povo quer a mudança da cultura política, do comportamento e do sistema promíscuo de governança, que é a usina dos escândalos de corrupção.”

“Este é um país em movimento, à espera de reformas fundamentais, mas não nesse ambiente de incompetência, de corrupção e de descrédito.”

“A população quer o sepultamento do modelo de governança que instituiu o balcão de negócios, o aparelhamento do Estado, loteamento de cargos.”

Toma lá, dá cá

Muito bem! Álvaro Dias é uma das reservas morais do Senado e da política nacional. É de sua autoria o projeto que acaba o foro privilegiado no país. A bem da verdade, o projeto foi aprovado no Senado, mas não andou na Câmara Federal. Portanto, até aqui não passou de uma boa intenção no sentido de contribuir com a moralização do país.

Outra: o novo partido do senador e presidenciável paranaense, o Podemos , substitui o antigo Partido Trabalhista Nacional (PTN). É presidido pela deputada Renata Abreu (SP). Este partido tão comprometido com a ética na política nasceu reivindicando do governo Temer um pedaço de terra no fértil latifúndio do poder.

No “balcão de negócios” denunciado pelo senador Álvaro Dias, o Podemos botou o pé na parede para apoiar o atual governo. E acabou abocanhando a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), onde está aboletado e de onde ouve, alto e bom som, o seu presidenciável fazer seu corajoso e coerente discurso por mudança nos costumes políticos e administrativos do país.

Só resta perguntar: pode isso, Arnaldo?

No Canadá

O governador Wellington Dias viajará outra vez ao exterior este mês, no período de 14 a 25.

O pedido para ele ausentar-se do país em viagem oficial ao Canadá já está na Assembleia Legislativa.

O motivo da viagem, segundo o governo, é conhecer o Sistema Carcerário – Ressocialização de Presos e Dependentes Químicos daquele país.

Sempre é tempo para aprender, mas este tipo de viagem costuma ser feita no início do governo, não no final.

Foto: Divulgação

Deputado Júio César recebe homenagem na Defensoria Pública da União

Defensoria

O presidente regional do PSD, deputado federal Júlio César, recebeu na Defensoria Pública da União – Piauí comenda "Amigo da causa dos menos favorecidos".

Ao agradecer a homenagem, ele reafirmou seu compromisso com a demanda do cidadão.

Torneira aberta

Em 40 dias, o Piauí teve 13 liberações de recursos federais para convênios com o Governo do Estado, Prefeitura de Teresina e cidades do interior. Deste total, 5 foram liberações do Ministério das Cidades.

Os convênios contemplados são todos rescaldos ainda do período em que o ocupante da pasta era indicado pelo senador Ciro Nogueira (PP).

Os dados são do Portal da Transparência dos Recursos Públicos. Talvez aí more o laço forte que, apesar da antipatia petista, continue a unir o senador e o governador Wellington Dias.

Tudo a ver

Sobre o novo empréstimo de R$ 600 milhões que o Governo do Piauí fez na Caixa Econômica Federal, os recursos se destinam a infraestrutura, mobilidade e saneamento.

Nada mais providencial: infraestrutura do palanque oficial para as eleições de 2018;  pavimentação da reeleição do governador e de seus aliados e saneamento do caixa do Estado, que está nas últimas.

Médicos

O secretário de Saúde, Florentino Neto, solicitou ao secretário de Administração e Previdência, Franzé Silva, que fossem abonadas as faltas registradas pelo Sistema de Ponto Eletrônico aos profissionais de saúde que atuam na rede hospitalar do Estado.

Tudo em razão de falhas na parametrização do sistema no âmbito das Unidades Hospitalares. 

Ponto eletrônico

O pedido incluiu ainda a emissão de folha salarial suplementar, para que sejam feitas as devidas correções no pagamento dos salários dos servidores.

De acordo com comunicado feito ontem, pela Sead-Prev, a folha será paga no próximo dia 14 de julho.

O Estado vai pagar a diferença dos médicos, mas não desistiu do ponto eletrônico para eles.

Foto: Divulgação

Baixo custo, alto retorno - O governador Wellington Dias matou a charada: o investimento em cultura é mínimo, dá bons resultados e ainda deixa o governo bem na fita. Ontem, no Palácio de Karnak, ele participou da solenidade para liberação de recursos para 80 pontos de cultura em todo o estado.

* O deputado Dr. Pessoa (PSD) solicitou a reforma e ampliação dos leitos do Hospital Nossa Senhora do Livramento, do município de José de Freitas.

De acordo com o parlamentar, a iniciativa visa “melhorar a prestação de serviços oferecidos a população daquela região, além de proporcionar o bem estar aos pacientes”, defendeu.

* deputado Georgiano Neto (PSD) comunicou que o problema dos bancos postais dos Correios, que deveriam deixar de funcionar, foi solucionado por interferência do deputado federal Júlio César. 

* O presidente da CNBB, Dom Sérgio da Rocha, chega hoje a Teresina. Amanhã ele celebra missa às 19h na Catedral de Nossa Senhora das Dores, na Praça Saraiva.

Olho grande

Da vice-governadora Margarete Coelho, ontem, na TV Cidade Verde:

- Acho legítimo todos quererem ser vice do governador Wellington Dias. É o cargo mais desejado em termos políticos no Piauí. É um governador bem avaliado. É uma gestão que tem dado conta dos problemas e ainda há aquela possibilidade que sempre existe do governador reeleito se afastar para ser candidato ao Senado e o vice ser galgado à condição de governador. 

Câmara engavetará denúncia contra Temer

A denúncia contra o presidente Michel Temer, recebida do Supremo Tribunal Federal na quinta-feira passada, já foi lida pela Mesa Diretora da Câmara dos Deputados e deverá ser analisada agora na Comissão de Constituição e Justiça, a CCJ, composta por 66 membros.

Esse colegiado será responsável por recomendar ou não a análise em plenário da denúncia encaminhada ao STF pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Ele acusa o presidente de cometer crime de corrupção passiva.

Como nas demais situações desse gênero, entretanto, cabe ao plenário da Câmara dar aval ou não para que o STF possa aceitar a denúncia e abrir o processo. Se a Câmara autorizar a ação contra Michel Temer, ele terá de se afastar da Presidência por 180 dias, até ser julgado.

São necessários pelo menos 342 deputados contra o presidente para a abertura do processo. O governo precisa de apenas 172 votos para que a denúncia seja engavetada.

Mesmo com todo o barulho que a oposição e a mídia fazem em torno do caso, a vitória do presidente na Câmara é praticamente certa.

Denúncia perde força 

A denúncia contra ele, de impacto arrebatador no primeiro momento, vem perdendo força. A bola estava no campo do adversário e chegou ao seu, que é o da política. 

A oposição consegue fazer muito barulho, mas não faz gol. Nem a sua torcida ela consegue mais agitar, pois muitos de seus membros também estão na lista de investigados e denunciados. A greve geral convocada contra o governo, na sexta-feira, por exemplo, foi um fiasco.

Mas não é esse o cenário mais favorável ao presidente, nesta nova etapa da denúncia. Há outro que passa praticamente despercebido. É o do corporativismo. Dos 66 deputados que integram a Comissão de Ética, 31 são citados em inquéritos e delações da Operação Lava Jato, segundo a mídia. Doze são investigados.

Acerto de contas

Há tempos o Congresso quer dar o troco ao Ministério Público, que vem rondando as duas casas legislativas com suas denúncias e investigações. Já tentou de diversas formas, mas não obteve êxito. Porém, chegou a hora para um acerto de contas.

Assim, no exame do processo contra Temer, não haverá propriamente uma defesa literal e apaixonada do governo. Os parlamentares, pela sua maioria, farão outro raciocínio: se entregarem a cabeça do presidente ao Ministério Público, a próxima a rolar pode ser a de qualquer um deles.

Então, por que darão mais poderes ao MPF? Basta que 172 dos 513 deputados digam que a acusação é inconsistente e ela cai. 

Foto: Divulgação

O deputado Silas Freire, entre Renata Abreu e Álvaro Dias, no Podemos

No Podemos

O senador Álvaro Dias, o deputado federal Silas Freire e o ex-jogador Marcelinho Carioca se filiaram no sábado (1º) ao Podemos.

As filiações foram assinadas na cerimônia de lançamento do partido, em Brasília. O senador Romário (RJ) enviou um vídeo ao evento no qual também anunciou a filiação à legenda.

O Podemos , que substitui o antigo Partido Trabalhista Nacional (PTN) e é presidido pela deputada Renata Abreu (SP),  teve a troca de estatuto e de nome homologada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em maio, sendo agora oficializada no evento. 

BR-135

A solução encampada pela bancada federal do Piauí, para intervenção imediata na BR-135, a “estrada da morte”, foi a lançada pelo superintendente estadual do Dnit, Paulo de Tarso Cronemberger.

Ele sugeriu que se fizesse uma operação nos pontos mais críticos da rodovia, em caráter de urgência, com o remanejamento da verba de manutenção das estradas federais no Piauí.

Luta antiga

A propósito, o parlamentar que mais se bate pela BR-135, há muito tempo, é o deputado federal Paes Landim (PTB). Ele já fez vários pronunciamentos cobrando ações do governo federal para a estrada.

Em vários discursos da tribuna da Câmara, Landim disse que a BR-135 é um atentando, em face dos riscos que ela oferece aos seus usuários.

Desconto

Se os médicos acharam muito o corte linear de 30% nos valores de seus contracheques, eles não perdem por esperar.

A Secretaria de Administração fará mais dois descontos, nos mesmos percentuais, nos próximos meses.

No sistema de controle de frequência, os profissionais aparecem como faltosos.

Ponto falho

O Sindicato dos Médicos do Piauí alega que a historia é outra: o sistema de ponto eletrônico implantado pelo governo é falho e pegou até quem estava de férias.

O secretário Franzé Silva disse que a situação será avaliada hoje.

Foto: Divulgação

Posse na Academia Brasileira de Cerimonial e Protocolo

Posse – A piauiense Emília Nunes tomou posse na Academia Brasileira de Cerimonial e Protocolo, no auditório do TCU, em Brasília. Ela foi empossada na cadeira que tem como patrono o embaixador Aluzio Napoleão, que foi chefe do Cerimonial da Presidência da República, no Governo Juscelino Kubitschek. O ex-senador Hugo Napoleão, filho do patrono da cadeira, discursou na cerimônia.

* Na corrida ao Planalto, o senador Álavor Dias (PR) mostrou que é bom de salto triplo. Ele pulou do PSDB para o PV e, agora, para o Podemos.

* O ex-prefeito de Corrente, Jesualdo Cavalcanti, está em São Paulo, para se submeter a uma cirurgia.

* O empresário Edmilson Carvalho é o novo presidente do Setut. A posse foi na semana passada. Ele já dirigiu a entidade.

* O senador Ciro Nogueira voltou ao presidente Temer na sexta-feira. Foi agradecer o interesse do governo pela BR-135.

Coisas de Oeiras

Do jornalista Elivaldo Barbosa, sobre as mudanças políticas em Oeiras: os Tupamaros e Bocas Pretas estão na base governista na Assembleia Legislativa, mas as diferenças políticas entre os grupos rivais seguem vivas e acirradas. Na posse de Bessah Filho (PP), o pai do novo parlamentar, ex-deputado federal B. Sá (PP), deu uma "espetadinha" nos adversários da política oeirense, afirmando que os Bocas Pretas são aliados de primeira hora do governador Wellington Dias e não pegaram carona em adesões recentes. O deputado Mauro Tapety (PMDB) não deixou por menos:

- Nossa aliança com o governador Wellington Dias de fato é recente, mas é sincera, tem valor  e consistência; em nossa palavra o governador pode confiar.

Wellington Dias, um petista ensaboado

Foto: Divulgação

Os acertos finais para assinatura de empréstimo na Caixa

A semana que passou foi marcada por dois atos, na cena política, protagonizados pelo PP, que apontam para a correlação de forças, entre os partidos da base aliado, na disputa eleitoral de 2018 no Piauí.

No primeiro ato, o PP, através de seu presidente nacional, senador Ciro Nogueira, abriu o cofre da Caixa Econômica Federal para arrancar um empréstimo no valor de R$ 600 milhões para o Governo do Piauí.

Entre a autorização da Assembleia e a assinatura do contrato do empréstimo foram três meses. Conforme o secretário de Fazenda, Rafael Fonteles, para fazer operações de crédito semelhantes o Estado já levou até três anos.

No segundo ato, o presidente do PP abriu a porta do ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, para a bancada do Piauí e outras lideranças estaduais levarem diretamente para ele um pedido de socorro para a BR-135, a conhecida “estrada da morte”.

O que parecia impossível aconteceu: o ministro se comprometeu a liberar, no próximo semestre, R$ 30 milhões para obras emergenciais nos pontos críticos da estrada. Esses recursos se somarão a outros R$ 20 milhões que serão aplicados em serviços de intervenção imediata na rodovia. Os recursos serão remanejados da verba do Dnit destinada à manutenção das estradas federais no Piauí.

Tirando proveito

O empenho do senador Ciro Nogueira nestas duas causas alcançou maior repercussão porque o presidente do PP vinha de uma sucessão de ataques desferidos contra ele e sua mulher, a deputada federal Iracema Portella, por petistas do Piauí. Se ele cruzasse os braços, o Governo do Piauí estaria em apuros, especialmente em relação ao empréstimo, vital para seu caixa neste momento.

Em vários Estados que perderam o acesso ao Planalto, com a queda da presidente Dilma Rousseff, os governadores tentam repetir a operação política posta em prática pelo governador Wellington Dias, para chegar ao cofre de Brasília através de aliados de prestígio no atual governo.

No Ceará, o governador Camilo Santana (PT) quis usar o PSDB do senador Tasso Jerreissatti. Não deu. Na Bahia, o PT quis usar o PP e o PSB, mas não conseguiu avançar. Lá o Produto Interno Bruto (PIB) já caiu 4,9%! 

Não é em todo lugar que dá um petista ensaboado como o governador Wellington Dias. 

Foto: Divulgação

Audiência com o ministro do Planejamento sobre a BR-135

 

PP põe o PT e o PMDB no lugar deles

Foto: Divulgação

Lideranças piauienses com o ministro do Planejamento

A articulação do presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira, para acelerar a assinatura do novo empréstimo do Governo do Piauí com a Caixa Econômica Federal, no valor de R$ 600 milhões, não foi apenas o cumprimento do dever de casa para manutenção da aliança com o PT do Piauí. Foi também para pôr ordem na casa.

Para começo de conversa, o PP estava em casa. O presidente da Caixa, Gilberto Occhi,  foi indicado pelo partido quando o presidente Michel Temer assumiu o governo, em maio do ano passado. Nessa condição, só convidou quem quis para o evento de assinatura do contrato, na quarta-feira.

Assim, além do governador Wellington Dias e do secretário de Fazenda, Rafael Fonteles, nenhum ouro petista foi convidado. Apenas líderes políticos ligados ao PP estiveram presentes ao ato, entre os quais o senador Ciro Nogueira, a vice-governadora Margarete Coelho, a deputada federal Iracema Portella e o deputado federal Mainha e deputados estaduais.

Também não foram convidados políticos do PMDB, o novo aliado do governo estadual. Ao realizarem um evento só para eles, os progressistas mandaram um recado claro para o PT, que os chama de golpistas, e para o PMDB do Piauí: em Brasília, eles são periféricos.

Novo baile

Mas o PP não esperou 24 horas para dar outro baile no PT e no PMDB piauienses. Na noite de terça-feira, uma parte da bancada do Piauí roi recebida em audiência pela direção-geral da Polícia Rodoviária. Os parlamentares foram reivindicar maior fiscalização na BR-135, a “estrada da morte”, no Sul do Piauí.

O deputado federal Assis Carvalho (PT) abasteceu as redações, na quarta-feira, afirmando que havia participado de audiência e que nada seria feito na estrada. E esbravejou: "O que vemos hoje é um governo que não tem a menor responsabilidade com a vida humana. Entendo que temos projetos de médio e longo prazo, mas o que queremos saber é o que a PRF pode fazer em caráter emergencial, precisamos de uma ação imediata para reduzir o número de mortes e acidentes graves na BR 135".

Ontem, o senador Ciro Nogueira levou a bancada ao ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, e os parlamentares saíram da audiência com o compromisso de que o governo federal vai alocar, ainda este ano, recursos para intervenção nos pontos mais críticos da estrada. O governador Wellington Dias chegou à reunião ao seu final e saiu dela comemorando a decisão do ministro.

Em resumo, o PP deixou claro quem é que abre porta no momento na Esplanada dos Ministérios. Como na política tudo funciona em mão dupla, o partido vai exigir, claro, que no Piauí seja tratado pelas forças governistas segundo o seu peso político.

Foto: Divulgação

Após reunião com o ministro, uma foto para a história

O almoço do dia

O deputado federal Heráclito Fortes (PSB) recebeu ontem, para almoço, em sua residência, em Brasília, o presidente Michel Temer. O parlamentar garantiu que foi um almoço inocente.

Não é bom duvidar da palavra do deputado, mas não custa lembrar que sua casa funcionou como o quartel-general da conspiração, no processo do impeachment.

Agenda secreta

A propósito, a imprensa deu ainda ontem à tarde o almoço do presidente Temer com o deputado Heráclito Fortes como uma agenda secreta.

Da mesma forma, tratou o jantar do presidente com o ministro Gilmar Mendes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral.

Do jeito que a coisa anda, já, já sai a manchete: “Temer se encontra secretamente com Marcela no Jaburu”!

Vitória governista

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou, por 16 votos a 9 e uma abstenção, o relatório da reforma trabalhista produzido pelo líder do governo, o senador Romero Jucá (PMDB-RR).

O relatório de Jucá pede a aprovação integral do projeto saído da Câmara e rejeita a acusação de que trabalhadores perderão direitos com a mudança na legislação.

Jamanta não morreu!

Com a aprovação da reforma trabalhista na CCJ do Senado, o governo, que era dado como morto, politicamente, dá uma demonstração de reação. Jamanta não morreu!

Agora, o texto segue para o plenário do Senado, a última etapa no Congresso.

Greve geral

Será hoje, até o meio-dia, a greve geral convocada pelas centrais sindicais, os sindicatos e os partidos de oposição, contra a reforma trabalhista e pela queda do governo Temer.

Como os rodoviários aderiram, o sucesso do movimento é garantido, já que os trabalhadores ficam sem transporte para chegar ao emprego.

Polícia para

O Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Piauí convocou para 6 de julho um protesto contra o governador Wellington Dias, às 11 horas, no Palácio de Karnak.

Em nota, a entidade informa que o manifesto é contra os crescentes índices de violência no Piauí.

* De repente, não mais que de repente, como no poema do Vinícius, os defensores da BR-135 saíram da moita. E não são poucos!

* Como indagava aquele conhecido slogan de campanha eleitoral, “por que não fizeram antes?”

* Teriam evitado tanta tragédia e tantas mortes da estrada! Ou essa movimentação toda agora tem a ver com as eleições de 2018?

* Em greve, os servidores do IML de Parnaiba não foram ontem recolher os corpos das vitimas da tragédia que matou cinco pessoas em Cocal. Cadê o MP?

A internação de Joesley

Das redes sociais, a propósito da internação do empresário Joesley Batista, delator-mor da República, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo:

- Alô! Aqui é o presidente Michel Temer.... Pode informar o estado de saúde do Joesley?

- Infelizmente, é grave!

PP faz o dever de casa no Piauí

Foto: Divulgação

Assinatura do contrato do novo empréstimo na Caixa, em Brasília

A assinatura do contrato para um novo empréstimo do Governo do Piauí com a Caixa Econômica Federal, no valor de R$ 600 milhões, mostra que o PP está fazendo o dever de casa na sua relação com o PT. Isto é, o partido faz por onde manter a aliança com os petistas para as eleições de 2018.

O empréstimo saiu a partir de articulações do senador Ciro Nogueira junto ao governo Michel Temer. Isso mesmo depois de o presidente nacional do partido e a deputada federal Iracema Portella serem hostilizados desnecessariamente por petistas no Piauí. O PP preferiu responder com flores às pedradas que recebeu.

Não custa lembrar que o comando da Caixa está entregue ao PP do senador. Ou alguém acha que esse empréstimo saiu foi através da influência política da senadora Regina Sousa e do deputado federal Assis Carvalho, os pontas de lança do governador Wellignton Dias em Brasília?

Foi não. Estes não compareceram sequer ao ato de assinatura do contrato do empréstimo. Talvez nem tenham sido convidados.

O governador vinha sonhando noite e dia com esse novo empréstimo, pois a situação financeira do Piauí, como se sabe, é delicada. O dinheiro do Estado dá mal para cobrir as despesas com a folha de pessoal. Pouco ou nada sobra para investimentos.

Segundo o contrato celebrado ontem com a Caixa, os R$ 600 milhões disponibilizados para o Governo do Piauí devem ser aplicados em obras de infraestrutura, mobilidade urbana e saneamento.

O governo do estado já começaria bem se divulgasse o plano de aplicação desses recursos. Ou seja, em que obras especificamente eles serão aplicados. E não apenas o PP, que lutou pela liberação do empréstimo, mas todo o Piauí, ficaria sabendo que valeu a pena o estado avançar ainda mais em seu endividamento.

Foto: Pablo Cavalcante/RCV

Secretário Rafael Fonteles, na Rádio Cidade Verde

Empréstimo

O secretário de Fazenda, Rafael Fonteles, disse que a tramitação do processo de empréstimo de R$ 600 milhões deu-se em tempo recorde. Segundo ele, da aprovação do empréstimo na Assembleia Legislativa até a assinatura do contrato na Cef foram apenas três meses.

O Piauí já levou três anos, conforme o secretário, para concretizar operações idênticas.

Ele destacou o apoio do senador Ciro Nogueira em Brasília.

Comemoração

A propósito, o deputado Heráclito Fortes (PSB) comemorou da Tribuna da Câmara, a assinatura da proposta de empréstimo de 600 milhões de reais, firmados entre o governo do Estado 
e a Caixa Econômica Federal.

Heráclito também pediu que o Presidente da Caixa Econômica envie à Câmara as garantias dadas ao empréstimo, bem como as informações sobre a destinação dos recursos.

O Piauí não é para amadores. Por aqui, até a oposição comemora quando o Estado se endivida.

Alfinetada

Heráclito Fortes também não perdeu a oportunidade de lembrar que em outra ocasião, o governador Wellington Dias quando estava na Oposição, em 2014, vetou um empréstimo do Banco do Brasil para o então governador Zé Filho, que substituiu o governador Wilson Martins.

“Isso é para mostrar que o mundo dá voltas. Se agora ele está sendo tratado dessa maneira, é porque tem um Governo sério e republicano”, disse.

Tradição quebrada

O presidente Michel Temer quebrou ontem duas tradições, na escolha do substituto do procurador Rodrigo Janot como chefe do Ministério Público Federal.

A primeira foi que não escolheu o mais votado da lista tríplice, o procurador Nicolao Dino.

A segunda foi que, pela primeira vez, indicou uma mulher para comandar a Procuradoria Geral da República.

Votação

A lista é elaborada por meio de eleição interna entre os membros da Associaão Nacional dos Procuradores da República. Raquel Dodge, a escolhida por Temer, recebeu 587 votos e foi a segunda mais votada na lista, atrás do atual vice-procurador-geral eleitoral, Nicolao Dino, que recebeu 621 votos.

Com a indicação, Raquel Dodge será submetida a sabatina no Senado e precisará ter a indicação aprovada pelos senadores antes de ser oficializada no cargo.

Caso seja aprovada, ela tomará posse em setembro, no lugar de Janot.

Janot perdeu

Dino, que foi o mais votado pelos integrantes do MPF, era o candidato preferido de Janot na eleição interna.

Além disso, ele é irmão do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), que faz oposição sistemática ao governo Temer.

Por fim

Aliás, essa de não nomear o 1º da lista para chefia do MP não é novidade. No Maranhão, Flávio Dino indicou o segundo colocado. E aqui no Piauí, dois anos atrás, o governador Wellington Dias, em vez de nomear a promotora Cláudia Seabra, a primeira da lista para chefiar o MPE, escolheu Cleandro Moura, o terceiro colocado.

Foto: Reprodução/FUG

Piauí em Movimento - A Fundação Ulysses Guimarães já começou a distribuir os convites para a próxima palestra do seu presidente no Piauí, ex-ministro João Henrique Sousa, marcada para Valença do Piauí, no dia 15 de julho.

* Ontem houve um novo protesto na Ceasa, agora contra a decisão do desembargador Haroldo Rehem suspendendo a privatização da empresa.

* A revolta foi grande ontem nos hospitais da rede estadual de saúde, com descontos inesperados nos contracheques dos servidores.

* O corte foi motivado pela implantação do ponto eletrônico. O secretário de Administração, Franzé Silva, orientou os prejudicados a procurarem a direção dos hospitais.

* O Sindicato dos Médicos do Piauí lançou nota criticando os descontos e cobrando providências por parte do Governo do Estado.

Queda na vertical

Do humorista Fraga:

- O projeto de enterro vertical do prefeito João Dória ainda pode se consagrar: Temer resiste tanto a cair que seu governo será sepultado em pé.

Denúncia sem provas

A defesa mais enfática do presidente Michel Temer até agora sai do PSDB, através do Instituto Teotônio Vilela, órgão de estudos e formação do partido. Em nota divulgada ontem, o instituto afirma que não há provas contra o presidente  na denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

No documento, o ITV sustenta ainda que o País não tem nada a ganhar com a queda de Temer e aponta excessos e abusos do Ministério Público Federal:

“Pode, sim, haver corrupção, mas o que a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentou ontem seguramente não contém provas necessárias e suficientes para a condenação de um presidente da República. O histórico recente de exageros e abusos por parte dos procuradores federais não ajuda”, diz a nota.

O ITV, presidido pelo ex-senador José Aníbal (PSDB-SP), avalia que a acusação contra o presidente tem fragilidades e o conteúdo é baseado na delação do empresário Joesley Batista, da JBS. “Não há, pelo menos por ora, uma prova inconteste, uma evidência acachapante ou um depoimento irrefutável que leve a uma condenação inequívoca. O que se tem – por ora, repita-se – é a palavra do maior réu confesso do País contra a de Temer. Nada além disso.”

Fatiamento

A estratégia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de fatiar as acusações contra Temer em mais de uma denúncia é criticada pelo instituto dos tucanos.

“Parece querer dar maior volume e criar um efeito de avalanche de ilícitos, além de suscitar votações variadas no Congresso, quando sua prática corrente em outros processos foi reunir tudo em peças únicas. Por que será?”, aponta o documento.

Depois de cogitar que a eventual queda de Temer atenderia aos interesses do PT, a nota tucana destaca que a PGR, “de forma estranhíssima”, até agora não cogitou fazer denúncias contra os ex-presidentes Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva no caso JBS.

A nota reforça que, por enquanto, o presidente Michel Temer não é culpado nem inocente e que ele deve responder jurídica e politicamente ao processo.

Os tucanos  levaram um tiro debaixo da asa com as denúncias que atingiram o presidente Temer, pois elas alcançaram também o presidente do partido, senador Aécio Neves.

Foto: DivulgaçãoAssinatura de novo empréstimo na Caixa, em Brasília

Empréstimo

Uma boa notícia para o Governo do Piauí: a Caixa Econômica Federal assinou ontem o contrato no valor de R$ 600 milhões, destinado a obras de infraestrutura, mobilidade urbana e saneamento básico.

O governador Wellington Dias estava sonhando acordado com esses recursos.

Inferno astral

O presidente Michel Temer vive de verdade o seu inferno astral na política. O procurador Nicolao Dino foi o mais votado para a lista tríplice da qual sairá o substituto de Rodrigo Janot na chefia do Ministério Público Federal.

Ele obteve 621 votos, contra 587 da procuradora Raquel Dodge 587 e 564 do também procurador Mario Bonsaglia 564 votos.

Quem vai

O mais votado da lista tríplice do MPF é irmão do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), um dos maiores aliados do PT e também um dos principais adversários do governo Temer.

O presidente não é obrigado a escolher o mais votado, mas desde o governo Lula a tradição tem sido a de nomear quem encabeça a lista tríplice.

Monólogo

O presidente Michel Temer já teria tirado melhor proveito da situação, se, ao invés de lançar mão de monólogos, se dispusesse a falar ao país através de entrevistas coletivas.

Além do mais, em seus pronunciamentos secos, ele carrega no juridiquês, quando deve dar um tom político ao caso.

Quem não deve, não teme. Nem treme.

BR-135

O senador Ciro Nogueira (PP) informou ontem que a reunião com o presidente Michel Temer para tratar de investimentos no trecho piauiense da BR 135 tem desdobramentos.

Ele disse que amanhã estará com o ministro dos Transportes, Maurício Quintella, para tratar de ações práticas e emergenciais na estrada.

O senador convidou a bancada federal e deputados estaduais que atuam na região Sul do Piauí para a reunião.

O governador Wellington Dias também deve participar do encontro com o ministro dos Transportes.

Greve geral

As centrais sindicais, os sindicatos e os partidos de oposição fazem uma nova greve geral na sexta-feira, contra a reforma trabalhista e pelo “Fora, Temer!”

Rodoviários, professores, bancários, servidores públicos, comerciários e trabalhadores da construção civil anunciaram adesão ao movimento no Piauí.

Pressão

Um governista disse que o deputado Pablo Santos (PMDB) está fazendo charme com sua ameaça de entregar o comando da Fundação Hospitalar do Piauí e retornar para sua cadeira na Assembleia Legislativa.

O governista disse charme, mas deu a entender que era outra coisa.

Sinal amarelo

Sinal amarelo para a Lava-Jato, que está num pé e noutro para condenar o ex-presidente Lula.

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), com sede em Porto Alegre, absolveu ontem o ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT), João Vaccari Neto, por 2 votos a 1.

O juiz Sérgio Moro havia condenado o petista a 15 anos e 4 meses de reclusão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Delação

"O relator elevou a pena para 18 anos, mas os outros dois desembargadores o absolveram, acolhendo a nossa tese de que não pode haver condenação exclusivamente com base nas delações", destacou o advogado de Vaccari, Luiz Flávio Borges D’Urso.

Todos apostavam que, no xilindró, Vaccari soltasse a língua através de delação. Mas ele segurou o tranco firme até o fim.

Foto: Divulgação/CN-Sesi

Em dia - O prefeito Firmino Filho e os secretários municipais Washington Bonfim  e Erick Amorim visitaram ontem à tarde o presidente do Conselho Nacional do Sesi, João Henrique Sousa.

* A Prefeitura de Teresina vai retirar da justiça entre 25 a 30 mil ações contra contribuintes inadimplentes.

* Isso ocorrerá com as causas que somem até R$ 5 mil. Mas eles não deixarão de ser cobrados. Agora pela via extrajudicial.

* A Casa de Custódia quebrou ontem um novo recorde, ao contar 1.023 presos. Sua capacidade é para 343.

* Quase 80% desses presos são provisórios, ou seja, não foram julgados ainda. Nem sabem quando serão.

O fim do Coresa

Em entrevista ontem ao programa “Acorda Piauí”, da Rádio Cidade Verde, o prefeito de Bom Jesus do Piauí, Marcos Elvas (PSDB), definiu com precisão o que foi o Consórcio Regional de Saneamento do Sul do Piauí (Coresa), que reunia 36 municípios da região, nunca saiu do papel e foi sepultado oficialmente esta semana:

- Na realidade, o Coresa foi uma viúva Porcina: aquela que foi sem nunca ter sido. Nunca funcionou de fato.

A denúncia contra o presidente Temer

A Polícia Federal entregou ontem à tarde, ao Supremo Tribunal Federal (STF), o relatório final do inquérito contra o presidente Michel Temer. A investigação foi aberta após a delação premiada do dono da JBS/Friboi, Joesley Batista, ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

O ministro Edson Fachin, relator do caso no STF, enviou diretamente à Procuradoria-Geral da República (PGR) a documentação. Ontem mesmo, o procurador Rodrigo Janot apresentou contra o presidente Temer a denúncia de corrupção passiva, organização criminosa e obstrução da Justiça.

Na última sexta-feira, a PF concluiu que o áudio da conversa gravada pelo empresário Joesley Batista, com Temer, no dia 7 de março, no Palácio do Jaburu, não foi editado ou adulterado. Em sua defesa, o presidente alega que simplesmente ouviu o empresário, sem conceder-lhe qualquer favorecimento.

A Câmara dos Deputados é responsável por aceitar ou não uma denúncia contra o Presidente da República. O pedido para processar Temer deve ser aprovado por dois terços dos deputados (342 votos), mas deve passar primeiro pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) antes de ir a plenário.

O Palácio do Planalto não demonstra nervosismo com a situação. Apesar da queda brutal de sua popularidade, do fogo cerrado do Ministério Público Federal e da mídia e também das baixas sofridas em sua base, o presidente ainda tem voto de sobra para barrar o processo, que chega, finalmente, ao campo político.

É nessa área, a da política, que Temer sabe se movimentar melhor. Portanto, sem um fato novo relevante, ele não se tornará réu.

Foto: Marcos Corrêa

Ciro entrega mapa com situação crítica da BR-135 ao presidente

Estrada

O senador Ciro Nogueira (PP/PI) levou ontem ao presidente Michel Temer a dramática situação da BR 135, conhecida como “estrada da morte”.

Ciro disse ao presidente que a reestruturação da rodovia, com o alargamento da pista e a implantação de acostamento, é prioridade para o Piauí.
O senador afirmou que Temer se mostrou receptivo ao atendimento da demanda e ligou para os ministros Maurício Quintella (Transportes) e Dyogo Oliveira (Planejamento), pedindo agilidade na solução do problema.

Protesto

A Nova Ceapi amanheceu fechada ontem. Os servidores da empresa fizeram um protesto contra o atraso no pagamento de seus salários pelo Governo do Estado.

Ao todo, são 105 funcionários que ficaram sem salário com a privatização da empresa.

Os funcionários prometem repetir o protesto, se a situação deles não for resolvida.

Foto: Zózimo Tavares

A sede do Coresa, que nunca funcionou, em Bom Jesus

Fim do Coresa

Desiludidos com a situação do Consórcio Regional das Águas, prefeitos do Sul do Piauí estiveram ontem no Palácio de Karnak para pedir ao governo que feche oficialmente o Coresa.

O Consórcio foi lançado pelo governo em 2006, com o objetivo de substituir os serviços da Agespisa em 36 municípios do Sul do Estado.

Mas até hoje não saiu do papel.

Luto nas artes

O Brasil perdeu ontem um de seus maiores artista plásticos da atualidade, o piauiense Afrânio Pessoa Castelo Branco. Ele morreu em sua residência, no bairro Piçarra, zona Sul de Teresina.

Aos 86 anos, Afrânio tinha diabetes e morreu de insuficiência renal. 

Foto:  Irakerly Filho

Afrânio sendo entrevistado por Cineas Santos

Estilo

"É um artista expressionista e impressionista, premiado no mundo todo com sua arte que tem uma identidade própria", destacou Fernando Tajra, curador de sua obra há mais de 20 anos.

O artista plástico era irmão da professora e escritora Nerina Castelo Branco, decana da Academia Piauiense de Letras. 

Pelo mundo

Afrânio Pessoa Castelo Branco nasceu em Teresina e se graduou na Escola Nacional de Belas Artes, em 1958. Ele obteve menção honrosa no 9° Salão Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro.

Participou de edições da Bienal Internacional de São Paulo, em 1967 e 1969. Em 1970, integrou a Coletiva de Arte Brasileira, mostra de 27 artistas que percorreu a Alemanha, Espanha, França, Holanda, Itália, Suécia e a Suíça.

Obra

Entre 1972 e 1973, elabora painéis para a reitoria da Universidade Federal do Piauí e para a nova sede das Centrais Elétricas do Piauí, em 1975, elabora painéis para o Palácio da Justiça.

Era professor aposentado da Ufpi.

Foto: Divulgação/PMT

Obras retomadas - A Prefeitura de Teresina finalmente retomou a obra de asfaltamento da Avenida Josué de Moura Santos, que liga a zona Leste à zona Norte de Teresina.

* Parnaíba e Luís Correia ficam sem água hoje por 24 horas, em função de serviços de manutenção da rede de distribuição.

* O governador Wellington Dias foi à reabertura do estádio Felipão, no município de Altos.

* Saiu de lá com a fama de pé quente, pois o time local goleou o do Tocantins por 4 a 0, em jogo válido pela Série D do Campeonato Brasileiro.

* O deputado Paes Landim (PTB) participou, na Feira do Livro de Brasília, do lançamento da obra “Jango e Eu”, escrita por João Vicente Goulart, filho do ex-presidente João Goulart.

Faro jornalístico

O jornalista Elivaldo Barbosa batia perna ontem no Palácio de Karnak atrás de notícia. Soube que estava havendo uma reunião do governador Wellington Dias com prefeitos do Sul do Piauí. Quis filmar o encontro e fazer entrevistas para a TV Cidade Verde, mas foi desestimulado por um assessor palaciano:

- Não vai dar para você entrar. A pauta é negativa para o governo.

Elivaldo não se entregou:

- Mas aí é que é boa mesmo!

Empresas só têm coração para os políticos

O Brasil posa com ar de surpreso, escandalizado e indignado com a descoberta de conluios entre grandes empresas e partidos políticos e também políticos. Ora, onde está a novidade? Essa relação sempre foi marcada pela promiscuidade, em todos os níveis.

Para começo de conversa, o que leva um cidadão a disputar um cargo eletivo gastando mais, muito mais, do que vai receber durante todo o exercício do mandato? O sistema político brasileiro leva a estas e outras aberrações.

O custo de uma eleição já foi mais modesto. Houve um tempo em que alguém era capaz de se eleger pela folha de serviços prestados ou pelo discurso. Esse tempo ficou para trás. O custo do mandato cresceu exponencialmente nos últimos anos, inviabilizando a eleição dos sem-dinheiro.

Poucos conseguiram mandatos eletivos sem o derramamento de dinheiro em suas campanhas. E poucos tiraram dinheiro de seu bolso para financiar suas candidaturas. Os recursos apareceram através de doações que teoricamente saíram dos cofres das empresas.

Dinheiro púbico

Mas não foi bem assim. As empresas fizeram caixa com tais recursos a partir do superfaturamento de obras e serviços públicos. Daí repassaram as sobras para as campanhas políticas. Ou deve-se ingenuamente imaginar que de fato foram doações espontâneas?

Ora, no Brasil, ao contrário do que ocorre em países desenvolvidos, as empresas não têm a prática de fazer doações. Para nada. Não dão bolsas de estudo para os jovens nem financiam projetos sociais, ambientais ou culturais, muito menos de inovação tecnológica.

Também não fazem doações para creches, nem para abrigos de idosos ou para hospitais. Por que, então, essas empresas teriam bom coração e abririam seus cofres apenas para os políticos, beneficiando justamente os mais conhecidos pela sua reputação duvidosa?

Só por aí já daria para desconfiar da marmelada revelada pelo mensalão e pela Lava-Jato. 

Foto: Cidadeverde.com

Advogada Geórgia Nunes: aprovação a toque de caixa

Fundão

Estão a pleno vapor no Congresso Nacional as articulações para a aprovação, antes do final de julho, de um pacote eleitoral que inclui a criação de um fundo de financiamento de campanhas com dinheiro público.

E não será pouco dinheiro: R$ 3,5 bilhões para as eleições de 2018.

Nova sangria

Os articuladores de mais essa facada no Tesouro Nacional são o PMDB, PSDB, DEM, PSB, PP, PR e PSD.

Juntos, esses partidos têm voto de sobra para aprovar a sangria nos cofres públicos.

Olho vivo!

A advogada Georgia Nunes, especializada em Direito Eleitoral, diz que é importante um debate acerca da proposta.

Ela desconfia que a PEC tratando do assunto vai correr no Congresso a toque de caixa.

E agora?

Quando a presidente Dilma tinha entre 10 e 12% de aprovação, o então vice-presidente Michel Temer, já em rota de colisão com ela, declarava ser impossível governar com tamanha popularidade.

Ele está com miseres 7%, segundo o Datafolha, mas deve ter mudado de ideia.

PT, o preferido

E o que dizer do resultado da mesma pesquisa que mostra o PT como o partido com a maior popularidade entre os eleitores brasileiros?

Segundo o levantamento, 18% dos entrevistados têm preferência pela legenda dos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff.

O PSDB do senador Aécio Neves e o PMDB do presidente Michel Temer aparecem empatados na segunda posição, com 5% do eleitorado.

A maioria dos entrevistados, porém, não é particularmente simpática a nenhum partido: 59% disseram que não têm preferência alguma.

Taxa do lixo

O prefeito Firmino Filho considera que a taxa do lixo, a ser cobrada a partir de agora em Teresina, é apenas “simbólica”.

Para bom entendedor, o prefeito disse que no futuro a taxa do lixo vai pesar no bolso.

Custos

De fato, a limpeza da cidade é uma das maiores despesas da Prefeitura. Somente no ano passado, o custo com o lixo chegou a R$ 78 milhões.

O município espera arrecadar este ano algo em torno de R$ 7 milhões com a taxa do lixo. Ou seja, menos de 10% do custo de todos os serviços de limpeza.

Exposição

Seriam os Piauienses da Serra da Capivara os Homens Mais Antigos das Américas? A indagação dá título à exposição sobre o Parque Nacional Serra da Capivara que será aberta no Teresina Shopping a partir de domingo, dia 2 de julho.

O evento traz registros fotográficos e audiovisuais realizados pelo fotojornalista André Pessoa.

Férias

A mostra conta com debates científicos a origem do homem no continente americano.

Antes de chegar ao país, Seriam os Piauienses da Serra da Capivara os Homens Mais Antigos das Américas? estreou na Alemanha, em maio, na Embaixada do Brasil em Berlim, onde permanece até o dia 31 de junho.

André Pessoa informou que a exposição constará de 30 fotos e ficará no Teresina Shopping por 40 dias, durante as férias escolares. 

Foto: Zózimo Tavares

André Pessoa: exposição da Alemanha para Teresina

* O novo bispo de Floriano, dom Edivalter Andrade, tomou posse no sábado, em ato que contou com a presença do governador Wellington Dias.

* O deputado Rubem Martins (PSB) alertou que a greve dos servidores da Adapi ameaça trazer de volta o risco da aftosa nos rebanhos piauienses.

* Se estavam esperando algo acontecer para o Aeroporto Internacional de Parnaíba se tornar mais inútil do que é, ela aconteceu.

* O Ceará inaugurou sábado, com muita festa, o Aeroporto Internacional de Jericoacoara, um dos destinos turísticos mais procurados do país.

Pragmatismo tucano

Na sexta-feira, a Prefeitura de Teresina fez o plantio de árvores na área do campinho de futebol do Parque Ambiental da Floresta Fóssil. Deram ao prefeito Firmino Filho uma muda maior, já quase adulta. E antes que alguém perguntasse o motivo, já foram justificando:

- Quem deve plantar uma árvore que dá sombra é o prefeito.

(Colaborou Elivaldo Barbosa)

 

PEC mais que triplica o Fundo Partidário

Foto: Reprodução TRE/MS

 

No bojo da reforma política a ser discutida na Câmara dos Deputados, em breve, há uma proposta de deixar qualquer um de queixo caído: um aumento que triplica o valor do Fundo Partidário. Com a proposta, o dinheiro público usado para financiar os partidos salta de R$ 867 milhões para R$ 3,5 bilhões no próximo ano.

A bolada do Fundo Partidário é rateada entre 35 partidos políticos, sendo que nove deles sequer possuem representantes eleitos no Congresso Nacional. Hoje 5% dos recursos do fundo são distribuídos em partes iguais a todos os partidos e os outros 95%, proporcionalmente, conforme votos obtidos na última eleição para a Câmara dos Deputados.

Quem leva mais

Neste ano, somente dos 5% iguais, cada partido receberá cerca de R$ 1,2 milhão. Outros R$ 807 milhões serão distribuídos conforme número de cadeiras que as legendas possuem. Assim, quem mais elegeu parlamentares leva uma fatia maior do bolo. É o caso do PMDB, PT, PSDB e PP.

Se aprovado, o aumento do Fundo Partidário sairá dos cofres públicos. A medida visa compensar o fim do financiamento das campanhas eleitorais pelas empresas. Os partidos buscam uma fonte extra de recursos, já que atualmente só podem receber doações de pessoas físicas.

A reforma proposta concentrará os recursos somente na mão daqueles partidos que conseguirem atingir o mínimo de 2% dos votos válidos em pelo menos 14 unidades da federação.

Na contramão

A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que está em discussão foi aprovada no Senado no fim de 2016 e está na Câmara. O texto ainda poderá passar por modificações.

O Fundo Partidário tem subido vertiginosamente. Seu valor em 2015 era de R$ 289 milhões. No ano seguinte, quando foram realizadas as eleições municipais, saltou para R$ 867 milhões, já preparando o grande salto para as eleições dos congressistas, em 2018, quando, pela proposta chegará a R$ 3,5 bilhões.

Os parlamentares querem aumentar o Fundo Partidário num momento de grave crise econômica, que impõe cortes implacáveis nos orçamentos públicos por falta de recursos. No fundo, eles querem tirar recursos de áreas essenciais, como educação, saúde e segurança, para suas campanhas.

 

Posts anteriores