Cidadeverde.com

Gastos com meninas são 30% maiores que com meninos

Você aí, pai/mãe/pãe de meninos e meninas, concorda? Vive essa realidade? 

O dado foi constatado em pesquisa da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros) feita ao longo dos últimos três anos. Segundo o levantamento, esses 30% seriam por conta da maior oferta de produtos de confecção, higiene e beleza para as meninas. 

Isso é fato. Isso está nas vitrines. Não há como negar. 

Mas vamos ter aí em mente duas reflexões. 

Uma delas é que as meninas levam isso para a vida adulta. Roupas demais, sapatos, uma necessaire que não cabe na bolsa. Tanta coisa que não precisamos e mesmo assim compramos. Esse estereótipo é reforçado a cada geração porque principalmente nós, mães, reproduzimos. A família é responsável por incluir isso no dia a dia da criança. É o bicho do consumismo.

Outro fato que observo é que nossa sociedade ainda vai demorar muito para "desprincesar" as meninas. O rosa, os vestidos, sempre a mesma fórmula de que menina usa vestido e menino bermuda. Menina usa rosa e menino azul. A vida dos meninos é tão mais simples... 

Pois quando vou comprar roupa para a Nina, nunca vou apenas na sessão feminina. É na sessão masculina que tem as camisetas mais legais de personagens que ela gosta, por exemplo. Tem umas camisetas de cores mais sóbrias, como amarelo, verde, cinza. Qual o problema?

Por várias vezes, quando vamos sair, Nina está comigo no quarto no momento em que vou me arrumar. Peço opinião a ela e, às vezes, abro a parte em que ficam as camisetas do meu marido. Você se espanta? Eu uso camisetas dele. Algumas já ficaram tão cativas que nem voltam mais para o armário dele. 

Faço questão que ela me veja usando roupas do pai para que ela saiba que nós, mulheres, temos inúmeras possibilidades e nem por isso perdemos a feminilidade. Boto a camiseta "masculina" e um batom vermelho.  E daí?

Assim como ela pode brincar de boneca, de fazer comidinha, com bloquinhos de montar, pode também brincar com bola, andar de bicicleta, com carrinhos, com bonecos, de amarelinha, de peteca. As possibilidades são infinitas e o que estimulamos é que ela use o rosa, como ela tá adorando no momento, mas que também use a camiseta verde, o tênis ao invés da sapatilha ou sandália, roupas sem estampas de personagens. 

As noções primeiras de que a vida oferece diversas formas e diversas escolhas são, a meu ver, essenciais para que as nossas crianças possam ter mais liberdade para construírem seu futuro. Isso, inevitavelmente, é também um caminho para livrarmos nossos pequenos dos preconceitos e do machismo. Vamo pensar um pouquinho sobre isso?

Afinal, mulheres podem tudo, se quisermos.