Cidadeverde.com

Vai montar enxoval? Vá devagar nas compras porque a tentação é grande

Quase não dá para resistir ao parar na frente das vitrines e ver aquelas roupinhas, sapatinhos, lacinhos e todos os frufrus que uma mãe tem direito. Mas, vá devagar porque, se você ainda está grávida, não tem noção do gasto que vem depois do parto.

Eu sou amiga das listas. Gosto de fazer lista para tudo e isso realmente ajuda a organizar, principalmente no caso da montagem do enxoval, já que são muitos itens e a variedade de preços é muito grande também. 


Não sou mesquinha, mas também odeio a sensação de estar sendo enganada. Por isso, comecei a pesquisar com antecedência e percebi que os mesmos produtos tinham uma variação absurda de valor nas lojas. 

E, por falar em lista, não caia no engodo de aceitar as listas que as vendedoras adoram empurrar na gente. Elas costumam conter itens semelhantes e quantidades excessivas que você vai perceber, com o "exercício da profissão", que são completamente dispensáveis. 

Visite várias lojas e veja em qual delas tem a maioria dos produtos que você deseja comprar. Algumas lojas oferecem bons descontos quando você compra em grande quantidade. Vale também esperar (se você puder, claro) por promoções em épocas específicas do ano, como o dia das crianças.

Roupinhas

Pense primeiro que, apesar de os exames indicarem um peso aproximado para a criança, ao nascer, ela costuma perder peso. Antes de sair louca pegando todos os pagõezinhos e pijaminhas fofos naquela loja que você anda namorando há dias, lembre também que seu bebê, com a amamentação, vai dobrar de peso com muita facilidade. Por isso, pode ser que ele nem use a metade dos pijaminhas que você comprou.

Além disso, o seu bebê será presenteado. Caí na besteira de comprar cinco toalhas quando ainda estava grávida e quando a Nina nasceu ela teve que tomar muito banho para dar conta das 14 que ganhou.

Veja uma sugestão de lista

•1 roupa para "saída da maternidade": deve ser confortável, mas quentinha (mas sem exageros) e bonita para estar nas fotos que serão guardadas para sempre 

•Body de manga curta: 6 tamanho RN e 6 tamanho P 

•Body de manga comprida: 4 tamanho RN e 4 tamanho P 

•Calça tipo mijão ou culote com ou sem pé: 6 tamanho RN e 6 tamanho P 

•Macaquinho ou jardineira curta para banho de sol: 4 tamanho P 

•Camiseta: 4 tamanho P 

•Calça de moletom, legging ou jeans: 2 tamanho P 

•Macacão de algodão simples, confortável, tipo pijama: 2 tamanho RN e 2 tamanho P 

•Meia: 6 pares 

•Chapéu para sol: 2 

•Manta de algodão: 2 

•Fralda de pano para usos variados: pelo menos 4 

•Paninho de boca: pelo menos 6 

•Toalha de banho com capuz: 3 

•Lençol de baixo com elástico e colchas para berço: 3 

Itens indispensáveis

Cueiro. Demorei um bocado para descobrir o que era isso porque as minhas amigas-mães-modernas não sabiam para compartilhar a informação. Cueiro nada mais é do que um pano que serve para tudo, desde forrar o local onde o bebê vai ser trocado até limpar uma sujeirinha ou outra nele num momento de passeio.

Além do cueiro, não esqueça de colocar na lista um termômetro, lenços umedecidos, pomada antiassaduras, algodão, álcool especial para a desinfecção do umbigo até que ele caia, hastes de algodão para higiene, sabonete especial para pele de bebê, banheira e suporte, mamadeiras, térmica para armazenar mamadeiras, almofada de amamentação, fraldas descartáveis. Acho que não estou esquecendo de nada. 

Isso é só uma ideia. Depois do primeiro mês você vai sentir necessidade de comprar outras coisas.

corujices@cidadeverde.com

Guia prático para viagem com bebês

Ainda faltam 18 dias para o feriado da Semana Santa. Mas o planejamento da viagem já começou. Viajar com bebês pode ser uma aventura [no mau sentido mesmo] se você não planejar cada quilômetro. 

Antes de qualquer atitude, faça uma lista do que você vai levar/precisar. Não esqueça de pensar na mala, na farmácia, brinquedos, lanches para viagem e itens de proteção.

Arquivo pessoal

Vamos lá. Primeiro a mala. Dependendo do destino você priorizará roupas mais leves ou mais quentinhas. Mas, se você vai à praia, não esqueça de levar ao menos um casaquinho, meias e um pijaminha mais quentinho para o caso de esfriar. Também é importante levar um bonezinho ou chapeuzinho e filtro solar [para crianças acima de seis meses] para proteger do sol. 

Nunca, jamais, de maneira nenhuma esqueça de montar uma farmacinha básica, com remédios para febre, dor de ouvido, gripe, cólica, pomada para prevenir assaduras, vitamina C e um antialérgico. Isso é item obrigatório na mala.

Os brinquedos são grandes aliados, principalmente se seu bebê não aguenta passar muito tempo sentado na cadeirinha ou no bebê conforto. Eles vão ajudar você a mantê-lo distraído. Se possível, compre um brinquedo novo e só mostre à criança na hora de viajar. Ela vai passar mais tempo ainda brincando e vai esquecer que está na cadeirinha.

Antes de pegar a estrada é importante arrumar uma bagagem de mão. Lembre-se de incluir fraldas para trocar o bebê, fraldas de tecido, uma muda de roupa, toalha, lanches e, se a viagem for longa, uma mamadeira reforçada devidamente armazenada. Se você ainda amamenta, faça isso com o veículo parado. Além da segurança, a criança vai digerir melhor e não correrá o risco de vomitar. Ah, não esqueça de ter um copinho ou uma mamadeira com água sempre por perto.

O melhor horário para viajar, principalmente se for um destino longo, é logo ao amanhecer. A temperatura está mais amena e você enfrentará menos trânsito, comum em dias de feriado prolongado. 

Ou então, prefira um horário em que o bebê costuma estar dormindo. Se tiver a minha sorte, seu bebê vai dormir boa parte do caminho e você poderá curtir a viagem.

Preste atenção aos horários de exposição ao sol. Mantenha o bebê protegido. Não esqueça também de colocar na sua bolsa a carteirinha do plano de saúde do bebê e a certidão de nascimento. Imprevistos acontecem. 

corujices@cidadeverde.com

Fica alegre. Fica triste. Vida de grávida não é fácil!

Uma hora é alegria sem fim. Dez minutos depois uma onda de tristeza invade e você não sabe por que essas lágrimas saem tão fácil. 

Existem duas palavrinhas para explicar toda essa confusão de sentimentos: progesterona e o estrogênio.

Os especialistas atribuem a eles, em parte, a grande variação de humor ocorrida na gravidez e no pós-parto. Os níveis desses hormônios que regulam o ciclo reprodutivo variam muito.

Mas a culpa não é só deles. A grande mudança na vida da mulher com a gravidez também influencia muito nesses rompantes de humor. 

De repente a mulher se vê com uma responsabilidade que muitas vezes não planejou e não sabe bem o que fazer. Bate o desespero. E mesmo quando a gravidez é planejada há a insegurança em relação ao futuro, ao relacionamento com o companheiro, a preocupação com a saúde do bebê e com a sua própria. Além de tudo, todos os dias o corpo muda. 

Coitados dos nossos companheiros! Às vezes são eles quem recebem as bordoadas. E feliz de quem tem um companheiro compreensivo. 

Também alguns sintomas da gestação acabam contribuindo para essas variações de humor, como azia, vontade de fazer xixi constantemente e o cansaço. Parte desses desconfortos podem ser minimizados com algumas atitudes. 

Procure se alimentar de forma regular, de três em três horas, fazer atividade física leve, passear, ir ao salão de beleza, conversar com amigos, com o marido, namorar e principalmente não se cobrar tanto. 

É importante que você se conheça e se observe constantemente durante esse processo. A qualquer indício de que os momentos de tristeza estão prolongados demais deve ser o caso de procurar um profissional para avaliar. 

Vivi uma gravidez parcialmente planejada [engravidei um pouco antes do que pretendia] e por isso tive essa sensação de cobrança muito forte. A pressão de deixar tudo organizado para a chegada do bebê foi o que mais me deixou tensa. Eu não conseguia me desligar dessas obrigações. Mas também sentia uma imensa felicidade pelo amor que já tinha pela Nina. Por isso tive muitos momentos de choro e riso fáceis. E depois do parto essa cobrança continuou. Mas eu tive apoio, muito apoio do meu companheiro e amor, muito amor pela minha Nina. Isso superou tudo.

corujices@cidadeverde.com

Em forma depois do parto. Sem preguiça!

Todo dia vejo matérias nas revistas e sites nacionais com o título: "Dois meses após dar à luz, Fulana exibe corpo enxuto". O que leva essas "Fulanas" a se recuperarem tão fácil se para nós, reles mortais, é tão difícil perder medidas depois do parto?

Elas trabalham com a imagem e o tal corpo enxuto depois do parto, além de ser necessário, rende uma pauta e tanto. 

Mas, vamos ao que interessa. Dicas!

Sejamos honestas: não é tão fácil assim. A genética favorece algumas mulheres. Porém, não dá para confiar só nela. 

Em primeiro lugar, a gravidez não é desculpa para ficar parada, sem fazer atividade física, trabalhar, fazer aqueles serviços domésticos que acabam sobrando para nós. Eu trabalhei, continuei meu ritmo de vida normal, inclusive fazendo faxina e o serviço pesado em casa durante os nove meses. No início, fazia caminhadas, mas confesso que, como não tinha costume, o peso da barriga castigou a coluna e preferi parar. Mas, os médicos recomendam sempre que as grávidas façam atividade, principalmente hidroginástica e caminhada.

Depois do parto, é essencial o uso da cinta. Além do efeito que se vê no espelho, a cinta ajuda na volta do útero ao seu lugar. Depois do parto, você se sente estranha, como se o útero estivesse "solto". Isso é normal. Mas incomoda. 

Prefira as cintas com calcinha, com abotoadores reforçando o zíper. Elas dão mais segurança. Não são confortáveis. Mas é o que temos para o momento. A indicação dos fabricantes é que elas sejam usadas por cerca de 8 horas diárias. 

Agora, quer saber o que de melhor você pode fazer não só para voltar a forma de antes, mas também para o relacionamento com seu bebê? Amamente. A amamentação provoca uma revolução no seu corpo e na sua cabeça. O vínculo adquirido com o bebê é seu maior presente. Além disso, os hormônios liberados também auxiliam no restabelecimento do útero. É nesse período também que o corpo desincha.

Além de tudo, com a gravidez e a amamentação, a gente acaba procurando se alimentar melhor. Isso também dá uma ajuda ao organismo. 

A ingestão de água tem que receber atenção especial. Sempre que possível, carregue uma garrafinha na bolsa. Durante a gravidez, ela ajuda na formação do leite, sem falar que o volume de sangue dobra. Após o parto, a água, sucos, chás e leite continuam atuando na produção do leite materno. O que não pode é descuidar.

Eu consigo fazer meu bebê dormir a noite toda. Quer saber como?

A queixa é geral: bebês acordados, pais enlouquecidos! 

A qualidade do sono do bebê é a garantia de que o dia seguinte vai ser mais tranquilo, tanto para mães que trabalham fora como para as donas de casa. 

Como é para você? Tem dificuldade de fazer o bebê dormir cedo e a noite toda? 

Vou contar um truquezinho que aprendi vasculhando sites e livros sobre maternidade. O fundamental é manter uma rotina. A criança precisa entender que em uma determinada hora ela precisa dormir. Aí entra a disciplina dos pais.

O que eu sempre faço é por volta das 21h, que é horário em que a Nina costuma ter sono, preparo um banho e a mamadeira (isso porque ela sente fome mesmo). Depois do banho, levo-a para o quarto quase escuro, visto o pijaminha e vou cantando umas musiquinhas que ela gosta ou conversando com ela em um tom de voz mais baixo que o normal.

Tudo isso vai fazendo com que a adrenalina baixe e o sono se instale de vez.

Então, é só deitar ela no colo, dar a mamadeira e esperar um pouquinho. 

Simples assim? Vamos combinar que nem todo dia é essa calmaria toda. Mas vale a pena investir numa rotina desde o nascimento não só na hora de dormir, mas na hora das refeições, na hora do banho e das brincadeiras. É assim que o organismo do bebê vai sendo educado.

Descobriu que está grávida? E agora?

Descobri que estava grávida no dia de um show do Lobão. Fiz o teste às 04h da madrugada depois de uma noite em claro [ansiedade é meu segundo nome]. Claro, fui comemorar no show do Lobão e o primeiro presente que a Nina ganhou foi um autógrafo dele.

Revista Pais e Filhos

Foi a oportunidade de comemorar com todos os meus amigos e com meu super marido. Depois? Médico! Tratei de procurar um bom obstetra para não correr o risco de mudar de médico no decorrer da gravidez. E depois? Exames, muitos exames. Só de sangue foram 17. 

Você precisa saber se tem algum impedimento, algum tipo de doença, alguma infecção que ainda não tratou. Isso é importante porque você não poderá tomar qualquer tipo de remédio. 

O médico deve perguntar sobre doenças na família, principalmente hipertensão. Caso tenha, o acompanhamento da gravidez é mais rigoroso quanto ao tipo de alimento, medicamentos para controle e até dieta. Além disso, você deverá tomar um remedinho chamado ácido fólico. Ele vai ser o responsável pela boa formação do tubo neural do seu bebê. Esse remedinho vai acompanhar você durante toda a gravidez e até depois do parto.
 
Dizer que o pré-natal é fundamental é redundância. É ele que vai garantir que o feto se desenvolva com saúde e, caso seja detectado algum problema, a intervenção pode ser feita a tempo de evitar qualquer dano.

Se você não tiver o celular do seu médico, peça. Qualquer dúvida, qualquer tipo de dor, qualquer alteração que for percebida vale a pena ser informada a ele para dirimir suas dúvidas. A responsabilidade com o pequeno começa daí. 

[leilanenunes@cidadeverde.com]

Vamos ser mães!

A palavra MÃE surgiu na Humanidade como uma espécie de determinismo fônico. As primeiras sílabas que a criança aprende (ma-ma) são uma tentativa de indicar a vontade de mamar. E por que esse é o primeiro fonema que eles desenvolvem? Bem que eles, os bebês, poderiam vir com isso explicado num manual, junto com milhares de outras explicações para todas as nossas dúvidas.

Mãe padece não no sentido do sofrimento puro e simples. Padece para tentar entender tudo que se passa no mundinho deles e satisfazer suas necessidades. E aquelas de primeira viagem, como eu, que precisam estudar e se apegar com pediatras, livros, com o Google e todas as ferramentas do mundo moderno são as que mais "padecem".

E olha, quando se pesquisa sobre esse mundo infantil percebe-se que há mais informação do que se imagina. 

Esse espaço é para o compartilhamento dessas informações e experiências que venho passando como mãe da minha primeira filha, a Nina. 

Espero esclarecer suas dúvidas e aliviar angústias para que você saiba que não está sozinha nesse ofício árduo, mas que traz tanta felicidade. Afinal, nenhuma mãe lamenta a noite que passou em claro quando, no dia seguinte, ganha de presente sorrisos e beijos. É amor incondicional! 

Leilane Nunes

Posts anteriores