Cidadeverde.com

Arte e negócio: a confeiteira que mistura escultura e culinária

  • arte06.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • arte05.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • arte03.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • arte02.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • arte01.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com

Ela é violinista da Orquestra Sinfônica de Teresina, professora de crianças, decoradora e, nas horas vagas, confeiteira! Mas o trabalho de Márcia Sousa na cozinha não é o que costumamos ver por aí. Além de misturar os ingredientes da massa, ela mistura também escultura e culinária.

"Geralmente eu faço os bolos de madrugada, porque trabalho em outros locais durante o dia. Hoje, tenho uma demanda de dois bolos por semana, mas na maioria das vezes as pessoas pedem o bolo normal, sem ser esculpido, porque a arte dos bolos esculpidos ainda é praticamente desconhecida em Teresina", conta a confeiteira. 

Márcia começou a trabalhar com bolos há apenas três anos, quando uma colega pediu que ela fizesse o bolo de aniversário de seu filho. Formada em artes e música, ela entrou no ramo com um olhar diferenciado. Ao perceber que em Teresina não havia cursos de aperfeiçoamento no nível que ela queria, buscou na internet a oportunidade de se especializar.

"Depois desses cursos, comecei a fazer bolos esculpidos porque, assim, estou puxando mais para a minha área, que é artes. A maioria dos cursos que fiz é americana. Hoje sou a única pessoa em Teresina que faz esse tipo de bolo", comemora.

O primeiro desafio enfrentado nesse ramo dos bolos esculpidos é driblar o preço. Essas obras de arte são, em média, 250% mais caras que os bolos retos comuns. Todo esse preço, porém, tem uma boa explicação. 

"É muito trabalhoso. Levo cerca de três dias para fazer tudo e tem vários detalhes que tenho que dar atenção - o recheio não pode ser mole, aí tenho que buscar um mais firme, como o ganache; tem que ser feito com pasta americana, para conseguir ficar firme e, dependendo do formato, precisa ter uma estrutura por dentro, para garantir que vai aguentar o tempo da festa", explica Márcia.

 

 

Coisas que amo fazer! Bolo esculpido. Chá de lingerie.

Uma publicação compartilhada por Bolos, Doces e Arte com E.V.A (@marciasousafernandez) em

 

Um dos bolos de Márcia Sousa chamou bastante atenção no Instagram. Ela esculpiu o corpo de uma mulher de langerie, para uma exposição. "Se fosse cobrar por esse bolo, por toda a estrutura que ele tem, cobraria uns R$ 2.500, aqui em Teresina. Mas em São Paulo, um trabalho desses não sairia por menos que R$ 5 mil", diz a confeiteira, que sonha em montar uma doceria. "Estou focada nesse sonho, mas quero algo diferente do que já tem por aqui", completa. 

Parceria garantirá carteira de trabalho a pessoas do interior do PI

Mais 26 mil trabalhadores serão beneficiados com os termos de cooperação técnica firmados entre o Ministério do Trabalho (MT) e 11 municípios de Mato Grosso do Sul, Piauí e Rio Grande do Sul. As parcerias devem viabilizar a emissão do documento em Sete Quedas (MS), Paulistana (PI) e São Gonçalo do Gurgueia (PI) e Ibiraiaras (RS) e Salto do Jacuí (RS).

“Esses termos de cooperação são importantes porque facilitam a vida do trabalhador. Quem precisar fazer a carteira de trabalho terá um serviço mais prático e ágil, pois conseguirá solicitar e receber seu documento sem se deslocar para outro município”, explica o superintendente regional do Trabalho de Minas Gerais, João Gontijo.

Documentos necessários – Para fazer a carteira pela primeira vez é necessário apresentar os seguintes documentos: CPF, comprovante de residência, carteira de identidade e certidão de nascimento ou casamento. Quem já fez o documento e precisa da segunda via deve ter em mãos a carteira anterior ou boletim de ocorrência (em caso de furto, perda ou roubo), um documento que comprove o número e a série da carteira anterior (pode ser Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho, Requerimento de Seguro-Desemprego, Extrato do FGTS ou Espelho do PIS ativo na Caixa Econômica), CPF, comprovante de residência, carteira de identidade e certidão de nascimento ou casamento. A foto é feita na hora e todos os documentos devem ser originais ou cópias legíveis, autenticadas em cartório.

Sebrae realizará curso para piscicultores em Teresina

Entre os dias 16 e 18 de fevereiro, o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, Sebrae, em Teresina, realizará o curso Cultivo de Peixes em Viveiros Escavados. O treinamento contará com aulas práticas e teóricas.

Durante a capacitação, serão abordados temas como: condições necessárias para a prática da piscicultura; espécies cultivadas; ecologia e preparação de viveiros; qualidade da água; nutrição e alimentação dos animais; fases do cultivo; despesca e produtividade; planejamento do cultivo; etapas do empreendimento; entre outros assuntos. A iniciativa vai beneficiar cerca de 20 pessoas, entre piscicultores, empreendedores e colaboradores das fazendas de produção de peixes.

Além de cursos, o Sebrae realiza outras atividades voltadas para produtores de peixes, como seminários, palestras, consultorias e feiras gastronômicas. Maiores informações sobre essas ações podem ser obtidas no Escritório Regional do Sebrae em Teresina, localizado na Av. Campos Sales, nº 1046, Centro; ou pelo telefone (86) 3216-1388

Em meio à polêmica sobre cartéis, Petrobrás anuncia queda de preços


A Petrobras anunciou, ainda ontem (8), a maior redução nos valores da gasolina e do diesel vendidos nas refinarias. A partir de hoje, os novos preços já entram em vigor, com a gasolina 3% mais barata e o diesel, 2,6%.

Mas existe uma polêmica por trás desses reajustes constantes. Os empresários dos postos de combustíveis vêm denunciando que quando o valor da gasolina sobe, o reajuste chega rapidamente às distribuidoras, e, consequentemente às bombas e ao consumidor final. Porém, quando o valor cai, os novos preços não são repassados pelas distribuidoras e, com isso, os postos continuam com o valor reajustado para mais.

Diante disso, o o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Moreira Franco, pediu ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) que apure o motivo de as constantes quedas dos preços dos combustíveis não serem repassadas para os consumidores.

Segundo o ministro, durante muito tempo o país teve uma política de preço baseada no tabelamento, fato que teria gerado “uma série de hábitos culturais”. “Já a nova política é para beneficiar os consumidores, com a concorrência entre fornecedores. O consumidor tem o direito de escolher o preço mais baixo. Isso só se dá quando existe concorrência; quando não há cartel”, disparou o ministro.

 

Carnaval: veja o que abre e o que fecha no feriadão

Quem ainda não comprou sua fantasia para brincar na Folia de Momo pode ir ao Centro de Teresina até as 14h deste sábado (10). Os comércios só reabrem a partir de meio-dia de Quarta-feira de Cinzas, dia 14.

Quem não puder dar um pulinho no Centro pode aproveitar o horário estendido dos shoppings. 

No sábado, as lojas funcionarão normalmente nos três shoppings, Teresina, Riverside e Rio Poty, das 10h às 22h.

No domingo, as lojas fecham nos três shoppings e só reabrem na Quarta-feira de Cinzas ao meio-dia. Então, domingo, segunda e terça não haverá funcionamento das lojas nem nos shoppings, nem no Centro.

Mas, para quem quer curtir um cinema ou levar as crianças para brincar haverá muitas opções. 

No domingo (11) e segunda-feira (12):
- Cinemas: aberto a partir de 12h30 no Teresina Shopping e 12h no Rio Poty.
- Praças de alimentação: das 10h às 20h no Teresina; das 12h às 22h no Rio Poty e das 10h às 22h no Riverside.
- Espaços de lazer: das 12h às 22h no Rio Poty; das 12h às 20h no Teresina e das 10h às 22h no Riverside.

Na terça-feira, Teresina e Riverside fecham completamente. No Rio Poty, o shopping abre para os espaços de lazer e praças de alimentação das 12h às 22h e para o cinema de 12h às 22h30.

Na Quarta-feira de Cinzas, todos os shoppings passam a funcionar normalmente a partir de meio-dia.

Supermercados
As lojas Extra e Pão de Açúcar funcionarão normalmente no final de semana, porém com horários especiais na semana do carnaval. Na segunda-feira (12/02), as lojas funcionarão até às 16h; estarão fechadas na terça-feira (13/02) e voltarão a funcionar ao meio dia da quarta-feira de cinzas (14/02).

O Carvalho não informou ainda o funcionamento.

Nos shoppings, os supermercados também funcionam: O Hiper Bom Preço (Teresina Shopping) abre no domingo de 9h às 22h; na segunda-feira, de 9h às 16h, fecha na terça e reabre na quarta, ao meio-dia.

O Carvalho do Riverside abre das 8h às 22h no sábado; das 8h às 21h no domingo; das 8h às 16h na segunda, fecha na terça e reabre na quarta.

Bancos

Os bancos já não funcionam nos finais de semana e também estarão fechados na segunda e na terça de carnaval. As contas de consumo (água, energia, telefone etc.), carnês e boletos que vencem nos dias 12 ou 13 poderão ser pagos na quarta-feira (14), sem juros nem multa. Na quarta-feira, as agências bancárias só abrirão ao meio-dia. 

 

Safra recorde em 2018: Piauí deve produzir mais de 4 milhões de toneladas

O Piauí terá uma safra recorde de grãos em 2018, segundo as estimativas do IBGE, divulgadas nesta quinta-feira (8). O Estado deverá ter uma produção de 4,13 milhões de toneladas de cereais, leguminosas e oleaginosas. O total é 12% superior à safra colhida em 2017, que já havia sido a maior da história. 

O Instituto credita o aumento na produção às condições climáticas, que têm sido favoráveis, com chuvas abundantes nas regiões produtoras, notadamente na região sul do Estado, onde concentra-se o agronegócio.

Na região Nordeste, a safra do Piauí só será inferior à obtida na Bahia, com 7,78 milhões de toneladas, e no Maranhão, com 5,12 milhões de toneladas. A produção esperada para o Piauí, em 2018, coloca o Estado na 11ª colocação entre os maiores produtores do Brasil, com 1,8% do total da produção nacional.

Em termos de área plantada, em 2018 o Piauí irá produzir em 1.481.130 ha,  1,7% superior à área utilizada em 2017, o que representa 2,4% do total do país. 

No país, entranto, a produção de grãos deve sofrer queda. O IBGE estima uma colheita da ordem de 226,1 milhões de toneladas, resultado 6% inferior ao obtido em 2017 (240,6 milhões de toneladas). Arroz, milho e soja são os três principais produtos, representando 92,8% do total da produção.

 

Inflação é a mais baixa para janeiro desde o início do Plano Real

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do país, ficou em 0,29% em janeiro deste ano. Em dezembro de 2017, a taxa havia sido de 0,44%. Já em janeiro de 2017, foi de 0,38%. Essa é a inflação mais baixa para os meses de janeiro desde o início do Plano Real, em 1994.

Os dados foram divulgados hoje (8), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 12 meses, a inflação acumulada é de  2,86%. Em janeiro, as principais altas vieram dos grupos de transportes (1,10%) e alimentos (0,74%). Também tiveram alta de preços os grupos de saúde e cuidados pessoais (0,42%), despesas pessoais (0,22%), educação (0,22%), artigos de residência (0,14%) e comunicação (0,11%).

Ao mesmo tempo, os gastos com habitação (com deflação, ou seja, queda de preços de 0,85%) e com vestuário (-0,98%), contribuíram para segurar a inflação de janeiro e torná-la a menor taxa para meses de janeiro dentro da série histórica iniciada com o Plano Real.

Seleção do Emater tem 25 vagas e salário de R$ 1.385,85

Foto: O Petróleo

Está em fase de elaboração o processo seletivo simplificado para a contratação de técnicos de nível médio para o Emater-PI (Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural do Piauí). 

Haverá 15 vagas para Ciências Agrárias, nos cargos de técnico agrícola, técnico em agricultura ou técnico em agropecuária. Desse total, duas vagas são para portadores de deficiência. O salário é de R$ 1.385,85.

Há também 10 vagas para Ciências Sociais Aplicadas, nos cargos de técnico em contabilidade ou em administração. Do total, uma vaga é para portadores de deficiência. O salário é o mesmo: R$ 1.358,85.

As contratações são por tempo determinado, por até dois anos, incluindo as prorrogações. O edital do processo seletivo está em fase de elaboração.

Clique aqui e saiba mais.

Assembleia para decidir venda da Eletrobras é hoje; STF nega pedido do governo

Foto: Ascom/Cepisa

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber negou ação do Governo do Piauí, solicitando que o leilão da Companhia Energética do Piauí S.A. (Cepisa) fosse feito pelas regras antigas. A Assembleia Geral da Eletrobras para deliberação da venda do controle acionário da Cepisa será realizada nesta quinta-feira (8).

Weber decidiu manter as regras atuais, previstas em decreto presidencial e em resolução do Conselho do Programa de Parcerias e Investimentos, que leva em consideração no leilão a tarifa a ser cobrada ao consumidor, e não apenas o ágio das ações.

O governo argumentou que essas regras impediriam a possibilidade da ocorrência de ágio em favor do Estado, o que somente seria possível se o leilão fosse realizado na modalidade de maior oferta a ser paga pela empresa. 

O governo pediu que o leilão ocorresse segundo a regra de 1995, que geraria ágio pela venda, a exemplo do que foi feito com outras empresas do ramo. Para o Estado, essa seria a única forma de atender às clásulas contratuais.

Ainda segundo pedido, ao se exigir o maior deságio em relação às tarifas como critério para a disputa entre os licitantes, as regras terão como resultado menor valor da oferta pela empresa. Para o estado, a fixação do valor total das ações ordinárias e preferenciais em R$ 50 mil e a fórmula matemática adotada no edital, lastreada nas normas questionadas (contendo uma variável composta pelo deságio em relação ao adicional tarifário), impedem a geração de ágio pela venda e, consequentemente, o recebimento dos valores almejados.

Em outras palavras, as novas regras consideram a tarifa ao consumidor e as regras antigas - defendidas pelo governo - consideram o valor pago ao Estado pelo vencedor da licitação.

A Assembleia Geral da Eletrobras para deliberação da venda do controle acionário da Cepisa será realizada nesta quinta-feira (8).

 

A decisão

A decisão da ministra foi tomada em pedido de tutela provisória incidental feito nos autos da Ação Cível Originária (ACO) 3024.

No texto, a ministra Rosa Weber afirma que, embora o estado questione os critérios adotados para a elaboração do edital de desestatização da Cepisa, fato é que, conforme suas próprias alegações, o processo vem se conduzindo com base em normas legais. A ministra observou que a expectativa de ágio reivindicada pelo Piauí advém de cláusula do instrumento particular celebrado entre as partes em 1997, quando vendeu ações da Cepisa à Eletrobras. Esse percentual foi alterado para 90% por alteração contratual realizada em no ano de 2000.

“Não há, como se verifica naquele contrato, em análise ainda preliminar, qualquer disposição que obrigue os requeridos a realizar o procedimento de desestatização da empresa de determinada forma”, afirmou a ministra Rosa Weber, destacando que a fixação do valor das quotas ou ações a serem alienadas baseia-se, ao menos em tese, no artigo 27 da Lei 9.074/1995, já vigente quando da elaboração do contrato em questão.

A relatora acrescentou que, diversamente do que alega o estado, o artigo 15 da Lei 8.987/1995 prevê não só o critério da maior oferta para o julgamento da licitação, mas também, dentre outros, a melhor proposta em razão da combinação dos critérios de menor valor da tarifa do serviço público a ser prestado com o da melhor técnica. 

“Desta forma, ao menos numa análise preliminar típica para efeito de verificação da presença dos requisitos para a concessão de tutela de urgência, a alegação de que a nova norma não poderia retroagir para impedir o cumprimento do contrato não se sustenta”, concluiu.

Clique aqui para ver a decisão na íntegra: Decisão da ministra Rosa Weber

Selic cai para 6,75% e bancos anunciam corte nas taxas

Foto: Divulgação/Google

As expectativas do mercado foram contempladas na decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), anunciada na noite de ontem (7). A taxa básica de juros passou de 7% para 6,75%, confirmando o 11º corte seguido.

Esse é o menor patamar de juros desde o início da série histórica do Banco Central, iniciada em 1986.

O reflexo foi imediato nos bancos. As principais instituições bancárias do país anunciaram uma redução nas taxas de juros cobradas no crédito para pessoas físicas e empresas. 

O relatório da reunião, porém, destacou que, dado o cenário atual, o mais adequado é encerrar o ciclo de cortes da Selic. Mas também não descartou totalmente uma nova queda.

A próxima reunião será em 21 de março. 

Bancos

Minutos após a decisão do Banco Central, Bradesco, Itaú, Banco do Brasil e Santander divulgaram corte em suas taxas. O Bradesco informou que vai "repassar o corte de 0,25 ponto porcentual da taxa Selic nas principais linhas de crédito de pessoa física e pessoa jurídica". O banco não deu mais detalhes sobre quais linhas serão alteradas e quais são as novas taxas.

O Itaú também disse que vai repassar "integralmente" a redução da Selic nas taxas nas linhas de crédito para pessoa física e jurídica. As novas taxas passam a valer a partir do dia 14. No caso do empréstimo pessoal,  a taxa mínima passa de 1,48% para 1,37% ao mês. O banco disse ainda que reduzirá os juros cobrados nos empréstimos para a compra de veículos e nas linhas de capital de giro para pequenas empresas, mas não informou os valores.

O Santander também anunciou um corte de juros em linhas de crédito como financiamento de veículos e cheque especial.

O Banco do Brasil alterou suas taxas de crédito para compra de veículos, empréstimos com imóvel ou veículo como garantia, entre outras linhas. As novas taxas entram em vigor a partir da próxima sexta-feira (9). Veja quais linhas tiveram as taxas alteradas:

Poupança

As alterações na taxa Selic influenciam diretamente no rendimento da poupança porque a regra atual, em vigor desde maio de 2012, prevê corte nos rendimentos da poupança sempre que a Selic estiver abaixo de 8,5% ao ano.

Nessa situação, a correção anual das cadernetas fica limitada a um percentual equivalente a 70% da Selic, mais a Taxa Referencial (TR), fixada pelo BC.

Com a taxa em 6,75%, a correção anual da poupança será de 4,725% ao ano, mais TR.

Posts anteriores