Cidadeverde.com

5 dicas digitais para conhecer e apresentar melhor Teresina

Foto: MaxMilhas

Atualmente, a internet é uma parceira obrigatória para as viagens. Aplicativos, blogs, redes sociais e diversos outros itens ajudam a organizar passeios, descobrir os caminhos, conhecer os melhores restaurantes e muito mais.

Para Teresina não seria diferente. A capital possui diversos aplicativos, blogs e páginas em redes sociais que ajudam a conhecer melhor a cidade. Daremos 5 dicas para você conhecer melhor a cidade ou apresenta-la bem para suas visitas.

1 - Geleia Total - https://geleiatotal.com.br/

Facebook, Instagram, Youtube e site. O Geléia Total está em todas essas plataformas sempre destacando a cultura piauiense. Nesses locais sempre dão dicas de espaços culturais de Teresina e indicam espetáculos produzidos por artistas teresinenses. Importante para quem quer ter contato com a produção cultural da capital ou apresentar seus artistas para as visitas.

2 - Agenda Cultural The - http://www.agendathe.com.br/

Sempre que olho o blog carinhosamente chamado de AgendaThe eu penso: “Meu Deus! Quanta coisa acontece nesta cidade!”. Dicas de espetáculos, shows e festas para diversos estilos estão lá. Se quiser saber quem vai tocar nos restaurantes, teatros e diversos outros espaços, esse blog é o lugar certo.

3 - Delice

É um aplicativo recém lançado com uma listagem de dezenas de restaurantes da cidade. Ainda não são tantos mas já possui uma variedade interessante. No app é possível consultar o endereço, telefone, promoções, fotos e futuramente os cardápios

4 - Onde comer em The

É preciso ser bem focado na dieta para seguir essa página no Instagram. Eles visitam vários restaurantes, padarias e outros pontos de alimentação da cidade e dividem as experiências com os seguidores. Já tem um grande histórico de lugares e todas as fotos dão água na boca.

5 - Trip Horizonte Vertical

O grupo trabalha com adrenalina. A atividade mais tradicional é o Rapel na Ponte Estaiada aos domingos. No entanto, há grande variedade de opções como o temido Insano e viagens pelas cidades próximas. Acompanhe principalmente o Instagram

Dica Extra

Siga também 2 páginas oficiais no Facebook. A da Fundação Monsenhor Chaves, que cuida da cultura de Teresina, e da Secretaria de Cultura do Piauí. As duas compartilham a programação de suas casas como o Teatro 4 de Setembro, Casa da Cultura e Museu do Piauí.

Não deixe de consultar a agenda mensal publicada pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo no site da Prefeitura também.   

 

Gostou do Hallowenn? Se planeje para 2018 com essas 5 dicas

Halloween já passou, mas se você curtiu planeje-se já para o próximo ano. Esta tradição de origem americana que é comemorada em todo o mundo converteu-se na oportunidade perfeita para passar uma noite divertida com os amigos e para transformar-se em um personagem que tanto admira e que sempre desejou imitar, nem que seja durante algumas horas.

Se no próximo ano você quer passar o Halloween em um lugar diferente, se inspire nestes 5 destinos que selecionamos para ti. Todos oferecem atividades divertidas e pensadas especialmente para esta noite em que os nossos maiores pesadelos saem as ruas.

Prepare-se para gritar “doces ou travessuras”, e desfrute das festas mais loucas na Noite das Bruxas.

1. Praga, “Bloody Sexy Halloween”

A noite “Bloody Sexy Halloween” é um evento espetacular e pitoresco que anualmente leva centenas de pessoas a Praga, a capital da República Checa. Os organizadores garantem uma festa memorável, com dançarinos com disfarces hiper-realistas e performances emocionantes. Há também um grupo de DJs que prometem manter o público acordado até que amanheça e um concurso para o melhor traje. Conclusão: um evento realmente original e divertido, para uma noite inesquecível de Halloween.

2. Condado de Meath, “Espíritos de Meath”

Meath é um dos 32 condados irlandeses, localizado a pouco quilómetros de Dublin, e parece ser o lugar onde tudo começou. Parece que a tradição de Halloween teve origem no Samhain, um antigo festival celta que se comemorava há mais de 2.000 anos e que ao longo dos séculos foi se transformando na festa que hoje conhecemos. Por esta razão, todos os anos em Meath é organizado um festival que merece uma visita se você é adepto de disfarces e ambientes escuros.

As opções são o concurso das melhores abóboras, dar um passeio pelo “hotel encantado” ou ouvir uma história de terror. 

3. Amsterdam, “Amsterdam Halloween Festival”

Um evento que nasceu com a convicção de que “o Halloween não pode durar apenas uma noite”, como podemos ler na sua página web.

O evento contará com diversas atividades como workshops para aprender a maquiar-se da forma mais assustadora, itinerários para dar uma volta em skate ou patins (obviamente disfarçados) ou um jantar de tapas espanholas com o tema de Halloween. Para os amantes do cinema, há também uma maratona noturna de filmes de terror.

4. Espanha, “Port Aventura”

O parque temático Port Aventura localizado em Salou, junta-se à festa de Halloween e oferece espetáculos de terror especiais e também introduz alguns elementos de decoração que metem medo.

5. Nottingham, “Nottingham Ghost Walk”

Em Nottingham há uma atividade que se realiza cada Sábado (às 19h) há mais de 22 anos. E como começou tudo? A responsável foi a médium Jenny Cruz que em 1993 começou a oferecer passeios pela cidade, parando em alguns lugares “especiais”, devido à sua atividade mais fantasmagórica e paranormal. O itinerário passa por vários lugares da cidade que incluem o Castelo de Nottingham, o Castelo Belvoir e a Abadia de Newstead, onde Jenny identificou a presença de fantasmas de algumas celebridades nacionais.

Obviamente, este é um tour muito solicitado na noite de Halloween. O tema é perfeito para a noite mais assustadora do ano… Se inscreva com antecedência no site.

Fonte: Blog Edreams

Grupo explora diversos pontos pouco conhecidos do Piauí

Grupo na Cachoeira da Formosa em União

O Piauí sempre foi lugar de desbravadores. Desde a pré-história, com os homens da Serra da Capivara, passando por questões duvidosas, como a vinda dos fenícios ao Norte do Piauí, e chegando aos terríveis bandeirantes. Sempre existiram pessoas percorrendo as várzeas e chapadas do estado.

Hoje essa situação não é diferente. Alguns grupos se reúnem nos finais de semana para conhecer diversos pontos únicos do estado. Um desses é o Pi Explore. Desde o começo do ano, os participantes fazem praticamente 2 ou 3 viagens por mês para locais tradicionais como Cachoeira do Urubu, Barragem do Caldeirão e Sete Cidades e lugares menos conhecidos como o Olho d’agua Frei Pedro, em Alto Longá e a Barragem do Bexiga em Altos.

Camping no Açude Caldeirão em Piripiri

O grupo foi iniciado por Ruthênio Júnior e Gil Samuel, 2 amigos de universidade e ex-militares. Ambos eram acostumados a fazer exploração e aliam o conhecimento técnico que receberam no Exército à vontade de se aventurar e conhecer diversos pontos do Piauí. Nas viagens, eles sempre vão equipados com equipamento de rádio, kit de primeiros socorros e materiais de segurança como cordas.

Geralmente, o grupo faz boa parte do percurso de carro, em seguida faz uma caminhada até a cachoeira, olho d’agua ou barragem e por fim acampa. Em um único fim de semana buscam conhecer 3 a 4 locais diferentes. “Por isso, ainda levamos conosco apenas pessoas que tenham disposição para caminhar bastante, fazer refeições leves e banhar em locais desconhecidos”, afirma Ruthênio. Para popularizar os locais no futuro, a cada ponto novo eles fazem uma catalogação bem detalhada. Anotam informações sobre o caminho, fauna, profundidade, tempo de percurso e outros itens importantes. 

 

Desbravadores em acampamento descansando para mais um dia de descobertas

O grupo divulga suas viagens na internet. Eles possuem um canal no Youtube, um blog e fan page no Facebook e Intagram com belas imagens e vídeos bem produzidos. Quem tiver interesse em participar das trips pode conversar com eles através das redes sociais.

Águas transparentes do Balneário 3 riachos em Monsenhor Gil

 

Aonde escutar fado em Lisboa?

O fado é tão importante na cultura portuguesa quanto as Grandes Navegações e os pastéis de nata, e precisa fazer parte da sua viagem portuga. Saiba quais são as melhores casas de fado de Lisboa.

Nascido em tabernas populares do século XIX, o fado é um ritmo bonito, emotivo e, às vezes, um tanto meloso e triste, que evoca despedidas, sofrimentos amorosos, saudade e situações típicas do cotidiano português. Ele é acompanhado pelo timbre da guitarra portuguesa, um instrumento dificílimo de ser tocado que tem seis pares de cordas. Nos últimos anos, o fado passou de música dos vovôs portugas para conquistar a juventude com novas vozes, como a da Carminho (que já cantou com Milton Nascimento).

Em Lisboa, há dezenas de casas de fado. Aqui vai minha pequena seleção. Em tempo: em TODAS é melhor ligar para reservar e checar se vai ter apresentação na noite que você quer ir.

MELHORES CASAS DE FADO DE LISBOA:

PARREIRINHA DE ALFAMA

A população de casais gringos que chega para o jantar denuncia a vocação turística do lugar (e também os preços altos), mas não tira seu valor histórico: fundado em meados da década de 1950, já recebeu nomões da música do país como Amália Rodrigues, Lucília do Carmo e Alfredo Marceneiro. As sessões de fado hoje também são de primeira. Sugestão acertadíssima para o jantar: queijo da serra da estrela de entrada e salteado de polvo com gambas de prato principal. Beco do Espírito Santo, 1, Alfama, ter/dom 20h/1h

POVO

Não é propriamente uma casa de fado, mas um restaurante de frutos do mar na moderninha Rua Cor de Rosa. O ambiente intimista, porém, acompanha bem as sessões de fado (às 21h ou às 20h, veja a agenda no site). Rua Nova do Carvalho, 32-36, Cais do Sodré, todos os dias 18h/2h

MASCOTE DE ATALAIA

Ambiente simples, decorado apenas com algumas fotos preto e branco que remontam às mais de cinco décadas de vida do lugar. Há fado de segunda a quinta, acompanhado de embutidos e bolinhos feitos na casa. Rua da Atalaia, 13, Bairro Alto, todos os dias 17h/2h

MARIA DA MOURARIA

Se eu fosse escolher um lugar para ir agora, seria este. Gosto que ele encarna a vibe mais contemporânea do fado, com itens como uma história em quadrinhos na decoração e um fofo pátio externo. Ao mesmo tempo, ele fica onde teria sido a casa da dona Severa, uma das primeiras entoantes do fado. Hoje, há sessões musicais de quarta a domingo. Petiscos e pratos acompanham. Largo da Severa, nº 2/2B, Mouraria, qua/dom 17h/2h

A BAIUCA

Uma taberna pequena no Bairro Alto que reforça a sensação de que fado é para se ouvir apertadinho. Os guitarristas se acomodam num canto e os fadistas vão entrando um após o outro – pode pedir ensopado de tamboril, a prata da casa, para comer, mas na hora das apresentações é preciso manter silêncio. Outro lugar tradiça, simples e baratinho. Rua de São Miguel, 20, Alfama, qui/seg 20h/0h

TASCA DO CHICO

As paredes do pequeno salão são cheias de recortes de jornais e fotografias antigas de fadistas colecionadas pelo proprietário Francisco Gonçalves. Mesinhas apertadas com toalhas xadrezes recebem desde idosos portugas a turistas europeus para ouvir os fadistas, que podem ser profissas ou simplesmente quem levantou com vontade de cantar. Não vá com fome: só há alguns petiscos e o serviço é lento. Está entre as casas de fado de Lisboa mais autênticas – é simples e barata (não se paga para entrar). Rua do Diário de Notícias, 39, Bairro Alto, todos os dias 17h/3h

Fonte: Blog Carpe Mundi

 

Belezas do Norte da Argentina que estarão mais perto com novo vôo

Nesta semana a companhia de aviação Aerolínea Argentinas lançou um novo vôo para a cidade de Jujuy na Argentina saindo de São Paulo. A partir de 2018 ele estará em processo de experimentação. A Gol também estuda oferecer a mesma rota.

Jujuy fica no Noroeste da Argentina, região que fica próxima à Bolívia. O seu aeroporto é um centro que espalha turistas por toda a área que possui belos atrativos. São mais de 700 mil turistas visitando a região anualmente, sendo que 140 mil são estrangeiros. Destes 70 mil já são brasileiros. Veja algumas fotos do destino que está mais perto do Brasil agora.

Campo Maior deu um gostinho de quero mais no Festival Sabor Maior

Interior da Matriz de Santo Antônio encanta com a luz provocada pelos seus vitrais.

Campo Maior é uma cidade muito famosa entre os teresinenses. Entre os municípios da Grande Teresina (talvez de todo o Piauí) é aquele que possui a melhor relação com a capital. Os festejos de Santo Antônio e a tradicional vaquejada mobilizam os teresinenses que sempre vão em massa a esses eventos.

Para fortalecer ainda mais seu calendário, Campo Maior organiza há 7 anos o Festival Gastronômico Sabor Maior. Aproveitei o evento para buscar conhecer melhor a cidade. Não pude presenciar boa parte da programação, meu interesse maior era pelos passeios, logo não poderei falar com propriedade de shows e, infelizmente, dos pratos.

Planejei fazer um bate e volta. Viagem de 1 dia indo pela manhã e voltando no final da tarde. Havia consultado a programação e já havia ouvido comentários de várias pessoas sobre os atrativos da cidade. Saí de Teresina de carro próprio às 8 horas e às 9 parei para um café da manhã no tradicional restaurante Café na Roça. O lugar já é conhecido por muita gente, não tem segredo. Fica na BR-343 e serve comida regional de qualidade.

Café da manhã no restaurante Sabor na Roça

Em seguida, fui à beira do Açude Grande, aonde ficam os bares, lojas de artesanato e o ponto de atendimento a turistas. Chegando lá, uma grande decepção. Não seria mais possível fazer o passeio para a Serra de Santo Antônio. Ele havia saído às 8 horas e 30 minutos, informação que não constava na programação. Além disso, estranhei justo no sábado do evento realizarem as trilhas apenas pela manhã, sendo que, seria o melhor dia para quem trabalhou na sexta. Também não seria possível conhecer as fazendas históricas, Trabalhada e Abelheiras, porque estavam disponíveis apenas na quinta para a visita.

Apesar do atendimento bastante atencioso, saí decepcionado. Restava dar uma volta pelo Centro Histórico (sem guia, pois dessa forma também só ocorreu em uma manhã dos 3 dias do evento), visitar o Monumento Heróis do Jenipapo e procurar um dos restaurantes participantes do festival.

É possível andar em pedalinhos pelo Açude Grande

O Centro Histórico é realmente encantador. O prédio da Prefeitura está muito bem preservado e é impactante. A rua que se dirige ao local também possui casinhas que levam o turista para uma outra época. Paralela a ela está a rua do comércio aonde ao final está o Mercado Municipal. Mas o destaque é a Igreja e sua praça. Digo sem dúvidas que a matriz de Campo Maior tem um interior mais impactante do que as de Teresina. Não sei dizer se manteve o padrão histórico, acredito que não, mas os vitrais são muito belos. A praça também é muito bonita. Com suas ruas em paralelepípedo e casinhas antigas ao lado formam um ótimo cenário.

Vitral da Matriz de Santo Antônio

Em seguida fui ao Monumento dos Heróis do Jenipapo. Havia conhecido ainda quando criança e não me lembrava muito. O local possui um pequeno museu com algumas peças antigas. Infelizmente são daquelas que encontramos em vários museus do Piauí, sem muita variedade, e pela importância do recinto falta mais interatividade. A visita se resume a ver a pequena sala, o cemitério e algumas placas que contam a história.

Por último, segui para o almoço. Em um dos restaurantes que ficam à beira do Açude Grande e que participava do Sabor Maior. Procurei uma mesa com vista para o açude mas estavam todas ocupadas, algo normal para um dia de grande movimento. Infelizmente, preciso fazer 3 destaques negativos. O maior deles foi a demora do prato. Aparentemente o local não se preparou para a demanda durante os dias do evento. Em segundo, o prato competidor não estava disponível, estaria apenas durante a noite. O último foi a falta de água que talvez tenha sido um dos motivos do atraso. De positivíssimo o prato. Uma carne de sol que faz jus à tradição de Campo Maior.

A cidade deixou em mim um gostinho de quero mais. Evidentemente precisa se profissionalizar muito mais. Ainda na semana passada busquei mais informações por telefone mas não consegui nem por representantes do setor turístico e nem da Prefeitura que, como todas as outras, infelizmente, funciona apenas pela manhã. Estando a apenas 80km de Teresina, certamente é um lugar que merece mais visitas de teresinenses e dos que passam pela capital.     

Começa hoje o Festival Gastronômico Maria Isabel em Teresina

Ponte Estaiada, Encontro dos Rios e vários parques compõem os pontos turísticos de Teresina, mas certamente o que mais deixa boas recordações em quem visita a capital é a culinária. E para quem gosta dessa nossa cultura, a partir de hoje terá uma ótima opção. Começa o 3º Festival Maria Isabel que até quarta-feira reúne em um shopping da cidade diversos grandes restaurantes.

20 casas participam este ano com diversidade de especialidades. Hamburguerias, Pizzarias, Churrascarias, Comidas Típicas e muito mais. O cardápio é bem recheado. Confira nas fotos restaurantes e alguns pratos que estarão lá para serem apreciados. O evento começa sempre às 5 horas da tarde. 

 

Sabor Maior destaca gastronomia, cultura e natureza pertinho de Teresina

A apenas 85 quilômetros de Teresina, Campo Maior é uma das maiores e mais tradicionais cidades do estado. Reconhecida por sua história e culinária, o município aproveita o festival para mostrar ainda mais todas as suas belezas.

Para isso, durante o Sabor Maior acontecerão passeios pelo Centro Histórico, Monumento da Batalha do Jenipapo e da Matriz de Santo Antônio. Para quem curte o turismo rural os destaques são as visitas às fazendas tradicionais como a Abelheiras. Todos esses passeios serão gratuitos, saindo da Prefeitura.

No sábado, o destaque é para o ecoturismo e turismo de aventura na Serra de Santo Antônio. Será possível fazer trilhas, escalada e rapel na formação de mais de 400 metros e que se destaca pelo seu tamanho e plenitude.

Entre os 3 dias de festival, que vai de 12 a 14 de outubro, shows com artistas nacionais serão realizados. Nomes como Biquini Cavadão, Solange e Paula Fernandes.

Visitas a fábricas do setor de tecidos também fazem parte da programação.

Como chegar

Carro - 85 quilômetros e 1 hora de carro separam Teresina e Campo Maior pela BR+343. Tenha atenção apenas ao grande movimento de veículos. A estrada é de boa qualidade.

Ônibus - Várias opções estão disponíveis. A cidade faz parte da Grande Teresina e por isso existem linhas saindo regularmente e passando pelas avenidas Miguel Rosa, Frei Serafim e João XXIII. A passagem custa R$14,20.

Onde Ficar

A indicação é ir e voltar no mesmo dia, já que a viagem é muito rápida até Teresina. Mas se quiser dormir na cidade indicamos os 3 hotéis abaixo:

Hotel Pousada do Lago - (86) 3252-2259

Realce Hotel - (86) 99929-9769

Carnaúba Palace Hotel - (86) 3252-4923

 

 

 

 

 

Curso prepara empreendedores e trabalhadores para o turismo

Uma das lacunas do turismo brasileiro é a falta de capacitação de trabalhadores para a área. Se isso é um problema para o setor, para aqueles que se preparam é uma oportunidade. Pensando nisso, o mestre em Administração de Empresas e turismólogo Francisco Correia desenvolveu o curso Turismo para Todos: Empregabilidade e Empreendedorismo. O autor tem larga experiência no campo em vários estados do Brasil.

O curso é baseado no livro Imersão no Turismo, de José de Anchieta Correia, que foi editado pelo Sebrae. Nele são abordados aspectos do marketing, mercado, oferta, indústria turística e diversos outros assuntos. Estes estão divididos em 13 módulos que serão realizados entre 15 de outubro e 15 de dezembro e terão acompanhamento do professor via Facebook, Whatsapp e Email.

Para adquirir o curso, o investimento é de 50 reais, podendo ser dividido em 2 parcelas. Ele vale 200 horas/aula podendo ser utilizado no cumprimento de horas extra-curriculares de estudantes de ensino superior. Ele é voltado principalmente para alunos de turismo, administração, publicidade e propaganda, contábeis, história e geografia, mas qualquer estudante interessado em conhecer melhor a área do turismo pode participar.

Quem tiver interesse em participar deve fazer contato pelo Whatsapp (86) 9-9996-8772 ou para o email cursovirtual2017turismo@gmail.com.

 

Conheça o memorial do artista homenageado no Dia do Nordestino

Ontem foi celebrado o Dia do Nordestino. A data faz referência ao nascimento do cearense Patativa do Assaré. Na cidade em que o poeta nasceu existe um museu para quem tiver interesse em conhecer melhor a vida do artista. Separei uma postagem do blog Rodando pelo Ceará. Recomendo o canal, principalmente, para quem quer conhecer o estado vizinho além de destinos tradicionais como Jericoacoara, Fortaleza, Beberibe e Canoa Quebrada. No link você pode ver a matéria completa com várias fotos do museu.

"Quando estávamos montando o roteiro para a Expedição Sertões, concluímos que essa era a oportunidade de tínhamos para visitar a cidade de Assaré e lá conhecer o Memorial Patativa do Assaré. A cidade fica cerca de 475kms de Fortaleza. Lá ficamos apenas um dia, mas foi o suficiente para nos apaixonar por essa localidade tão simpática e tão típica do interior. Conhecer o Memorial, principal atrativo turístico da cidade, é conhecer a história deste grande poeta e ícone da cultura popular e da nordestinidade. Vem com a gente!

 

Num sobrado antigo no centro da cidade funciona o Memorial, que é considerado um dos pontos turísticos mais importantes do Cariri. E não é pra menos! O local atrai, diariamente, estudantes, pesquisadores, turistas e até mesmo agricultores interessados em conhecer um pouco melhor sobre a vida e a obra do poeta mais famoso de Assaré. O poeta continua vivo na memória do povo!

Localizado em frente a praça matriz da cidade, onde era comum, em vida, o poeta sentar-se em uma cadeira de balanço. Vale lembrar que bem frente ao memorial podemos também fazer um registro da estátua do poeta, feita em tamanho natural, com 1,60cm, a estátua foi inaugurada em 2004 e restaurada posteriormente, quando em 2011 um turista subiu no pedestal para fazer uma foto ao lado da estátua e acabou caindo e quebrando o monumento (ver detalhes sobre esse fato no site do Diário do Nordeste).

Patativa do Assaré era pluralista! Foi poeta, compositor, cantor e repentista brasileiro e é considerado um dos maiores poetas populares do Brasil. Retratava, com uma linguagem simples porém poética, a vida do povo sertanejo. Um de seus maiores sucessos foi gravado por Luiz Gonzaga, a música "Triste Partida", em 1964. 

O espaço conta com cinco salas temáticas, que narram a história do poeta por meio de fotos, áudios, vídeos e objetos pessoais, como o violão, o inseparável óculos escuro e o chapéu. A visita é guiada por monitores que em vários momentos recitam os versos e prosas do poeta, fazendo a passagem pelo Memorial um momento ainda mais especial. 

Inaugurado em 1999, três anos antes do falecimento de Patativa, uma das salas que mais chamou a nossa atenção foi a que dispõe de farto acervo com quase tudo que já foi publicado sobre o poeta, que é inclusive objeto de estudo de pesquisas em universidades nacionais e internacionais.

Outra curiosidade é que Patativa, também chamado de "poeta da roça" por causa da sua linguagem simples mas que encantava a todos, tinha grande popularidade, possuindo diversas premiações, títulos e homenagens e tendo sido nomeado por cinco vezes Doutor Honoris Causa. No memorial é possível conferir alguns dos muitos prêmios recebidos por ele.

Confira em nosso canal no Youtube ou abaixo um pouco da visita que fizemos ao Memorial.

Espero que tenham gostado. O Memorial Patativa do Assaré fica na rua Coronel Francisco Gomes, 82 – Centro, na cidade de Assaré e funciona todos os dias. A entrada é gratuita. Não deixem de incluir esse importante atrativo em sua visita ao Cariri. Deixe seu comentário abaixo, compartilhe com amigos e viaje mais pelo Ceará!

Posts anteriores