Últimas

Mulher joga café quente em Alckmin em evento

Imprimir
Uma mulher não identificada jogou café no rosto do governador Geraldo Alckmin (PSDB) neste domingo. Durante caminhada do político em Campinas, para apoiar a campanha do candidato a prefeito da cidade Jonas Donizette (PSB), a moça se aproximou do grupo e atirou a bebida que atingiu várias pessoas entre seguranças, fotógrafos e jornalistas.


O rosto, os óculos e parte das mangas e região do bolso da camisa do governador ficaram manchadas pelo liquido. A mulher, que estava vestida toda de branco, foi afastada do grupo pelos seguranças. O governador continuou a caminhada pela Avenida Suaçuna com a roupa com as marcas de café. "Eu adoro café, café no bule, café na xícara. Violência não enche urna. A política é a arte de unir, de trocar ideias", comentou.

Desta vez, Alckmin andou pela Avenida Suaçuna e cumprimentou eleitores. Ele entrou em um mercadinho, passou por uma banca de jornal, falou com um homem que assava carne na calçada e depois foi até um bar interrompendo o jogo de sinuca de um grupo. O candidato Donizette foi convidado e deu duas tacadas conseguindo colocar a bola na caçapa e foi aplaudido.

Por ultimo, o governador subiu em um caminhão de som e fez um discurso. "Essa é uma caminhada cívica. Estou aqui para apresentar o próximo prefeito de Campinas, Jonas Donizette", disse. De acordo com o governador, o candidato reúne todas as qualidades para administrar uma cidade do tamanho de Campinas.

"Crise na saúde é culpa do PT"

Alckmin criticou e culpou o governo federal petista pela atual crise na saúde do Estado. "O PT não gosta de saúde. A crise na saúde é culpa do PT. Antes o financiamento e repasse para a saúde era de 60%, depois foi caindo para 59, 55, 45, 30%", disse Alckmin. "A população está vivendo e envelhecendo mais e coloca tudo nas costas do governo do Estado", falou.

Segundo Alckmin, a crise se instalou por causa da falta de reajuste na tabela do Sistema Único de Saúde (SUS). "A tabela do SUS não é corrigido", pontuou. Mais adiante, ele deu 'indiretas' sobre a destinação do dinheiro publico do governo federal. "A crise da saúde é do PT que tira dinheiro da saúde e faz má aplicação do dinheiro publico e a agente vê isso tudo na televisão".

Ataque contra a polícia

O governador paulista disse que os recentes ataques contra os policiais são obras de uma organização criminosa que "quer intimidar" o governo. "Eles querem intimidar por que nós prendemos." Segundo Alckmin, o Brasil se tornou um grande centro de consumo e distribuição de crack e cocaína. "O Brasil ocupa o primeiro lugar, a traz até dos Estados Unidos, por causa das drogas. E nós que somos governo temos o dever de atuar e prender. E eles fazem esses atos para intimidar", falou.

De acordo com Geraldo Alckmin, de janeiro deste ano até este mês a prisão de acusados dos mais diversos crimes pulou de 180 mil para 193 mil. Ele falou também que vai contratar mais 200 delegados e outros 278 policiais para a área tecnológica da polícia civil.

Fonte: Terra
Imprimir