Cidadeverde.com

Altos 2x2 Parnahyba - crônica de um título anunciado

A Federação de Futebol do Piauí (FFP) preparou a festa para dois convidados na decisão do Campeonato Piauiense. Só veio a torcida de um. 

Teve show de rock com a banda All Stars antes da partida...

Teve animador cantando forró em pleno aquecimento dos jogadores. Tinha palhaços e bonecos para animar os torcedores...

Se o Tubarão não feio de Parnaíba, o Jacaré estava empolgado, fazendo pose. 

A FFP preparou até um placar eletrônico, enquanto o que a Prefeitura de Teresina comprou não é instalado no Lindolfo Monteiro. 

Só que quando o jogo começou, o placar não registrava os gols. O jeito foi desligar. 

Ligado estava o Parnahyba, que conseguiu um pênalti aos 30 segundos de partida. Jânio Daniel converteu. Era tudo o que o Tubarão precisava para dar uma de Barcelona. 

Não custa lembrar: o Parnahyba perdeu o jogo de ida por 3 a 0. Precisava vencer por quatro gols de diferença para ser campeão. 

Mas aos 23 minutos, em um lance questionado pelo Parnahyba, a arbitragem marcou pênalti e Joelson empatou. 

Em 2013, no mesmo Lindolfo Monteiro, o Parnahyba perdia para o River por 2 a 0 e precisava empatar para ser campeão. Voltou do intervalo e conseguiu. 

Em 2017, voltar do intervalo e fazer quatro gols era tão difícil quanto improvável. 

O Tubarão tentou. Tentou, tentou, tentou. Atacou mais e arrancou gritos desesperados da comissão técnica do Altos. Só na metade do segundo tempo o Jacaré conseguiu administrar melhor a partida. 

O Parnahyba ainda fez 2 a 1, de novo com Jânio Daniel, aos 41 minutos. Pouco tempo depois, a reação do Altos foi fatal com Manoel: 2 a 2. 

Como disse o técnico-presidente, Batista Filho, o Parnahyba perdeu a chance de conquistar o título nos últimos oito minutos do jogo de ida. Pelo menos, ganhou novo ânimo para disputar a Série D do Brasileirão, a partir de domingo. 

Já o Altos foi campeão sem qualquer contestação. Melhor elenco, que ganhou nova postura com o técnico Paulinho Kobayashi. Os toques rápidos e eficientes tornam o clube piauiense um adversário difícil de ser batido na Série D. 

Chegou, enfim, o primeiro título da história da Associação Atlética Altos. Que de meteórica, essa trajetória tenha só a ascensão. Vida longa ao Jacaré! 

Foto: Wilson Filho/Cidade Verde