Cidadeverde.com
Últimas

Músico ganha indenização de R$ 10 mil por plágio em “Noites Traiçoeiras”

Imprimir

A juíza Beatriz Prestes Pantoja, da 44ª Vara Cível do Rio de Janeiro, deu liminar concedendo indenização de R$ 10 mil a um músico carioca por plágio na canção “Noites Traiçoeiras”. A magistrada reconhece que a música, que se popularizou na voz de padre Marcelo Rossi, é de autoria do músico de Teresópolis José Carlos Papae, 53 anos.  

Duas cantoras reivindicavam os direitos autorais da canção. A piauiense Marinalva Santos e a cantora Simone Telésforo. Na decisão, a juíza determina que sejam recolhidos das lojas de discos os CDs que contém autoriza errada. A magistrada ordena ainda que os sites retirem do ar a música em que aparece duplicidade de autoria com Simone Telésforo. 

“São oito anos aguardando uma decisão. Está se fazendo justiça, foi lento demorado, muito sofrimento, pois tive que brigar por um direito que é meu. Mas, estou feliz por ter encerrado esse processo”, disse José Carlos Papae.

Ele conta que escreveu a letra da música em 1986 – há 29 anos – e gravou na época em um vinil intitulado “Deus é maior”. Inicialmente, a canção se chamava “Deus está aqui”, após sucesso foi rebatizada de “Noites Traiçoeiras”.

“Foi a própria população que batizou de ‘Noites Traiçoeiras’ após ser lembrada apenas pela frase”.

Padre Marcelo Rossi 

O músico esclarece que o CD de padre Marcelo Rossi contendo a música está legal. Segundo Carlos Papae, foi dada autorização ao padre para gravar a canção que rendeu 2 milhões de cópias. 

“No CD do padre Marcelo Rossi aparece com a duplicidade de autoria, assinada por mim e por Simone Telésforo. Na época havia essa dúvida e para não atrapalhar a gravação do padre, aceitei a assinatura dela. Agora, não tenho meu direito garantido e o CD de padre Marcelo é legal e foi autorizada por mim”, esclareceu o músico.

Papae ressalta que a partir de agora, qualquer gravação, seja do padre Marcelo Rossi ou outros, terá que ter autorização e reconhecer o seu direito autoral.

O Cidadeverde.com tentou falar com Marinalva Santos e Simone Telésforo, mas não deram retorno. 

 

Flash Yala Sena
Yalasena@cidadeverde.com

Imprimir