Cidadeverde.com
Política

Vereadores vão pedir intervenção emergencial no Hospital Infantil

Imprimir
  • 06770a92-b399-402c-a0cc-08a36d54ed87.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 67280596-aea1-4ad4-a4eb-3fb0b536a7a7.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • a9492ad1-a903-49d3-9de8-0730567da120.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • b55a0804-8e1b-49ea-9228-4b91ccf51749.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • f1a29fe3-2d8c-41ee-9eee-ccfbc56afbcc.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 6da4d828-b8bf-4b68-83a3-43d74a6e0e6c.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 9d1aa38e-a2c1-4642-8b1b-6bcf68c3d29b.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 9d415d1b-671c-4b5e-afad-0f196ef17940.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 45fe1423-f5f8-4ef8-be2f-412486967af4.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • c2e1b07c-ea22-4e42-a0cc-b240811bdb12.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • de2a5f21-9373-4dbb-a323-666806664046.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • f42092f5-4128-4410-93c3-7b91eafac412.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com

Atualizada às 12h30

Após vistorias às dependências do Hospital Infantil Lucídio Portela, nesta quarta-feira (19), a comissão de vereadores de Teresina vai encaminhar ao governador Wellington Dias um pedido de intervenção emergencial para reparos no centro de saúde.
 
A vereadora Teresa Britto afirma que a comissão de vereadores se reunirá com o governador Wellington Dias o quanto antes. “Pudemos constatar uma situação caótica e que oferece um sério risco para as crianças atendidas aqui, além dos familiares e servidores. O governador precisa agir emergencialmente no Hospital Infantil e vamos cobrar soluções”, afirma a vereadora Teresa Brito, que encabeçava a comissão.
 
Atualizada às 12h

O único hospital de alta complexidade que atende crianças no Piauí passa por momentos críticos com denúncias de pacientes e funcionários. Durante visita ao Hospital Infantil Lucídio Portela, nesta quarta-feira(19), os vereadores Teresinha Medeiros (PSL), Nilson Cavalcante (PT do B), Teresa Brito (PV) e R.Silva (PP) conversaram com a direção, acompanhantes e servidores.

Teresa Brito informou que inspeção está sendo feita com o intuito de escutar a direção do hospital sobre as denúncias que a Câmara recebeu como infiltrações no teto e a falta de funcionários no preparado da alimentação dos pacientes.

“Viemos fazer um visita para saber essa situação caótica que se encontra o hospital, recebemos denúncias de que a água da chuva escorre para dentro do hospital e que a algumas mães tiveram que preparar alimentos por causa da ausência de servidores”.

Eles ouviram de uma servidora terceirizada, que não quis se identificar, que pelos buracos no teto jorra muita água quando chove forte. No local, é possível sentir um forte odor de mofo. Também ouviram da técnica de enfermagem, Verônica Napoleão, que os problemas não são pontuais. “É uma questão que está sendo generalizada, o que a gente vê é que há infiltrações em todos os lugares. Há inclusive enfermarias fechadas por causa disso. E os profissionais também são escassos”, afirmou.  

O Hospital Infantil Lucídio Portela tem 69 leitos de enfermaria ocupados e oito leitos estão desocupados, por causa de uma reforma que está sendo feito. De acordo com que informou a diretora técnica do hospital Leiva Maria. 

Ela disse também que atualmente há quatro ou cinco vagas disponíveis e que os nove leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) estão todos ocupados. Ela informou ainda que o hospital possui hoje cerca de 600 servidores, sendo 54 médicos e 180 técnicos de enfermagem e enfermeiros, além de nutricionistas, psicólogos, fisioterapeutas, assistentes sociais, servidores administrativos e de serviços gerais. 

Vídeo das mães

Desde a semana passada, os pacientes gravam em celulares as deficiências no hospital e publicam na rede social. O mais recente foi a queixa de mães que tiveram que fazer a comida dos filhos internados devido a falta de funcionários. O vídeo viralizou na internet. O diretor do hospital, Vinícius Pontes disse que sobre o vídeo foi aberto um processo administrativo para apurar porque os funcionários, responsáveis pela preparação das refeições no domingo, não estavam cumprindo sua carga horária. “Um deles apresentou atestado médico e o outro já foi aberto devido o processo administrativo para apurar o que aconteceu”, declarou.

 Vinícius Pontes, informou que já foram feitas mais de 700 cirurgias, que são cerca de 239 por mês e que a fila de espera reduziu bastante. “Neste ano, foram 2.039 consultas até o mês passado, nosso atendimento está sendo na medida do possível, mas é necessário que tenhamos mais investimentos, na parte de infraestrutura e de recursos humanos também”, declarou.  

 

Flash Lyza Freitas
redacao@cidadeverde.com

Imprimir