Cidadeverde.com
Destaques da TV

Delegada diz que idosos praticam crimes por acreditar que ficarão impunes

Imprimir

A delegada Daniela Barros, da Delegacia Especializada de Proteção ao Idoso, alertou que muitos idosos acabam participando de quadrilhas – que tem como alvo outros idosos – por acreditarem que não serão investigados e presos. Além disso, a promessa da facilidade do crime e da recompensa em dinheiro influência na participação desses crimes. 
 
Neste semana, duas mulheres foram presas em flagrante após tentarem sacar o benefício de uma idosa. O caso aconteceu na agência do Bradesco da zona Sul de Teresina. Segundo a polícia, Francisca da Conceicão e  Saravá de Sousa, esta última com 91 anos, portavam um cartão furtado da vítima e documentos falsos. De acordo com a polícia, as duas mulheres fazem parte de uma organização criminosa de oito pessoas que já foi presa no Maranhão.

“É vendida essa facilidade aos idosos. As quadrilhas quando aliciam o idoso ofertam essa facilidade e prometem a impunidade de que o crime não será apurado. Então isso acaba ludibriando e o idoso acaba sendo envolvido”, disse a delegada explicando a aplicação do estatuto que protege os direitos dos idosos no país.

“O estatuto do idoso não ampara o idoso que pratica crimes e sim o idoso que é vítima. A delegacia já efetuou prisões de idosos que lesavam outros idosos. A repressão é para idosos e para pessoas comuns; não tem esse privilégio”, ressaltou.

Daniela Barros disse ainda que os idosos são presos, pelo menos nos últimos casos, porque tiveram consciência do delito que estavam praticando. 

“A quadrilha não estavam se aproveitando de uma pessoa que não tinha consciência do crime que estava praticando. Não é porque é idoso que não sabe da conduta delitiva. Os idosos são envolvidos por uma questão de oportunidade”, comentou a delegada. 

A delegada ressaltou que em poucos casos os idosos envolvidos não têm conhecimento do crime. Ela disse também comentou que é relativo a participação dos idosos nas quadrilhas, pois uns não possuem histórico de crimes, sendo presos pela primeira vez, enquanto outros chegam a ser o líder do grupo. 


Francisca da Conceicão e  Saravá de Sousa foram presas suspeitas de tentativa de golpe

 

Carlienne Carpaso
carliene@cidadeverde.com 

Imprimir