Cidadeverde.com
Política

Júlio: 'Se PP mudar de nome, não é para que não seja confundido com PT'

Imprimir

O deputado Júlio Arcoverde (PP) comentou que existe uma discussão em nível nacional para que o Partido Progressita mude de nome. Contudo, ele negou que a possibilidade esteja sendo cogitada para não ser confundida com a do PT e que se houver mundança, acontecerá somente no ano que vem.

"Existe uma especulação muito grande de que há uma tendência no sul do país, da bancada do Rio Grande do Sul, do Paraná, que são bancadas fortes e tradicionais, que podem estar escutando os diretórios regionais sobre possibilidade de mudar o nome. Não mudar o nome em si, mas para que o Partido Progressista fique só Prgressista, por exemplo, como tem o DEM, que era PFL, o PODEMOS também. Só que é uma coisa que vai ser decidida talvez no próximo ano, mas não é por causa do som, é porque hoje os grandes partidos estão mudando, tirando aquela inicial de partido para ficar um coisa mais simples", afirmou Júlio Acorvede.

Em entrevista ao Cidadeverde.com nesta segunda-feira (17) no palácio de Karnak, o deputado voltou a garantir que não há mais crise política entre os aliados PP e PT no Estado, que o relacionamento atual tem sido o mais amistoso possível.

"A crise já faz mais de oito meses, já passou. O relacionamento do PP com o Wellington Dias é o melhor possível. Eu costumo dizer que hoje nos caminhamos com o governador, principalmente a liderança maior do partido, senador Ciro, muito alinhado com o governador, inclusive com as questões em Brasília. Essa liberação desses empréstimos foi um trabalho muito grande da bancada federal do PP e já vamos ter esse outro empréstimo que a gente quer trazer o ministro e o presidente da Caixa Econômica para assinar aqui em Teresina em um evento. Estamos trabalhando nesse alinhamento, o resto é só especulação, entre o Ciro e o Wellington, o entendimento é perfeito", garantiu.

Além disso, ele também voltou a falar que a vice-governadora tem a legitimidade de buscar uma vaga de vice-governadora na chapa majoritária que está sendo formada que visa a reeleição de Wellington em 2018, da qual o PP já faz parte. Contudo, ele afirmou que essa questão de vagas só será definida a partir de abril de 2018. 

"Há o posicionamento de que as questões de vaga na chapa só serão tomadas em 2018, foi uma reunião que fizemos com Wellington Dias e com o Themístocles. A gente é da opinião de que quanto mais partidos tiver a coligação, mais pavimenta o caminho pra a reeleição do governador Wellington Dias. A vice-governadora tem o direito legítimo de lutar pela vaga dela, pelo partido dela, como o PMDB tem o direito de lutar pela indicação do vice. Foi combinado com Wellington Dias que só seria tratado a partir de abril. Se a gente deixar um partido fora, pode ter alguma defecção que fortalece a oposição, então é melhor que a gente faça isso mais perto da eleição", concluiu.


Lyza Freitas
redacao@cidadeverde.com

Imprimir