Cidadeverde.com

Dupla é presa com arma de fogo no “Corredor da Folia” em Picos

Uma dupla de jovens foi presa na noite de ontem na cidade de Picos, 307 km da capital, acusada de porte de arma de fogo. Eles foram capturados por uma equipe da Polícia Militar à paisana no “Corredor da Folia”, n Avenida Severo Eulálio, onde acontecem as festas de carnaval no município. 

De acordo com o tenente coronel Wagner Torres, comandante do 4º Batalhão de Polícia Militar de Picos, um efetivo de cerca de 40 policiais estão atuando durante as festas de carnaval na cidade, muitos deles do serviço de inteligência e à paisana. “Eles ficam infiltrados no meio dos foliões a fim de flagrar elementos vendendo ou usando drogas, portando arma de fogo ou arma branca”, explica.

E a tática da polícia vem dado certo, pelo menos na primeira noite com a prisão de dois jovens.  Os policiais cabo C. Silva, cabo José Henrique e soldado Ítalo Bruno abordaram Alexandre Manoel dos Santos, o “Paulista”, e Tadeu da Silva Carvalho, o “Ceguim”, que estavam com atitudes suspeitas e, com eles, encontraram um revólver calibre 32.

Segundo os militares, a arma estava em porte de Alexandre, mas Tadeu assumiu ser o proprietário do revólver. Os dois foram encaminhados para a Central de Flagrantes do município. O primeiro por porte de arma de fogo e o segundo por ter assumido ser o proprietário.

Um dos acusados já teve outras passagens pela polícia. Segundo os militares que efetuaram a prisão, Alexandre é suspeito de assaltar uma farmácia há poucos meses e foi preso na época.

Diego Iglesias
redacao@cidadeverde.com

Mãe denuncia agressão de filho durante prisão em Picos

A dona de casa Marilene Alaíde Santos denunciou uma suposta agressão sofrida pelo jovem Maurício Santos, seu filho. Segundo ela, ele foi agredido após ser flagrado vendendo na feira-livre da cidade produtos furtados de uma construção. O episódio foi registrado na Delegacia Regional da Polícia Civil de Picos na manhã deste sábado (6).

A mãe diz ter sido informada de que “Maurício estava na ‘feira do troca’ vendendo um roubo quando os policiais chegaram disfarçados, não estavam vestidos de farda, e prenderam ele. Bateram muito e deram uma coronhada na cabeça (sic)”, relata.

“Eu acho que não é justo. Se ele errou, tem o direito de prender, mas não de espancar. Nunca acreditei que um dia pudesse pegar no sangue de um filho meu em minhas mãos”, desabafa.

A mãe ainda alega que só teve dez minutos para ver o filho na delegacia e nesse intervalo teria ouvido dos policiais “que ele merecia mais”, em alusão à suposta agressão sofrida pelo filho. “Isso é uma injustiça. Quero justiça!”, apela.

Outro lado

O delegado regional Divanilson Sena comentou o episódio e negou a ocorrência de espancamento. De acordo com ele, houve apenas uma reação moderada dos policiais pela resistência do jovem à prisão.

“O policial civil Marcelo, que também é proprietário dessa construção, saiu em diligência no Centro de Picos. E na ‘feira do troca’, próximo à Câmara de Vereadores, ele localizou três indivíduos vendendo material da obra, então ele deu voz de prisão. Dois conseguiram fugir e o Maurício Santos, o ‘Babalu’, que estava de posse dos objetos dentro de uma sacola, ele conseguiu agarrar”, explica Sena.

Ainda de acordo com o relato do delegado, “Maurício tentou reagir chutando o policial, que utilizando de meios moderados, conseguiu derrubá-lo ao chão e o conduziu até a delegacia”.

“É notório que não houve espancamento, e sim uma reação moderada à atitude dele de tentar escapar da ação policial desferindo chutes e socos contra o policial”, acrescenta Sena.

Maurício Santos já tem passagem por roubo e, segundo sua mãe, estava respondendo pelo crime em regime semiaberto.  Em depoimento à polícia ele afirmou que recebeu o material furtado de outra pessoa.

Fonte: Portal Grande Picos 

PM e MP apreendem celulares e DVDs com pornografia em Picos

  • d1c6eff9-1948-4094-a0f7-d1aaae38d030.jpg Divulgação/ Polícia Militar
  • 50274c3e-8bbe-4079-b089-9b11bcd4e147.jpg Divulgação/ Polícia Militar
  • 3172baa7-afa3-4917-8e79-03e4c19d4af6.jpg Divulgação/ Polícia Militar
  • 0e29290a-fc61-4a92-b7f2-bad9c72180f3.jpg Divulgação/ Polícia Militar

Com o objetivo de diminuir os índices de furtos e roubos de celulares na cidade de Picos, a 310 km de Teresina, a Polícia Militar iniciou uma operação que atinge um dos pontos que estimula esse tipo de crime: a receptação. Com o apoio do Ministério Público, foram apreendidos 22 celulares e um homem foi detido em uma manhã pela comercialização dos aparelhos sem nota fiscal e com um preço absurdamente abaixo do mercado. Um dos produtos usado que custa em média R$ 2 mil estava sendo vendido a R$ 200. 

A operação foi comandada pelo 4º Batalhão da Polícia Militar e, de acordo com o coronel Wagner Torres, nos últimos meses a cidade tem apresentado um aumento nos casos de roubos e furtos de celulares. “Percebemos o aumento da incidência de menores nesse tipo de crime, com uso de motos. E sabemos que eles [celulares] são vendidos para alguém, ninguém sabe quem. E por isso desencadeamos essa operação”, destaca.

Para fortalecer a ação, a PM pediu apoio ao Ministério Público, que intensificou as ações de combate à sonegação fiscal. “Esses aparelhos só podem ser vendidos sem nota e fomos até os comerciantes que vendem produtos assim. Apreendemos 22 celulares e procuramos saber a procedência, mas o vendedor não se justificou sobre a pessoa que vendeu a ele. Todos estavam sem nota e com um preço muito estranho. Para se ter uma ideia, tínhamos aparelhos celulares de R$ 2 mi vendidos a 200 reais”, relata Torres.

Com a operação, o vendedor identificado como Raimundo Nonato Lustosa Filho, de 41 anos, foi conduzido para a Delegacia para dar explicações acerca da origem dos seus produtos.

Além de celulares, foram apreendidos centenas de DVDs, sendo muitos pornográficos e que estavam sendo comercializados a céu aberto, vistos por crianças e adolescentes. As ações se concentraram principalmente na Praça Josino Ferreira, onde o comércio desse tipo de produto é comum. “Os proprietários desses produtos não foram localizados, abandonaram as bancas”, completa o coronel.

De acordo com o coronel Wagner Torres, este foi apenas o começo da operação, que irá se intensificar nos próximos dias. “O objetivo é acabar com esse tipo de comércio”, finaliza.

Diego Iglesias
redacao@cidadeverde.com

 

 

 

Carreta carregada de animais tomba em rodovia de Picos

Uma carreta carregada de bois tombou na ladeira do povoado Fátima do Piauí em Picos, município a 306 km de Teresina. O acidente ocorreu na noite dessa terça-feira (27) após o motorista perder o controle do veículo.

Identificado como Marcos Antônio, o condutor sofreu ferimentos leves e foi levado para o Hospital Regional Justino Luz.

Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), vários animais que seguiam do Pará para Salvador, morreram no acidente.

A carreta não chegou a descer do barranco e tombou nas margens da pista, causando ainda mais perigo no local.

Ainda de acordo com a PRF, a carga estava sendo saqueada, mas a polícia chegou a tempo de coibir o crime e está no local para garantir a segurança do carregamento.

Com informações de Riachãonet
cidades@cidadeverde.com

Novo Hospital de Picos será entregue em um ano

Após quatro anos de obras paralisadas, o governador Wellington Dias; o secretário de Estado da Saúde, Francisco Costa, e o prefeito de Picos, Padre Valmir, retomam as obras do novo Hospital de Picos, nessa quinta-feira (14), e anunciam que, em um ano, o hospital será entregue à população. Para isso, serão investidos R$ 51.731.355,71 na construção da primeira etapa da obra, que consiste num centro cirúrgico com cinco salas, 60 leitos de internação geral e 20 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), adulto e infantil, além de unidade de apoio, como cozinha, lavanderia, central de resíduos e gases medicinais.

“Após garantir que a gente pudesse retomar a obra, pactuamos que em um ano a mesma estará pronta”, afirmou o governador, apresentando ainda que o projeto será readequado para “que o hospital seja também de urgência e emergência e com oferta de serviço de qualidade, multiplicação de número de cirurgias, exames e dos serviços que o povo precisa”.

O secretário Francisco Costa reforça que a retomada das obras foi “um trabalho árduo que tivemos em 2015, ainda enfrentamos um processo de judicialização diante do Tribunal de Contas da União (TCU), sendo necessária uma readequação de projeto junto à Caixa. Em um ano, entregaremos a obra à população, em plenas condições de funcionamento, com 80 leitos, com centro cirúrgico e UTI funcionado, com total condição de funcionamento”.

Obras do novo Hospital de Picos.( Foto: James Almeida)Sobre a aquisição de equipamentos, o governador ressaltou que está sendo articulado recurso para isso, contando ainda com mais de R$ 1,5 milhão de emenda do deputado federal Assis Carvalho, que destinou mais de R$ 34 milhões para a construção do novo hospital. A contrapartida do Estado ficou em mais de R$ 17 milhões.

O novo Hospital de Picos fará atendimento de média e alta complexidade, atendendo mais de meio milhão de pessoas de 60 municípios do entorno de Picos. A unidade contará, ao final da obra, com 226 leitos, sendo 20 leitos de UTI adulto e infantil, unidades de apoio, com cozinha, lavanderia, almoxarifado, farmácia, central de material, central de resíduos, central de gases medicinais, subestação e abrigo de geradores, estacionamento e urbanização e ainda administração.

O Hospital Regional Justino Luz será adaptado e se tornará um centro materno infantil para atendimento de média e alta complexidade.

Atraso em obras pode comprometer início das aulas nas escolas estaduais

O ano letivo está prestes a começar, mas em Picos o início das aulas pode ser comprometido devido ao atraso na conclusão da reforma de algumas escolas. Obras abandonadas, salas de aula sem climatização e a fragilidade na estrutura física são apenas alguns dos problemas diagnosticados nas unidades de ensino. 

Na Unidade Escolar Miguel Lidiano, os alunos tiveram que ser remanejados para locais improvisados, pois as obras- que estão paradas há mais de um ano- não foram concluídas no tempo previsto. No local, o muro do prédio que está prestes a cair. 

"Sem contar também que o ano de 2015 foi muito difícil para a nossa regional. As escolas tiveram carência de professores  absurdas", disse 
Gisele Maria Martins, presidente do Sinte Regional.

Na Unidade Escolar Vidal de Freitas os reparos estão paralisados desde novembro do ano passado. Na escola, os bancos estão quebrados e há problemas no telhado e até com a tampa de uma fossa que se rompeu. 

"Acredito muito no poder público, que quando ele quer ele faz. Já recebemos a visita do engenheiro na escola, que prometeu vir para concluir os reparos", disse Maria da Cruz Cardoso, diretora da escola. 

Já na Escola Normal Oficial de Picos, a questão da insegurança assusta alunos e professores. A fragilidade na estrutura física do prédio facilita a ação de criminosos. Recentemente, foram furtados computadores e impressoras. 

A gerente regional de Educação da Seduc, Noêmia Moreira Feitosa, conta que alguns dos problemas foram ocasionados devido ao período chuvoso, mas que a Secretaria está providenciando os reparos necessários. 

"Com o período chuvoso houve avarias em algumas escolas. Já fizemos contato com a equipe de engenharia da Seduc que veio visitar algumas escolas  e fez o orçamento. Na próxima semana, virão mais duas equipes da engenharia para tomar as providências no Vidal de Freitas, Coelho Rodrigues e Premen", disse. 


Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

60% da água de adutora é furtada em área castigada pela seca, diz Agespisa

  • 20160112103157.jpg Reprodução / TV Cidade Verde
  • 20160112103157_(1).jpg Reprodução / TV Cidade Verde
  • 20160112103156.jpg Reprodução / TV Cidade Verde
  • 20160112103156_(1).jpg Reprodução / TV Cidade Verde
  • 20160112091840.jpg Reprodução / TV Cidade Verde

Cerca de 60% da água transportada pela adutora de Poço de Marruá é desviada. Foi o que garantiu o superintendente técnico da Agespisa, Simon Bolívar em entrevista ao Jornal do Piauí desta terça-feira (12). Segundo ele, municípios como Simões, último a ser abastecido pela adutora não recebe mais água por conta da grande quantidade de desvios flagrados ao longo das tubulações.

"60% da água que le levada pela adutora é furtada. Cidades como Simões não recebem nem água. Imagine uma mangueira cheia de furos. É assim que funciona. A Agespisa não tem poder de Polícia mas está recorrendo para que se abra processo contra as pessoas que estão usando a água de forma criminosa", revelou o superintendente.

Simon afirma que a Agespisa está percorrendo em fiscalizações toda a extensão da tubulação e revela que até um vereador de um município do interior foi flagrado usando a água furtada da adutora.

A adutora de Poço de Marruá tem capacidade de 300 milhões de metros cúbicos de água e seria suficiente para abastecer as cidades de Simões, Curral Novo, Patos, Jacobina e o povoado Ingazeira, Zona Rural de Caridade do Piauí. Porém, muitas comunidades ainda sofrem com o desbastecimento d'água, provocado pela seca e também pelas ligações clandestinas. No trecho de 25 quilômetros entre as cidades de Caridade do Piauí e Simões, por exemplo, 12 desvios foram desativados pela Agespisa.

O técnico alerta ainda para a importância da adutora para a existência de cidades como Pio IX, que segundo ele, poderiam até deixar de existir caso não existisse a canalização. "A adutora é abastecida por três sistemas. Sistema Piaus 1, sistema do Garrincho e sistema do Porto Marruá. O sistema Piaus 1 está em colapso e a água fica muito difícil de ser tratada. Municípios como Pio IX estariam prestes a sumir, por exemplo se não houvesse a construção", explicou o superintendente.

Além do furto, outro problema são os vazamentos presentes nas linhas clandestinas, ou seja, além de furtar a água da adutora, ela ainda está sendo desperdiçada ao longo do trajeto. "A Agespisa descobriu várias ligações, mas a adutora é enterrada e é mais difícil descobrir o um vazamento. As distâncias são longas e todas as ligações serão denunciadas", concluiu.

Rayldo Pereira
rayldopereira@cidadeverde.com

Saúde retoma obra do novo hospital de Picos

Projetado para atender cerca de meio milhão de pessoas, de 60 municípios, as obras do novo hospital de Picos serão retomadas nesta quarta, 13, anunciou o secretário de Estado da Saúde, Francisco Costa. As obras foram iniciadas em 2010 e estavam paralisadas há quatro anos. Para isso, serão investidos R$51,6 milhões.

Os recursos para a construção do hospital são de emenda parlamentar do deputado Assis Carvalho no valor de R$ 34,6 milhões, com a contrapartida de R$ 17 milhões do Governo do Estado. A Prefeitura de Picos contribuiu com a doação do terreno.

“Fizemos uma série de encaminhamentos e ajustes técnicos para sanar as pendências e poder acessar o recurso para dar continuidade às obras. Nessa conjuntura, conseguimos resolver a burocracia que estava dificultando e agora retomaremos essa obra que vai ser importantíssimo para aquela população”, disse o secretário de Estado da Saúde, Francisco Costa.

O projeto original prevê 260 leitos de enfermaria, 24 leitos de UTI adulto, central de processamento de resíduos, auditório com 150 lugares, refeitório e biblioteca. A estrutura da unidade de saúde também funcionará como hospital escola para implantação do curso de Medicina pela Universidade Federal do Piauí (UFPI).  O curso de Medicina será iniciado no segundo semestre de 2016. A Universidade já lançou o processo de seleção de professores e o Enem 2015 será usado como base para o Sisu 2016.2.

Cerca de 60 municípios do Piauí, além de outros do Ceará e Maranhão, serão beneficiados com a obra. A região atendida vai desde Guaribas, região Vale do Canindé e parte da região do Vale do Sambito. 

O hospital deve ser construído em duas etapas.  Na primeira etapa, serão construídos 80 leitos, salas de cirurgias e UTIs, no primeiro pavimento. No projeto final, serão 260 leitos em três pavimentos.

Mais de seis mil eleitores tem títulos cancelados na região de Picos

Após a realização do processo de biometria nas zonas eleitorais que compreendem os municípios de Aroeiras do Itaim, Dom Expedito Lopes, Geminiano, Santana, São José do Piauí e Sussuapara, cerca de 6.828 eleitores faltosos tiveram os títulos cancelados.

Ao todo, 22.672 eleitores passaram pela revisão biométrica, que aconteceu de abril a dezembro de 2015, no prédio da Justiça Eleitoral de Picos, localizado no bairro DNER.

Segundo o chefe do Cartório Eleitoral da 10ª Zona, Luís Borges de Souza Neto, o número de títulos cancelados é expressivo, mesmo as pessoas estando conscientes das consequências que podem surgir diante do cancelamento.

“Ainda existe um prazo que vai até abril para a regularização, assim os faltosos ainda poderão procurar o cartório, munidos do título eleitoral e dos documentos de identificação para regularizar sua situação”, explicou o chefe do cartório.

O processo de biometria tem como objetivo habilitar os eleitores da região de Picos para que possam votar nas urnas com leitor biométrico nas eleições municipais de outubro de 2016. Todo sistema biométrico é preparado para reconhecer, verificar ou identificar uma pessoa que foi previamente cadastrada.

Com informações de Riachãonet
cidades@cidadeverde.com

Fiscais da Agespisa são ameaçados durante trabalho de combate a furto de água

Fiscais da Agespisa foram ameaçados de morte e tiveram que ser escoltados por policiais militares durante trabalho de combate ao furto de água na região de Picos. Ligações clandestinas são comuns no semiárido piauiense e prejudicam o abastecimento regular, deixando muitos moradores sem água. Somente no ano passado, foram descobertos mais de 60 desvios na tubulação geral da adutora de Poço de Marruá. 

"Eles chegaram e perguntaram o que a gente estava fazendo. Então, contamos que estávamos fiscalizando  a adutora, retirando desvios e nos disseram que a gente não tinha nada a ver com aquilo ali e fizesse o favor de sair, se a gente não quisesse levar tiro de calibre 12", disse José Vicente da Silva, auxiliar operacional da Agespisa.

A adutora de Poço de Marruá tem capacidade de 300 milhões de metros cúbicos de água e seria suficiente para abastecer as cidades de Simões, Curral Novo, Patos, Jacobina e o povoado Ingazeira, Zona Rural de Caridade do Piauí. Porém, muitas comunidades ainda sofrem com o desbastecimento d'água, provocado pela seca e também pelas ligações clandestinas. No trecho de 25 quilômetros entre as cidades de Caridade do Piauí e Simões, por exemplo, 12 desvios foram desativados pela Agespisa.

"Foi uma injustiça e um sofrimento. Amanhecia o dia e a gente não tinha água nem para fazer um café", disse a agricultora, Maria de Lurdes Coêlho."Muita gente teve que comprar água", acrescenta a agricultora Janalbete Elizabete Rodrigues.

Durante a fiscalização, funcionários da Agespisa descobriram que parte da água desviada é usada em criatórios de peixes e na irrigação de fazendas. Além disso, existe a denúncia de envolvimento de motoristas cadastrados na operação Pipa. Alguns deles são acusados de abastecer veículos com água furtada. 


Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Posts anteriores