Cidadeverde.com
Coluna Porteira - Francisco Magalhães

Greve na Rodoviária: passageiros tentam embarcar desde 5h da manhã

A pescadora Rosilene Felipe da Silva e a cabeleireira Hilsenira Lopes Neves estão desde as 5h de hoje (05) no terminal rodoviário Lucídio Portela tentando embarcar em um ônibus da empresa Progresso. Os motoristas da empresa entraram em greve por tempo indeterminado.

Rosenira quer ir para a cidade maranhense de Miranda, com os seus dois netos. Já Hilsenira pretende ir para São Luís com dois sobrinhos. Elas fazem parte de um grupo de 30 passageiros que estão nas dependências do terminal tentando negociar a transferência para outros ônibus ou a devolução do dinheiro.

“Eles estão nos enrolando e não dão nenhuma satisfação”, diz Hilsenira. “Isto é um absurdo, uma falta de respeito”, fala Rosirene.

O secretário geral do sindicato dos rodoviários, Marco Antônio de Freitas Teixeira, alega que a greve é justa e necessária: “a empresa desrespeitou o direito básico dos trabalhadores. Nós não aceitamos e tomamos uma providência”.

O motorista Raimundo de Moura Campos diz que foi demitido sem justa causa. “Estou de licença médica e trabalho na empresa há 14 anos”.

O bilheteiro Antônio Carlos Rodrigues do Nascimento afirma: “depois de seis anos e 17 dias me botam para fora e não querem me pagar nada”. O também bilheteiro Luís Augusto da Silva afirma: “Somos vários pais de família desempregados e desesperados. Eu tenho 18 anos de serviço prestados nessa firma”.

O supervisor da empresa, Ildênio França, diz que foi feito um pedido na justiça para que os motoristas voltem ao trabalho. “O juiz acatou e estamos esperando somente a chegada do oficial de justiça. Os principais prejudicados são os nossos passageiros, clientes que pagam os nossos salários”. O supervisor disse que a greve não tem sentido e é extemporânea. Ele disse que a empresa está negociando com todos os funcionários que receberam aviso prévio.


Francisco Magalhães (flash da Rodoviária)
Pollyanna Carvalho (da Redação)
redacao@cidadeverde.com