Cidadeverde.com
Geral

Presos acusados de matar homem com mais de 20 tiros em balneário

Imprimir
Foi preso na manhã desta sexta-feira (20) o segundo acusado do homicídio no balneário Chico 18, na zona rural de Timon/MA, ocorrido no último dia 1º. Gustavo Evangelista de Lima, conhecido como Canú, foi transferido para o presídio Jorge Vieira nesta tarde. Ele e um outro homem, identificado como Fabricinho, teriam assassinado Orlando Lopes de Moraes com mais de 20 tiros de pistola 380 em plena tarde de domingo, diante de centenas de testemunhas. Ambos negaram a autoria em depoimento para a polícia. 

"Canú" já havia sido preso por tráfico em 2010

De acordo com o delegado de homicídios de Timon, Ricardo Freire, a esposa da vítima relatou em depoimento que Orlando ainda segurava a mão do filho de 6 anos quando sofreu o primeiro disparo, em pé na borda de uma piscina. A proprietária do balneário contou para a polícia que cerca de duzentas pessoas estavam no local no momento do crime, por volta de 15h.

Gustavo "Canú" foi preso por volta de 11h30 nas imediações da rua Goiás, bairro Ilhotas, em Teresina, durante ação que envolveu o 3º Distrito Policial de Teresina, o serviço reservado da Polícia de Teresina, e ainda os agentes Fred, Hedilberto e Chico Moura, da delegacia de homicídios de Timon. Em depoimento, segundo o delegado, ele negou envolvimento no crime e disse que apenas estava no balneário. 

Fabricinho, preso na última quarta-feira na Vila Irmã Dulce, zona Sul de Teresina, já foi reconhecido por testemunhas, mas também negou a autoria do crime durante depoimento. 

A polícia trabalha com duas vertentes de investigação. Uma diz respeito à rivalidade entre as gangues do esporão e Capelinha de Palha, na zona Sul de Teresina. A outra trata de tráfico de drogas. Gustavo "Canú" já foi preso em 2010 acusado de chefiar o tráfico na Vila Jerusalém, região do estádio Albertão. Na época, ele tinha mandado de prisão em aberto por outro homicídio, ocorrido em 2009. Ainda menor de idade, Fabricinho teria assumido a autoria do crime. 

Fábio Lima
fabiolima@cidadeverde.com
Imprimir