Música com canos de PVC e decoração com pneus: a Teresina que recria

11Por Glenda Uchôa, da Rádio Cidade Verde

De tom em tom, como se mesclasse a própria história de vida com a música que produz, o jovem Marcos Sousa, ou melhor, o Maguim do Pife, é um exemplo vivo dessa Teresina que se reinventa nos seus mais diversos setores.

Através da ideia de ministrar oficinas para a criação de instrumento e aulas de música, o Maguim tem conseguido fortalecer em Teresina a história de um instrumento secular, o pífano, que é uma espécie de flauta de alta-frequência, que ele faz com canos de PVC.

Maguim do Pife – foto: Poliana Oliveira

Estimulando os sentidos, a exemplo do tato, na produção dos instrumentos; do olhos, na atenção para entender como manusear a pequena flauta e, principalmente, dos ouvidos para assimilar todos os sons, o jovem estimula um modo diferente de entender a música.

E é assim, com as oficinas de pífano e com inventividade, que a iniciativa do Maguim já alcançou cerca de 200 pessoas em Teresina. O pífano, um instrumento secular, mas pouco divulgado, através dessa iniciativa toma lugar de destaque e começa a transformar a vida das pessoas pela sensibilidade do som e potencialidade da música.

E enquanto o Maguim do Pife estimula a produção de instrumentos com um simples material, que é o PVC, outro teresinense também mostra que existe potencialidade até em materiais que a maioria julga ser um problema. Valter Ferreira utiliza pneus descartados para criar móveis e peças artísticas de encherem os olhos.

Tudo começou por uma preocupação ecológica. Pneus de carro, moto ou caminhão se transformam em peças utilitárias e de decoração nas mãos do artista, que se utiliza de uma pracinha na zona sul de Teresina para expor e vender as peças.

A criatividade de olhar para além do trivial deu a Valter a certeza de que é possível fazer sempre mais para contribuir com a melhoria da própria história e também do contexto social onde vive. Estar grato é um sentimento latente na vida do artesão.

Ouça a matéria da Rádio Cidade Verde na íntegra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *