Cidadeverde.com
Universo Acessível

Eu também gosto de sexo. Porquê não?

A sexualidade das pessoas com deficiência

Infelizmente ainda existe muito preconceito quando o assunto é a sexualidade das pessoas com deficiência, algumas pessoas chegam a ser indelicadas e perguntarem se cadeirantes fazem sexo.  Sim fazem, e posso falar por mim, gosto demais!  Nada impede quando existe carinho desejo e atração. A deficiência é apenas um detalhe, algo que é deixado em segundo plano quando a vontade de estar junto é maior, porém há de se ter os devidos cuidados para que tudo não vire promiscuidade, cuidado com o corpo, se proteger de doenças sexualmente transmissíveis, tudo absolutamente normal.

Algumas deficiências necessitam de um pouco mais de atenção do parceiro ou parceira, o que não impede de ser perguntado ou se a pessoa tiver percepção basta observar e verá que a pessoa não é de vidro e pode sim ser tocada. Outro aspecto importante é conhecer  as preferências de cada pessoa, afinal pessoas com deficiência são iguais a que não tem nenhuma deficiência, apenas com um detalhe que altera seus sentidos ou locomoção, os sentimentos e desejos são iguais.

Essa semana achei super interessante o ensaio fotográfico de uma modelo americana paraplégica, ela falou que fez o ensaio para desmistificar esses questionamentos sobre sua capacidade de ter relação sexual. De fato ainda é muito corriqueiro, eu e meu marido somos cadeirantes e temos um filho, quando chegamos a um local nunca imaginam que é nosso filho quando descobrem percebemos a cara de perplexidade, ainda é um tabu a ser superado.

Precisamos de mais motéis acessíveis, discutir o tema é a melhor maneira, afinal a sexualidade é inerente a qualquer ser humano. Quanto mais abordarmos esse tema mais a sociedade vai entender nossos anseios, compreender que inclusão é tudo isso, inclusive poder frequentar um motel com a mesma simplicidade que qualquer pessoa frequenta e que isso não seja sinônimo de espanto, apenas de respeito às diferenças.