Cidadeverde.com

Usuários temem a reforma na lei dos planos de saúde

Uma proposta de mudança na lei dos planos de saúde, de 1998, pode afetar a vida de 47,6 milhões de usuários. Criticada por entidades de defesa do consumidor, a reforma pode liberar o livre reajuste dos planos individuais e acabar com o rol mínimo de coberturas obrigatórias, entre outras alterações importantes. A proposta tramita em regime de urgência no Congresso, por meio de uma comissão especial, que pretende reunir as mudanças sugeridas por 140 projetos de lei desde 2006. A mudança na lei dos planos de saúde também pode autorizar a venda dos chamados planos “populares ou “acessíveis”. Segundo entidades de defesa do consumidor, esses planos teriam imensas restrições de coberturas. A reforma também pode acabar com o ressarcimento ao SUS, que, segundo a lei de 1998, deve ser feito toda vez que um cliente de plano de saúde é atendido na rede pública.

 

Especial Teresina: Polo de Saúde é referência Norte/Nordeste

Como homenagear Teresina num blog de saúde? A resposta é fácil quando se trata da capital do Piauí! Escrevendo sobre um dos setores mais fortes da capital, que gera emprego e renda, além de ajudar muitas pessoas com tratamentos especializados e tecnologia de ponta. Essa reportagem especial foi redigida pela nossa colega jornalista Samanta Petersen, com registros fotográficos de Carlos Pacheco - especialmente para o blog VIDA. Tudo com muito profissionalismo e com informações embasadas nas instituições de pesquisas. 

A principal vocação econômica de Teresina é para o setor terciário, especialmente o comércio e a prestação de serviços. O setor é responsável tanto na composição do Produto Interno Bruto (PIB) de Teresina, como na participação da população ocupada e da massa salarial. O setor de serviços representou, em 2011, 78,1% do PIB da capital piauiense, segundo dados da Fundação Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Piauí (Cepro). Dentre as áreas de prestação de serviço as que mais se destacam são saúde e educação. Teresina tem sua vocação econômica voltada para a área do comércio e da prestação de serviço.

Dados do PIB comprovam como essas são atividades importantes para a economia de Teresina, especialmente na geração de emprego. O destaque de Teresina na área da educação contribui diretamente na área da saúde, pois gera novos e preparados profissionais para atuarem na saúde da capital. Por situar-se num grande entroncamento rodoviário, com saídas para Belém, São Luís, Fortaleza, Recife, Salvador e Brasília, a localização geográfica de Teresina contribuiu de forma favorável para o fluxo das pessoas de outros Estados que buscam atendimento em saúde. A localização geográfica é um dos principais fatores de decisão para o paciente, considerando os custos com deslocamento e hospedagem, de acordo com pesquisa realizada pelo Sebrae-PI, em 2010, no Polo Empresarial de Saúde de Teresina.


O chamado Polo Saúde é uma área localizada no Centro de Teresina que cresceu em torno do Hospital Getúlio Vargas, reunindo hospitais, clínicas, consultórios médicos e laboratórios, além de lojas de produtos ortopédicos e de materiais médico-hospitalar e óticas. A área começou a se desenvolver efetivamente na década de 90 quando foram inauguradas várias clínicas e hospitais particulares. E acabou se constituindo em um centro de referência regional na área da saúde, recebendo pacientes tanto do interior quanto de outros Estados como Maranhão, Pará e Ceará. Motivo da explosão do número de pensões no Centro de Teresina, em média, 600 empreendimentos que recebem pessoas enfermas de outras cidades. Muitas destas pensões oferecem o serviço de acompanhamento do paciente aos especialistas que le precisa. Números do Hospital de Urgência de Teresina (HUT) apontam que até em casos de urgência, pacientes de outras cidades dão preferência ao atendimento em saúde de Teresina. Diariamente o hospital atende, em média, 300 pacientes, destes 30% são da própria capital, 50% do interior do Piauí e 20% de outros estados. Estes dados são similares ao apontados pela pesquisa realizada pelo Sebrae que mostrou que 21,2% dos pacientes atendidos no Polo Saúde são de outros Estados, especialmente Maranhão e Pará, e 68% são do Piauí, sendo 32% do interior. 

Outro motivo do destaque da capital na área da saúde é que Teresina apresenta-se como centro de referência em diversas áreas especializadas, desenvolvendo medicina avançada e procedimentos de alta complexidade. Concentrando um elevado número de equipamentos, clínicas e médicos. Em relação a equipamentos de ponta, Teresina possui, de acordo com a Coordenação de Gestão do Serviço Único de Saúde (CGSUS), 30 mamógrafos (18 na rede privada), sete aparelhos de ressonância magnética (quatro na rede privada) e 33 tomógrafos (16 na rede privada). Números superiores aos estipulados pelo Ministério da Saúde que determina, por exemplo, que haja um mamógrafo para cada 240 mil habitantes. Assim, Teresina precisaria de apenas quatro aparelhos. A capital ainda possui 77,88% do total de 3.876 médicos ativos no Estado e concentra 79,08% das 631 clínicas e hospitais do Estado registrados no Conselho Regional de Medicina do Piauí (CRM-PI). A fisioterapia especializada também começa a ganhar força, por oferecer procedimentos diferenciados que tratam a causa do problema e não somente o local da dor. 

Atualmente outras regiões da cidade, como a zona Leste, começaram também a despontar como grande concentradora de clínicas e hospitais. Entretanto, a maior procura dos pacientes de fora do Estado é pelas localizadas no Centro. “Muitas clínicas estão abrindo também na zona Leste como uma estratégia de mercado porque nessa área não se atende paciente de fora, mas sim da própria região. E as empresas estão investindo porque estão vendo esse nicho de mercado e querem suprir essa demanda. Já outros estão investindo em outros bairros, o que é uma estratégia muito interessante porque se consegue ir para perto do paciente”, destaca o médico otorrinolaringologista, Flávio Santos, que possui um hospital no Centro e uma clínica na Zona Leste de Teresina.

Dr. Flávio Santos, otorrinolaringologista

Médico brasileiro apresenta novidade no tratamento de AVC

Recentemente,uma nova modalidade de tratamento para o AVC está disponível e tem se mostrado bastante eficaz na recanalização das artérias cerebrais e na redução de sequelas do AVC. Trata-se do cateterismo cerebral, também chamado de tratamento endovascular ou trombectomia mecânica.  Basicamente, esse tratamento consiste em colocar um microcateter nas artérias da perna e avançar por dentro das artérias até alcançar a área entupida do cérebro. Estudos de 2015 demonstraram que esse tratamento pode abrir até 80% dos vasos ocluídos e traz excelentes resultados, justamente quando as grandes artérias do cérebro estão entupidas, sendo, portanto, uma alternativa terapêutica quando o trombolítico endovenoso não resolve o problema.  

Entretanto,  na semana passada, o médico brasileiro Raul Nogueira, professor da Emory University, em Atlanta, nos Estados Unidos, apresentou resultados de ensaio clínico denominado Dawn, no Congresso Europeu de AVC, em que dividiu em dois grupos 206 pacientes com AVC. O tratamento para essas pessoas teve  início entre seis e 24 horas do início dos sintomas. Elas apresentavam uma oclusão de uma grande artéria do cérebro e um AVC ainda pequeno nos exames de neuroimagem.  “Um grupo recebeu tratamento clínico padrão e o outro grupo recebeu a trombectomia mecânica em até 24 horas do início dos sintomas". Os resultados mostraram que, após três meses do AVC, 48,6% do grupo tratado com trombectomia mecânica estava funcionalmente independente, comparado a somente 13,1% do grupo tratado com tratamento clínico padrão. Isto corresponde a um aumento relativo de 73% na chance de boa evolução com o tratamento endovascular, se comparado ao tratamento padrão que vinha sendo feito até hoje em todo o mundo.

O professor Pontes Neto lembra que a trombectomia mecânica não pode ser realizada em qualquer paciente com AVC. “Este tratamento é essencialmente para em torno de 15% dos pacientes com AVC que apresentam oclusão de um grande vaso do cérebro e que têm bom fluxo sanguíneo colateral.” Apesar de aprovado pela Anvisa para ser utilizado no Brasil, ainda não é reembolsado adequadamente pelo Sistema Único de Saúde. “O Ministério da Saúde está patrocinando o estudo Resilient, estudo nacional que está sendo feito para comprovar a exequibilidade e o custo-efetividade da trombectomia mecânica no Brasil”, conclui.

 

Fonte: USP

ENTREVISTA: Método francês trata dores e restrições de movimentos

Por causa dos avanços em pesquisas e experimentos, a área da saúde tem avançado rapidamente. Na fisioterapia, por exemplo, são cada vez mais eficazes os novos tratamentos apresentados no Brasil, mesmo que já sejam utilizados há muito tempo nos países de primeiro mundo. Um diagnóstico bem feito e a prescrição correta dos procedimentos tiram várias pessoas da fila de cirurgias. Uma técnica francesa, chamada de Método François Soulier, é pouco conhecida pela população. Pois existem poucos fisioterapeutas com esta formação internacional, sobretudo, aqui em Teresina. Apenas uma pessoa no Brasil está habilitada a proferir cursos neste método. O blog VIDA convidou a fisioterapeuta Socorro Cabral para nos explicar quais os benefícios desta técnica. Ela é especialista em fisioterapia neurofuncional e tem formações internacionais nos métodos Busquet e François Soulier.
 
MARCELO FONTENELE - O que é este método François Soulier, que pouco se ouve falar em Teresina?
DRA. SOCORRO CABRAL - O Equilíbrio Neuromuscular – ENM, Método François Soulier, é uma técnica desenvolvida por François Soulier, após estudar o aparelho activador methodos, durante cinco anos com a colaboração de um engenheiro, a partir de um dinamômetro. O activador é uma caneta que gera vibrações. Foi criada por quiropatas, nos EUA, para substituir as mãos numa técnica manipulativa do sacro. O equilíbrio neuromuscular tem por objetivo fazer a correção de bloqueios articulares e o reajuste tônico, mediante a aplicação da caneta para gerar vibração precisa e suave no sentido da correção da lesão. Pouco se ouve falar sobre o Método François Soulier, em Teresina, porque o número de pessoas com essa formação é muito reduzido. À partir de setembro deste ano essa quantidade aumentará devido ao curso que será organizado pelo fisioterapeuta David Reis. Fico feliz em saber que a população piauiense e circunvizinha terá mais acesso a esse importante e eficaz recurso terapêutico. Como também, ao ver o interesse da mídia local em divulgá-lo.
 
MARCELO FONTENELE - Essa técnica pode ser aplicada em que situações, quais problemas?
DRA. SOCORRO CABRAL - A técnica é indicada no tratamento de dores articulares aguda e crônica, restrições de movimento, redução da amplitude de movimento e lesões esportivas. A sutileza das vibrações e o baixo esforço físico exigido do paciente possibilitam que a técnica seja aplicada desde a pediatria até geriatria com sucesso. Praticamente não existem contraindicações. 
 
MARCELO FONTENELE - Como a senhora avalia a eficácia desse tratamento? E os pacientes reagem como?
DRA. SOCORRO CABRAL - Costumo dizer que tenho a bênção de trabalhar com o Método Francois Soulier desde junho de 2015. Em relação a eficácia do tratamento obtive excelentes resultados em todos os pacientes nos quais apliquei. É duplamente eficaz, porque promove melhora imediata do paciente e facilita o desempenho profissional. Quanto a avaliação por parte dos pacientes, tenho recebido feedback positivo.  Todos relataram melhora da dor, ganho e/ou melhora da mobilidade e bem estar geral após o primeiro atendimento.
 
MARCELO FONTENELE - Ela pode ser usada, aliada a outras técnicas? 
DRA. SOCORRO CABRAL - Sim. A técnica do Método ENM, pode ser utilizada combinada com qualquer outra técnica, exceto com os tratamentos de massoterapia e eletrotermoterapia. Considerando que a informação reflexa é a base do ENM e que esses dois recursos (massoterapia e eletrotermoterapia) podem comprometê-la, a orientação é que eles sejam realizados anteriormente.
 
MARCELO FONTENELE - Por que as pessoas estão procurando mais a fisioterapia especializada, que geralmente é ofertada com pagamento em espécie?
DRA. SOCORRO CABRAL - Acredito que o crescimento da quantidade de pessoas procurando pela fisioterapia especializada, justifica-se pela sua maior resolutividade. A fisioterapia especializada tem por objetivo identificar e tratar causas do adoecimento. Esse tópico é merecedor de outra entrevista específica. Contudo vou abreviar informando que o paciente é convidado a assumir o auto compromisso com hábitos de saúde. O convite se dá porque a obtenção dos objetivos definidos no Planejamento Terapêutico é diretamente proporcional ao comprometimento dele com a constância na execução das orientações que recebe do fisioterapeuta. 

Uespi realizará I Encontro Internacional de Motricidade e Saúde

O curso de Educação Física da UESPI, campus Poeta Torquato Neto, organiza para os dias 19, 20 e 21 de Outubro o I Encontro Internacional de Motricidade e Saúde da instituição, realizado em conjunto com o IV Encontro Nacional de Pesquisa e Temas Livres em Educação Física. Alguns temas que podem ser encontrados nos eventos são: novas tendências em avaliação física, biomecânica da musculação, avaliação do desenvolvimento motor, ginástica coletiva coreografada, líder coaching gerontológico para profissionais de educação física, dança na escola e treinamentos concorrentes.

Posts anteriores