Cidadeverde.com

Hospitais mantêm suspensos atendimentos do PLAMTA

Depois de uma reunião com o secretário estadual da Fazenda, Rafael Fonteles, os dirigentes do Sindicato dos Hospitais e representantes da rede clínico-hospitalar e laboratorial de Teresina decidiram manter suspenso o atendimento a segurados do PLAMTA e IAPEP-Saúde. A suspensão segue pelo menos até 31 de janeiro, quando o governo assegurou que fará o desembolso de R$ 14 milhões devidos a hospitais, clínicas e laboratórios. Na conversa que tiveram com o secretário da Fazenda, os representantes da rede clínico-hospitalar e laboratorial de Teresina explicaram que não há como manter o atendimento a procedimentos eletivos. Isso resultaria em pagar para prestar o serviço, uma vez que já existe um passivo muito elevado por parte do IAPEP, obrigando as empresas a financiar uma série de atividades (consultas, exames, cirurgias e internações) pelas quais já recebem uma remuneração aquém de seus custos.

O secretário pediu compreensão, explicando que o Estado atravessa um momento de grande dificuldade financeira, que reduziu a entrada de recursos no Tesouro estadual, seja através de impostos e taxas, seja por transferências feitas pelo governo federal. Os dirigentes da rede clínico-hospitalar e laboratorial de Teresina disseram compreender as dificuldades financeiras, mas alertaram que, do mesmo modo como o Estado tem problemas em seu fluxo de caixa, também clínicas, hospitais e laboratórios enfrentam problemas financeiros se não lhe são pagos valores devidos desde setembro do ano passado. Segundo explicou o secretário da Fazenda, o fluxo financeiro do Estado está sujeito a um sistema que somente será aberto no dia 31 de janeiro. Até lá, haveria dificuldades até mesmo para as despesas do dia-a-dia na administração pública. 

Mesmo diante disso, a rede clínico-hospitalar e laboratorial de Teresina não tem como manter os atendimentos eletivos, porque se assim fizer somente aumentará seus custos, com risco para um desequilíbrio financeiro que pode ser ainda mais danoso, com risco para a qualidade do atendimento e até mesmo para o desligamento de colaboradores. Desse modo, no tempo que resta para a abertura do sistema e o desembolso dos valores devidos, ficam suspensos os procedimentos eletivos a segurados do Iapep, até que se regularizem os pagamentos, reduzindo as perdas para hospitais, clínicas e laboratórios conveniados.


Fonte: Assessoria de Imprensa