Cidadeverde.com

SUS inicia distribuição do tratamento de emergência contra HIV

A distribuição unificada da profilaxia pós-exposição (PEP) para HIV já começou a valer em todo o país. A partir desta quinta (23), todas as pessoas que foram expostas ao vírus causador da aids passam a ter acesso ao coquetel de medicamentos antirretrovirais em qualquer serviço especializado do Sistema Único de Saúde (SUS). 

A PEP, que tem sido popularizada como a "pílula do dia seguinte" para HIV, é uma realidade no Brasil desde os anos 90, mas foi somente em outubro de 2010 que o Ministério da Saúde a incluiu entre as recomendações de medicamentos antiaids, como forma de prevenção ao HIV após uma situação de risco. Só que de "pílula do dia seguinte" ela tem muito pouco. Por quê? 

A profilaxia pós-exposição é um tratamento emergencial indicado para todas as pessoas que tiveram exposição ao vírus da aids, seja em caso de violência sexual, acidentes ocupacionais (principalmente profissionais de saúde que entraram em contato direto com sangue de pacientes) ou, ainda, em decorrência de uma relação sexual desprotegida. Para funcionar, no entanto, a PEP precisa ser iniciada em até 72 horas após a exposição, sendo que o recomendado é que ela tenha início o mais rápido possível. Depois de receber os medicamentos, o paciente deve toma-los meticulosamente ao longo de 28 dias para que a infecção não ocorra, ao contrário do que acontece com a verdadeira pílula do dia seguinte, que como o próprio nome diz, só precisa ser usada no dia que sucedeu o sexo desprevenido para evitar a fecundação do óvulo. Durante este quase um mês de terapia, podem aparecer alguns efeitos colaterais, como náuseas e vômitos, embora cada organismo responda ao tratamento de forma diferente. 

 

 

De acordo com Fábio Mesquita, diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, o objetivo da distribuição unificada é facilitar o acesso, torna-lo universal e evitar que alguns postos de saúde especializados se recusem a fornecer a medicação por acreditarem que devem atender somente a soropositivos já em tratamento. "A maior parte das recusas ocorria para pessoas que recorriam aos serviços após manter relações sexuais desprotegidas", disse em coletiva de imprensa. Contudo, é importante ressaltar que não é porque existe um remédio para evitar a infecção que se pode deixar de tomar as precauções tradicionais, como o uso de preservativos, justamente pela razão de que, como tudo em saúde, não há garantia de 100% de eficácia no tratamento com qualquer medicação. 

Como parte dessa nova estratégia, o Ministério da Saúde vai lançar em dezembro um aplicativo com orientações sobre os postos de distribuição mais próximos. Em 2016, o órgão espera implementar uma nova estratégia para o controle de HIV no país: o uso da profilaxia pré-exposição, que consiste no uso diário de um medicamento antirretroviral como forma adicional de prevenção ao vírus, além do preservativo. A PrEP, como é chamada, está em fase de estudos e não tem previsão de comercialização no Brasil. 


Fonte: Minha Vida

FMS confirma dois casos de chikungunya em Teresina

A confirmação foi divulgada agora há pouco pela Fundação Municipal de Saúde de Teresina. O resultado dos exames feitos pelo laboratório Evandro Chagas, em Belém-PA, deu positivo para dois pacientes que residem na zona sudeste da capital piauiense. Esse laboratório é referência no Brasil em análise laboratorial da referida doença. Os resultados dos exames retornaram na noite de ontem (22) para Teresina e são sinais de alerta para as autoridades de saúde e para a população. Uma equipe da Fundação Municipal de Saúde já visitou os pacientes e relata que eles estão bem. A Febre Chikungunya é uma doença parecida com a dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado e, menos comumente, pelo mosquito Aedes albopictus. Seus sintomas são semelhantes aos da dengue: febre, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça, apatia e cansaço.Porém, a grande diferença da febre chikungunya está no seu acometimento das articulações: o vírus avança nas juntas dos pacientes e causa inflamações com fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.

 

Mosquito aedes aegypti


De onde veio a doença?
O vírus CHIKV foi identificado em ilhas do Caribe e Guiana Francesa, país latino-americano que faz fronteira com o Estado do Amapá. Isso quer dizer que a febre chikungunya pode ter migrado por essa via ou devido aos grandes eventos esportivos que o Brasil sediou. Assim, os mosquitos Aedes aegypti e o Aedes albopictus têm todas as condições de espalhar esse novo vírus.

Fiocruz lançará concurso com 600 vagas e salário acima de R$ 7 mil

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que é ligada ao Ministério da Saúde, aguarda autorização do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão para abrir um novo processo seletivo com intenção de contratar 600 profissionais para atuarem em cargos de nível médio, superior e doutorado. A solicitação já foi emitida desde o ano passado.

Depois de passar pelos setores de: Gabinete do Ministro – GM/MP; Assessoria Técnica e Administrativa – Astec/GM; Secretaria Executiva 22; Secretaria Executiva SE/MP; Secretaria de Gestão Pública SEGEP/MP; Gabinete da Secretaria de Gestão Pública GABIN/SEGEP e Departamento de Modelos Organizacionais e Força de Trabalho dos Setores Social e de Desenvolvimento Econômico Produtivo - DESEP/SEGEP, a solicitação está em análise no Arquivo da Coordenação Administrativa e Informação – Arquivo/COADI/GABIN/SEGEP, desde fevereiro deste ano.

Das 600 vagas ofertadas, 500 ficarão disponíveis para profissionais com nível superior. Serão 300 ofertas para tecnologista, 50 para analista e 150 para pesquisador. Fisioterapeutas, Enfermeiros, Dentistas, Nutricionistas, Farmacêuticos e outros profissionais de saúde poderão concorrer ao cargo de tecnologista em saúde pública, cujo salário pode chegar a mais de R$ 7.000,00.  As cidades de atuação dos profissionais serão as cidades com unidades da Fiocruz, sendo Rio de Janeiro (RJ), Recife (PE), Manaus (AM), Salva dor (BA), Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR) Fortaleza (CE), Campo Grande (MS), Teresina (PI), Porto Velho (RO) e Brasília (DF).

 

 

Última seleção da Fiocruz
A última seleção feita pela Fiocruz aconteceu em 2014, com 400 vagas sendo ofertadas com remunerações que partiam de R$ 3.224,57 e chegavam a R$ 14.813 por 40h semanais. A seleção foi composta por uma prova objetiva, uma discursiva e outra prática, além de análise de títulos e currículo. Os aprovados na última seleção atuaram nas cidades do Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Recife (PE), Porto Velho (RO), Manaus (AM), Curitiba (PR), Campo Grande (MS), Salvador (BA), Fortaleza (CE) e Brasília (DF). 

 

Fonte: Editora Sanar

Empresa americana cria mini-respirador para pacientes com apneia

Uma startup de Massachusetts, nos Estado Unidos, desenvolveu um respirador que promete proporcionar melhor conforto aos pacientes que sofrem com apneia, um distúrbio que afeta a qualidade do sono e pode causar até danos no cérebro.

A funcionalidade do Airing, como foi batizado o produto, é a de facilitar a entrada de ar no organismo do paciente enquanto ele dorme. No entanto, por meio da tecnologia, seus desenvolvedores garantem que o produto pode funcionar por mais de 8 horas. Chama a atenção também o tamanho reduzido do aparelho, o que não incomoda a pessoa que eventualmente use o produto.

 

 

A esperança da empresa é aumentar o uso do dispositivo entre os portadores de apneia e demais distúrbios respiratórios. Isso porque, segundo pesquisa feita pela própria startup, 50% dos pacientes que necessitam das máscaras de oxigênio - aplicadas tradicionalmente nesse tipo de tratamento durante o sono - as abandonam porque elas são consideradas desconfortáveis.

Para dar sequência ao desenvolvimento do aparelho e projetar sua comercialização, a empresa buscou fundos entre os usuários da internet criando uma campanha de financiamento coletivo no site Indiegogo.

 

Fonte: Estadão

ENTREVISTA: Cardiologista diz o que reduz os riscos de doenças cardíacas

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), as doenças cardiovasculares são as principais causas mundiais de morte. No Brasil, 300 mil pessoas morrem anualmente, ou seja, um óbito a cada dois minutos é causado por esse tipo de enfermidade. A nossa entrevista de hoje é com o médico cardiologista, Elisiário Júnior. Ele tem especialização em Cardiologia pelo Hospital da Beneficência Portuguesa em São Paulo e especialização em Cardiologia pela Sociedade Brasileira de Cardiologia.

 

médico cardiologista, Elisiário Júnior


MARCELO FONTENELE - Quais as doenças, relacionadas ao coração, mais comuns aqui no Brasil? 

DR. ELISIÁRIO JÚNIOR - As doenças cardiovasculares, dentre elas o AVC e Infarto Agudo do Miocárdio (IAM), são as principais causas de morte no mundo. Estima-se que no Brasil, a cada ano, 450.000 pessoas morrem devido à eventos cardiovasculares. Dentre as principais doenças correlacionadas, destacam-se o diabetes, a hipertensão arterial, a dislipidemia.

 

MARCELO FONTENELE - Quais os fatores de risco dessas doenças?

DR. ELISIÁRIO JÚNIOR - O principais fatores de risco são o sedentarismo, a obesidade, tabagismo, stress e o consumo exagerado de bebidas alcoolicas.

 

MARCELO FONTENELE - Aqui no Piauí, a realidade é a mesma nacional? Ou existe algum diagnóstico diferenciado com relação às doenças cardiovasculares mais comuns?

DR. ELISIÁRIO JÚNIOR - No Piaui, a realidade se assemelha, embora não tenhamos nenhuma estatística a respeito.

 

 

MARCELO FONTENELE - A todo instante vemos especialistas em diferentes meios de comunicação dando o alerta sobre o sedentarismo e a má alimentação. O que ainda falta para as pessoas terem mais cuidado com a própria saúde?

DR. ELISIÁRIO JÚNIOR - Falta à população saber que a prática regular de atividade aeróbicas, por pelo menos 40 minutos 3 x por semana , reduz significamente o risco cardiovascular, pois ajuda a diminuir o peso, melhora o stress e aumenta a expectativa de vida.


MARCELO FONTENELE - Muita gente pensa que a hipertensão atinge apenas pessoas acima dos 40 anos...

DR. ELISIÁRIO JÚNIOR - A hipertensão arterial atinge todas as faixas etárias, sendo mais prevalente após a quinta década de vida. Vale ressaltar que 6 % das crianças são hipertensas e 34 % dos adultos jovens também são.

 

MARCELO FONTENELE - E alguns hipertensos sabem que têm o problema e ainda assim teimam em não fazer o tratamento medicamentoso. Quais os riscos para esse tipo de paciente?

DR. ELISIÁRIO JÚNIOR - Os pacientes relutam em iniciar o tratamento pelo fato da hipertensão arterial tratar-se de uma doença silenciosa, ou seja, não provoca sintomas. No Brasil, somente 10 % dos brasileiros hipertensos estão com sua pressão arterial adequadamente controladas. Isso configura-se uma risco muito alto para Acidente Vascular Cerebral-AVC (60% dos casos decorre de Hipertensão Arterial Sistêmica-HAS e 40 % dos infartos também decorre de HAS).

 

 

MARCELO FONTENELE - Em que situações a cirurgia cardiovascular é inevitável?

DR. ELISIÁRIO JÚNIOR - A cirurgia de revascularização é indicada naqueles pacientes com múltiplas obstruções nas artérias coronárias e se o mesmo for diabético. Em casos de uma única lesão ou duas, a angioplastia coronária pode ser útil.

 

MARCELO FONTENELE - O que é a aterosclerose? É uma doença comum?

DR. ELISIÁRIO JÚNIOR - A aterosclerose caracteriza-se por placas de ateroma ( constituida na sus maioria por colesterol ) que obstrui a luz dos vasos provocando AVC e HAS.

 

MARCELO FONTENELE - Quais as suas recomendações gerais para que a pessoa se previna contra as doenças cardiovasculares?

DR. ELISIÁRIO JÚNIOR - As principais recomendações consiste em abandonar imediatamente o tabagismo, controlar o diabetes e a hipertensão arterial, Diminuir o consumo de álcool e reduzir o peso. Praticar atividades físicas aeróbicas e  reduzir o stress.

Posts anteriores