Cidadeverde.com

Crise de rinite alérgica? Tome chá verde!

O chá verde tem numerosas propriedades para a saúde e baixo teor de teína, por isso pode ser consumido habitualmente. Em casos de rinite alérgica, o chá verde contém um composto que impede a produção de histamina, diminuindo e aliviando a reação e os sintomas da alergia. Consuma duas ou três xícaras diárias deste chá. Você também pode optar pelo extrato ou por comprimidos de chá verde.

Dicas para se prevenir da gripe H1N1

- Lavar sempre as mãos, principalmente após tossir e espirrar. Para lavar a mão, deve-se utilizar água e sabão ou, ainda, álcool 70%. Para utilizar o álcool, é importante não estar com as mãos visivelmente sujas;

- Utilizar lenços descartáveis;

- Deixar o ambiente sempre ventilado;

- Cobrir boca e nariz sempre que espirrar ou tossir;

- Não tocar na região dos olhos, nariz e boca sem que a mão esteja limpa;

- Não compartilhar objetos de uso pessoal, como garrafas, copos e talheres;

- Evitar contato com pessoa doente, evitando abraços, beijos e apertos de mão;

- Evitar aglomerações em épocas em que o número de casos da doença for alto.

CEIR vai realizar curso de atendimento de Crianças e Adolescentes com autismo

Para fortalecer ainda mais a vivência do tratamento do Transtorno do Espectro Autista (TEA), o Ceir realizará, de 23 a 25 de maio, o II Curso de Atendimento de Crianças e Adolescentes com Transtorno do Espectro Autista: Ênfase em Análise do Comportamento Aplicada (ABA). O evento é voltado para profissionais e acadêmicos de Psicologia, Fonoaudiologia, Terapia Ocupacional, Educação Física, Serviço Social, Musicoterapia, Pedagogia, Arteterapia e áreas afins, bem como pais e/ou cuidadores de pacientes atendidos pelo Ceir. As inscrições já estão abertas no site http://www.reabilitar.org.br/eventos/, até o dia 16 de maio. Após essa etapa, serão abertas inscrições presenciais no Ceir até o dia 23 de maio. 

Uma cozinha bagunçada pode fazer você comer mais

Muita gente fica estressada ao entrar em um ambiente bagunçado. E será que esse estresse faz as pessoas descontarem em outras coisas, como na comida? Um estudo quis entender como uma cozinha caótica influenciava na quantidade de lanchinhos que uma pessoa comia. Os testes indicaram que quem estava nesse ambiente bagunçado ingeria mais calorias do que quem estava cercado por organização. O estudo dividiu 101 alunas de graduação em dois grupos. Em um deles, elas tiveram que relembrar e escrever sobre um episódio em que saíram do controle enquanto, no outro, descreveram um momento em que tomaram as rédeas da situação. Parte das participantes também foram colocadas em uma cozinha quieta, limpa e organizada, enquanto outras em uma cozinha caótica, com louça suja na pia, jornais velhos e um telefone tocando. Nos ambientes, havia biscoitos, bolachas salgadas e cenouras para degustar.

As participantes que estiveram na cozinha caótica e relembram momentos estressantes em que saíram do controle consumiram 65 mais calorias de biscoito do que as que tiveram o gatilho da lembrança positiva e permaneceram na cozinha limpa. Não houve diferença para o consumo de bolachas salgadas e cenouras. "Apesar do fato de um ambiente caótico criar uma vulnerabilidade para fazer escolhas alimentares não-saudáveis, trazer à mente certos pensamentos nesses locais pode tanto disparar ou proteger dessa vulnerabilidade", explicou o resumo da pesquisa, que foi feita em parceria entre a Universidade de Nova Gales do Sul, na Austrália, e a Universidade Cornell, nos EUA.


Fonte: Minha Vida

Entenda o tratamento estético dentário com laminados de porcelana

Tratamento estético com laminados de porcelana. Qual a durabilidade?

O amplo conceito de saúde aborda aspectos que vão muito além da ausência de doença, tais como psicológicos e sociais que influenciam diretamente a qualidade de vida. Dessa forma, destaca-se a importância de uma boa aparência estética, onde o sorriso assume um papel relevante. O sorriso é uma das mais importantes expressões faciais e é essencial para externar diversas emoções. A presença de um belo sorriso, que alia o aspecto saudável de tecidos orais (dentes e gengiva), função e a sua relação harmônica com a face, pode promover um papel fundamental na melhora da autoimagem, umento da autoestima e uma maior interação social. 

A odontologia tem evoluído muito no sentido de proporcionar a construção de sorrisos cada vez mais naturais e estéticos, em grande parte, devido aos avanços das cerâmicas odontológicas (porcelana). A cerâmica é um material biologicamente compatível com os tecidos orais e presenta características visuais idênticas aos dentes naturais. Diversas opções de tratamento podem ser realizadas com esse material, dentre elas,  podemos destacar os laminados cerâmicos, popularmente conhecido como facetas ou lentes de contato dental. O tratamento consiste no recobrimento da superfície externa do dente, com uma restauração cerâmica após um mínimo desgaste. Esse procedimento está indicado para modificação na forma, posição, cor e pequenas imperfeições dos dentes, além do fechamento de diastemas (espaço entre os dentes).

Estudos recentes relatam um índice de sucesso de quase 95% em tratamentos com laminados cerâmicos realizados há 10 anos. A durabilidade desse tipo de tratamento está intimamente relacionada com a higiene, frequência de visitas preventivas ao dentista e hábitos não funcionais, como roer as unhas e morder objetos. Além disso, condutas clínicas realizadas pelo cirurgião-dentista podem influenciar no sucesso a longo prazo desse tipo de
tratamento. Visando proporcionar tratamentos cada vez mais duradouros e alcançar melhores resultados estéticos, um grupo de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Odontologia da Universidade Federal do Piauí tem conduzido estudos que podem indicar alterações na conduta clínica durante a realização de tratamentos com cerâmicas odontológicas e promover índices de sucesso ainda maiores.

 

 

Daniel Fernandes Falcão
Aluno do Programa de Pós-Graduação em Odontologia - UFPI

 

Carmem Dolores Vilarinho Soares de Moura

Professora do Programa de Pós-Graduação em Odontologia – UFPI

Posts anteriores