Cidadeverde.com

Lesões de pele e tratamento de feridas são temas de evento na Uespi

A Universidade Estadual do Piauí em parceria com a Fundação Municipal de Saúde de Teresina (FMS), do Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e do Conselho Nacional de Enfermagem,  realizará entre os dias 23 a 25 de novembro, a II Mostra Piauiense sobre Prevenção e Tratamento de Lesões de Pele e o II Concurso Piauiense de Experiências Exitosas na Prevenção e Tratamento de Feridas. O evento acontece no auditório do Centro de Ciências da Saúde/CCS.

Profissionais da voz são os que mais sofrem com a disfonia

As alterações da voz podem ter um grande impacto sobre o dia a dia e podem afetar crianças, adultos e idosos em qualquer momento da vida. Entre elas, podemos destacar a disfonia, principal sintoma de distúrbio da comunicação oral. Chamada erroneamente de “afonia”, a disfonia é um transtorno que altera a qualidade da voz, mas não a faz desaparecer por completo. Diversos sinais e sintomas indicam a presença de alterações. Os principais são afonia (perda da voz); rouquidão; cansaço e esforço ao falar; dificuldade de projetar a voz; falhas na emissão da voz; variações descontroladas da frequência (agudo/grave) da voz e sensações desagradáveis à emissão.


Existem dois tipos de disfonias: as funcionais e as orgânicas. As primeiras surgem devido a complicações na laringe, causadas por nódulos, pólipos, cistos, edemas ou úlceras ou problemas de timidez, espasmódicos, psiquiátricos etc. No caso das disfonias orgânicas, ocorrem devido à uma lesão nos órgãos responsáveis pela fonação, ou no caso de doenças congênitas na laringe ou extra laringe, por problemas hormonais, neurológicos ou traumáticos, por exemplo. O indivíduo que apresenta disfonia deve passar por uma avaliação otorrinolaringológica, a fim de definir o diagnóstico médico laríngeo, e uma avaliação fonoaudiológica, que irá descrever a função vocal.


Segundo a fonoaudióloga Michele Isaias, dependendo do diagnóstico pode ser indicado tratamento medicamentoso e/ou cirúrgico, e o tratamento médico pode ser associado a fonoterapiapré ou pós intervenção. “Os exercícios são feitos de acordo com a patologia ou alteração que o paciente apresenta”, explica a fonoaudióloga. O tratamento fonoaudiológico visa melhorar o uso da voz, reduzir e eliminar ajustes musculares inadequados, absorver lesões da laringe (diminuindo a necessidade do uso de técnicas cirúrgicas invasivas) e prevenir futuras lesões da laringe.

Fonoaudióloga Michele Isaias


Michele Isaias destaca ainda dicas de como evitar essa alteração a nível de prega vocal. “Os profissionais da voz devem realizar avaliação com a fono para uma higiene vocal, que irão prevenir patologias a nível de prega vocal e uma futura disfonia do mal uso da voz como beber bastante água, falar alto ou gritar”. “Por exemplo, um cantor deve evitar mais de 1h de ensaios sem pausas. O advogado ou apresentador de televisão, que se usar uma roupa com o colarinho e a gravata muito apertada, pode gerar uma tensão e lesionar a prega vocal. Ou durante uma caminhada o uso cardio respiratório é grande e fazer o exercício físico com conversas associadas, leva a um esforço devido ao pouco escape de ar. Tudo para que a projeção da voz saia mais alto o que consequentemente fará uma fadiga e a longo de meses irá gerar uma disfonia”, exemplifica a fonoaudióloga Michele Isaias.


Outra dica importante de higiene vocal é evitar o uso de pastilhas e sprays que tem a função de mascarar a dor e gerar um conforto vocal. “Quando for fazer o uso da voz e passar o efeito de mascaramento, a qualidade da voz estará pior por conta do abuso que o paciente fez sem perceber que estava fadigando a musculatura por conta do efeito anestésico”, alerta Michelee lembra que a rouquidão persistente não é normal e demanda a procura por profissional de saúde especializado na área para acompanhamento e tratamento. A prevenção é o melhor caminho para a manutenção de uma voz saudável.

 

Governador assina projeto do piso salarial para farmacêuticos

O governador Wellington Dias assinou um projeto de lei que cria o piso salarial farmacêutico. A pasta será encaminhada à Assembléia Legislativa para votação e, sendo aprovada, volta para sanção do Palácio de Karnak. O projeto foi uma proposição da diretoria do Conselho Regional de Farmácia (CRF-PI), presidida por Ítalo Rodrigues, que articulou junto ao executivo a criação da proposta. O Piauí é o único estado do país que não possui piso salarial da categoria ou acordo coletivo. De acordo com a pasta, os valores ficarão de R$ 1.600 mensais para jornada de 4 horas diárias ou 20 horas semanais, R$ 2.600 para jornada de 6 horas diárias e 30 horas semanais, e R$ 3.200 para 8 horas diárias e 40 horas semanais.

Pesquisa: uma taça de vinho equivale a uma hora na academia

Uma pesquisa da Universidade Alberta, do Canadá, está dando o que falar. É que o estudo revela que uma taça de vinho tinto tem efeitos equivalentes no corpo ao que se obtém em uma hora de academia. Líder da pesquisa, Jason Dyck alega que isso é decorrente das altas quantidades de resveratrol (poderoso antioxidante) presente na bebida. O pesquisador explica ainda que os benefícios obtidos com o resveratrol são similares aos proporcionados pela academia, ou seja, eles melhoram a performance física, aumentam os batimentos cardíacos e atuam sobre a  força muscular, do mesmo modo que um exercício.

Mas isso, de forma alguma, pode servir de desculpa para abandonar o exercício físico e ficar com o happy hour. A polêmica descoberta dos canadenses deve beneficiar apenas pessoas com alguma deficiência física, já que, segundo Dick, o resveratrol pode simular um exercício ou potencializar os benefícios de alguma atividade que a pessoa com restrição física faça. Se esse não é o seu caso, o jeito é beber uma tacinha, mas não deixar de malhar, em hipótese alguma.


Fonte: Veja
Edição: Marcelo Fontenele

Rinoplastia melhora a autoestima e realiza correções nasais

A rinoplastia é a cirurgia plástica indicada para correção estética e funcional do nariz, promovendo um resultado harmônico com o rosto e natural. A cirurgia é realizada respeitando o desejo do paciente e a análise médica. O otorrinolaringologista, Dr. Erick Barros, pontua que a cirurgia é indicada para quem está insatisfeito com o formato natural do nariz, aumentando a autoestima. “Sugerimos para pacientes que possuem o nariz desarmônico com as demais características faciais ou para a correções nasais, como por exemplo a correção do septo nasal”, ressalta.

Médico otorrinolaringologista, Dr. Erick Barros

O médico enfatiza que para realizar o procedimento o paciente passa por uma série de exames necessários como exames de sangue e avaliação cardiológica, dosagem de sódio, potássio, ureia, bem como creatinina e coagulograma. Pode ser necessário também algum exame de imagem, como a tomografia computadorizada, para avaliar com mais detalhes a estrutura nasal. Nos casos em que estão associadas cirurgias funcionais, como a correção do septo nasal, serão necessários: raio-x da face e nasofibroscopia. Em geral, a rinoplastia pode ser feita a partir dos 15 e 16 anos de idade, pois o desenvolvimento facial do paciente já está concluído. A cirurgia é contraindicada para pacientes que apresentem doenças prévias em fase aguda, mulheres em fase de amamentação e ainda pessoas em uso de medicamentos anticoagulantes.

Posts anteriores