Cidadeverde.com

Fundação Municipal de Saúde monitora água consumida na zona norte da capital

O Laboratório de Águas de Teresina Dr. Klebert Passos, vinculado a Fundação Municipal de Saúde (FMS), realizou na região do bairro Nova Brasília, zona Norte da capital, uma pesquisa para o controle maior da água disponibilizada para consumo humano naquela área da cidade. A ação fez parte das atividades realizadas pelo projeto Lagoas Ambiental, desenvolvido pela Prefeitura de Teresina na área de abrangência do Programa Lagoas do Norte. “Nós realizamos na região, além de ações de educação em saúde e educação ambiental, uma pesquisa com o objetivo de saber como as famílias usam a água e qual o destino da mesma. E também analisar a qualidade da água consumida”, disse Raniere Carvalho, biólogo do Laboratório de Águas da FMS.

 
Durante a pesquisa realizada no bairro Nova Brasília, a equipe do Laboratório de Águas de Teresina colheu amostras de água em quatro casas e também em dois reservatórios que abastecem o bairro, que ficam no Morro da Esperança e no Risoleta Neves. “Os reservatórios são de responsabilidade da Agespisa. Neles não verificamos alteração físico-química ou mocrobiológica, segundo a Portaria nº 2914/2011 do Ministério da Saúde. Mas a água que chega ao consumidor tem quantidade inadequada de fluoreto. Nós já notificamos o órgão responsável pelo tratamento da água para que eles possam analisar o que está acontecendo na rede de distribuição”, explicou Raniere Carvalho.

 


 
A água para consumo humano em Teresina é monitorada e desde o começo deste ano as amostras são analisadas no Laboratório de Águas Dr. Klebert Passos. “Agora realizamos todo o processo: coleta e análise das amostras de água. Antes o material era enviado para laboratório estadual”, disse a gerente de Vigilância Ambiental da FMS, Lina Vera Oliveira Aragão.
 
Ao todo, quatro biólogos e quatro técnicos de saneamento fazem o monitoramento de todas as formas de abastecimento de água aos quais os seres humanos têm acesso, desde a água distribuída pela Agespisa até caminhões pipas e poços. “A finalidade do laboratório é de vigilância, porque o controle da qualidade da água é feito pelas distribuidoras de água”, afirmou Lina Vera Oliveira Aragão.
 
O controle da água realizado pela concessionária de Teresina é auditado pelo laboratório da FMS. O laboratório realiza, também, inspeções sanitárias nas Estações de Tratamento de Água (ETAs), investiga situações de surtos e a sua relação com doenças de veiculação hídrica; identifica eventos que condicionam e/ou determinam situações de risco para a saúde ambiental relacionado à água de consumo humano e realiza o monitoramento ambiental para o vibrião colérico.


Fonte: Fundação Municipal de Saúde

Cinesioterapia ajuda a tratar gordura localizada e flacidez

Dentro dos objetivos estéticos, é importante considerar que a avaliação precisa ser específica, individual e minuciosa. A fisioterapia tem capacidade de enxergar o indivíduo como um todo, considerando que uma simples queixa de gordura localizada em uma região corporal pode estar agravada por alteração postural, fraqueza muscular que altera a postura, encurtamento muscular ou outros. Na alteração postural, por exemplo, mesmo que o quadro esteja relacionado ao aparelho locomotor, disfunção de coluna vertebral ou alteração na postura dos pés, cabe considerar um quadro de fraqueza muscular tratável, por exemplo, auxiliando na resolução do caso e consequentemente atuando com mudanças sobre a disposição da gordura em determinada área corporal. 

Alguns exercícios de mímica facial também são interessantes no tratamento do quadro de flacidez. O aspecto de flacidez de pele muitas vezes conta com um quadro de flacidez muscular, o que pode acarretar no aspecto ?caído? de algumas áreas do rosto, por exemplo. Não se pode considerar que há culpa exclusiva da fraqueza muscular para os quadros de flacidez cutânea, mas o fortalecimento muscular da região apontada potencializa positivamente de forma expressiva o aspecto visual dessa área. Isso também pode ocorrer no quadro de flacidez glútea, no qual normalmente podem-se visualizar os dois casos de flacidez. Quando solucionado o problema de flacidez muscular com a cinesioterapia ou outros, muitas vezes observa-se melhora do aspecto da pele daquela região. Em áreas de braço e abdome também se observam essas considerações. O tônus muscular (estado de tensão normal do músculo) também é tratável pela cinesioterapia e colabora muito na atuação muscular corporal. 

 

 

As cicatrizes quando geram aderências ou são imóveis refletem diretamente no movimento de uma área. A liberação dessas cicatrizes, mesmo pequenas ou de maior tamanho, através do movimento, facilita muito outros mecanismos, como a adoção postural correta, que pode interferir na disposição de tecido adiposo em determinada área, não sendo especificamente ou somente gerada por fraqueza muscular. 

A liberação de tensões musculares com uso de movimentos e técnicas manuais também é de grande importância e colaboração ao relaxamento muscular num pós-operatório de cirurgia estética, dependendo da região. A cirurgia tendo sido feita em membros superiores ou mama exige a fixação de uma mesma posição ou postura por tempo extenso e determinado, sendo necessária a liberação de tensões musculares e também, mesmo que mais tardio, o fortalecimento muscular. Em qualquer que seja o pós-cirúrgico, é importante o fisioterapeuta avaliar as perdas de função muscular, por exemplo, e atuar diretamente na área da cirurgia com atividade específica liberada pelo cirurgião, com o movimento, trazendo de volta a função e movimentos básicos e mais específicos, através da cinesioterapia ou exercícios terapêuticos. 

É de clara observação que pela fisioterapia o indivíduo, ainda que somente com queixas estéticas, deve ser notado e avaliado com um todo, considerando disfunções diversas e a resolução das mesmas no tratamento estético, sendo viável associar técnicas que auxiliem essa resolução. 

 

 

Fonte: Minha Vida

Edição: Marcelo Fontenele

Jovem com Síndrome de Down vai desfilar na Semana de Moda de New York

Ela tem 18 anos de idade e um carisma de encantar qualquer pessoa! O nome dela é Madeline Stuart, australiana, prova de superação e de força de vontade. A jovem, portadora de Síndrome de Down quebrou barreiras e foi selecionada para desfilar na concorrida Semana de Moda de Nova York, nos Estados Unidos. Para isso, ela se dedicou na dieta e perdeu 20 quilos. Com o contrato assinado, ela entra na história ao romper barreiras no mundo da moda que é cheio de exigências. O evento vai acontecer em outubro e a participação de Madeline Stuart será por meio da Fundação Christopher Reeve. Outra modelo com Síndrome de Down já havia participado desse mesmo evento, Jamie Brewer. Confira algumas fotos de ensaios da nossa modelo especialíssima:

 

 

 

Pesquisa revela que música funciona como analgésico após cirurgias

Uma boa música para, literalmente, relaxar. Essa pode ser uma boa estratégia para aliviar as dores e incômodos de uma cirurgia, segundo uma pesquisa realizada na Grã-Bretanha. Ouvir música antes, durante e depois de uma operação pode ajudar a reduzir a dor, apontaram pesquisadores da Universidade Queen Mary em Londres num estudo recente. De acordo com o resultado, pacientes que ouviram música durante o procedimento ficaram menos ansiosos depois da cirurgia e não precisaram tomar tantos analgésicos. O estudo foi divulgado na publicação científica Lancet. Segundo os pesquisadores, a música foi eficaz até mesmo quando pacientes estavam sob efeito de anestesia geral. O Ministério da Saúde britânico disse que médicos deveriam levar em consideração as descobertas da pesquisa.


"É um estudo muito interessante. Esperamos que médicos levem os resultados em consideração, porque queremos que os pacientes tenham a melhor recuperação possível após uma cirurgia", disse um porta-voz do ministério. Os cientistas querem que hospitais sugiram em folhetos informativos que os pacientes tragam consigo aparelhos para ouvir música ali. A equipe fez 70 testes com cerca de 7 mil pacientes por volta do horário da cirurgia, comparando uma variedade de músicas 'suaves' com o descanso na cama sem perturbação, fones de ouvido sem música, ruído branco e cuidados de rotina. Apesar de ter havido um efeito no estresse na dor, a música não conseguiu reduzir o tempo que o paciente ficava no hospital.

 


'Seguro e barato'
Catherine Meads, principal autora do estudo, disse que um álbum do Pink Floyd – "Dark Side of the Moon" – ajudou a aliviar suas dores três horas depois de uma cirurgia de quadril em abril. "A música é uma opção segura, barata e não invasiva que deveria estar disponível para todos que passam por uma cirurgia", disse ela. Segundo Meeds, o que mais surpreendeu no estudo foi que a música funcionou até mesmo quando os pacientes estavam sob efeito de anestesia geral. Os pesquisadores vão aprofundar esse estudo com outra pesquisa no Royal London Hospital ainda neste ano. Cerca de 40 mulheres que passarem por uma cesariana ou uma histeroscopia terão a chance de ter sua lista de músicas conectadas em um travesseiro com caixas de som embutidas. A autora da pesquisa, porém, ressaltou que é importante tomar cuidado para que a música durante a cirurgia não atrapalhe a concentração nem a comunicação entre médico e equipe na operação. Hazim Sadideen, cirurgião plástico do Hospital da Universidade de Birmingham que também pesquisou sobre o papel da música, disse que a pesquisa traz resultados bastante úteis. "Passar por cirurgias, sejam elas pequenas ou grandes, trazem muito estresse. A música pode ser usada como algo a mais para melhorar a experiência do paciente, mas claro, isso se ele concordar em ouvir música no procedimento."


Fonte: BBC Londres

Médico analisa como Teresina se tornou referência em saúde

“A área de Saúde exige dedicação intensa, estudo constante, vocação inata e humanismo supremo. Mas, acima de tudo, para ser um profissional competente, é preciso estudar e se atualizar muito, sempre, até o fim da vida”. Com essa constatação, a jornalista Aldenice Sousa fez essa entrevista especial sobre os 163 anos de Teresina. O convidado foi o professor Mestre Isânio Vasconcelos Mesquita, médico ortopedista e Coordenador de Ortopedia e Traumatologia do Curso de Medicina da UESPI.

 

 

1 – Teresina é considerada um polo de referência em Saúde para todo o país. Na sua opinião, que fatores favoreceram o crescimento do setor de saúde na capital?

DR, ISÂNIO VASCONCELOS - Diversos fatores contribuíram para tornar a área de Saúde em Teresina muito desenvolvida do ponto de vista técnico, científico e tecnológico, a começar por aspectos históricos, tendo como marco inicial desse avanço a inauguração de um hospital de grande porte (o Hospital Getúlio Vargas) já na década de 50, quando a maioria das capitais do Nordeste ainda não possuía estrutura hospitalar adequada. Além disso, a localização geográfica central de Teresina, situando-se mais próxima das cidades interioranas dos outros Estados do que as próprias capitais praianas, gerou um grande afluxo de pacientes advindos da circunvizinhança, o que acabou também por trazer a necessidade de tratar e lidar com os mais variados e complexos tipos de patologias, alavancando o estudo e progresso científico.

Advindo dessa necessidade, surgiu conjuntamente em nosso Estado o desenvolvimento do ensino na área de Saúde, levando o Piauí a tornar-se polo de referência não só em Saúde, mas também no Ensino desta área, o que, por sua vez, resulta na formação de profissionais de alta qualidade e interessados em permanecerem se aprimorando sempre, já que o próprio mercado também passa a exigir atualização constante. Então forma-se um ciclo onde cada fator contribui em uníssono para um mesmo resultado: um padrão de excelência na área de Saúde de nossa capital.

 

2- Em contraste com o crescimento, a saúde também enfrenta desafios. Quais seriam os principais desafios da área em Teresina?

DR, ISÂNIO VASCONCELOS - Manter um padrão-ouro é, por vezes, mais difícil que atingi-lo, especialmente em épocas onde os investimentos nos setores de saúde muitas vezes entram em conflito com as crescentes demandas, bem como com a necessidade de acompanhar os avanços que a tecnologia passa a oferecer à área da Saúde, com métodos diagnósticos e terapêuticos precisos e sofisticados, porém de alto custo, medicamentos de última geração, mas por vezes escassos ou ausentes nos serviços de saúde e inacessíveis à grande maioria da população, e até mesmo a necessidade de investimentos elevados na formação e no treinamento dos profissionais desde a graduação, especializações e pós-graduações, incluindo nesta formação uma visão de saúde coletiva, prevenção de doenças e sanitarismo, sem esquecer a necessidade de levar os recursos mais especializados àqueles que necessitam.

Por outro lado, começam a surgir as consequências das mudanças no estilo de vida de nossa população, com um maior uso de produtos industrializados, tabagismo, sedentarismo e fatores que o progresso nos traz, ocasionando junto com eles uma grande elevação na taxa de enfermidades crônicas, como diabetes e doenças cancerígenas. Se por sua vez a expectativa de vida da população aumentou, também ocorreu um incremento nas patologias próprias da terceira idade, como doenças degenerativas, escleroses, Parkinson e outras. E, para agravar esse quadro, vivemos uma súbita e assustadora elevação na taxa das chamadas “doenças do trauma”, em sua maioria advindas de acidentes automobilísticos e motociclísticos cada vez mais frequentes nas cidades que crescem em ritmo acelerado como nossa capital, gerando desafios cada vez maiores aos profissionais que lidam com a prevenção e tratamento dessas patologias.


3- Como a Saúde se relaciona com outras áreas, como por exemplo a tecnologia, cujos avanços tem impacto no tratamento e recuperação dos pacientes. Ou ainda, o esporte, considerando que o senhor tem ampla experiência em Ortopedia?

DR, ISÂNIO VASCONCELOS - A Saúde mantem intensa relação com todas as áreas, e muito estreitamente com a tecnologia, onde os avanços permitem hoje monitoramentos de vários processos e afecções, diagnósticos cada vez mais precoces e precisos, exames laboratoriais mais específicos, exames de imagens tridimensionais de alta resolução, medicamentos menos tóxicos e mais potentes e eficazes, mapeamentos genéticos, cirurgias minimamente invasivas, videolaparoscópicas e artroscópicas, por vezes guiadas por recursos auxiliares de imagens, tudo contribuindo para a qualidade de vida e saúde da população. A engenharia genética também tem proporcionado grandes avanços em vários setores da Saúde.

Aliado a tudo isso, temos processos e equipamentos de reabilitação e fisioterápicos cada vez mais desenvolvidos, muitas vezes auxiliando a recuperação de lesões ocorridas nos esportes, área que também se beneficiou muito ultimamente através de estudos de biomecânica, análises de movimento e de marcha, equipamentos de avaliação cardio-circulatória, novas técnicas cirúrgicas menos agressivas e mais específicas, bem como materiais cirúrgicos e implantes de tecnologia avançada, modificando o padrão atual da prevenção e tratamento de diversas lesões que antes impediam o retorno às atividades de maior requisição do desempenho músculo-esquelético.

 

4- Acerca do mercado de trabalho, é notável o aumento de clínicas em Teresina, mas também há um grande número de médicos formados aqui sendo exportados para outras capitais. O que um aluno, ou jovem com interesse em ingressar na área de Saúde pode esperar do mercado de trabalho local?

DR, ISÂNIO VASCONCELOS - Como em todas as áreas, os profissionais competentes sempre terão seus espaços garantidos. A área de Saúde exige dedicação intensa, estudo constante, vocação inata e humanismo supremo. Mas, acima de tudo, para ser um profissional competente, é preciso estudar e se atualizar muito, sempre, até o fim da vida. Os jovens que assumirem desde o início estes compromissos inerentes à profissão, sem preocupações com ascensão social ou ganhos financeiros, fazendo sua área de atuação ser o seu projeto de vida, estes conseguirão realizar-se plenamente através do que fazem, e terão sempre trabalho garantido à sua espera, com a satisfação maior que está em exercer a arte de curar quando possível, aliviar muitas vezes, consolar e confortar sempre.

 

Fonte:
Assessoria de Comunicação - UESPI

Posts anteriores