Cidadeverde.com

Bolan, o astro interrompido

Marc Bolan. Talento e sucesso interrompido. Foto: Facebook

Bem no início de "Billy Elliot" somos atraídos por uma bela cena de uma criança dançando ao som de "Cosmic Dancer". Gostaria de apresentar o dançarino cósmico da bela canção de abertura desse filme.

Ele é um dos mais interessantes e obscuros personagens da história do rock. Uma mistura de místico, hippie e romântico. Só essa definição já causa deliciosa curiosidade. Ele chama-se Marc Bolan.

Influenciou mais astros da música do que você pode imaginar e lançou pelo menos dois discos que entram facilmente nas famosas e discutíveis listas. Seu talento, porém, é indiscutível.

Era um rebelde apaixonado por música que seguiu passos parecidos de outros ingleses bem famosos: montou uma banda de skiffle (tipo de música folk), ouvia Gene Vicent e Chuck Berry e tinha comportamento inconformista.

Ingleses encantadores: Elton John, Bolan e Ringo starr. Foto: Facebook

Com a explosão do movimento Mod na Inglaterra, mergulhou profundo na música. Depois de algumas experiências, funda o ‘Tyrannosaurus Rex’ ao lado do percussionista Steve Peregrine Took, logo depois substituído pelo inconfundível Mickey Finn.

Depois de um tempo praticando um som mais acústico, partiu para boa barulheira com sua guitarra singular se tornando um dos nomes mais importantes do Glam Rock. Sendo justo, um símbolo desse subgênero musical.
 
Bolan se tornou ídolo da juventude e causou um fenômeno que se comparou ao causado pela beatlemania. Em seus shows era muito comum aquela histeria coletiva que as pessoas só viam em shows dos rapazes de Liverpool.
 
Não à toa, Ringo Starr capturou tudo isso num belo filme chamado “Born To Boogie”, um dos grandes momentos na carreira do guitarrista.

“Electric Warrior” (1971) e “The Slider” (1972) são aqueles discos que citei no começo do texto.

 

Clássicos que demonstram toda potência de Bolan: Electric Warrior e The Slider. Acervo pessoal

“Jeepster”, “Get It On, “Metal Guru” e “20th Century Boy” são canções marcantes em sua carreira e tocá-las no palco exalava uma mágica que hipnotizava a audiência. (Você pode testemunhar isso no filme do Ringo)

Um surpreendente declínio do Glam Rock e a personalidade complexa do artista sabotou sua carreira e como golpe final, a incapacidade de alcançar o sucesso desejado nos EUA e de virar uma estrela internacional.

Exceto em programas especiais ou programações musicais específicas de rádio, suas músicas não tocaram por aqui. O artista não é conhecido no Brasil como deveria. 

Filme produzido e dirigido por Ringo Starr. Bolan no seu auge. Acervo pessoal

Até naquelas reuniões (chatérrimas e burocráticas) da moçada que gosta do rock clássico, sempre insistindo em tocar as mesmíssimas coisas, Bolan não comparece. Eu num güento.

Quando não consigo evitar, ando com um conjunto de placas como aquela que diz "proibido tocar Stairway to Heaven". As minhas vão de Pink Floyd, passando por Black Sabbath e AC/DC até R.E.M. e Green Day.

Marc Bolan morreu num acidente de carro num 16 de setembro em 1977, antes de completar 30 anos e penso que interrompido de virar um artista mundial. (HD)