Cidadeverde.com

Um casamento medíocre - Série quebra o estereótipo das comédias de situação (sitcom)

Precisamos falar sobre os Kevins por aí. Cartaz: Divulgação

Tenha bastante certeza (Bastante nunca é o suficiente, ok? Não esqueça) que vale a pena dar uma espiada na nova produção da Amazon: ‘Kevin Can F. Himself’.

Primeiro que o toque de criatividade narrativa já demonstra que está longe de se esgotar linguagens inventivas no ramo.

Vemos então a protagonista Allison que vive uma dupla existência ser carregada de desejos explosivos de mudança. Marido abobalhado e exigente que lhe proporciona um casamento aborrecido. Mudanças já!

Allison deve estar cantando silenciosamente uma música dos Titãs: "Será que é isso que eu necessito?". Foto: Diulgação

Os assuntos são relações indesejáveis e abuso doméstico. Quando simula as ‘partes engraçadas’, características das sitcoms que envolvem família, tudo é colorido.

Modern Family, Um Maluco No Pedaço, A Grande Família, Malcolm In The Middle, Sai De Baixo, etc. Lembra aí. Coloridinhas como um quiosque da Fini, hã?

Quando pesa a dose de realidade que Allison deseja mudar, tudo adquire tons mais escuros e a padronização passa a ser exatamente o oposto, virando uma cesta de tamarindo.

Contraposições que remetem ao que chamamos no audiovisual de metalinguagem. A linguagem do ideal castigando o real. Perfeito para análises e discussões.

A dose de chauvinismo é apresentada como o ponto de partida para a revolta e o desespero de Allison que está presa nessa realidade desordenada e nada estimulante.

Mas o ministério da emoção com dose cavalar de realidade ADVERTE:

Bom lembrar que essa tal felicidade é inalcançável, afinal é difícil reunir numa pessoa só atributos como amigo (a), amante, terapeuta, professor (a), companheiro (a) de viagem, mecânico, faxineiro (a), chef e deus ou deusa gregos.

Tudo isso ainda com 50 tons de cinza. Vamo combinar, né?

Mas isso não quer dizer que Allison ou nós mesmos não temos que vociferar “Eu que lute!”. (HD)