Cidadeverde.com

Crescimento nas vendas de livros no Brasil: Isso é bom sinal pra quem?

Faturamento: De 2020 para 2021 houve crescimento nas vendas de livros no Brasil. Imagem: International Network

Dados recentes indicam que as vendas de livros no Brasil cresceram 29% indicando um fortalecimento no setor. Ponto.

Mas começo perguntando: Esse aumento pode indicar que temos mais leitores no Brasil? Ou ainda. O brasileiro está lendo mais?

Mesmo diante dessa boa notícia para o mercado editorial – e para os leitores de forma geral que sofreram com o fechamento de muitas livrarias - essas são perguntas importantes quando se pensa um país mais civilizado.

Ainda mais se pensarmos que nas nossas paragens o preço do livro não é nada convidativo.

Líderes: Por aqui um se gabava de não ler livros e outro que diz não lê-los há 3 anos. Ó meu Brazil! Imagem: International Network

Desculpe esse leve ataque, mas não adianta por livros quase inúteis a preços baixos. Não irei apontá-los (temas e gêneros), pois essa discussão pode envolver paixão e razão ao mesmo tempo.

Nessa equação, observo que o papel de influenciadores digitais de livros ajuda a estimular a curiosidade e a busca por aventuras literárias e isso claro, aquece esse mercado tão castigado.

(Peço licença pra mais um leve ataque) O desencorajador é que na maioria das vezes não há independência de opinião ou discussão entre os seguidores desses influenciadores. São vozes uníssonas em concordar, com pequenas e raras exceções.

Peninha: Anarquia organizada.O booktuber mais roquenrou da história do planeta. Imagem: Divulgação

E a repetição ad nauseam – sempre dando um colorido intelectual – de obras consagradas, como se geração após geração fossemos formados por despreparados que não soubessem da existência de Lima Barreto, Thomas Mann, H. G. Wells, Ovídeo ou Heródoto.

Não minto que gosto de provocar. Dias desses comentei num canal de uma dessas moças ‘booktubers’ (acho ela uma pequena farsa que deu certo), sem nenhum desrespeito ou ataque (isso não faz meu gênero) pra contestar alguns detalhes de “Os Sertões”.

Abri os braços pra ela não me engolir (ri muto).

Repetições: Calcilda... Já temos livros que indicam livros (clássicos). Paciência, né? Montagem: Alexandre Kovacs

Uma pena que até nesses setores da internet temos bolhas que repelem leitores independentes e que detestam ser confrontados. Temos que ser bovinos.

E aí tome mais do mesmo e resenhas desonestas. (Me revirei ao assistir uma resenha sobre um livro do historiador Orlando Figes)

Mas claro, o trabalho da moça é digno de respeito. Só acho desconcertante o papel de súdito.

Além disso e pra ser um pouco mais sincero, sem generalizações, acho que ‘booktubers’ são vendedores de livros que gostam de livros.

Com todo respeito ao trabalho dos booktubers, sejam mais críticos e menos vendedores. Foto: International Network

Outras perguntas: E os sebos? Qual o papel deles nesse mercado? Voltamos pra perguntas iniciais.

Falo tudo isso porque penso que ainda que haja um aumento nos números de venda, a qualidade da leitura continua lastimável.

Sebos: Oportunidade de adquirir livros fora de catálogo. Usados que parecem novos. Foto: Acervo pessoal

Por fim, para fins de colaboração com a análise, faço parte da média de leitores que compra bastante em sebos. A impressão que tenho quando os recebo é de que apesar de serem livros usados, percebo que por ali não passaram leitores. (Imagem acima)

Livros intactos (ainda que relativamente antigos) e sem muitas marcas de uso. E quando as tem, vão até as primeiras 50 páginas.

Pergunto: Como comemorar esse aumento nas vendas? (HD)