Cidadeverde.com

Cão faz vigília há um mês por dono morto no Méier, Zona Norte do Rio

O blog Bicharada traz hoje mais uma notícia emocionante, publicada pelo G1 Rio de Janeiro. Há um mês, um cão faz uma triste vigília no bairro do Méier, Zona Norte da capital carioca, à espera de seu dono. O proprietário do cachorro Romerito morreu no início deste mês por conta de uma insuficiência renal, mas o animal segue no corredor da casa onde vivia com ele.

Na última terça-feira (27), quando a equipe do G1 foi ao local, a vigília continuava. O caso já começa a ficar famoso nas ruas do bairro e, claro, mobiliza os moradores da vila onde vive o cachorro. Informalmente, eles adotaram Romerito e cuidam do simpático cão. Os vizinhos têm dividido os gastos com ração e remédios, ainda que com dificuldade. Só um comprimido contra carrapatos custou mais de R$ 200.

“Agora estamos em busca de uma doação de uma casinha. O Romerito gosta de ficar no corredor e, como não tem cobertura, estamos preocupados com a temporada de chuvas”, diz Nilza Maria, uma das cuidadoras.

Cão alertou sobre mal-estar do dono

Os vizinhos contam que na manhã de um dia no mês de março o cachorro começou a uivar e latir ininterruptamente. No início da noite, já incomodados com a situação e estranhando a ausência do dono do animal, que cumprimentava os demais moradores ao retornar do trabalho, os vizinhos forçaram a porta da casa e entraram.

“O Guilherme estava caído no chão, com o Romerito ao seu lado. Quando me aproximei, ele tentou avançar em mim, como se quisesse proteger o dono. Os bombeiros tiveram que usar focinheira para fazer o socorro”, relembra Beto Jesus, outro vizinho que está cuidando do cão.

O dono do cachorro foi levado para um hospital e dias depois retornou. Para a tristeza de Romerito, horas depois, precisou ser internado novamente e nunca mais voltou. “Enquanto o Guilherme esteve internado, ele não parou de uivar e latir. Inacreditavelmente, só parou no dia que recebemos a notícia da morte”, conta Nilza.

'Ele late pra gente abrir o portão’

Como o dono era solteiro e sem filhos, os vizinhos procuraram sobrinhas dele – suas únicas parentes no Rio – para entregar Romerito, mas elas alegaram que não ter espaço no apartamento em que moram. Deram, então, o cachorro para um morador de um bairro vizinho, mas animal fugiu duas vezes, sempre voltando à vila.

“Agora vive aqui. É mansinho e vai à rua sem coleira porque foi acostumado assim pelo dono, com quem ficou por dez anos. De vez em quando vai ao bar em que o dono trabalhava, que fica aqui perto. Quando retorna e encontra o portão fechado, late para a gente abrir”, diz Nilza.

 

Com informações do G1 Rio de Janeiro
bicharada@cidadeverde.com