Cidadeverde.com

Quênia queima toneladas de marfim em combate à caça de elefantes

O presidente do Quênia incendiou, neste sábado (30), 105 toneladas de marfim no parque nacional de Nairóbi, a maior quantidade de "ouro branco" incinerado de uma única vez. O ato foi simbólico para o fim da caça ilegal de elefantes.

Diante das câmeras do mundo inteiro, Uhuru Kenyatta e seu colega do Gabão, Bongo Ondimba, usaram tochas para acender o fogo de uma pirâmide formada por presas de elefante. Os dois países concentram metade dos elefantes da selva na África.

No total, dez pirâmides de marfim e uma pilha de chifres de rinocerontes pegaram fogo, o que representa cerca de 5% do marfim mundial. As 16 mil presas incineradas neste sábado representam quase toda a reserva de marfim queniano, constituída em 1989, quando foi proibido o comércio internacional do "ouro branco".

"Ninguém, repito, ninguém pode comercializar o marfim, porque este comércio é sinônimo de morte para nossos elefantes e de morte para nosso patrimônio natural", declarou Kenyatta.

Dirigindo-se aos caçadores furtivos, o presidente Bongo, por sua vez, advertiu: "Vamos por fim ao negócio de vocês e é melhor que se aposentem". Presente na cerimônia, a ministra francesa do Meio Ambiente, Ségolène Royal, anunciou que a França proibirá em breve o comércio de marfim.

Atualmente vivem 450 mil e 500 mil elefantes na África. A cada ano, 30 mil são abatidos por caçadores ilegais em busca de suas presas, segundo estimativas. Nesse ritmo, existe o risco de que no curto prazo estes mamíferos desapareçam do continente.

 

Fonte: G1.