Cidadeverde.com

Segurança proíbe entrada de cão na Potycabana e revolta tutora; caso será apurado

Por Maria Romero
bicharada@cidadeverde.com

A jornalista Márcia Cristina publicou um desabafo em seu perfil no Facebook relatando um constrangimento sofrido no último sábado (30). Ela foi proibida de entrar no Parque Potybacana, zona Leste de Teresina, com sua cadelinha da raça Chow Chow, Meimei. A explicação seria de que no local havia pessoas que não gostavam e tinham medo de animais de médio e grande porte. A coordenação de Desenvolvimento Social e Lazer (CDSOL) do governo do estado disse que o caso será apurado. 

"Essa é a Meimei, com carinha de decepção, perplexa porque a nova administração do parque Potycabana barrou a sua entrada e disseram lá que hoje não seria um bom dia para ela entrar no local, porque estava cheio de gente que reclama a presença de animais como ela", contou a jornalista em seu relato. 


Meimei, em casa, logo após ter sua entrada impedida no Parque. Foto: arquivo pessoal.

Ao Cidadeverde.com, ela relatou que foi barrada no portão, mesmo após a entrada de outros dois animais no Parque. A ela, os seguranças e policiais que ficam no local informaram o que ela achou um verdadeiro "absurdo". 

"Eles afirmaram que ela é muito valente, sem nem conhecer, só porque ela parece grande, mas na verdade ela é muito peluda, não é um animal grande. O cúmulo, o grande absurdo, foi quando me disseram que sábado não era um bom dia para eu ir, que era melhor durante a semana, porque tinha menos gente. E durante a semana, eu só poderia entrar se fosse de focinheira", informou. 

Simone Pereira, coordenadora do CDSOL, informou que o caso será apurado. Segundo ela, novas regras estão sendo estebelecidas para garantir a segurança de animais, tutores e frequentadores do Parque, mas ainda não estão valendo. 

"Estou até estranhando isso, vou entrar em contato com a administração do Parque para saber o que houve, porque ninguém recebeu instrução para barrar ninguém. Ainda estamos estebelecendo novas regras, que aguardam parecer da PGE [Procuradoria Geral do Estado] e, quando forem ser implantadas, terão ampla divulgação, inclusive com distribuição de cartilhas bastante lúdicas para a população entender exatamente como vai funcionar", informou. 

Tutores que integram a ONG Anjos dos Animais informaram que já sabiam de determinadas regras, como de uso de focinheira para cães de grande porte e a obrigatoriedade do uso de sacos plásticos para recolhimento das fezes dos animais. 

Márcia, contudo, destacou que sabia da necessidade de recolher a sujeira deixada pelos bichinhos, mas que esse não foi o motivo do impedimento da entrada de Meimei. Ela destacou que a cadelinha é dócil e lamentou que em outros parques do país os animais tenham livre entrada para brincar e, na Potycabana, Meimei seja barrada.


Foto: divulgação/CCOM

"Eu só quero dizer para os ignorantes de duas patas que a Meimei gosta de brincar, todo dia acorda a gente querendo carinho, nunca mordeu um ser humano, não é arrogante, mal educada, não é intolerante e nem assassina. Esses animais de duas patas precisam se atualizar e viajar para conhecer os bons parques do país, onde animais brincam tranquilamente com as famílias. Visitem o Museu do Ipiranga ou o Ibirapuera e chegarão à conclusão sobre quem está sendo quadrúpede", destacou. 

Ela enfatizou que em seu bairro não há espaços seguros para passear com Meimei, e que a cadelinha está estressada porque fica muito tempo sozinha em casa, precisando sair para passear pelo menos uma vez por semana. 

Simone informou que o caso será apurado, porque Meimei não poderia ter sido barrada na entrada do Parque. Ela destacou que o uso de focinheira passará a ser obrigatório em breve e que não há nenhum impedimento legal para o pedido, que visa coibir ataques no Parque. 

"Nós tivemos dois casos este ano de ameaça de ataques de cães contra crianças. Ninguém chegou a ficar ferido, mas não vamos deixar acontecer para tomar as providências. Às vezes o cão se solta, o dono não consegue segurar e uma criança pode ser gravemente ferida e até morrer", informou. 

 

bicharada@cidadeverde.com