Cidadeverde.com

Com mais de 3 mil assinaturas, petição pede transferência de ursa do Zoobotânico

Uma petição na internet com mais de 3.000 assinaturas está pedindo a transferência da Ursa Marsha para um santuário. Ela mora no Parque Zoobotânico de Teresina após ter sido resgatada de um circo na cidade de Manaus, Amazonas. A Confederação Brasileira de Defesa Animal (CONFAOS Brasil), que encabeça a petição, alega que o animal de origem canadense sofre com as altas temperaturas da capital, principalmente no período conhecido como B R O BRÓ, onde a sensação térmica passa de 40º entre os meses de setembro e dezembro.

"Já fechamos 3 mil assinaturas, já é um clamor popular. O zoológico de Teresina abriga uma ursa canadense, o que é uma crueldade numa temperatura entre 36º e 40º. É uma situação flagrante de crueldade só para a manutenção de uma bilheteria e que deseduca as pessoas aos tornarem frias em situações aflitivas", declarou Carolina Mourão, presidente da Confaos.

De acordo com ela, o IBAMA já foi acionado e o próximo passo é buscar a justiça e o Ministério da Defesa. “Já documentei e já acionei o Ibama, agora vamos ao Ministério da Defesa pra gente conseguir fazer toda a operação logística de terra e de ar. Vamos entrar também com um habeas corpus na justiça federal. Não vou nem passar pela justiça estadual para não ter problema de aparelhamento”, afirmou.

A ideia é levar a ursa para um santuário em São Paulo ou o zoológico de Pomerode em Santa Catarina. “Apesar de ser um zoológico que vai oferecer as mesmas coisas que ela tem em Teresina, a temperatura é mais amena. Sendo assim, seu sofrimento seria menor até a gente conseguir a transferência para fora do país. Ela tem que ser retirada de Teresina imediatamente”, defende Carla.

Ainda de acordo com a ambientalista, a ursa jamais deveria ter sido aceita em Teresina por conta do clima. “O zoológico cometeu o erro de aceitar esse animal como fonte de renda. Não deveria ter nem se oferecido como alternativa, pois o animal é incompatível com a capital do Piauí”, declarou.

O secretário de Meio Ambiente, Ziza Carvalho, negou que o animal sofra maus-tratos no Zoobotânico, no entanto, disse estar de acordo se a transferência ocorresse para um santuário. “Não existe maus-tratos. Esse recinto dos ursos é um dos mais novos instalados no Zoobotânico. Ele tem aspersores para diminuir a temperatura interna. Tem espaço verde, tem um lago dentro e fora da área externa do recinto. A alimentação é balanceada. Este urso passou mais de 20 anos num circo. Ele já veio estressado do circo”, afirmou o gestor.

Ziza disse ainda que o animal recebe tratamento padrão e se alimenta bem, e só discorda da campanha quando é colocada a possibilidade da ursa ir para outro zoológico. 

“Claro que não é um animal do nosso bioma, com certeza não é adaptado para viver aqui. Eu não tenho nada contra a campanha. Se for para levar para um santuário, onde seja melhor tratado, tudo bem. O que o zoobotânico faz é cuidar. É obrigação nossa ao receber um animal desses vindo de circo, o que é efetivamente o mau-trato. Nós temos é que fazer tudo por ele. Agora se for pra zoológico de outro estado eu não permito, já que não tem nenhum outro com as mesmas condições de recinto que a gente tem. Só se for para uma reserva ou santuário. Nosso zoológico atende perfeitamente as resoluções do Conama e Ibama” finalizou.

Com 26 anos, a ursa Marsha é da espécie parda e pesa 210 kg. 

Hérlon Moraes
herlonmoraes@cidadeverde.com