Cidadeverde.com

Cãozinho "assiste" aula na Ufpi e vira mascote de estudantes

  • f97841b8-82fa-4e2e-8249-19e2b7bf790f.jpg Instagram
  • dogufpi.jpg Instagram
  • 0ca9f6c4-80f8-42de-b9c9-15027af47d6d.jpg Instagram
  • 59a9756e-60bd-4899-ba9d-a133e38f8c34.jpg Instagram
  • 53c617f3-773c-475a-930c-facedf368228.jpg Instagram
  • b60544f4-3b86-440b-affd-e7e56cd1fcf0.jpg Instagram
  • 690b1187-e196-4e25-a8d9-70fbad98f64a.jpg Instagram
  • b3afc6f8-e19b-4f4e-8cb9-c96666fab8ad.jpg Instagram

Por Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Um vira-lata é o xodó entre acadêmicos dos mais variados cursos da Universidade Federal do Piauí (Ufpi), em Teresina. Pra se ter uma ideia, por cada setor que o doguinho frequenta é literalmente adotado pelos estudantes e batizado carinhosamente com um nome: Frederico, Rogério (a), Manguita, Lulinha, Roberto Carlos... e por aí vai. Além de compartilhar momentos com a turma, o cãozinho também "assiste" aula. 

A fama é tamanha que o cãozinho também está nas redes sociais como "Dogufpi". O perfil dele no Instagram é atualizado pelo estudante Francisco Antônio Filho, que cursa o 4º período de Filosofia. 

"A Ufpi tem muitos animais, mas ele é conhecido praticamente por toda a comunidade acadêmica desde a área de Ciências Humanas à Saúde. Em cada setor que passa recebe um nome. Nós da Filosofia o chamamos de Frederico. Entrei no curso em 2016 quando o conheci na minha calourada. Ele é muito inteligente e diferente dos outros animais...quando percebe que tem gente, vai pro meio", disse o universitário. 

O perfil do doguinho é atualizado com fotos enviadas pelos próprios estudantes. Há fotos dele na parada de ônibus, em colação de grau, na sala de aula e em eventos que acontecem na Ufpi como o Salipi e o Encontro Nacional Discurso, Identidade e Subjetividade (Endis). 

"Os estudantes encontram o Frederico, fazem fotos e mandam até as legendas. Costumo dizer que sou um mediador do amor dos estudantes com ele", disse Filho. 

Na imagens, o cãozinho aparece sempre à vontade e às vezes parece interagir com os estudantes. 

"Ele está praticamente em todas as calouradas e é sociável com toda a galera. Alguns professores deixam até ele entrar em sala de aula, pois é muito educado, parece que entende que se trata de um ambiente que não pode fazer barulho e fica caladinho", conta o estudante. 

Relatos curiosos dos estudantes com o Frederico, Rogério (a), Manguita, Lulinha, Roberto Carlos (ou como queiram chamar) são inúmeros. 

"Eu e minha turma estávamos de saída para o Encontro Nacional dos Estudantes de Filosofia  e resolvemos fazer uma selfie em frente ao ônibus. Quando toda a galera se reuniu, o Frederico chegou e foi uma alegria", relembra Francisco Filho. 

Apesar da fama, a história do cãozinho é semelhante a dezenas de outros cães e gatos abandonados no campus da universidade. Diante da situação, o estudante e um grupo de amigos avaliam fazer um movimento de conscientização sobre o abandono de animais, bem como o incentivo a castração. 

"Ele virou o nosso mascote e será o garoto propaganda de centenas de animais abandonados. A castração deles passou a ser uma preocupação e pretendemos fazer um movimento para incentivar a adoção de filhotes e animais que precisam de cuidados especiais e também castrá-los", destaca o universitário.

O Instagram do cachorrinho mais famoso da Ufpi tem apenas duas semanas, mas ele já contabiliza mais de 1.800 seguidores.