Cidadeverde.com

Microchips em cães e gatos: para que serve e quanto custa?

Por Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

O post de hoje é sobre um assunto pouco falado, mas curioso: microchips em animais de estimação. Afinal que procedimento é este e como funciona?  O Bicharada conversou com o médico veterinário, Selmar Moreira, que esclareceu as principais dúvidas sobre o tema. Pra começar, o especialista explica que os donos de pets devem entender para que serve o microchip. 

"Muitos donos de animais chegam a clínica para implantar o microchip pensando que ele é um localizador e que se perder o animal vai saber exatamente onde ele está. Mas o microchip não funciona assim. O dispositivo não dá a localização. Se o animal microchipado se perde e é levado a uma clínica que tem o leitor de microchip, conseguimos encontrar o dono pois com a leitura acessamos os dados do bichinho e assim sabemos quem é o seu dono", esclarece Selmar Moreira, especilialista em clínica médica e cirúrgica de pequenos animais.

Veterinário Selmar Moreira

O veterinário explica que o procedimento é praticamente indolor e feito em questão de segundos. Para implantar o microchip é utilizado uma agulha não muito maior do que a que se utiliza para uma vacina. O dispositivo é pouco maior que um grão de arroz e é implantado no tecido subcutâneo da região interescapular, ou seja, logo abaixo do pescoço. 

O minúsculo chip é envolto em uma cápsula de vidro. Cada dispositivo tem um número de identificação que é único. Cães, gatos e outros pets podem receber o microchip. 

Na Capital, a busca é maior por donos de pets que vão viajar para fora do Brasil. Nos países da União Europeia, por exemplo, a identificação por microchips é obrigatória. 

"O procedimento é seguro e não tem limite de idade nem inferior, nem superior. Também não tem contra-indicação. Para implantar é bem rápido. O tutor chega a clínica e explicamos como funciona. Em seguida, fazemos um cadastro e o dispositivo é colocado no pet", explica Moreira.

Os microchips ficam imperceptíveis ao tato, têm validade indeterminada e não precisam de manutenção. A única maneira de localizá-los é com um leitor de microchip, uma espécie de scanner que detecta onde se encontra o chip e envia um sinal para a leitura de seu número.

Microchip comparado a um grão de arroz

O Bicharada fez uma pesquisa em Teresina e encontrou preços que variam de R$ 130 a até R$ 195. Os micro dispositivos só devem ser implantados em clínicas veterinárias e por um especialista.