Cidadeverde.com

Cães policiais viram atração em festa da criança

  • e75103be-fd69-4dc4-bfc0-b3de9ef70ee7.jpg Divulgação
  • 84a58709-3561-4e14-ac15-261603f06f12.jpg Divulgação
  • 2aff7261-820c-4e76-b55d-75ed249d5b62.jpg Divulgação
  • c4e1d0e1-e1e0-4cdf-9f01-e5f71b712239.jpg Divulgação
  • f593b2a7-2cde-4e50-badb-e27f4614b307.jpg Divulgação
  • eb4c1cc4-f4e4-41b4-a748-f7baa029f559.jpg Divulgação
  • dc31483b-ed21-468a-9f01-eb3b8e3848d5.jpg Divulgação

Por Graciane Sousa

Saymon e Titan, respectivamente um labrador e um pastor belga malinois, foram atração do evento da Ordem dos Advogados do Brasil no Piauí, ocorrido neste sábado (08). A festa era voltada para crianças, mas os pais também se divertiram com os cães do Grupo de Operações com Cães da Polícia Rodoviária Federal (PRF). 

Os cães são bem treinados e com habilidades que impressionaram o público que não perdeu a oportunidade de registrar o momento em imagens. 

Além de interagir com os animais, as crianças também conheceram viaturas da PRF. Já os pais receberam orientações sobre trânsito e cidadania. 

 

bicharada@cidadeverde.com

Pesquisa revela nomes de cães mais comuns no Brasil

Para as fêmeas, Mel. Para os machos, Thor. Esses são os nomes mais comuns dos cães de estimação, segundo aponta levantamento da DogHero, plataforma digital de hospedagem domiciliar para cachorros, feito com cadastro de 108 mil animais no Brasil.

Além do nome, o “Censo Canino” também analisou idade, sexo e raça. E os vira-latas representam um a cada quatro bichinhos. O levantamento identificou mais de 3,7 mil nomes diferentes de cães brasileiros, vários deles em referência a personagens de filmes e programas de TV, mas também há nomes e apelidos usados por humanos.

Para os fundadores da plataforma, as escolhas sinalizam que o animal de estimação é visto como um membro da família. Entre as fêmeas, o ranking dos nomes mais populares é liderado por Mel, sendo seguido por Nina (2.º), Luna (3.º), Lola/Lolla (4.º e Meg/Maggie (5.º). Na lista, também aparecem Frida (10.º), famosa pintora mexicana do século 20; Fiona (22.º), a namorada de Shrek dos desenhos animados; e Amy (23.º), cantora de soul morta em 2011.

Já para os machos, o nome mais escolhido é Thor, deus da mitologia nórdica que virou super-herói de história em quadrinhos e depois ganhou as telas do cinema. Vêm na sequência Bob (2.º), Fred (3.º), Billy (4.º) e Marley (5.º - este último, inspirado no cantor jamaicano de reggae Bob Marley, também era o nome de um labrador dos Estados Unidos, cuja biografia foi narrada em livro e filme. O ranking tem Ozzy (13.º), Simba (21.º), Bidu (23.º e Scooby (25.º).


Foto: Juliana Pinna / EGO

 

Com informações Globo
bicharada@cidadeverde.com

Abelhas entram para a lista de espécies em extinção

Já faz tempo que as abelhas estão, lentamente, sumindo. O mundo está preocupado com o que pode acontecer se as pequenas polinizadoras forem varridas da Terra - tanto que até apareceram algumas soluções pouco ortodoxas, como uma abelha-robô.

E, pelo jeito, é melhor corrermos, porque esses insetos acabam de ser colocados na lista de espécies em extinção pelo US Fish and Wildlife Service (FWS) - o Ibama dos EUA.

Sem abelhas, não vai faltar só mel. É que elas funcionam como se fossem órgãos sexuais de plantas. Uma parte considerável do Reino Vegetal conta com abelhas para espalhar seu pólen.

Sem abelhas, você castra essas plantas. E elas deixam de existir também, o que é um péssimo negócio, mesmo para quem tem alergia a abelhas: pelo menos dois terços da nossa comida vem direta ou indiretamente de vegetais que precisam de abelhas para se reproduzir.

Ainda não se trata de um apocalipse. Existem 25 mil espécies de abelha. Para a lista, entraram sete: Hylaeus anthracinus, Hylaeus longiceps, Hylaeus assimulans, Hylaeus facilis, Hylaeus hilaris, Hylaeus kuakea, e Hylaeus mana - todas abelhas de cara amarela, parecidas com a abelhinha comum aqui do Brasil.

As abelhas em perigo são todas nativas do Havaí, e a hipótese do FWS é que a razão principal tenha sido a inclusão de espécies de plantas e animais invasores, que desequilibraram a fauna local.

Outro problema é a urbanização cada vez maior das ilhas, o que favorece o turismo descuidado e a destruição do habitat natural dos insetos.

Mas o problema não se restringe ao Havaí, claro: desde 2006, apicultores do mundo inteiro têm reclamado que as populações do inseto caíram. De 2012 para 2013, 31% das abelhas dos EUA tinham desaparecido; na Europa, naquele período, o número chegou a 53%, e no Brasil, a quase 30%.

O pior é que ninguém sabe exatamente o que está causando essa catástrofe. Alguns cientistas acham que é a poluição; outros apostam nos pesticidas.

Existe, também, uma doença chamada Síndrome do Colapso da Colônia, na qual as abelhas simplesmente abandonam suas colmeias sem que nada de errado aconteça, mas a síndrome ainda é um mistério, o que deixa os cientistas de mãos atadas.

 

Com informações Exame
bicharada@cidadeverde.com

Seguindo tradição, fiéis levam animais para receber bênção de São Francisco

  • 14469526_1233387330037284_3387049641282375414_n.jpg Frei Roberildo
  • 14502985_1233387046703979_1264476687784286507_n.jpg Frei Roberildo
  • 14470548_1233387110037306_6743452691664643057_n.jpg Frei Roberildo
  • 14517523_1233387250037292_24021841631568306_n.jpg Frei Roberildo
  • 14519833_1233387440037273_3986954595469576325_n.jpg Frei Roberildo
  • 14595689_1233388440037173_1778243560986839571_n.jpg Frei Roberildo
  • 14479698_1233388533370497_5734869275468799376_n.jpg Frei Roberildo
  • 14502809_1233388650037152_7773511446328535632_n.jpg Frei Roberildo
  • 14523009_1233389180037099_3032267403542487144_n.jpg Frei Roberildo
  • 14563484_1233389316703752_3506114315159805402_n.jpg Frei Roberildo
  • 14570455_1233386676704016_6035205119666518817_n.jpg Frei Roberildo
  • 14572800_1233386776704006_6573937883583771905_n.jpg Frei Roberildo

Colaboração de Rayldo Pereira
rayldopereira@cidadeverde.com

Dezenas de fieis lotaram a celebração do Dia de São Francisco de Assis levando seus animais para serem abençoados em Parnaíba, município no litoral do Piauí. A "Bênção dos animais", como é conhecida, é celebrada anualmente na paróquia de São Sebastião, assumida pelos frades franciscanos, logo após a missa campal em comemoração a data.  "São Francisco teve esse relacionamento muito profundo com todos os animais. Na realidade com as criaturas, mas com os animais em especial, ele dialogava com lobos ferozes porque ele tinha esse carinho, por isso nesse dia lembramos dos animais", explicou o frei Roberildo que preside a paróquia.

A celebração ocorreu as 6h da manhã desta terça-feira (04) e entre os animais foram levados, cachorros, coelhos, tartarugas, papagaios e até cavalos.  Frei Roberildo explica que o objetivo da igreja é lembrar o diálogo com os animais, mas ressaltar o carinho com a humanidade.

"Nós frizamos que dentre todas as criaturas o ser humano é o único que possui a misericórdia e que se estende sobre tudo. As pessoas devem cuidar dos animais mais de forma harmoniosa. Tem que ter cuidado com a natureza, as plantas e o meio ambiente de forma geral",  completou o pároco.

A programação dos festejos de São Francisco encerra hoje com a procissão onde são esperadas 80 mil pessoas e em seguida uma missa campal. Logo após, a programação social terá leilão, música ao vivo e barracas da paróquia.

Cão resgatado auxilia Secretaria em ações do Dia do Animal em Teresina

Em alusão ao Dia do Animal, comemorado nesta terça-feira (04), a Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Semam) preparou uma semana intensa de comemorações. É a Mini Caravana Ambiental com foco nos animais que busca conscientizar as crianças sobre a importância do cuidado aos animais.

“Nossa Mini Caravana tem a presença ilustre do cachorro Tufão, que foi resgatado do lixão de Timom, que diverte as crianças e é uma forma de trabalhar com elas o amor aos bichinhos”, explica Delciana Arrais, Chefe do Núcleo de Educação Ambiental.

A Caravana conta com visita às creches com palestras sobre animais, maus tratos e adoção. Além de exibição de vídeos informativos, momento de pintura e entrega de kits educacionais.

Ela ainda acrescenta que o material educacional distribuído deve ser posteriormente entregue aos pais dos alunos. “O kit de educação ambiental com dicas de cuidados aos animais e adoção deve ser entregue aos pais. Ele faz parte da campanha da Prefeitura Municipal de Teresina contra abandono e maus tratos aos animais”, ressalta Delciana.

O primeiro dia de visitas aconteceu no Centro Educacional Espaço Kids, na Zona Leste. A caravana ainda vai visitar mais duas CEMEI durante a semana.

 

Da Redação
redacao@cidadeverde.com

Vídeo de mulher espantando crocodilo com chinelo viraliza na internet

O defensor dos animais Lyndon Anlezark gravou uma cena surpreendente no Parque nacional de Kakadu, no mês passado. Uma mulher, acompanhada de um cachorrinho, espantou um enorme crocodilo usando seus chinelos numa travessia do rio East Alligator.

Em entrevista à rede de TV “ABC”, Anlezark disse que o crocodilo estava perseguindo os dois, enquanto várias pessoas acompanhavam a cena chocadas. “A senhora apareceu com um cachorro pequeno e, como instinto, vários crocodilos foram chegando perto. Nós poderíamos ter tido uma morte naquele dia. Você não chega no cruzamento do rio com crianças pequenas, especialmente, e definitivamente não chega perto com animais de estimação”, afirmou.

No vídeo é possível ver o cachorro assustado, tentando se esconder atrás da mulher. A mulher tira um dos chinelos do pé e começa a bater palmas e espantar o animal. Surpreendentemente, o animal se afasta.

Durante uma pesquisa recente, uma equipe contou mais de 120 crocodilos num trecho de 6km ao sul do cruzamento de Cahill. O caçador de crocodilos Gary Lindner afirmou que regularmente é preciso avisar às pessoas que não fiquem na borda da água. “Graças a Deus (crocodilos) comem uma grande quantidade de peixes porque eles poderiam pegar uma pessoa aqui todos os dias da semana durante os períodos de pico de visitantes”, disse.

O local tem atraído muitos turistas, mas, segundo os especialistas, com mais pessoas no local há um risco maior de acidentes. “Há uma minoria de pessoas que ignoram os perigos e se colocam em uma situação onde um grande e perigoso predador vai agarrá-lo e comê-lo”, disse Lindner.

 

Fonte: Extra

Leilão de bolsa feita de gato empalhado provoca polêmica online

Taxidermista transformou gato morto em uma bolsa. (Foto: TradeMe/ClaireThird)

O que você acha de ter uma bolsa feita de um gato morto?

Uma dessas foi colocada à venda no site de leilões neozelandês TradeMe pelo módico preço inicial de 1 dólar local (R$ 2,37), mas acabou vendida por um valor 500 vezes maior.

Chamada no anúncio de "glamour puss purse" ("bolsa glamourosa de bichano", em tradução livre), a peça foi produzida pela taxidermista Claire Third, da cidade de Christchurch, a partir dos restos mortais de um gato atropelado.

Ela contou ter mantido o corpo do animal por três meses em seu freezer antes de decidir transformá-lo em uma obra de arte.

O objeto despertou inflamadas reações na internet - algumas pessoas chegaram a classificá-lo como "repugnante".

"Não é nem um pouco criativo ou artístico", afirmou uma delas em um dos mais de 200 comentários deixados no site de leilões.


Um predador

Taxidermista profissional há 15 anos, Third reforçou que nenhum animal foi abatido com o objetivo de confeccionar a bolsa.

Ela contou ter encontrado o gato já morto ao lado de uma rua, e decidido transformá-lo em uma bolsa porque "ele tinha uma cara particularmente simpática, e o resto do corpo estava esmagado".

 

Claire Third também vende "unicórnio" armazenado há 15 anos. (Foto: TradeMe/ClaireThird)

 

A descrição no site de leilões diz que "Tom" é uma "bolsa de mão muito elegante para a garota que já tem tudo".

"Uma bolsa única, que irá atrair as atenções onde quer que você vá."

A bolsa "Tom", que consumiu cerca de 300 horas de trabalho de Third, ficou guardada por cerca de sete anos antes que ela decidisse vendê-la na internet.

A taxidermista já empalhou muitos outros animais - criou inclusive um "unicórnio" feito de partes de vários bichos, incluindo lhamas e faisões -, mas sua especialidade são mesmo os gatos.

"Eu consigo muitos porque eles acabam sacrificados por causa da população de pássaros", explicou.

Gatos selvagens são um problema na Nova Zelândia, um país orgulhoso de suas aves raras.

O país adotou a "ambiciosa meta" de erradicar todos os principais predadores de aves até 2050 - em 2013, um ativista chegou a sugerir que todos os gatos selvagens locais fossem mortos.

O preço inicial da bolsa feita com o gato morto era de 1,4 mil dólares neozelandeses (R$ 3,3 mil), mas depois foi reduzido a um lance mínimo de um dólar neozelandês (R$ 2,37).

"As pessoas disseram que eu estava lucrando com o gato, então reduzi o preço", afirmou Third.

O leilão foi encerrado nesta quarta-feira (21) com o lance de 545 dólares neozelandeses (R$ 1,3 mil).


Comentários

 

Taxidermista transformou gato morto em uma bolsa. (Foto: TradeMe/ClaireThird)

 

A obra provocou um intenso debate na internet.

"E se alguém te matar a tiros e empalhar seu corpo, você gostaria? Aposto que não", opinou um usuário.

"Deixe os gatos descansarem em paz!", disse outro.

Mas também houve quem tivesse sido receptivo à ideia da taxidermista.

"Eu adoraria ter uma de outra cor. Não gosto de gatos alaranjados, mas os acinzentados são adoráveis", afirmou uma pessoa.

Outros usuários aproveitaram a oportunidade para compartilhar piadas e trocadilhos com animais.

Alguns dos comentários no site de leilões: "Quanto (tempo) para eu poder ser transformado em uma bolsa? Provavelmente daqui cerca de 50 anos, estimo"; "O que você quer dizer quando afirma que 'nenhum animal foi ferido para a criação dessa peça?'"; "Isso é apenas uma piada, ou é real?"
Third afirmou que "absolutamente não esperava" as reações.

"Eu já havia colocado coisas (para vender) no TradeMe antes, e isso nunca tinha acontecido", contou à BBC.

Ela disse ter ficado "um pouco chateada" com alguns comentários, e que por isso tirou um dia de folga do trabalho.

"Há umas pessoas realmente muito estranhas por aí, e eu não sei em quais sofás de couro elas andam se sentando", alfinetou.

 

Fonte: G1
bicharada@cidadeverde.com

Em vídeo, crianças pedem ajuda para encontrar cão desaparecido em Teresina

Por Maria Romero
bicharada@cidadeverde.com

O vídeo dos irmãos Dante e Maisa pedindo pela volta do cão Max é emocionante. Eles estão desolados de saudades do pastor alemão, cão de estimação da família. Os animais fugiram de casa no Planalto Ininga, zona Leste de Teresina, na noite do último domingo (18). "Estou muito triste e preocupada com meu cachorro Max", diz Maisa na gravação.

O médico Edinaldo Miranda, pai das crianças, publicou vídeo dos filhos nas redes sociais pedindo por informações de Max.

"Já é noite, ele está com fome, com sede e frio. E está sozinho na rua, sem ningupém para cuidar dele. Ele é cheiroso, lindo e maravilhoso", declara a menina. 

Seu irmão a acompanha e pede por ajuda para encontrar o animal. "Quem devolver, vamos recompensar com muito dinheiro. Eu gosto muito dele, ele é o melhor cão que alguém poderia ter no mundo todo", destaca o pequeno Dante. 

O cão desapareceu na noite de domingo junto com o outro cão, Theo, da raça collie. Ele já foi encontrado. "Quando desapareceram estavam juntos, mas a pessoa que encontrou o Theo disse que ele estava sozinho. Moramos no Bairro Planalto Ininga, por isso acreditamos que ele esteja neste bairro ou em bairros próximos", disse. 

Ele destacou que Maisa está profundamente abalada com o desaparecimento de Max. "Esse cão está diariamente com ela, há vários anos, ela não se concentra nem nas atividades do colégio, só fala nele, pedindo desesperadamente que eu o encontre". 

Qualquer informação sobre Max pode ser repassada pelo telefone (86) 9 9497-3373. 

 

bicharada@cidadeverde.com

Cadela é espancada ao tentar proteger filhotes; Apipa pede ajuda

Por Maria Romero
bicharada@cidadeverde.com

A cadelinha Paquita e seus nove filhotes foram resgatados na saída Sul de Teresina, próximo à Casa de Custódia de Teresina, no último sábado (17). A cadela foi agredida ao proteger seus filhotes. A Associação Piauiense de Proteção e Amor aos Animais (Apipa) foi responsável pelo resgate e precisa de ajuda para o tratamento de Paquita, que está bastante debilitada. Mesmo fraca, ela não abandonou os filhotes, o que comoveu os protetores. 


Fotos: divulgação/APIPA

Isabel Moura, que integra a entidade, disse que as pessoas podem ajudar com doações em dinheiro ou com leite Support Milk Dog, próprio para cães recém nascidos. Os filhotes estão magros e desidratados, mas em breve poderão ser adotados. 

"Quando chegamos ao local, encontramos ela sem andar direito, não sabemos ainda se é pela fraqueza ou pelas pancadas que ela recebeu na cabeça. Os filhotes estavam com muita fome e desidratados, porque mesmo tentanto alimentá-los, ela não tem mais leite. Estamos tratando deles, que já foram vermifugados, estão sendo alimentados e quando completarem 45 dias podem ser adotados", explicou. 

A Apipa ainda está apurando a forma como as agressões ocorreram. Segundo Isabel, uma moradora da região foi quem acionou a Associação e comunicou sobre Paquita. A entidade foi informada de que um usuário de drogas foi o responsável pelas graves agressões. 

"Isso é relativamente comum. Eles ficam com o animal ali, alguns criam, mas quando é uma cadela que aparece com filhotes eles ficam com raiva, acabam agredindo. Pelo jeito os filhotes são bem recém nascidos, isso não deve ter muito tempo. Talvez essa pessoa tenha ficado com raiva e feito isso. Ela está muito machucada", disse. 

Isabel contou que Paquita está internada e com enormes edemas na cabeça e próximo à boca. Os médicos informaram que lesões na cabeça dos cães são difíceis de ser tratadas devido à falta de estrutura adequada para grandes procedimentos em Teresina. A entidade ainda teme que Paquita são sobreviva. 

"Ainda não sabemos a extensão das lesões, as possíveis sequelas. Vamos continuar tratando dela e dos filhotes e torcendo pelo melhor, torcendo para que ela e os cachorrinhos tenham sorte. Os filhotes estão na Apipa e a Paquita está internada", declarou Isabel. 

Como ajudar

As pessoas que quiserem ajudar Paquita e sua pequena família podem levar o leite Support Milk Dog ou doações em dinheiro à Apipa - Rua Trinta e Oito, 1041 - Loteamento Vila Uruguai - Bairro Uruguai, próximo à Uninovafapi - ou realizar doações por meio das contas bancárias abaixo. Mais informações sobre como ajudar pelo telefone (86) 9 9996-0668

"Nós conseguimos comprar ração, o leite e medicamentos com menor preço, por sermos uma Associação, mas se a pessoa preferir comprar e deixar, agradecemos muito também", explicou Isabel. 

As contas bancárias da Apipa são: 

BANCO SANTANDER
Agência: 4326
Conta Corrente: 13000087-4

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
Agência: 0855
Operação: 013
Conta Poupança: 83090-0

BANCO DO BRASIL
Agência: 3507-6
Conta Corrente: 57615-8

 

bicharada@cidadeverde.com

Filhote macho de cão é vendido como fêmea após ter órgão genital mutilado

Mais um triste caso de maus tratos aos animais, dessa vez em São Paulo. Uma cliente levou para uma clínica veterinária um filhote de cachorro macho com o órgão genital mutilado. Segundo a dona da clínica, que não quer se identificar, a mulher disse que comprou o filhote de cão da raça pincher em um site de anúncios classificados que indicava ser uma fêmea, mas recebeu da pessoa que vendeu um macho ferido.

Segundo a proprietária da clínica, a mutilação foi superficial e feriu o prepúcio (pele que cobre o pênis do cão), mas que o filhote passou por uma cirurgia emergencial. “O ferimento cicatrizou e o canal urinário ficou bloqueado. O cachorrinho chorava de dor por não conseguir urinar. Foi realizada uma primeira cirurgia aqui na clínica para abrir o canal”, contou a empresária, cuidadora e adestradora”, explicou a proprietária.

A assessoria do site OLX, que hospedava o anúncio, disse que "o anúncio em questão já foi removido e o usuário foi banido da plataforma. A empresa já preservou os dados do anúncio e trabalhará em colaboração com as autoridades na investigação do ocorrido".

Segundo a dona da clínica, a mulher relatou que marcou o pagamento em dinheiro e a entrega do animal com a vendedora no estacionamento de um hipermercado.

A vendedora recebeu o dinheiro e orientou a mulher a não abrir a caixinha de papelão onde o cachorro estava porque ele ainda não estava vacinado e corria risco de ficar doente.

Depois da primeira cirurgia na clínica, o filhote foi encaminhado para um hospital veterinário, com estrutura de UTI, e passava por uma nova operação para reconstruir o órgão genital. “Ele é muito pequeno e delicado, foi desmamado antes da hora, foi mutilado e está em sua segunda cirurgia em cerca de 20 dias de vida, por isso é fundamental que seja mantido no tratamento intensivo”, explicou a dona da clínica.

Comércio

Sensibilizada com o caso, a atriz e ativista Júlia Bobrow soube do caso e repercutiu nas redes sociais mostrando a foto do filhote e reivindicando o fim da comercialização de animais e uma reunião com a OLX.

“Em primeiro lugar existe uma lei que permite a venda de animais, mas apenas se estiverem castrados. A empresa não tem informação sobre o estado de conservação dos produtos anunciados, e isso também vale para os animais, com a grande diferença de que estamos falando de vidas”, defende Júlia. “Se a empresa não tem controle sobre casos como este, envolvendo maus-tratos, ela acaba sendo conivente”, acredita.

A ativista contou que soube de outro caso que reforça a necessidade de interromper os anúncios de animais. “Uma pessoa encontrou seu próprio animal, que havia sido roubado, em um anúncio na OLX. Ela recuperou o animal, mas este é mais um caso que comprova a falta de controle da empresa”, afirma.

Até a tarde desta quinta, Júlia não havia obtido resposta da OLX sobre o pedido de reunião.

Em nota, a OLX disse que “não tolera casos de maus-tratos e só aceita a publicação de anúncios de animais que estejam de acordo com os Termos e Condições de Uso do site. Qualquer conteúdo veiculado na plataforma que infrinja essas regras é removido, tão logo seja identificado Lembramos que a OLX oferece um botão de denúncia em todos os anúncios e recomenda que quando os usuários verificarem a existência de conteúdos que apontem para práticas irregulares ou indevidas, denunciem diretamente na plataforma, ou entrem em contato com a equipe de atendimento ao cliente, para que a empresa investigue o anúncio e tome as medidas necessárias.”.

Maus-tratos

A Polícia Civil informa que as ocorrências de maus tratos a animal podem ser registradas em qualquer delegacia e em cerca de dois meses pela Delegacia Eletrônica de Proteção Animal, que está em fase de implantação.

A Delegacia de Meio Ambiente, do Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC), é a responsável pela investigação desse tipo de crime, que desde janeiro de 2016 instaurou 98 inquéritos policiais de investigação.

Maus-tratos a animais são considerados crimes, com base no artigo 32 da lei 9.065, de 1998. Segundo a lei, é proibido "praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos". A pena prevista é de multa e detenção de três meses a um ano.

O artigo 25 da lei nº 14.483 de 2007 determina que os anúncios devem apresentar registros do canil no Cadastro Municipal de Vigilância em Saúde, no Cadastro Municipal de Comércio de Animais e CNPJ. O descumprimento das determinações pode acarretar em penalidades que vão de advertências a cerca de R$ 500 mil.

Nova lei

Lei estadual sancionada pelo governador Geraldo Alckmin e publicada no Diário Oficial do Estado de quarta-feira (14) determina a perda da guarda de animais por parte do proprietário que comprovadamente cometer maus-tratos a animais domésticos.

Dentre as punições ao agressor está prevista a proibição de ter na guarda também de outro animal doméstico no prazo de 5 anos após o fato.

O prazo é reiniciado toda vez que outra constatação de maus-tratos for apurada pelas autoridades.

A lei 16.308, de 13 de setembro de 2016, vale em todo o Estado de São Paulo e dispõe sobre penalidades às pessoas que cometerem maus-tratos a animais domésticos.

 

Fonte: G1.

Posts anteriores