Cidadeverde.com
Bicharada

Vídeo: cão reconhece dono pelo cheiro após homem perder 22kg

Após passar cinco semanas internado em um hospital e perder cerca de 22 kg, o norte-americano Shane Godfrey demorou para ser reconhecido pelo cachorro dele ao voltar para a casa. 

Em um vídeo publicado no Facebook, o cão nota o dono, mas demonstra um certo estranhamento. Depois de um tempo, ele cheira o homem e o reconhece no mesmo momento.

"Quando você perde tanto peso que seu cachorro precisa cheirá-lo para perceber quem você é. E passar cinco semanas longe também não ajuda muito, mas a reação dele ao reconhecer o cheiro não tem preço", escreveu GodFrey na rede social. 

O vídeo fez sucesso no Facebook e já teve mais de 300 mil visualizações. Assista abaixo:

Fonte: UOL.

Cientistas explicam o que acontece quando um cão fica sozinho em casa

Poucos donos de cães gostam da ideia de deixarem seus animais de estimação sozinhos quando vão trabalhar. Mas a maioria de amantes de cães não fazem ideia de como seus animais lidam com o fato de serem deixados sozinho. Agora os cientistas revelaram que os cães passam até meia hora uivando, latindo e lamentando depois que seus donos os deixam sozinhos. E para alguns animais de estimação, o tormento dura horas.

Dois dos principais especialistas em comportamento canino revelaram à MailOnline como os cães reagem ao ficarem sozinhos. Os primeiros minutos de isolamento são os mais estressantes para um cão, de acordo com os pesquisadores.

“A reação de separação é iniciada logo após a partida do dono, normalmente começando dentro de 30 minutos, e muitas vezes dentro dos primeiros minutos”, disse Alice Potter, uma cientista que estuda animais de estimação no RSPCA.

Os sinais comportamentais mais comuns relacionados à separação são comportamentos destrutivos, muitas vezes direcionados para a porta por onde o dono sai, vários tipos de vocalizações (uivos, latidos e choramingos), fezes e urina. Outros sinais menos frequentes incluem salivação excessiva, auto-mutilação, comportamento repetitivo e vômitos.

Os cães ficam mais estressados logo após você sair porque eles aprenderam a responder aos sinais de que você está indo, de acordo com a Dra. Emily Blackwell, uma especialista em relações homem-animal da Universidade de Bristol.

“O cão sabem quando seu dono está prestes a sair de casa – eles aprendem sobre as coisas que acontecem rotineiramente antes de sair, por exemplo, colocar as coisas em um saco, pegar chaves e colocar seus sapatos e casaco", disse Blackwell.

Para alguns cães, essas ‘dicas’ serão um preditor de que algo ruim está prestes a acontecer e farão com que fiquem ansiosos. Para estes cães, dentro de 10 minutos após a saída do proprietário, a tendência é que mostrem sinais de ansiedade que podem incluir correr, choramingar, uivar, ou arranhar a porta.

As horas seguintes após ser deixado sozinho dependem da personalidade do seu cão. Cães que são predispostos a ficarem ansiosos podem passar horas correndo para cima e para baixo à espera de seus donos.

“Os cães com problemas de separação tendem a não se acalmar por longos períodos de tempo, mesmo quando o proprietário está fora por várias horas. Normalmente, eles gastam menos de um minuto descansando antes de se levantarem e se movimentarem novamente, então seu descanso é muito perturbado e os cães muitas vezes podem estar cansados quando o proprietário volta para casa e só se acalmarem para dormir naquele momento”, explica Blackwell.

Ela acrescentou que os cães ansiosos uivam constantemente, apenas tomando pausas curtas para ouvirem se seu dono está voltando. A Dra. Potter disse que é quase impossível dizer se o seu cão é suscetível de ficar ansioso quando você sai de casa.

“Este é um problema escondido por sua natureza só acontece quando o dono está ausente”, disse ela.

A pesquisa anterior da universidade de Bristol mostrou que os cães de raça sofrem mais com a ansiedade da separação, e labradores e retrievers são particularmente suscetíveis. A Dra. Blackwell acrescentou que os cães jovens são mais propensos a ansiedade sem os seus donos.

“Quanto aos cães com problemas de separação, parece que o pico desta doença está em torno de dois anos de idade, mas os cães de qualquer idade podem sofrer”, disse ela. “Recomenda-se que todos os donos tentem filmar seus cães quando eles são deixados sozinhos de vez em quando, apenas para se certificar de que eles não estão mostrando um sinal ‘escondido’ de angústia, como tremer, correr ou choramingar.”

Potter disse que existem quatro passos simples que você pode seguir para ajudar seu cão lidar com sua ausência.

 “É importante não punir o seu cão se ele urinar ou ser destrutivo enquanto você está fora, isso pode deixá-lo mais ansioso por ser deixado sozinho e pode estragar o seu relacionamento. Seu cão será mais propenso a relaxar quando deixado sozinho, se ele fora alimentado e exercitado de antemão”, finaliza  
Blackwell.


[email protected]

Projeto de vereadora quer acabar uso de jumentos em carroças na capital

Colaboração Fábio Lima
[email protected]

A vereadora Teresa Britto (PV) apresentou projeto para proibir o uso de asininos, específicamente os jumentos, como propulsores de veículos movidos à tração animal. Ela alega que os animais sofrem maus tratos e acredita que as carroças deveriam ser proibidas. 

"Na verdade eu gostaria que não tivesse mais uso de carroças aqui em Teresina com animais. Que fossem usados motos, o cavalo de lata, mas que não fossem utilizados os animais (...) Eles usam os animais e soltam depois que não têm condições de ser usados. Eles abandonam machucados, muitas vezes desnutridos", denuncia a vereadora. O cavalo de lata é um veículo de metal que existe em outros estados e é usado para substituir carroças.

Teresa Britto recorda que já tentou inserir a mudança, no ano passado, durante a tramitação da reforma do Código Sanitário, mas a medida não foi aprovada. 

"Nós temos vistos muitos em Teresina, tadinhos, transportando uma carga que eles não têm capacidade de transportar, passando por total sofrimento. Nós queremos evitar o sofrimento desses animais", acrescentou a parlamentar. 

Questionada sobre se a lei pode prejudicar ou até acabar com a profissão dos carroceiros, a vereadora afirma que a utilização do asinino em carroças é menor. Além disso, ela afirma que a Prefeitura de Teresina pode encontrar alternativas para quem vive com o uso dos animais. 

"Que o próprio poder público possa buscar meios para evitar esse tipo de questão, aquelas pessoas que vivam do uso, do sofrimento desses animais, que elas possam colocar no mutirão da limpeza, buscar um meio de sobrevivência, qualificar essas pessoas para fazer outra atividade. O fato é que tem que se acabar com isso. Não pode se sustentar famílias com o sofrimento dos pobres inocentes que não falam, mas que têm sentimento de dor, de medo e de todo tipo de maus tratos", disse a parlamentar.

"Não queremos que as famílias fiquem passando fome, não. É para isso que existe o Bolsa Família, o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil, qualificação profissional (....) para dar amparo a essas pessoas que estão em situação de risco. Buscar outras alternativas", completou. 

 

[email protected]

Fiocruz cria aplicativo para pesquisar doenças e monitorar animais silvestres

Em tempo de uso crescente da tecnologia para soluções de problemas da sociedade, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) conta com a população para ajudar no combate de doenças no Brasil e na coleta de informações por meio do uso de um aplicativo gratuito e disponível no Google Play.

A bióloga Márcia Chame, que está à frente de um projeto de biodiversidade da Fiocruz, informou que, para ampliar a base de dados utilizados nas pesquisas, é preciso aumentar os meios de monitoramento das informações. Com o aplicativo, os especialistas recebem os dados regionais diretamente das populações.

“Acreditamos que a sociedade é parte do processo. Por isso, desde 2005 começamos a desenvolver um aplicativo em que qualquer pessoa no país pode nos ajudar no monitoramento de animais silvestres. Não só macacos, mas carnívoros, roedores e todo tipo de animais”, disse.

O aplicativo permite receber uma série de registros, inclusive fotos. “Ele funciona off line, de modo que no meio do campo há um georreferenciamento. As pessoas podem checar seus dados no mapa disponível e atrás dessas informações temos esses modelos.”

A professora acrescentou que, embora exista a sensação de que a febre amarela é uma doença nova no Brasil, ela veio da África há muito tempo e hoje alarma a população. Assim como a febre amarela veio de fora, a movimentação atual de pessoas no mundo pode levar o vírus para diversos lugares.

Vetores

“Em 24 horas, uma pessoa pode sair da China, pousar em Paris e depois seguir para o Brasil”, comentou a bióloga sobre o que classificou de compartilhamento de doenças e de agentes infecciosos com outros animais. “Isso faz parte da biodiversidade”.

A pesquisadora destacou ainda que existem alterações genéticas de vetores e parasitas e, com isso, todos os organismos vão se adaptando. A dinâmica, conhecida há 20 anos, hoje pode ser completamente diferente. Márcia descartou que o Brasil esteja atravessando uma epidemia de febre amarela. 

Conforme a especialista, o que ocorre são surtos distribuídos. Ela afirmou que os macacos são hospedeiros extremamente favoráveis à doença. Com 118 espécies do animal, o Brasil é o país que mais tem espécies de primatas no mundo. "Todas as nossas espécies são suscetíveis à febre amarela. Isso mão significa que não exista febre amarela vírus em outras espécies. Precisamos estudar mais isso.”

De acordo com Márcia Chame, o que se vê hoje no Brasil é um ciclo silvestre. Ela analisou o cenário do local onde morava o homem que morreu da doença em Casimiro de Abreu, município do Rio de Janeiro, e constatou que a paisagem é uma clareira no meio da floresta. “É uma área quase circular, onde foi feita uma plantação. Para o mosquito é uma área natural. Com uma diferença, havia uma oferta de sangue humano da família que morava ali.”

Estudos

Para a pesquisadora, as áreas de declives determinam andares diferenciados de florestas e as espécies se distribuem nos andares. Há macacos que ficam mais no alto das árvores e outros em níveis mais baixos. Os mosquitos acompanham esses níveis. Com isso, as pessoas acabam sendo alvo dos mosquitos infectados e levam os vírus para outros locais. “As pessoas entram nas florestas e cada vez mais as populações avançam nessas áreas”, disse.

Segundo Márcia Chame, são muitos os fatores para o surgimento da febre amarela, porque os ciclos são complexos, especialmente pela variedade nas espécies de macacos e mosquitos. Os estudos mostram que, desde 1980, a cada sete anos surge um ciclo novo de febre amarela.

“O que se tem de dados é que os ciclos coincidem com o restabelecimento das populações de bugios [macacos]. A febre amarela entra em determinado lugar e mata os bugios suscetíveis. Os que conseguem resistir ficam imunes, como as pessoas. Para que tenha uma nova população com indivíduos suscetíveis, essa população tem de se repopular. Isso vai demorar uns sete anos.”

Márcia Chame informou que a Fiocruz trabalha com uma base de dados relativa ao período entre 2000 e 2016, com análise de 620 casos, utilizando um cruzamento de informações de diversos órgãos. Os estudos também mostraram que um período importante de seca, antes do início das chuvas, favorece um número maior de mosquitos. “É como se todos os ovos dos mosquitos estivessem esperando uma chuva favorável [para eclodir]”. Depois dessa etapa, eles se dispersam e acabam atacando macacos, que, por causa da seca, fugiram para outras regiões a procura de alimentos.

Ação do mosquitos

Para o professor Ricardo Lourenço, pesquisador do Instituto Oswaldo Cruz (IOC), os principais transmissores de febre amarela são os mosquitos Haemagogus leucocelaenus, que têm o corpo preto e patas em listras, e o Haemagogus janthinomys, com corpo brilhoso e colorido e patas sem listras. Lourenço revelou ainda que eles não atuam à noite.

“Febre amarela é uma doença do dia. Mosquitos não picam à noite. São brilhosos e se orientam pelo reflexo da luz nas escamas brilhosas. São mosquitos diurnos e transmitem [a doença] durante o dia. Podem picar humanos dentro da floresta ou fora dela”.

O professor esclareceu que normalmente somente as fêmeas transmitem a doença, mas pode ocorrer a transmissão por machos nascidos de fêmeas infectadas.

Lourenço afirmou que equipes da Fiocruz estão fazendo controle de mosquitos com a instalação de armadilhas nas árvores de Casimiro de Abreu. O material é coletado e analisado no laboratório do IOC por uma equipe de 42 pessoas. Com as análises, é possível identificar os tipos de mosquito da região e checar ainda a quantidade de mosquitos com a distinção entre machos e fêmeas.

Infecção

O professor André Siqueira, infectologista do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas da Fiocruz, informou que, no caso da febre amarela, pode haver o registro de pessoas infectadas com quadro bem leve. Segundo Siqueira, a partir da infecção há o período de incubação de três a seis dias em que o vírus está no organismo, mas ainda não se manifestou. Depois tem o período de infecção em igual período quando o vírus está se replicando no organismo em grande quantidade.

É nesse momento que surge a febre acima de 40 graus, associada às dore de cabeça, costas e tonturas. Em seguida, o paciente pode passar por um tempo de melhora entre duas a 24 horas. Após essa etapa, podem surgir complicações com as infecções no fígado, a dor no estômago que podem evoluir até a morte em algumas situações.

 

Fonte: Agência Brasil.

Em Teresina, estudante faz 'cãopcakes' para pagar formatura em Medicina

  • eb9a42a4-116b-48ac-87f2-744d7894ad17.jpg Carlienne Carpaso/ Cidadeverde.com
  • b2cc034d-9819-4b13-9c75-6db62c361604.jpg Carlienne Carpaso/ Cidadeverde.com
  • 7b3092a4-2451-4a6a-9880-cba015cd40ce.jpg Carlienne Carpaso/ Cidadeverde.com
  • 0669827c-7203-499b-8c50-436fc2b64b15.jpg Carlienne Carpaso/ Cidadeverde.com
  • d3e18aca-0f30-4506-8f18-42647ece3b03.jpg Carlienne Carpaso/ Cidadeverde.com

Por Graciane Sousa
[email protected]

Um problema de saúde com a cadelinha Liz, de apenas um ano de idade, fez a universitária Lorena Piauilino, a empreender. E hoje sabe o que ela faz? cãopcaked. Isso mesmo, um bolinho no formato dos tradicionais e deliciosos cupcakes, só que para cachorros. O negócio começou recentemente, mas a dona da Liz já tem um destino certo para renda que vai ganhar com as guloseimas caninas: pagar a festa de formatura em Medicina.

"A Liz teve um problema hepático e desde então não pôde mais comer ração. O veterinário passou uma dieta natural que incluía legumes, abóbora, ovo...tudo natural. Por coincidência, recentemente, comecei a fazer bolos confeitados pra vender e a Liz sempre ficava olhando...como ela não podia comer, me veio a ideia fazer os cãopcakes e ela adorou", conta a estudante.

Com a aprovação da cadelinha da raça maltês, a universitária resolveu comercializar os cãopcakes e o primeiro grande desafio foi fazer os bolinhos para o aniversário de um ano da Liz.

"No aniversário dela teve bolo confeitado, brigadeiro e também os cãopcakes...Claro que não podia faltar, já que a festa era dela. A partir de então, comecei a vender os bolinhos e decidi que vou guardar toda a renda que ganhar para pagar minha festa de formatura que é em 2020", disse a estudante, que cursa com bolsa integral, o 4º período de Medicina em uma faculdade particular de Teresina.

Lorena explica que os bolinhos são feitos com produtos naturais apropriados para a dieta canina e incluem, entre outros ingredientes, farinha de trigo de integral, linhaça, aveia, legumes, verduras e frutas, além de um complemento vitamínico. A unidade custa R$ 5. 

"Faço os cãopcakes de vários sabores. Quando recebo uma encomenda, sempre pergunto ao cliente qual o sabor que o pet gosta mais. Tem um cãozinho, por exemplo, que adora tomate", disse Lorena. 

 

As encomendas dos cãopcakes podem ser feitas por meio do Instagram Boloterapiaporlorena.

 

[email protected]

Peixe-boi encalhado em Luís Correia vai para Ilha de Itamaracá

  • peixe_boi1.jpg Chico Rasta
  • peixe_boi2.jpg Chico Rasta
  • peixe_boi3.jpg Chico Rasta
  • peixe_boi4.jpg Chico Rasta
  • peixe_boi5.jpg Chico Rasta

Por Graciane Sousa
[email protected]

A história do filhote de peixe-boi que encalhou vivo no litoral piauiense tem mais um capítulo. O 'bebê' embarcou para a Ilha de Itamaracá (PE) onde deve ficar pelos próximos dois anos sob os cuidados do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Aquáticos (CMA/ICMBio). O animal marinho foi encontrado por turistas na Praia de Atalaia, possivelmente, após se perder da mãe. 

A biológia Liliana Souza, responsável pelo projeto Pesca Solidária que realizou o resgate, ressalta que nesse estágio de vida, o animal- que tem menos de um mês de idade- necessita de cuidados bastante específicos e especializados.

"Em um ambiente natural, ele estaria aos cuidados da mãe até completar os dois anos de idade. É um mamífero, então a alimentação dele seria o leite materno, mas infelizmente ele deve ter se desprendido da mãe e por causa da sua inexperiência não conseguiu sobreviver ao mar”, disse Liliana Souza. 

O filhote foi encontrado por turistas, no fim de semana, que tentaram reintroduzi-lo ao mar, mas no dia seguinte, o 'bebê' encalhou novamente e foi resgatado por uma equipe do Pesca Solidária. O animal é fêmea e ainda estava com cordão umbilical, mede 1,28 metro e pesa cerca de 50 kg. 


Com informações Pesca Solidária
[email protected]

Cavalo esfaqueado comove moradores no Grande Dirceu

  • e94d8919-e7e8-42a8-ba16-a23b902aa6fc.jpg Cavalo esfaqueado no peito comove moradores no Novo Horizonte
  • ce4e74ae-2297-4878-8225-9c7400dc9089.jpg Cavalo esfaqueado no peito comove moradores no Novo Horizonte
  • c7e704ab-6f28-41ad-9be3-c84bb031c8b0.jpg Cavalo esfaqueado no peito comove moradores no Novo Horizonte
  • b5ec8866-a01a-41ef-8f85-4d6b44054c4c.jpg Cavalo esfaqueado no peito comove moradores no Novo Horizonte

Maria Romero e Graciane Sousa
[email protected]

Um cavalo- que já foi batizado de Abandonado- apareceu há cerca de uma semana na praça do Novo Horizonte, localizada na rua Jaime Fortes, região do Grande Dirceu, zona Sudeste de Teresina. A situação tem comovido moradores do bairro, porque o animal apresenta um enorme ferimento no peito e há a suspeita de que ele tenha sido esfaqueado. 

"Isso é uma perversidade. Se você não quer ou não gosta, deixa o animal no canto dele. Não faça maldade", disse uma moradora que não quis se identificar. 

Ribamar Ribeiro, supervisor de gráfica, é quem tem cuidado do Abandonado. Ele comprou uma medicação e tem aplicado vários vezes ao dia no ferimento, embora o animal não aceite bem a aproximação. 

"Ele tenta virar de costas e me dar um coice, mas é porque ele deve estar sentindo muita dor. Agora é que ele está melhorando, porque eu não aguento ver isso e estou tentando tratar pra ele ficar bom, usando um antiséptico e cicatrizante", disse Ribeiro. 

O morador conta que é comum aparecer cavalos, jumentos, cães e gatos vítimas de maus-tratos na região. Ele atribui as ações violentas, principalmente, a usuários de entorpecentes. 

"Esse pessoal usa drogas, sai na rua e maltrata o que vê pela frente. Aqui é comum ver cachorro ferido com faca", disse. 

Ribamar informou ainda que vizinhos chegaram a ligar para o Centro de Zoonoses, mas até o momento não obtiveram resposta. 

Apesar do ferimento, o animal está aparentemente saudável, caminha normalmente e está se alimentando e bebendo água sem dificuldades. Não há informações sobre o antigo dono do cavalo. 

 

[email protected]

Perdido da mãe, filhote de peixe-boi encalha em praia de Luís Correia

Por Graciane Sousa
[email protected]

 

Um filhote de peixe-boi encalhou entre as praias de Atalaia e Peito de Moça, em Luís Correia, município do litoral piauiense. O animal estava vivo e foi encontrado por turistas no fim de semana. Liliana Sousa, coordenadora do projeto Pesca Solidária, acredita que a espécie marinha tenha se perdido da mãe e por isso foi parar na praia após ser levado pela correnteza. 

"A gente acredita que a fêmea pariu em alto mar, uma vez que a espécie procura águas mais tranquilas, protegidas por manguezais para dar à luz. A mãe deve ter parido no mar e o filhote acabou se desprendendo, sendo levado pela correnteza e acabou encalhando. Com certeza, a mãe ficou à sua procura", acredita Sousa.

O filhote teria menos de um mês de idade e ainda estava com o cordão umbilical. Por se tratar de um 'bebê', o animal ficará em cativeiro por cerca de dois anos. 

"Ele não sabe procurar alimento e nem nadar ainda. A mãe é que tem esse cuidado parental. Se a mãe não tá, os técnicos têm que fazer o trabalho inteiro até o momento que ele possa se alimentar sozinho para ser reintroduzido no mar. Ter encontrado um filhote vivo foi um registro histórico. Isso nunca aconteceu antes. Já tivemos dois encalhes de animais mortos, mas filhote vivo foi a primeira vez.", disse a coordenadora do projeto. 

Liliana Sousa conta ainda que os próprios turistas reintroduziram o filhote na água, mas ele acabou encalhando novamente, até ser resgatado por uma equipe do projeto. Recentemente, um outro peixe-boi foi encalhou no litoral do Piauí, mas estava morto. A coordenadora do projeto diz que a situação é preocupante e que, cada vez menos, tem se percebido a presença de peixes-bois no estuário de Timonha e Ubatuba ( PI/CE). 

"O encalhe de um filhote triplica essa preocupação e aumenta os esforços para a conservação da espécie. O estuário Timonha e Ubatuba é considerado o mais bem preservado do Brasil e abriga diversas espécies ameaçadas de extinção, mas temos observados fluxo de embarcação de médio e grande porte em uma área considerada prioritária para conservação dessas espécies. Isso pode estar afugentando os animais para áreas mais desprotegidas, que acabam parindo em alto mar, ocasionando o encalhe de seus filhotes por não conseguirem nada", alerta Liliana Souza que orienta como proceder ao encontrar um peixe-boi encalhado vivo ou morto.

Animal vivo

-Se aproxime devagar, com cuidado para não assustá-lo;
-Certifique-se de que o animal esteja respirando e se mexendo;
-Informe imediatamente ao órgão atuante na região;
-Proteja-o do sol, fazendo uma sombra, molhe a pele sempre, tomando cuidado para não cobrir as narinas;
-Cuidado para não jogar água nas narinas, quando estas estiverem abertas;
-Afaste os curiosos. Chame policiais e bombeiros caso necessário;
-Não devolva o animal para o mar;
-Não alimente.

Animal morto

-Aproxime-se e veja se o animal respira ou se mexe;
-Informe imediatamente ao órgão atuante na região;
-Não toque-o;
-Se for captura acidental, leve-o para a praia.

 

[email protected]

Condomínio não pode proibir pet

Quem mora em condomínio sabe muito bem como o assunto pet costuma levantar discussões acaloradas. Se, por um lado, há quem reclame da presença de cães e gatos apenas por implicância, por outro, muitos tutores estimulam essa antipatia, por deixar os animais sozinhos por muito tempo (o que acaba em muito latido e miado), não segurá-los na guia ou deixar de catar o cocô.

Que os tutores devem respeitar as regras, não há dúvidas. O problema é que, por desconhecimento, condomínios acabam criando normas inconstitucionais, se esquecendo que a convenção não pode ferir a legislação. Desse modo, surgem coisas absurdas como proibição de cães no elevador ou nas áreas comuns.

O que todos os condôminos deveriam saber é que obrigar os tutores a levar os cães no colo ou apenas pelas escadas é inconstitucional e se configura como constrangimento ilegal (Art. 146 do Decreto-lei Nº 2.848/40) e maus-tratos (Art. 146 do Decreto-lei Nº 2.848/40). O direito de ir e vir está garantido pela Constituição no Art. 5º, e não há norma de condomínio que possa confrontá-lo. Por outro lado, não custa nada pegar o elevador de serviço e, se entrar alguém, encurtar a guia, para que o pet não chegue perto do vizinho.

Outros erros comuns nos condomínios são regras que determinam que os cães podem circular, mas não “permanecer” nas áreas comuns. Novamente, o Art. 5° da Constituição assegura o direito de ir e vir, e insistir contra essa prática também é constrangimento ilegal. O síndico não pode obrigar ninguém a colocar focinheira nos animais dóceis, independentemente do porte. Esse tipo de norma, comum nas convenções, causa desconforto desnecessário ao cão, e configurando crueldade e crime de maus-tratos (Art. 32 da Lei Nº9.605/98 e art. 3º, I do Decreto Nº24.645/34).

Direitos e deveres

Os tutores não estão livres de deveres, porém. Além de importante para garantir a convivência pacífica, alguns deles estão previstos na lei. Cães agressivos devem usar focinheira (Art. 10 da Lei Nº 4.591/64 e Art. 1.277, Art. 1.335 e Art. 1.336, IV da Lei Nº 10.406/02) e, mesmo se forem dóceis, não podem ficar soltos nem em guias longas, para não atentar contra a segurança dos demais (mesmos artigos que os anteriores).

Nem é preciso lembrar que o tutor deve recolher os dejetos dos animais, em qualquer lugar: seja na rua ou no condomínio. E pega muito mal pedir a um funcionário para fazer isso. Quem sujou limpa.

Implicar com latidos e miados não faz o menor sentido: afinal, esse é o meio de comunicação dos animais. Contudo, quando o barulho é excessivo, isso pode ser sinal de maus-tratos e abandono. Nesse caso, o tutor pode ser acusado de maus-tratos (Art. 32 da Lei Nº9.605/98 e art. 3º, I do Decreto Nº24.645/34).

O que fazer? 

Tente, em primeiro lugar, conversar com os vizinhos e o síndico. Se isso não deu certo, registre ocorrência por constrangimento ilegal (Art. 146 do Decreto-lei Nº 2.848/40) na delegacia mais próxima. No caso de proibição de cães no condomínio, considere entrar com uma ação judicial cautelar em caráter liminar, para garantir a permanência dele. A ação judicial extraordinária desqualifica a decisão do síndico e da assembleia.

Quanto à proibição do cão em elevador, entre com uma ação criminal por maus-tratos (Art. 32 da Lei Nº9.605/98 e art. 3º, I do Decreto Nº24.645/34). Faça o mesmo no caso de obrigação do uso de focinheira.

Se o síndico insistir que o tutor deve carregar animais moradores ou visitantes no colo nas áreas comuns do condomínio, peça indenização por danos morais por constrangimento ilegal (Art. 146 do Decreto-lei Nº 2.848/40).

 

Com informações Blog Mais Bichos
[email protected]

Cão morre após semanas diante de delegacia esperando dono preso

Por Maria Romero
[email protected]

O cão adulto Sem Raça Definida (SRD) que comoveu a todos na cidade de Piripiri (157 km de Teresina), morreu ontem (12) após dias sem comer e apresentando sinais de fraqueza. O animal foi levado por policiais civis ao veterinário, mas não resistiu. Ele estava há cerca de três semanas diante do complexo de delegacias e os policiais acreditam que o cachorro estava aguardando o retorno de seu dono, possivelmente um dos presos no DP.

Segundo os policiais, médicos veterinários informaram que o cão apresentava sinais de depressão e, devido à mudança de rotina, pode ter ficado com o sistema imunológico debilitado.

A principal suspeita é de que o cão tenha contraído a doença do carrapato, que tem cura, mas se não tratada no início pode matar. Os sistomas são principalmente fraqueza e falta de apetite, posteriormente inchaço no abdômen.

O cão chegou ao local junto com alguns presos e nunca mais abandonou a porta. Os policiais acreditam que ele aguarda o dono, mas todos os detidos no Distrito Policial já foram transferidos para o presídio e ninguém sabe quem é o tutor do animal. 

O titular do 2º DP da cidade, delegado Ricardo Oliveira, disse que o cachorro ficava bastante gitado sempre que novos presos chegavam ao complexo. 

"Ele ficava como se estivesse esperando o dono voltar. Nós sabemos que ele chegou com alguns presos, mas todos já foram para o presídio de Esperantina (174 km de Teresina) e não sabemos quem é o dono", informou. 

Os policiais alimentavam e davam água para o animal, na esperança de que ele reencontrasse sua família. Caso o tutor não fosse localizado, ele seria o novo mascote do complexo. 

O cão foi enterrado em local apropriado e os policiais e moradores da região estão bastante comovidos com a partida do cãozinho.

 

[email protected]

Posts anteriores