Cidadeverde.com

Cães e gatos abandonados viram modelos em campanha de conscientização de adoção

  • Untitled-5.jpg Emanoel Lucas e Cleiber Junior
  • db5790c7-7f5b-4c46-8d35-24e65c768c3f.jpg Emanoel Lucas e Cleiber Junior
  • Untitled-1.jpg Emanoel Lucas e Cleiber Junior
  • Untitled-2.jpg Emanoel Lucas e Cleiber Junior
  • Untitled-3.jpg Emanoel Lucas e Cleiber Junior
  • Untitled-4.jpg Emanoel Lucas e Cleiber Junior
  • Untitled-6.jpg Emanoel Lucas e Cleiber Junior

Uma ação solidária desenvolvida por alunos de Publicidade de uma faculdade em Teresina vai ajudar a reescrever um novo capítulo na história de cães e gatos abandonados. A partir das 16h , deste domingo (11), acontecerá uma intervenção embaixo da Ponte Estaiada, na avenida Raul Lopes, com exposição fotográfica, venda de produtos pets e desfile com alguns dos animais resgatados. A idéia é arrecadar fundos para ajudar mais e mais animais que por algum motivo foram parar nas ruas. 

"Esse é um projeto de conclusão do nosso curso e resolvemos fazer  essa campanha para ajudar os animais resgatados pela ONG Protetores de Patinhas que desenvolve um trabalho muito bonito. Eles resgatam os animais, levam para as clínicas, vão para um lar temporário até conseguirem ser adotados. A idéia da gente é dar ainda mais voz ao trabalho desenvolvido por eles e conseguirmos mais voluntários", explica Emanoel Lucas, um dos sete alunos que desenvolveram o projeto. 

Para a campanha, cães e gatos resgatados viraram modelos e  participaram de um make off para ajudar na adoção. 

"O evento terá venda de camisas, broches, as pessoas poderão tirar fotos polaroid... tudo isso pra que a gente possa ajudar essa ONG a desenvolverem o trabalho que fazem com tanto amor", completa Emanoel Lucas.

Atualmente, a ONG Protetores de Patinhas está com 13 animais em lar temporário e dois internados. A dívida nas clínicas com o tratamento dos bichinhos ultrapassa R$ 10 mil.

Correios lança selos sobre pets

Os Correios colocaram em circulação nesta terça-feira (6) a emissão especial “Série América: Animais Domésticos”. A emissão é composta por 30 selos que apresentam as melhores fotos de animais de estimação – pets de funcionários da empresa.

O tema Animais Domésticos foi definido para emissão de selo postal em 2018 pela União Postal das Américas, Espanha e Portugal – UPAEP, da qual os Correios são membro. A empresa realizou um concurso interno com os empregados, que enviaram fotos de seus pets. O resultado foi a seleção dos 30 melhores registros fotográficos.

A série, uma verdadeira amostra do amor que os donos têm por seus pets, é composta por 15 cães, 10 gatos, um coelho, um peixe, uma galinha, um trio de periquitos australianos e uma calopsita. As técnicas utilizadas para a confecção das peças foram fotografia e computação gráfica.

A emissão tem tiragem de 600 mil selos, com valor facial de R$ 1,55 cada. As peças estão disponíveis nas agências do país e também na loja virtual.

Horário de verão causa alterações orgânicas em animais de estimação

A partir da 0h deste domingo, 4, os relógios precisarão ser adiantados em uma hora. Muitas pessoas reclamam por causa da mudança, que pode deixar todo mundo mais sonolento e indisposto por algumas semanas. E não é diferente com os bichinhos.

O nosso organismo demora um pouco para se adaptar. Isso porque uma hora da nossa rotina é "deslocada" e o relógio biológico natural se ajusta de acordo com as atividades cotidianas, principalmente com a luz do dia. O mesmo acontece com nossos animais de estimação.

"Eles estão acostumados a ter uma rotina e a alteração do horário é algo ao qual eles precisam se adaptar. Como consequência, os pets podem se sentir mais sonolentos e com alteração nos horários de se alimentar", explica a veterinária Karina Mussolino, gerente técnica de clínicas da Petz.

Uma dica importante para ajudar seu animalzinho nessa mudança é, aos poucos, alterar os horários de alimentação dele. O mesmo vale para o momento do passeio. Essas medidas poderão evitar comportamentos inadequados e latidos excessivos.

Foto: Marcelo Horn/ GERJ/Fotospúblicas

Não se assuste se o cão ficar mais lento. A preguiça, aquela que também atinge os humanos no horário de verão, o torna mais preguiçoso. Vale a pena, ainda, investir em hidratação, pois as temperaturas começam a aumentar nessa época do ano. Troque sempre a vasilha de água e deixe o cachorro em ambientes frescos

"As pessoas devem ficar atentas se o pet está se alimentando normalmente, se está ingerindo água, se a urina e as fezes estão normais. Os animais desidratam pelo calor excessivo, então a ingestão de água e a alimentação são muito importantes, orienta Karina. Fique atento ao uso de ar condicionado e ventiladores para não provocar problemas respiratórios no animal.

Há uma lista de cuidados básicos e que já podem ser colocados em prática agora, aproveitando o horário de verão, para a estação mais quente do ano que se aproxima:

Foto: SECOMSP/Fotospúblicas


  • - Foque na hidratação, sempre com água fresca e disponível para o cão;
  • - Evite passear e realizar atividades físicas em horários mais quentes, ou seja, das 10h às 16h;
  • - Fique atento à temperatura do asfalto antes de começar a caminhar com o cachorro, pois ele pode queimar as patinhas;
  • - Fazer pausas durante o passeio sempre é bom. Uma dica é, em dias mais quentes, borrifar um pouco de água no pelo;
  • - Existe protetor solar específico para pets para ser usado no focinho, extremidades das orelhas e barriga. O produto evita câncer de pele;
  • - Atenção para picadas de insetos, pulgas e carrapatos, pois as altas temperaturas formam um ambiente ideal para a proliferação deles;
  • - Para quem vai ao litoral, é preciso fazer a prevenção contra dirofilariose. Um vermífugo, ministrado pelo veterinário, deve ajudar;
  • - A carteira de vacinação precisa estar em dia.


Fonte: Estadão Conteúdo 

Campanha contra a raiva começa sábado (03); veja postos de vacinação

(Foto: Divulgação/PMT)

Começa no próximo sábado (03) a Campanha de Vacinação contra a Raiva em Teresina. Nesta primeira etapa, que abrange as zonas Norte e Leste da capital, 133 postos de vacinação estarão disponíveis para a imunização de cães e gatos a partir dos três meses de idade.

Assim como foi feito no ano passado, os dias foram divididos por questões de logística, sendo que as zonas Sul e Sudeste serão contempladas no sábado seguinte (10). “Queremos dizer à população que terão postos próximos às suas residências, como todos os anos”, afirma Oriana Bezerra, gerente de Zoonoses da Fundação Municipal de Saúde (FMS).

A gerente de Zoonoses pede que pessoas com capacidade de conter os animais levem os mesmos para a vacina. “Percebemos que muitas crianças levam os animais e elas não têm força para conter o animal na hora da vacina, além de idosos sem condição física para segurar um animal de médio e grande porte, por isso fazemos essa ressalva”, esclarece.

Oriana, que também é veterinária, pede ainda que seja dada preferência aos horários em que o sol não esteja muito quente, para evitar estresse nos cães e gatos. “Existem muitos animais que não realizam nenhuma atividade física e que estão acima do peso, então se os donos o levarem caminhando ao meio dia para se vacinar e voltar imediatamente, ele pode ser prejudicado”.

Os postos de vacinação começam a funcionar às 8h e ficam abertos até às 17h. Na Campanha de Vacinação Antirrábica de 2017 foi imunizado um total de 122.446 animais. “Explicando ainda que a vacina é importante, pois protege, além do animal, os seres humanos que convivem com eles”, finaliza Oriana.

clique aqui para ver a lista com os locais de vacinação

Raiva

A raiva é um vírus, sendo uma zoonose, ou seja, é transmitida do animal para o homem. Tem uma alta taxa de mortalidade, chegando a alcançar quase 100%. O homem é um hospedeiro acidental na cadeia infecciosa, como o são, até certo ponto, os animais domésticos (cão e gato), sendo o grande reservatório natural representado por animais silvestres.

Esse vírus é transmitido através de mordidas e arranhaduras de mamíferos já contaminados. Na maioria dos casos a transmissão ocorre através de cães e gatos, pois são animais de companhia que possuem maior convívio com os humanos. Porém, além do cão e do gato, outros animais contaminados também podem transmitir, como os furões, raposas, coiotes, guaxinins, gambás e morcegos.

O último caso de raiva em ser humano em Teresina foi em 1986. O último caso de raiva canina foi em 2011, em um cão proveniente do interior do estado, cujo proprietário é residente de Teresina.

Após um mês, ursa Rowena entra na piscina de novo recinto

Finalmente, a ursa Rowena inaugurou a piscina do seu novo lar no Santuário Ecológico Rancho dos Gnomos, situado entre os estados de São Paulo e Minas Gerais. O momento ocorreu neste domingo (21), exatamente, após um mês da transferência do animal do Piauí. 

A entrada da ursinha na água foi registrada em vídeo e vem sendo amplamente repercutida nas redes sociais. No primeiro contato, Rowena [ que ficou conhecida no mundo todo como Marsha] não chegou a mergulhar na piscina, apenas alguns passos foram suficientes. Mesmo assim, o momento tem merecido muitos likes e comentários no Instagram. Famosos também festejaram!

Além da piscina com cascata, a nova moradia de Rowena tem tocas, rampas e fica em meio a vegetação.

(Foto: Instagram/ Rancho dos Gnomos)

A ursa teve uma história marcada por sofrimento após ser explorada por mais de uma década em um circo. A situação dela começou a melhorar após o resgate para o Parque Estadual Zoobotânico em Teresina, onde era bem cuidada. Contudo, as altas temperaturas do estado mobilizaram ativistas e internautas de todo o mundo que conseguiram a transferência da ursinha.

 

 

Mitos e verdades sobre os cuidados com os pets no B-R-O bró

Por Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

(Foto: Reprodução Internet)

De setembro a dezembro, período conhecido como B-R-O nró, época mais quente do ano no Piauí, o calor castiga os humanos e você já parou para pensar como nossos pets também são afetados? por terem o corpo mais próximo ao chão, os bichinhos de estimação sentem muito mais calor e os tutores devem redobrar os cuidados. 

"A nossa área de absorção é nos pés. No caso dos cães, o corpo todo fica próximo do chão, o que faz com que eles sintam mais calor, explica o veterinário Selmar Moreira.

Especialista em clínica médica e cirúrgica de pequenos animais, ele diz que algumas atitudes, como por exemplo dar água muito gelada e molhar muitas vezes o cão, trazem inúmeros riscos. 

"Neste período é comum molhar o animal para refrescar, mas o excesso de umidade pode provocar problemas de pele. Se o animal for molhado, que tome um banho e seja secado de forma adequada. Os banhos não devem ser exagerados, apenas um vez por semana ou uma vez a cada 15 dias, como forma higiênica, a não ser que seja orientação do veterinário em algum tratamento", orienta o veterinário.

Hidratar bem o cão é uma dica que vale para todo mundo. O cuidado que se deve ter é com a temperatura da água que não pode ser muito gelada. 

"Existe um mito de que, porque o animal gosta de água gelada, deve-se dar. Mas quando o animal cria o hábito de beber água gelada, ele passa sede, porque ele vai lá para beber e se não está gelada, não toma. Além disso, sabemos que no Piauí a água não se mantém gelada por muito tempo", explica Moreira. 

Sobre a hidratação, os tutores devem manter as vasilhas sempre limpas e com água fresca, em um local longe da irradiação solar.

 

MAIS DICAS

Nunca deixar o animal dentro do carro

"Não só agora, mas em qualquer época do ano. O animal tem tendência muito grande em ter hipertermia, aumento da temperatura corpórea, porque perde calor com muita dificuldade, pois não tem glândulas sudoríparas, ou seja, não transpira pelo corpo. Então, ele tem muita dificuldade em perder calor. Por isso, animais colocados dentro de carros em Teresina, em qualquer época do ano, sempre correm risco de morte", acrescenta o veterinário.

Passeios

"Sempre de manhãzinha ou bem à noite depois das 19h ou 20h. No Piauí, embora o sol tenha ido embora, o chão fica quente por um longo período de tempo. Evitar andar com o animal no asfalto quente, pois isso provoca problema de pele e hipertermia também, principalmente, nos cães braquicefálicos, aqueles que têm o focinho achatado e o pescoço mais curto. Eles têm uma deficiência respiratória muito grande. O cão troca calor com o ambiente através da respiração. Então é imporante que eles fiquem em um ambiente o mais refrigerado possível", acrescenta o veterinário que orienta que os tutores a levarem uma garrafinha de água para hidratar o animal sempre que necessário.

Evitar roupinhas

"No Nordeste é calor o tempo todo e as roupinhas devem ser usadas com cautela. Se for usar roupas têm que ser leves e confortáveis", alerta Moreira. 

Apare o pelo do pet

"No cão de pelo longo, o ideal é que corte mais baixo. A maioria dos donos não gosta de cortar o pelo do animal, porque acham bonito, mas seria o ideal nesse período mais quente, pois daí o cão fica mais arejado, conseguir receber um frescor maior", finaliza o especialista em clínica médica e cirúrgica de pequenos animais. 

Após ursa Marsha, irmão que vive no Ceará deve ser resgatado

Por Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Após repercussão da transferência da ursa Marsha, dois ursos devem ser resgatados de um zoológico no Ceará, estado onde as temperaturas também são elevadas. Um deles, batizado de Dimas, é irmão da ursinha que vivia em Teresina-PI. Ambos foram resgatados de um circo após maus-tratos.

Pelas redes sociais, a ativista Luisa Mell publicou alguns vídeos da campanha para a transferência do urso ao santuário Rancho dos Gnomos onde vive a irmã. 

"Amigos, chegou a hora de trabalharmos para trazer o irmão da Ursa Marcha, o Dimas, que vive no calor do Ceará em um zoológico. Como ela, sua vida sempre foi de exploração e abusos e a ideia é colocar os dois em recintos colados e com o tempo, tentar fazer eles viverem juntos! Ontem mesmo, o @ranchodosgnomos e o @institutoluisamell já começaram a planejar e vamos iniciar a construção do recinto dele ainda essa semana. Teremos um novo caminho repleto de batalhas, mas não vamos desistir. Eles merecem viver bem e juntos! Aguardem novidades!", publicou a ativista. 

Os custos para a construção do recinto de Dimas giram em torno de R$ 300 mil. Além disso há entraves políticos e judiciais para a transferência do animal. 

"O @institutoluisamell está assumindo toda a logística financeira da operação e o @ranchodosgnomos , todo o suporte logístico, além é claro, do espaço. Preciso que vocês ajudem, doando qualquer valor para podermos salvá-los. Por menor que pareça, fará toda a diferença na vida deles! Faça parte dessa história conosco", publicou Luisa Mell. 

A campanha pelas redes sociais usa a hastag  #SalveDimasKatia

Piauí pode ter primeiro modelo de zoológico transitório no país

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

(Foto: Reprodução/Facebook)

 

O Piauí abre a chance de ter o primeiro modelo de zoológico transitório no país. A ideia vem ganhando força, principalmente, após a transferência da ursa Marsha [rebatizada de Rowena], que foi levada a um santuário em São Paulo devido as altas temperaturas no estado. 

No próximo dia 19, a presidente da Confederação Brasileira de Proteção Animal (CBPA), Carolina Mourão, virá novamente ao Piauí discutir o assunto no Palácio de Karnak. O tema, inclusive, é objeto de um projeto de lei no Congresso Nacional. 

"A ideia é deixar para trás essa idéia de coleção de animais exóticos e utilizar esses espaços urbanos como local transitório de atendimento e acolhimento de animais resgatados pelo Ibama e polícia das mãos de traficantes, animais atropelados nas estradas, vítimas de incêndio e maus-tratos em ambientes domésticos onde eles são mantidos ilegalmente", defende Carolina Mourão.

(Foto: Reprodução/Facebook)

A ativista explica que a proposta é que os animais exóticos do Parque Estadual Zoobotânico como leões, por exemplo, sejam doados. Assim, o local abrigaria apenas animais silvestres da fauna nacional. 

(Foto: Reprodução/Facebook)

"Queremos a extinção da fauna exótica, suspensão da troca e renovação de fauna exótica e prenhez desses animais para que eles sejam aos poucos retirados, sem renovação, abrindo espaço para animais da nossa fauna silvestre, necessitada de abrigo e cuidados ambulatoriais para a reinserção na natureza ou soltura", explica a ativista. 

No Piauí, Carolina Mourão receberá uma comenda do Governo do Estado por ser uma das grandes incentivadoras da transferência de Marsha.

"Vou retornar ao Piauí para receber essa honraria. Eu e todos nós do movimento animal no Brasil estamos muito honrados por esse enorme reconhecimento que faz com que o Piauí se projete e possa ser pioneiro em transformar seu zoológico em um local de transição, de utilização que é o que estamos propondo no Congresso Nacional", comemora a presidente da CBPA.

Conheça o recinto construído em São Paulo para a ursa Marsha

O dia foi de descoberta para a ursa Marsha que desembarcou em São Paulo durante a madrugada deste sábado (22) e durante a manhã conheceu seu novo lar situado no Santuário Ecológico Rancho dos Gnomos, que fica entre os estados de São Paulo e Minas Gerais. 

O recinto foi construído pelo Instituto Luisa Mell. Pelo instagram, a ativista mostrou a nova casa da ursa que também mudou de nome e passa a se chamar Rowena, que sginifica luz. 

A nova moradia da ursa é bastante ampla, fica em meio a vegetação e inclui tocas, piscina de 1,5 metros de profundidade e capacidade para 36 mil de água, além de uma cascata. 

A reação de Rowena ao chegar ao local foi de desconfiança. Os primeiros passos foram tímidos, mas foram apenas alguns minutos para que ela explorasse todo o ambiente. Os responsáveis pelo santuário também espalharam mel pelo recinto para ajudar na familiarização.

Marsha, como ficou conhecida em todo o país e também no exterior, foi transferida do Parque Estadual Zoobotânico em Teresina, nesta sexta-feira (21). No Piauí, a ursa morou por sete anos e era bem tratada, acompanhada por veterinários e com alimentação balanceada com frutas, legumes e carne uma vez por semana. No zoológico também havia sido construído um sistema com aspersores e uma piscina para tentar amenizar o calor. 

Contudo, as altas temperaturas em Teresina, principalmente durante o segundo semestre quando os termômetros registram mais de 40° C, eram incompatíveis com Marsha, uma ursa parda, natural de países frios como o Canadá e o norte dos Estados Unidos. Esse foi o motivo determinante para a transferência.

Em Teresina, Marsha chegou em 2011 após ser resgatada de um circo onde efoi submetida a maus-tratos pro cerca de 25 anos.


Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Ursa Marsha chega a São Paulo e passa a se chamar “Rowena”

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Chegamos em São Paulo!!!????????????????A viagem foi ótima!! Gente foi impressionante o comportamento dela! Lá no Piauí devido ao calor@ela estava estressada, o tempo todo com a boca aberta... já no ar condicionado do avião e aqui no tempo mais fresco de SP se acalmou, dormiu durante a viagem!! Agora rumo a Joanópolis! Amanhã cedinho ela irá para o lindo recinto que o @institutoluisamell com a ajuda de vcs construiu!! Que emoção! Obrigada pelas lindas mensagens! Obrigada a população do Piaui por tanto carinho conosco e com a Marsha! Obrigada a Porto Seguro pelo apoio e transporte terrestre e a @fab_oficial pelo transporte aéreo!!

Uma publicação compartilhada por Luisa mell (@luisamell) em

A ursa Marsha já está longe das altas temperaturas do B-R-O-Bró piauiense. Na noite dessa sexta-feira (21) a ativista Luísa Mell postou em seu instagram uma foto da chegada do animal na cidade de São Paulo.

Luísa Mell, uma das idealizadoras da mobilização de transferência da ursa do Zoobotânico de Teresina para o santuário Rancho dos Gnomos (SP), afirmou nas redes sociais que a viagem de Masha foi tranquila. 

“Foi impressionante o comportamento dela. Lá no Piauí, devido ao calor, ela estava estressada o tempo todo e com a boca aberta. Já no ar condicionado do avião e aqui no tempo mais fresco de São Paulo ela se acalmou e dormiu durante a viagem”, postou Luísa Mell. 

A ursa viajou para São Paulo em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) composto por uma equipe de biólogos, veterinários e ativistas.  A operação contou com adaptações à jaula e climatização.

A vereadora de Teresina e ativista ambiental Teresa Britto divulgou na manhã deste sábado (22) que Marsha mudará de nome quando chegar ao santuário. A informação é de uma das fundadoras do Rancho dos Gnomos, Silvia Pompeu.

 “O nome dela, a partir de agora, é Rowena. Não se chama mais Marsha porque estamos oferecendo a ela uma vida nova. Uma nova etapa”, afirma Silvia Pompeu.

Silvia Pompeu lembrou que o principal motivo para a transferência da Marsha era a inadequação da temperatura muito quente de Teresina para uma ursa. 

A tentativa de  transferência de Marsha para SP iniciou em 2017 com uma petição na internet que reuniu mais de 3.000 assinaturas.  A ursa começou a morar  no Parque Zoobotânico de Teresina após ter sido resgatada de um circo na cidade de Manaus, Amazonas. 

 


Izabella Pimentel
redacao@cidadeverde.com 

Posts anteriores