Cidadeverde.com

Será que o homem já foi à Lua?

Em 20 de julho de 2019 completaram-se exatos 50 anos que o Homem pisou no solo da Lua. Uma aventura fantástica, considerando a tecnologia que existia para época. A missão Apollo 11 formada pelos Astronautas Neil Armstrong, Buzz Aldrin e Michael Collins, usou o foguete Saturno V SA-506, o módulo de comando Columbia, comandado por Collins e módulo lunar Eagle, que conduziu Aldrin e Armstrong até a superfície do nosso único satélite natural.

Eu tinha um ano e pouco de idade e por isso nem tenho como tentar lembrar de algo. Mas a história do pouso na Lua e as missões que a sucederam influenciaram não somente a minha infância, mas a de boa parte dos nascidos no período em que a Terra mandava visitantes lunares regularmente [um dos meus brinquedos favoritos era uma astronauta que andava numa espécie de triciclo (“veículo lunar”), cujas pilhas ficavam nas costas do astronauta. Uma espécie de Buzz lightyear da década de 1970].

Ao todo 12 homens tiveram o privilégio de pisar no solo lunar, coletar amostras e fazer pequenos experimentos, de um total de seis missões bem-sucedidas para o pouso na Lua: Apollo 11, 12, 14, 15, 16 e 17. A missão Apollo 17 encerrou em dezembro de 1972. Todas as missões à lua aconteceram na gestão de um único presidente dos EUA: Richard Nixon. O vídeo a seguir mostra as imagens de Neil Armstrong pondo os pés na lua pela primeira vez. Veja:

Sempre me perguntei porque o homem foi várias vezes à lua quando eu era um bebê e a tecnologia avançando cada vez mais e ninguém se aventurou em continuar com a façanha? Pelo que li a conquista à Lua foi muito mais para provar que os norte-americanos eram mais preparados tecnologicamente do que qualquer outra nação. Uma queda de braço, especialmente com os russos que em 1961 tinham conseguido mandar o cosmonauta Iuri Gagarin que passou 108 minutos em órbita em torno da Terra e se admirou com a beleza azul de nosso planeta.

As pessoas que escreviam sobre ficção científica já apostavam que no ano 2000 teríamos voos frequentes entre Terra e Lua, ou até mesmo outros planetas. E o que aconteceu? As dezenas de teorias da conspiração defendem que o homem nunca foi à lua.

É estranho que de fato apenas no Governo Nixon os programas espaciais norte americanos tenham se voltado para outras aventuras espaciais e tenham deixado de lado a lua. Na verdade, a lua parece não ter os atrativos imaginados, pelo menos é no que acredito. Mas os patronos das teorias da conspiração falam que existem várias evidências de que o homem nunca tenha pisado de fato na lua, e que Hollywood, através de Stanley Kubrick, o diretor de 2001, Uma odisseia no espaço, “dirigiu” os pousos lunares em alguma parte das regiões desérticas dos EUA.

Vejamos algumas destas “evidências”:

1) Existem estudos baseados nas imagens que foram fotografadas na lua. Segundo os defensores da ideia (e isto eu já vi em algumas imagens da NASA), as sombras dos astronautas e dos equipamentos apontam para diferentes direções, demonstrando a existência de fontes de iluminação diferentes. A princípio todas das sombras deveriam apontar para a mesma direção porque na lua a única fonte de luminosidade é o sol;

2) Há uma foto clássica da bandeira norte americana tremulando. Se na lua não tem atmosfera, lá também não tem vento. Por que a bandeira ficou tremulando?

3) Há uma foto clássica da pegada do astronauta registrada no solo lunar. Se na lua não tem água, como pode ter formado uma pegada em alto relevo, como a que fica quando pisamos na lama (se na lua não tem água, logo não tem lama)?

4) As fotografias que estão disponíveis tiradas na lua durante as missões também são outro ponto de concordância entre os céticos: como nos anos 1970 não existiam câmeras digitais todas as fotos foram registradas em filmes fotográficos. Ocorre que, de acordo com a fabricante dos filmes na época, não existiam filmes que suportassem a variação de temperaturas de saída e reentrada da atmosfera. Os filmes não teriam resistido e as imagens teriam sido danificadas.

Assista o vídeo a seguir e tire suas próprias conclusões:

 

Pelo sim, pelo não prefiro acreditar que a nossa engenhosidade vai um pouco além do ceticismo e da criatividade de alguns. Creio que a lua já foi objeto da nossa conquista. Talvez a falta de atributos rentáveis que pudessem custear novas missões tenha sido o principal fator que suspendeu as contínuas viagens espaciais. Torço para que tenha sido uma grande verdade com lacunas mal explicadas.

Boa semana para todos (as). E viva a Lua!!!