Cidadeverde.com

STEAM revoluciona a forma de aprender

Uma unanimidade entre os pais é o conjunto de incertezas que pairam sobre o futuro de seus filhos. No nascimento já ficamos preocupados com as doenças, com os relacionamentos, com o desempenho escolar e, consequentemente com o “que você vai ser quando crescer”. Estas não são preocupações de um, mas de todos os pais, indistintamente.

Para trilhar um bom caminho, sempre buscamos o melhor: uma alimentação saudável, visitas regulares ao médico, uma higiene impecável, cumprimento do calendário de vacinas, por exemplo, são cuidados que previnem problemas na saúde. Proporcionar uma infância feliz, dispensando atenção e cuidados, aliado com atividades que desenvolvam os aspectos físicos, emocionais, a autoconfiança, o bem-estar, reforçam os laços parentais e fortalecem os aspectos cognitivos. Fatores essenciais para o sucesso no desempenho escolar e, consequentemente para as escolhas sólidas que definem o “ser quando crescer”.

Como um dos elementos mais preocupantes, a educação é para os pais um conjunto de incertezas. A escolha da escola, a seleção dos materiais escolares, o acompanhamento escolar, a seleção do que a criança vai ler, as brincadeiras e os jogos educativos estão entre as milhares de alternativas que os pais tem disponíveis. Mas e o que escolher?

Uma das preocupações dos educadores em nível mundial é capacitar crianças para resolver problemas. Esta premissa seria a alternativa mais viável para que a educação do presente consiga formar os adultos do futuro. Especialmente em um cenário onde o mundo do trabalho está mudando. Estudos do Fórum Mundial Econômico desenharam um cenário preocupante para quem está entrando hoje na escola: muitos dos estudantes de hoje ocuparão empregos que ainda não existem no presente. Além disso, milhões de ocupações atuais desaparecerão, com a perspectiva da automação e do desenvolvimento da quarta revolução industrial que utiliza novas tecnologias. Como a escola e os pais devem agir neste cenário de tantas incertezas?

A educação tem avançado na perspectiva de moldar novos perfis de seus estudantes. Atividades inovadoras com nomes esquisitos como Brainwriting, Peer instruction, Design Thinking, Storytelling, Corrida gamificada etc. estão entre as estratégias que as escolas estão lançando mão para melhorar o processo de aprendizagem de seus estudantes. Uma destas estratégias é o método STEAM. STEAM é o acrônimo formado pelas iniciais de Ciências (S de Science, no inglês), Tecnologia, Engenharia Arte e Matemática.

Crédito: Ana Flávia Soares.

Surgida na década de 1990 nos Estados Unidos com a finalidade de formar mão de obra qualificada, ainda sem o envolvimento da Arte (chamava-se STEM e nós já escrevemos sobre isso aqui), o STEAM se coloca como um meio de propiciar às crianças um jeito de aprender conceitos científicos, desenvolver o raciocínio matemático usando atividades próprias da Engenharia, recursos da Tecnologia e a Arte e o Design como meios de fortalecer a confiança e o aprendizado.

Crédito: Ana Flavia Soares.

A ideia do experimentar, do fazer, do testar fortalece a cognição por vários canais como a visão, a audição, o tato, o olfato etc. É diferente de uma aula apenas falada. É completamente diferente de ver apenas o professor escrevendo na lousa, assim como se faz há vários séculos.

Construir como um engenheiro, atuar como um tecnólogo com a sensibilidade de um artista ajuda, com toda certeza, a formar um adulto preparado para tantas incertezas do futuro. Vamos acompanhando estas mudanças.

Uma boa semana para todos (as)